Dor

Dor lombar no lado direito, o que pode ser?
Dr. Gabriel Soledade

A maioria das dores nas costas, independente do lado, é de origem muscular, ou seja, causada por algum esforço físico feito de maneira exagerada ou incorreta. Não existe nenhum órgão localizado no lado direito nas costas que exija alguma atenção ou preocupação especial.

As principais causas de dor muscular incluem carregar peso excessivo (inclusive o próprio peso, no caso de pessoas obesas), ter uma postura ruim e outros hábitos que acabam esforçando a musculatura.

Em alguns casos, entretanto, ela pode ser sinal de doenças mais sérias, como por exemplo inflamações dos ossos, tendões e músculos, além de infecções urinárias e de pele, ou até mesmo alguns tipos de câncer.

De maneira geral, a melhora na postura associada a alongamento e atividade física leve podem ajudar bastante no alívio dos sintomas, mas é sempre importante que a pessoa procure um médico para uma avaliação mais detalhada, principalmente nos casos em que as dores durarem muito tempo ou não melhorarem com analgésicos comuns.

Dor nas costas do lado esquerdo, o que pode ser?
Dr. Gabriel Soledade

A maior parte das dores nas costas é de origem muscular, normalmente causada por algum mau jeito, excesso de peso carregado ou erro de postura. Alguns casos, entretanto, podem ser sinais de problemas mais sérios, como inflamações dos nervos, doenças da pele como o herpes, ou até mesmo certos tipos de câncer, mas isso é muito mais raro.

De qualquer forma, é necessária a avaliação médica por um clínico geral que, a partir dos sintomas relatados e do exame físico, poderá definir a origem exata e propor o tratamento mais adequado.

Dor abdominal: o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol

diversas causas para dor abdominal. O abdome é a região que mais abriga órgãos do corpo, sendo um desafio diagnóstico quando surge dor nesta região.

Na grande maioria dos casos, a dor abdominal não indica uma doença maligna. Apesar disso, quando a dor abdominal é muito forte e é acompanhada por outros sintomas, como vômitos, diarreia com sangue e febre, é essencial a intervenção urgente de um médico.

Qualquer um dos órgãos localizados no abdome ou na cavidade pélvica podem causar dor na barriga. Por vezes, os órgãos situados no tórax também são responsáveis por dor abdominal.

Os órgãos dentro do abdome são:

  • vesícula biliar
  • fígado
  • pâncreas
  • vias biliares
  • baço
  • supra-renais
  • rins
  • intestino delgado e grosso
  • estômago
  • apêndice

Os órgãos dentro da pelve são:

  • bexiga
  • ovários, trompas e útero, nas mulheres apenas;
  • reto e sigmóide;
  • ​próstata, nos homens apenas.

O local da dor auxilia no diagnóstico, mas nem sempre é suficiente. Outras características são necessárias para o diagnóstico certo, como tipo de dor (cólica, pontada, facada, aperto, etc), duração, sintomas associados (como vômitos, diarreia, febre ou icterícia), fatores que melhoram e pioram a dor e irradiação.

Na maior parte dos casos, a dor abdominal não indica nenhuma doença grave. Muitas vezes a dor é causada por cólicas intestinais, provacadas por gases nos intestinos.

As principais causas de dor abdominal estão citadas abaixo, com algumas características:

  • colecistite e colelítiase (pedras na vesícula biliar): a dor abdominal ocorre quando há uma obstrução do ducto de drenagem da vesícula biliar por uma ou mais pedras. Se a obstrução for prolongada, surge a colecistite, inflamação da vesícula, quando a dor surge junto com febre e vômitos, e não melhora com o passar das horas. A dor da obstrução da vesícula é chamada de cólica biliar e costuma ser localizada no hipocôndrio direito (abdome superior à direita) e epigástrio; é tipicamente uma cólica que surge logo após a ingestão de alimentos gordurosos.
  • gastrite e úlcera péptica: usualmente se apresentam com dor em queimação na região superior do abdome, principalmente no epigástrio. A intensidade da dor é muito variável e não serve para distinguir a úlcera de uma simples gastrite. A presença de sangue nas fezes ou vômitos com sangue associados indicam uma úlcera sangrante e o tratamento é de urgência.

  • hepatite aguda: as hepatites mais comuns são aquelas causadas pelos vírus A, B ou C, porém, podem surgir por várias outras causas, entre elas por intoxicação medicamentosa ou por álcool. A hepatite aguda costuma causar uma dor mal definida no hipocôndrio direito e está geralmente associada a presença de icterícia. Necessita monitoramento em setor de urgência e emergência.

  • pancreatite aguda: a pancreatite aguda costuma surgir de 1 a 3 dias após uma quadro de grande ingestão de álcool, apresentando-se como uma intensa dor em toda região superior do abdome. A dor da pancreatite aguda dura vários dias, costuma estar acompanhada de vômitos e piora após a alimentação. Necessita jejum prolongado e internação hospitalar.
  • pedras nos rins (cálculo renal): caracteriza-se por intensa dor na região lombar, unilateralmente. Frequentemente se irradia para o abdome, principalmente nos flancos. É necessário seguimento posterior com urologista.

  • diverticulite: na maioria dos casos, manifesta-se como uma dor no quadrante inferior esquerdo do abdome e em pessoas acima de 60 anos. A dor dura vários dias e costuma vir acompanhada de febre.
  • apendicite: caracteriza-se por dor em crescendo, que se inicia difusamente, principalmente ao redor do umbigo, indo se localizar no quadrante inferior direito do abdome. É comum haver febre e vômitos associados. Necessita tratamento de emergência.

  • infecção intestinal: a manifestação mais comum é a cólica abdominal associada a diarreia e/ou vômitos. Se causada por vírus (maior parte dos casos), não requer tratamento específico. Se associada a evacuação com sangue ou febre, requer tratamento com antibióticos.
  • obstrução, infarto e isquemia intestinal: dor de forte intensidade, que piora progressivamente e acomete todo o abdome. Necessita tratamento de emergência.

  • causas ginecológicas: doenças dos ovários, endometriose, mioma uterino e gravidez ectópica, que podem associar-se a alteração menstrual.
  • cólica menstrual: as cólicas menstruais ocorrem na porção inferior do abdome e podem irradiar-se para as costas e coxas. Sintomas como náuseas, suores, dor de cabeça, fezes amolecidas e tonturas podem estar associados.

  • infecção urinária: geralmente uma dor no baixo ventre, associada a ardência para urinar, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga e aumento no número de micções, sempre em pequena quantidade. Necessita tratamento com antibiótico.
  • peritonite: geralmente gera dor difusa e de forte intensidade, que piora à compressão do abdome. Necessita tratamento de emergência.

  • tumores dos órgãos abdominais ou pélvicos.
  • doença de Crohn e retocolite ulcerativa: usualmente associadas a alterações nas fezes.

  • cetoacidose diabética: dor difusa, associada a vômitos, ocorre em pacientes diabéticos.

Na presença de dor abdominal de duração prolongada ou piora progressiva, associada a febre, vômitos ou icterícia, deverá ser procurado um serviço de pronto atendimento. No caso das dores intermitentes, de curso longo, pode ser procurado um clínico geral ou gastroenterologista.

Dor, ardência e carocinhos na língua, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira

A dor, ardência e carocinhos na língua podem ser causados por uma irritação das papilas gustativas por alguma substância irritativa ou picante. Também pode ser causados por alergias à alimentos, temperos, álcool ou pastas de dente. Quando há uma reação alérgica ou uma inflamação, as papilas gustativas presentes na língua tendem a ficar com aspecto inchado e alisado, podendo ser acompanhada por dor e ardência.

Outras causas possíveis para dor, ardência e lesões na língua: líquen plano oral, infecção por fungos ou bactérias, alergia à substâncias irritantes como álcool, tabaco, temperos, alimentos cítricos, eritema multiforme, aftas, herpes oral, Síndrome da Ardência Bucal (SAB).

Uma boa higiene diária da boca e da língua, com sua escovação frequente, pode evitar alguns desses problemas. O dentista e o gastroenterologista são os profissionais que podem diagnosticar e tratar os problemas relacionados com a língua.

É normal ter dor nas costas no início da gravidez?
Dr. Gabriel Soledade

Na maioria das vezes, é normal sim. Aliás, esse é um dos sintomas mais frequentemente queixados pelas gestantes.

As causas são tão variadas quanto em outras fases da vida, e podem incluir carga de peso excessiva, atividade física feita de forma incorreta ou exagerada, atividade repetitiva ou postura viciosa no trabalho etc.

Algumas causas específicas da gravidez também existem, como por exemplo o inchaço e o relaxamento dos ligamentos da coluna que ocorrem devido a um hormônio que é próprio desse período.

Existem alguns fatores de risco conhecidos, como por exemplo a idade materna avançada e o sobrepeso materno, além do número de gestações anteriores.

O tratamento inclui alongamento, atividade física leve e feita sob supervisão e medicamentos analgésicos e relaxantes musculares.

Essas pacientes devem sempre procurar o conselho de seus obstetras, para que outras possíveis causas de dor possam ser investigadas, e para que o tratamento seja prescrito da forma mais adequada.

Porque sinto tanta dor em minha barriga depois da relação?
Dr. Charles Schwambach

O que você tem é "dor pélvica crônica" é uma das situações de maior dificuldade de se encontrar uma cura em ginecologia, não é grave (depende da doença de base). A maioria dos colegas médicos nem sabe como lidar com essa situação. Tanto doenças físicas como emocionais podem causar dor pélvica. O ideal é uma avaliação num bom ginecologista para saber a causa e para o adequado tratamento. No seu caso remédios para as relações (evitar a dor depois), remédios para depois da relação (controlar a dor) e remédios de longo prazo (tentar "curar" ou melhorar o problema), serão necessários.

Leves enjoos e dor de cabeça há 2 semanas o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach

Seus sintomas são bem genéricos, mas não indicam para nenhuma das doenças que você citou. Um problema no estômago até poderia ser. "Problemas emocionais" entrariam na lista com certeza; gravidez, até poderia provocar os enjôos, mas não provocaria a dor de cabeça.

Dor e caroço no local da injeção: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Ângela Cassol

A ocorrência de dor e caroço no local de injeção intramuscular é relativamente comum e é considerada uma complicação deste procedimento. A reação adversa mais relatada é a dor no local da injeção. Esta ocorre porque a pele e tecido subcutâneo são ricamente inervados e os receptores da dor são estimulados pela agulha, quando penetra e disseca o tecido conectivo. O músculo é menos inervado, mas a infusão de solução pode ser muito dolorosa, pela irritação devida à própria solução e ao pH. A pigmentação da pele e hemorragia ocorrem por extravasamento de sangue após lesão de capilares e vasos. O surgimento de nódulo no local pode corresponder à contratura muscular ou formação de abscesso. O abscesso se associa a aumento da temperatura e vermelhidão local.

Usualmente medidas locais, como o uso de pomadas de anti-inflamatórios, calor local ou aumento dos movimentos é suficiente para resolver as complicações.

Outras complicações das injeções intramusculares são citadas abaixo:

  • diminuição da sensibilidade do membro;
  • formação de abscesso;
  • infarto e necrose local;
  • atrofia da pele e tecido adiposo;
  • contratura muscular;
  • fibrose tecidual;
  • hematoma;
  • lesão do nervo ciático.

A ocorrência de complicações depende de alguns fatores, como:

  • Tipo de medicação introduzida: pode ser irritante, estar diluída em solvente oleoso ou de absorção lenta, alta concentração;
  • Volume injetado incompatível com a estrutura do músculo: pode aumentar a tensão local, compressão vascular; o edema local, juntamente com o efeito tóxico, pode causar infarto muscular, fibrose e necrose;
  • Local de aplicação errado em relação a qualidade da medicação injetada: há medicações que exigem grande massa muscular, uma vez que uma superfície possibilita acentuada velocidade de absorção;
  • Uso inadequado da técnica;
  • Escolha inadequada da agulha e da seringa: a medicação retida no tecido adiposo é muito lentamente absorvida e podem ocorrer nodulações; no paciente emagrecido, pode atingir inervações ou estruturas ósseas. A seringa ou a agulha contaminadas podem conduzir a septicemias;
  • Escolha inadequada da área a ser introduzida a medicação: o músculo deltoide (no braço) constitui o último a ser utilizado devido ao nervo circunflexo e ramificações de vasos na sua porção inferior esquerda;
  • Desconhecimento pelos profissionais da anatomia e farmacologia, bem como falta de prática e habilidade;
  • Múltiplas injeções em um só local: após repetidas injeções no mesmo local, manchas, depressões, fibrose e outras complicações podem ocorrer devido a concentração, pH, natureza química da droga e cinética de absorção.

Se você apresentar complicações após injeção intramuscular, deverá procurar o serviço de saúde em que foi aplicada para maiores orientações.

É normal sentir dores na barriga antes da menstruação?
Dr. Charles Schwambach

Dor antes da menstruação tipo fisgada, cólica ou contínua (vários tipos) são muito comuns, podem significar apenas variações hormonais normais ou fazer parte da TPM (tensão pré-menstrual), como podem estar associadas com várias doenças como no caso dos cistos de ovário. Precisa ir a um ginecologista para ver o que está acontecendo e tratar.

Senti muita dor nos seios, posso estar grávida?
Dr. Charles Schwambach

Se você teve relações sexuais sem usar nenhum método contraceptivo existe sim a chance de ser gravidez, mas o principal sintoma é o atraso menstrual. Os outros sintoma juntos com o atraso menstrual são importantes. Dor nos seios sem mais nada associado é somente dor nos seios e mais nada, não significa gravidez, a princípio.

Ontem senti dores fortes no lado esquerdo da barriga...
Dr. Charles Schwambach

A dor da apendicite normalmente é sentida do lado direito e não do lado esquerdo. Dor abdominal do lado esquerdo normalmente está associado com problemas intestinais e é o que parece pela sua descrição, porém se você tomou os medicamentos e a dor não passou o ideal é procurar o médico.

Dor pélvica na mulher, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

Dor pélvica na mulher pode ser devido a uma série de causas. Corresponde a um terço das queixas nos consultórios médicos e desvendar suas causas é um grande desafio para os profissionais, pois requer uma investigação profunda e detalhada do problema.

A dor pélvica normalmente é sentida no baixo ventre e como se manifesta normalmente no “pé da barriga”. Fazem parte da pelve o útero, os ovários, as tubas uterinas, a vagina, o reto e a bexiga, além de diversos músculos, nervos e ossos, portanto as causas que geram a dor pélvica podem ser as mais diversas e para seu diagnóstico correto deve ser feita uma anamnese detalhada, um exame físico bem feito e exames complementares quando necessários.

Na investigação, é fundamental saber a sua idade, sexo, antecedentes pessoais e características específicas da dor pélvica (onde exatamente dói (aponte)? qual o tipo da dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação? é intensa? quão intensa (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior)? é a mais forte da vida? chega a despertar do sono ou vomitar nas crises? irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica? há quanto tempo está com dor? ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? quando vem a dor dura quanto tempo? você já teve antes? é comum? tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência? melhora com alguma coisa? está piorando, ao longo do tempo, ou apresentando novos sintomas concomitantes? piora nas relações sexuais? tem relação com o período menstrual? tem corrimento vaginal? ardência ao urinar? está indo mais vezes ao banheiro e fazendo pouco xixi? qual a sua frequência sexual? pratica sexo anal? tem mais de um parceiro? sente tontura ou enjoo juntos com a dor? etc.), início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre/sangramentos ou outros sinais/sintomas de gravidade, etc.

Dores agudas que surgem repentinamente na região pélvica e são progressivas necessitam de um atendimento médico emergencial, pois pode se tratar de problemas mais sérios como apendicite, ruptura de uma gravidez tubária e requerem intervenção cirúrgica, outras doenças mais sérias têm entre seus sintomas dores pélvicas, como a vulvodínia, endometriose e fibrose uterina, por isso sempre que sentir algo diferente em seu corpo, procure logo a ajuda de um médico, preferencialmente um ginecologista (que abrange a maioria das causas de dor pélvica - se não for o seu caso, ele poderá encaminhá-la ao especialista correto, seja um gastroenterologista, proctologista, urologista, ortopedista ou neurologista).