Saliva em excesso, o que pode ser?

Saliva em excesso pode ser causada por distúrbios variados que influenciam tanto no aumento da sua produção, quanto na dificuldade para ser engolida. Principalmente nos primeiros meses de gravidez, pode ocorrer a salivação excessiva, ptialismo ou sialorreia. Esse sintoma está relacionado à presença de náuseas e vômitos que, provavelmente, levam a gestante à dificuldades para engolir a saliva, e que desaparece no decorrer da gestação, com a melhora dos enjoos. A sua causa não está bem esclarecida, podendo ser originada por motivos psicológicos ou hormonais.

A saliva é produzida para auxiliar a digestão dos alimentos. As glândulas salivares, que estão localizadas próximas à boca, produzem e eliminam a saliva conforme a necessidade para a digestão, porém isso pode ser alterado na presença de: inflamações na boca, estomatites, dentes nascendo ou mal adaptados à boca (próteses, dentaduras), refluxo gastroesofágico, infecção na garganta, uso de medicações como o Clonazepan, Ketamina, Clozapine e Cloreto de potássio, infecção no pâncreas, distúrbios no fígado e intoxicações.

Algumas causas mais frequentes para a dificuldade para engolir e manter a saliva na boca:

  • sinusites crônicas e agudas,
  • amigdalites e infecções na garganta,
  • alergias,
  • adenoides aumentadas de tamanho,
  • tumores ou outros distúrbios que possam afetar os movimentos dos lábios e da língua,
  • ​distúrbios no sistema nervoso que afetem a capacidade para engolir (deglutição).

A salivação excessiva deve ser tratada segundo sua causa e o clínico geral é o médico indicado para a avaliação inicial do problema.