Amígdalas

Amigdalite caseosa tem cura? Qual o tratamento?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

A amigdalite crônica caseosa tem cura, e o tratamento pode ser clínico ou cirúrgico (idealmente cirúrgico). 

No tratamento clínico, gargarejos com soluções higiênicas ou uma excelente higiene bucal podem atenuar o problema, mas não o solucionam. Anti-inflamatórios vão minimizar os sintomas, mas também não são a cura definitiva. Ficar mexendo nas amígdalas tentando tirar o caseum pode piorar ainda mais a situação: não vai resolver o problema e pode causar infecções. Depois de confirmado o diagnóstico, a remoção das amígdalas é o único jeito de resolver a situação de forma definitiva.

A indicação da cirurgia é feita pelo próprio paciente. A cirurgia não é obrigatória se o incômodo não for muito grande para o paciente. Se, no entanto, paciente quiser realmente resolver o problema porque o incômodo já é considerável, a orientação será a realização de amigdalectomia (retirada das amígdalas).

A amigdalectomia pode ser realizada de forma convencional ou assistida por laser. Tais procedimentos, embora façam parte da rotina cirúrgica em otorrinolaringologia, não são isentos de riscos, tanto sob o ponto de vista anestésico quanto cirúrgico propriamente dito, em especial os sangramentos.

Em caso de suspeita de amigdalite caseosa, um médico (preferencialmente um otorrinolaringologista) deverá ser consultado para confirmação diagnóstica, orientação e tratamento adequados.

Tenho uma amígdala maior que a outra
Dr. Charles Schwambach

Estes são sintomas de uma pessoa que sofre de amidalite crônica (amídalas grandes, geralmente uma maior que a outra; vários episódios de inflamação na garganta e produção de secreção dura e com mal cheiro das amídalas). Um adulto para se livrar destes problemas de garganta só tem duas coisas para fazer: cirurgia (retira as amídalas e elas não incomodam mais) ou homeopatia (em alguns casos consegue um bom controle).

O que causa inflamação nas amígdalas e qual o tratamento?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

A amigdalite (inflamação nas amígdalas) é uma doença infecciosa que atinge as amídalas, órgãos de defesa contra infecções. Pode ser causada principalmente por vírus (mais frequentemente em crianças de até três anos) e bactérias (jovens e adultos) ou uma associação dos dois agentes. Também pode ser causada por alérgenos, queda de pH que leva à irritação da mucosa das amígdalas (refluxo gastroesofágico), irritação causada por fumaça de cigarros ou álcool, frio e baixa umidade do ar.

Tratamento para Amigdalite

O tratamento das amigdalites bacterianas é feito com antibióticos específicos, e deve ser feito religiosamente nos horários corretos prescritos pelo médico e até o final. Suspender a medicação assim que desaparecem os sintomas (geralmente após 48 horas do início do tratamento) pode provocar complicações graves (febre reumática, escarlatina, glomerulonefrite pós-estreptocóccica, psoríase gutata), porque a bactéria ainda permanece ativa no organismo e pode tornar-se resistente àquele antibiótico. As amigdalite virais só precisam de tratamento sintomático, com analgésicos e anti-inflamatórios.

Se a amigdalite for crônica, outras causas devem ser pesquisadas para descobrir a razão da inflamação e buscar o tratamento adequado. A remoção cirúrgica das amígdalas (amigdalectomia ou tonsilectomia) só é indicada em casos específicos que não respondem ao tratamento clínico, causam grande incômodo ao paciente (caso da amigdalite caseosa) e/ou se repetem várias vezes ao ano, as chamadas amigdalites de repetição.

Sintomas da Amigdalite

Os sintomas mais comuns são febre, dor de garganta, dores no corpo, falta de apetite, halitose (mau hálito), cefaleias, prostração, dificuldade para engolir e, às vezes, inchaço dos gânglios do pescoço e da mandíbula, que têm a função de evitar a propagação da doença pelo organismo. É importante observar os sintomas para não os confundir com os de outras doenças como gripe e mononucleose.

Diagnóstico

O diagnóstico é simples, feito no exame físico da cavidade oral (oroscopia). É possível diferenciar a amidalite causada por vírus da bacteriana: nas amidalites bacterianas há inflamação importante nas amídalas, com edema e vermelhidão bastante visíveis e associada ao aparecimento de placas de pus na garganta e amígdalas. Nas amigdalites virais, a infecção é mais branda, atinge preferencialmente a região da orofaringe (amídalas e faringe) e não há presença de pus (com exceção do vírus Epstein-Barr - que causa a mononucleose infecciosa).

Recomendações e Prevenção
  • Evite o tabagismo. Fumantes ativos e passivos estão mais propensos às infecções das amígdalas;
  • Evite ambientes com ar-condicionado, que resseca as mucosas e diminui a resistência das amígdalas;
  • Em amigdalites de repetição, é importante afastar a hipótese de refluxo gastroesofágico, responsável pela mudança no pH da garganta e que pode facilitar o surgimento de inflamações;
  • Prefira ingerir bebidas mornas, sopas e alimentos macios, uma vez que são mais tolerados durante as crises;
  • Tome muito líquido para hidratar as mucosas;
  • Não deixe de tomar os remédios prescritos pelo médico mesmo após os sintomas da amidalite bacteriana desaparecerem para evitar complicações da doença;
  • Nunca se automedique. Medicamentos usados sem indicação precisa podem favorecer o aparecimento de bactérias resistentes.

​​Em caso de suspeita de amigdalite, um médico (preferencialmente um otorrinolaringologista) deverá ser consultado para confirmação diagnóstica, orientação e tratamento adequados, caso a caso.

Para que servem as amígdalas?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

As amígdalas (tonsilas palatinas) têm como função principal a produção de anticorpos para o combate aos micro-organismos causadores de doenças, agindo, dessa forma, como grandes aliadas do sistema imunológico. São extremamente ricas em linfócitos (células que atuam na defesa do organismo) e estão localizadas em uma posição estratégica (entre a boca, o nariz e a garganta). Portanto, as amígdalas entram em contato direto com os micro-organismos que invadem o organismo pelo ar ou pelos alimentos.

Ao desenvolver anticorpos para combater micro-organismos específicos, torna o corpo capaz de conseguir se defender rapidamente e crie imunidade caso seja atacado pelo mesmo vírus ou bactéria numa próxima vez. Trata-se de um órgão de defesa de extrema importância no corpo humano, uma das primeiras barreiras de nosso organismo contra agressões do sistema ambiente.​

Por causa da sua localização privilegiada, porém ao mesmo tempo vulnerável, as amígdalas são contaminadas com frequência e inflamações e infecções são bastante comuns, principalmente nas crianças. Durante muito tempo, acreditava-se que as amígdalas não tinham função no organismo e por isso, os médicos recomendavam a sua retirada por meio de uma cirurgia simples (amigdalectomia). Hoje, sabendo da função imunológica das nossas tonsilas palatinas, a sua retirada só é recomendada em casos mais graves, quando elas são muito grandes (hiperplasia) e atrapalham a respiração e alimentação, halitose crônica ou infecções bacterianas agudas e muito frequentes.

Estou com a amígdala direita maior que a esquerda...
Dr. Charles Schwambach

Quase todos temas amígdalas de tamanhos diferentes, se está preocupada vá ao médico para ser examinada.

O que é amigdalite caseosa?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

A amidalite crônica caseosa, também conhecida por tonsilite crônica caseosa, é relatada pelo paciente como sensação de desconforto ou irritação frequente da garganta. O cáseo (ou caseum) amigdaliano (do latim "caseus", que significa queijo) é formado nas amígdalas (precisamente nas criptas amigdalianas, que são cavidades nas amígdalas), e lembra pequenas bolinhas de queijo do tamanho de um grão de arroz, no fundo da garganta. Restos de alimentos e a própria descamação da mucosa que recobre as amígdalas entram nestes orifícios e "apodrecem" no interior destas criptas. O cáseo nada mais é que estes restos de comida e descamação putrefatos, associados a leucócitos, em forma de massa viscosa.​ Esses cáseos podem ser expelidos na fala, tosse ou espirros.

Pode ocorrer em qualquer idade, e é muito comum, inclusive em pessoas que nunca tiveram infecções nas amígdalas. Traz desconforto e insegurança no trabalho e no convívio social, uma vez que a eliminação do cáseo e a halitose (mau hálito) podem ocorrer a qualquer instante. Também pode haver maior predisposição a infecções de repetição, saburra lingual, doenças periodontais, porém geralmente não há febre.

O diagnóstico é simples, feito no exame físico através da oroscopia (visualização da cavidade bucal).

Os tratamentos propostos podem ser são clínicos (através do uso de anti-inflamatórios e gargarejos com soluções salinas e anti-sépticas) ou cirúrgicos (tonsilectomias convencionais ou assistidas por laser).

Em caso de suspeita de amigdalite caseosa, um médico (preferencialmente um otorrinolaringologista) deverá ser consultado para confirmação diagnóstica, orientação e tratamento adequados.

Sempre tive amigdalite e faringite, devo operar?
Dr. Charles Schwambach

Operar pode ser uma alternativa para você, mas não é garantia de se livrar das infecções na garganta, deve procurar um otorrinolarimgologista.

Meu filho de 6 anos sofre muito com amidalite...
Dr. Charles Schwambach

Procure o otorrinolaringologista, talvez o tratamento medicamentoso resolva e não seja preciso fazer a cirurgia. Uma das opções é o tratamento com remédios homeopáticos que podem diminuir a quantidades de episódios de infecção na garganta.

Crises de amigdalite consecutivas, o que devo fazer?
Dr. Charles Schwambach

Procure um médico homeopata.

As amígdalas não desincharam, elas voltarão ao normal?
Dr. Charles Schwambach

Talvez com o tempo elas voltem ao normal.