Fimose

Fimose ou hipotireoidismo interfere no tamanho do pênis?
Dr. Charles Schwambach

O tamanho do pênis está ligado a vários fatores, sendo que o principal é o genético. Cirurgia de fimose não interfere com o crescimento do pênis. Hipotireoidismo não interfere com o crescimento do pênis (porque seu filho toma remédio e deve estar controlado). Talvez a única medida que pode ser adotada e que pode resultar em alguma mudança é a perda de peso. A pessoa que está acima do peso tende a produzir na gordura periférico o hormônio feminino estrogênio que pode interferir com o desenvolvimento das características sexuais secundárias (o que inclui parte do desenvolvimento do pênis)

Com a cirurgia de fimose o pênis fica maior?
Dr. Charles Schwambach

Não, o tamanho é o mesmo, com a retirada da pele que prendia ele (o pênis) tem maior liberdade para expandir, mas não muda de tamanho.

Após uma cirurgia de fimose apareceram lesões no pênis...
Dr. Charles Schwambach

Pode usar sim, sem nenhum problema, salvo uma alergia ao medicamento Miconazol. Aqui encontramos um típico caso de auto-medicação com auxilio do farmacêutico (atendente de farmácia), nada pessoal, não tenho nada contra mais muito cuidado com a auto-medicação.

Eu não consigo arregaçar a pele toda do pênis?
Dr. Charles Schwambach

Pela sua descrição você tem fimose, deve procurar um médico para correto diagnóstico e tratamento adequado.

Tenho 17 anos e desde pequeno tenho muito prepúcio...
Dr. Charles Schwambach

Se há um excesso de pele e você precisa sempre estar fazendo algo para driblar seus defeitos anatômicos é sinal de que precisa consultar um urologista para que ele te examine e decida se há ou não necessidade de cirurgia.

Tinha fimose, mas com o tempo e esforço "rompi" a pele...
Dr. Charles Schwambach

Provavelmente o tratamento deve ser medicamentoso, mas somente um urologista após examinar você pode dar certeza do tratamento a ser seguido.

Fimose impossibilita relações sexuais?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

Não, a fimose geralmente não impossibilita as relações sexuais, mas pode ser um grande empecilho quando há sintomas de dor ou irritação da glande (cabeça do pênis). Nesses casos, a masturbação e/ou o ato sexual podem causar dor, desconforto, lacerações, inchaço e sangramento do prepúcio ou do frênulo do pênis. Como consequência, além das alterações locais penianas, pode desenvolver-se um temor de que o desconforto se repita nas próximas relações, o que pode levar a distúrbios da excitação, ereção e orgasmo.

De um modo geral, entretanto, fimose ou alterações anatômicas do freio do pênis não têm qualquer influência direta no desempenho sexual. Excitação, ereção do pênis e orgasmo não dependem da pele ou do freio do pênis, mas de mecanismos e estruturas anatômicas específicas. As dificuldades sexuais experimentadas pelos portadores de fimose, excesso de prepúcio e alterações do freio do pênis dão-se, via de regra, por antecipação da penetração ou condução do ato sexual. Na primeira relação sexual, por exemplo, seja por inexperiência, pressa de penetrar, sem a parceira estar devidamente lubrificada e relaxada, ou intempestividade, pode haver desconforto ou dor prepucial. Além disso, roturas do freio do pênis ou prepúcio, podem ocorrer tanto nos portadores de fimose quanto nos que tem prepúcio normal ou excessivo.

Caso ocorra dor, desconforto ou lacerações penianas, com ou sem consequências no desempenho sexual, o correto é abster-se de qualquer manipulação peniana ou prática sexual e procurar um urologista que avaliará a situação. Ele irá recomendar técnicas adequadas para serem usadas no ato sexual, prescrever medicamentos quando for necessário ou indicar cirurgias para remover o prepúcio ou o freio do pênis.

Qual o tratamento para fimose?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

O tratamento para fimose deve ser feito por um médico urologista. A simples redução manual do prepúcio pode ser suficiente para corrigir a fimose, desde que seja feita por um profissional especializado para evitar complicações.

A posterior aplicação de gelo pode ajudar no processo, porém, se houver inchaço, pode ser necessário aplicar pomadas à base de corticoides para controlar a inflamação e facilitar posteriormente a redução.

O procedimento cirúrgico (postectomia ou circuncisão) consiste na retirada parcial ou completa do prepúcio, com a aproximação das margens da pele à borda mucosa restante do prepúcio. O ideal é que seja realizado entre 7 e 10 anos de idade.

A criança sai no mesmo dia do hospital e, em cerca de quatro dias, pode retomar as atividades normais, mas os exercícios físicos devem ser evitados durante três semanas aproximadamente.

Cirurgia para Fimose:

Em adultos, a circuncisão é efetuada sob anestesia local, com o anestésico sendo injetado na base do pênis, logo abaixo da pele. A dor da injeção não é maior nem menor do que em outra parte do corpo. Apesar do medo da agulha, os que se submetem ao procedimento o toleram muito bem.

O tempo de duração da cirurgia é de cerca de 30 minutos. A operação consiste na remoção da porção prepucial que está aderida à glande ou estreitada, ou do excesso de prepúcio, quando necessário. Geralmente são necessários de 10 a 20 pontos cirúrgicos para reparar a ferida. Um curativo simples é feito e o indivíduo pode ir para casa logo a seguir.

Pós-operatório:

A dor no pós-operatório é moderada e controlada por analgésicos. As ereções penianas nessa fase não costumam causar problemas. Inchaço e hematomas penianos são comuns, mas cedem em poucos dias.

O paciente precisa ficar em repouso relativo por 1 a 3 dias. Após esse período, já pode dirigir automóveis ou realizar trabalhos que não exija maiores esforços físicos. Cerca de 15 dias depois da cirurgia já é possível praticar esportes. Relações sexuais só estão liberadas, em média, após 30 dias.

Os pontos cirúrgicos são absorvidos pelo corpo e não precisam ser retirados. Os curativos são simples e não requerem maiores cuidados. É comum haver uma discreta redução da sensibilidade da glande, mas raramente isso afeta a qualidade do ato sexual. Existem apenas algumas indicações médicas para a circuncisão:

  • Fimose verdadeira – é aquela que se apresenta como uma cicatriz esbranquiçada e é rara antes dos cinco anos de idade;
  • Bálano-postites recorrentes – episódios recorrentes de eritema e inflamação prepucial, às vezes, com corrimento purulento, que não respondem ao tratamento com compressas mornas, e antibioticoterapia local ou sistêmica. Indicada após os dois anos de idade ou em crianças com controle esfincteriano diurno;
  • Infecções recorrentes do trato urinário – a menor incidência de infecção do trato urinário (ITU) em lactentes masculinos circuncidados sugere que é possível uma infecção ascendente a partir do prepúcio. A postectomia pode ser oportuna nos casos de ITU recorrente e em anormalidade do trato urinário, anatômico, ou naqueles com disfunção vésico-esfincteriana, que fazem cateterismo uretral intermitente limpo. Um estudo multicêntrico, examinando pacientes com refluxo vésico-ureteral e história pré-natal de hidronefrose, refere uma diferença estatística importante em 63% dos meninos não circuncidados com refluxo e ITU, comparados com 19% dos circuncidados, ambos os grupos em quimioprofilaxia. Estes achados sugerem que a remoção do prepúcio pode proteger contra as ITU nos meninos com refluxo e, possivelmente, também em alguns casos de anomalias obstrutivas;
  • O adolescente que ainda não conseguir expor completamente sua glande pode ter uma masturbação dolorosa e dificuldades da penetração no início da atividade sexual.

Em caso de suspeita de fimose, um médico (preferencialmente um urologista), deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese e exame físico, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento.

O que é fimose?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

A fimose ocorre quando não é possível retrair o prepúcio (camada de pele que recobre e protege a cabeça do pênis) e expor completamente a glande, ou seja, a glande não fica exposta mesmo se o pênis estiver ereto.

A formação do prepúcio começa logo nas primeiras semanas de desenvolvimento do feto. Desde o nascimento até os primeiros anos de vida do homem, o prepúcio encontra-se aderido à glande, o que é normal (fimose fisiológica). A medida que a criança cresce, a região interna vai se desprendendo da glande de forma gradual, até ser totalmente retrátil quando o pênis está ereto. Não se deve forçar o descolamento do prepúcio nas crianças, pois o mesmo ocorre naturalmente com o passar dos anos. Em 90% dos meninos, a fimose fisiológica desaparece nos três primeiros anos de vida.

A fimose pode aparecer de duas formas:

  1. Desde o nascimento: uma fimose que não desapareceu nos primeiros anos de vida e que não pode, portanto, ser considerada fisiológica. Há homens que nascem com o anel do prepúcio (abertura) muito estreito, o que impossibilita a retração da pele mesmo após o descolamento do prepúcio nos primeiros anos de vida. A fimose também pode ser provocada quando os pais tentam forçar a retração do prepúcio, causando lesões e formando cicatrizes que perpetuaram a fimose;
  2. Fimose adquirida: surge em adultos que não tinham fimose quando criança, mas que devido a infecções ou traumas no pênis formam-se cicatrizes que causam aderência do prepúcio, impedindo sua retração. Normalmente, este tipo de fimose acontece por má higienização do pênis, o que favorece o acúmulo de secreções e proliferação de bactérias dentro do prepúcio.

Em caso de suspeita de fimose, um médico (preferencialmente um urologista), deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese e exame físico, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento.

Queria saber se tenho fimose... O que fazer?
Dr. Charles Schwambach

Ir ao médico seria algo interessante de se fazer no seu caso.

Tenho 15 anos e não tenho fimose, porém...
Dr. Charles Schwambach

Procure um médico, preferencialmente urologista.