Bartolinite

O que causa e qual o tratamento para bartolinite?

Bartolinite é causada pela obstrução com inflamação de uma ou ambas as glândulas de Bartholin, que são duas glândulas acessórias dos genitais externos femininos (localizadas uma de cada lado da vagina), com a função de lubrificação da região vaginal, principalmente durante o ato sexual. No caso da obstrução sem infecção, forma-se um cisto de Bartholin, geralmente assintomático e que pode ter cura espontânea. Ocasionalmente, o líquido aprisionado dentro do cisto torna-se infectado (por bactérias), com formação de pus rodeado por tecido infectado e inflamado (abscesso), o que é denominado de Bartolinite aguda.

A infecção na Bartolinite aguda pode ser causada por diversos tipos de bactérias, tais como Neisseria gonorrhoeae (gonococo, causador da gonorreia), Chlamydia trachomatis​ (clamídia), que são sexualmente transmissíveis, como também por bactérias do trato intestinal (geralmente Escherichia coli) ou da pele (geralmente Staphylococcus aureus, mas também estreptococos).

tratamento da Bartolinite Aguda geralmente exige drenagem do conteúdo purulento e uso de antibióticos, além de banhos de assento:

  • Tratamento com antibióticos: Sempre é realizado, para agilizar o tratamento e prevenir novos episódios. É importante determinar qual a bactéria causadora, através de exames específicos. Se os exames revelarem uma doença sexualmente transmissível, pode ser necessário o tratamento do parceiro(a) para assegurar que não haverá reinfecção.​
  • Banhos de assento: A imersão em uma bacia ou banheira com alguns centímetros de água morna pode auxiliar na drenagem espontânea (eliminação do pus e bactérias) e aliviar as dores. Deve ser realizada várias vezes ao dia, conjuntamente com uso de antibióticos, até melhora completa dos sintomas.
  • Drenagem cirúrgica: Em casos mais avançados, quando a paciente sente muitas dores e dificuldade para sentar ou andar, é necessário realizar a drenagem do abscesso. A drenagem normalmente pode ser feita no consultório médico com anestesia local, mesmo que infelizmente algumas vezes a inflamação e infecção são tão severas que a aplicação do anestésico não auxilia muito no alívio da dor. É feita uma pequena incisão local para auxiliar no processo de drenagem.
  • Marsupialização:  Se os cistos são recorrentes ou incomodam, poderá ser realizada a marsupialização, sempre depois da resolução do quadro agudo. Este método é geralmente eficaz na prevenção de recidivas e preserva a glândula. É realizada a abertura do cisto e expostas suas bordas. Estas bordas são unidas à pele do vestíbulo, em cada lado da incisão, para criar uma abertura permanente.
  • Bartolinectomia​: Quando as recidivas são frequentes e nenhum dos procedimentos é bem sucedido, pode ser necessária a remoção completa da(s) glândula(s) de Bartholin, mas isso raramente é necessário. A remoção cirúrgica é geralmente feita em um hospital com raquianestesia.

Não há nenhuma maneira de evitar um cisto de Bartholin. No entanto, praticando sexo seguro – em especial, usando um preservativo – e a manutenção de bons hábitos de higiene podem ajudar a prevenir a infecção de um cisto e da formação de um abscesso.

Em caso de suspeita de bartolinite, um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista deverá ser consultado para avaliação e tratamento.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
O que é bartolinite? Tem cura?

Bartolinite é a inflamação de uma ou ambas as glândulas de Bartholin, que são duas glândulas acessórias dos genitais externos femininos (localizadas uma de cada lado da vagina), com a função de lubrificação da região vaginal, principalmente durante o ato sexual. É uma doença que tem cura; seu tratamento é relativamente simples. 

Às vezes, a abertura de uma ou ambas estas glândulas fica obstruída, fazendo com que o líquido produzido volte para dentro da glândula. O resultado é relativamente indolor, muitas vezes sem sintomas quaisquer, e é chamado de cisto de Bartholin.

Às vezes, o líquido dentro do cisto pode ser infectado (invasão bacteriana), com formação de pus rodeado por tecido infectado e inflamado (abscesso), o que é denominado de Bartolinite aguda. Quando isso ocorre, surgem os sintomas: eliminação de pus e sinais de inflamação (o local fica avermelhado, quente, muito dolorido e inchado), semelhante a um furúnculo. Em estágios mais avançados, é perceptível um nódulo próximo da abertura vaginal. Algumas pacientes podem referir sensação de "bola" ou "caroço" na vagina, com eventual desconforto ao caminhar ou sentar, dispareunia (dor durante a relação sexual) e febre.

A infecção pode ser causada por diversos tipos de bactérias, tais como Neisseria gonorrhoeae (gonococo, causador da gonorreia), Chlamydia trachomatis​ (clamídia), que são sexualmente transmissíveis, como também por bactérias do trato intestinal (geralmente Escherichia coli) ou da pele (geralmente Staphylococcus aureus, mas também estreptococos).

O tratamento da Bartolinite Aguda geralmente exige drenagem do conteúdo purulento e uso de antibióticos, além de banhos de assento:

  • Tratamento com antibióticos: Sempre é realizado, para agilizar o tratamento e prevenir novos episódios. É importante determinar qual a bactéria causadora, através de exames específicos. Se os exames revelarem uma doença sexualmente transmissível, pode ser necessário o tratamento do parceiro(a) para assegurar que não haverá reinfecção.​
  • Banhos de assento: A imersão em uma bacia ou banheira com alguns centímetros de água morna pode auxiliar na drenagem espontânea (eliminação do pus e bactérias) e aliviar as dores. Deve ser realizada várias vezes ao dia, conjuntamente com uso de antibióticos, até melhora completa dos sintomas.
  • Drenagem cirúrgica: Em casos mais avançados, quando a paciente sente muitas dores e dificuldade para sentar ou andar, é necessário realizar a drenagem do abscesso. A drenagem normalmente pode ser feita no consultório médico com anestesia local, mesmo que infelizmente algumas vezes a inflamação e infecção são tão severas que a aplicação do anestésico não auxilia muito no alívio da dor. É feita uma pequena incisão local para auxiliar no processo de drenagem.
  • Marsupialização:  Se os cistos são recorrentes ou incomodam, poderá ser realizada a marsupialização, sempre depois da resolução do quadro agudo. Este método é geralmente eficaz na prevenção de recidivas e preserva a glândula. É realizada a abertura do cisto e expostas suas bordas. Estas bordas são unidas à pele do vestíbulo, em cada lado da incisão, para criar uma abertura permanente.​
  • Bartolinectomia​: Quando as recidivas são frequentes e nenhum dos procedimentos é bem sucedido, pode ser necessária a remoção completa da(s) glândula(s) de Bartholin, mas isso raramente é necessário. A remoção cirúrgica é geralmente feita em um hospital com raquianestesia.

Não há nenhuma maneira de evitar um cisto de Bartholin. No entanto, praticando sexo seguro – em especial, usando um preservativo – e a manutenção de bons hábitos de higiene podem ajudar a prevenir a infecção de um cisto e da formação de um abscesso.

Em caso de suspeita de bartolinite, um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista deverá ser consultado para avaliação e tratamento.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Posso tomar um remédio para infertilidade ou para ovular?

Não deve tomar nada sem receita médica, mas eu tenho uma boa sugestão para você: procure um médico homeopata (Homeopatia) e conte essa mesma estória, pode ter certeza vai ajudar muito você há resolver seus problemas.

Dr. Charles Schwambach
Um tumor saiu do lado da vagina, o que deve ser?

Bartolinite é o mais provável (inflamação na glândula de Bartolin), precisa ir ao ginecologista.

Dr. Charles Schwambach
Bartolinite pode causar infertilidade?

Bartolinite não causa esterilidade.

Dr. Charles Schwambach