Quais os riscos da toxoplasmose na gravidez?

A toxoplasmose é uma doença infecciosa provocada pelo Toxoplasma gongii, um protozoário existente na carne crua ou mal passada, na areia contaminada e nas fezes dos animais, principalmente dos gatos. É uma doença que muitas vezes não revela sintomas na mãe, porém é muito prejudicial para o bebê.

Se a infecção acontecer durante a gestação, a mãe pode apresentar os seguintes sintomas, ou permanecer sem sentir nada:

  • febre;
  • calafrios;
  • ínguas pelo corpo (caroços dolorosos);
  • dor generalizada nos músculos;
  • aumento do fígado.

Os riscos da infecção pelo Toxoplasma na gestação, especialmente se adquirida durante o primeiro trimestre, são a ocorrência de:

  • aborto espontâneo;
  • hidrocefalia (acúmulo de "água" no crânio do bebê);
  • retardo mental;
  • calcificações no cérebro;
  • lesões oculares (coriorretinite);
  • cegueira;
  • surdez;
  • convulsões;
  • atraso do desenvolvimento.

Pelo risco de complicações graves, a sorologia para a toxoplasmose deve ser pedida no pré-natal de toda gestante. O diagnóstico é baseado na coleta de uma amostra de sangue para a sorologia (IgM e IgG). A positividade isolada da IgG indica infecção antiga, e a mãe possui anticorpos. Se houver positividade isolada da IgM, é indício de infecção aguda e a gestante deve iniciar tratamento imediatamente para toxoplasmose. Se houver dupla positividade (IgG e IgM), é necessário proceder com a determinação da avidez da IgG, para inferir o tempo de contato com o parasita. Em algumas ocasiões será necessário tratamento.

O tratamento é feito com a espiramicina, no primeiro trimestre de gestação, ou a combinação de sulfadiazina, pirimetamina e ácido folínico no segundo e terceiro trimestre de gestação. Para determinar se o bebê foi contaminado, é necessária a coleta de sangue do cordão umbilical (cordocentese), que só pode ser realizado após 18 semanas de gestação. No caso do bebê já estar infectado, o tratamento só deve começar depois do seu nascimento. O tratamento, se iniciado precocemente e realizado de forma correta, pode impedir a toxoplasmose congênita. Contudo, se o bebê já tiver tido contato com o parasita, pode nascer com graves sequelas.

Os cuidados para evitar toxoplasmose na gravidez caso a mulher não seja imune à doença, são os seguintes:

  • Cozinhar bem a carne e lavar cuidadosamente as mãos;
  • Lavar bem legumes e frutas;
  • Lavar as mãos após contato com gatos;
  • Evitar contato com gatos abandonados;
  • Evitar contato com fezes de gatos e sempre usar luvas ao manipulá-los;
  • Usar luvas para lidar com a terra;
  • Evitar consumo de carne crua, especialmente de porco e carneiro.

É imprescindível a realização de pré-natal durante a gestação. Se você suspeitar que está grávida, deve procurar imediatamente um médico obstetra para iniciar o pré-natal.