Laqueadura

Quanto tempo após laqueadura posso ter relações sem engravidar?
Dr. Ivan Ferreira

Após laqueadura, o período seguro para se ter relações sexuais sem engravidar depende da técnica utilizada, que vai de uma semana à três meses.

A laqueadura, também conhecida como ligadura das trompas ou cirurgia de esterilização feminina, é uma técnica em que as trompas de Falópio são bloqueadas de forma a não permitirem o encontro do óvulo com o espermatozoide, impedindo a fecundação e gravidez. Dependendo da técnica utilizada será definido o tempo necessário de espera para se ter uma relação sexual sem uso de outro método contraceptivo.

Técnicas de laqueadura:

  • corte das trompas, bloqueio com anéis, clipes ou eletrocoagulação (queima): pode-se ter relações sexuais após aproximadamente 10 dias,
  • uso de Essure®, dispositivo que provoca uma reação de fibrose nas trompas: pode-se ter relações sexuais após aproximadamente 3 meses, com a necessidade prévia de realização de testes para a comprovação do fechamento da trompa.

 O ginecologista ou obstetra deverá ser consultado nessas situações, para a orientação adequada sobre o qual período necessário para ter relações sexuais de uma forma segura após a laqueadura.

Laqueadura pelo umbigo é segura?
Dr. Ivan Ferreira

Sim, a laqueadura feita através do umbigo (laparoscopia) é segura.

Nessa cirurgia o médico introduz um aparelho, chamado laparoscópio, pelo umbigo e faz o fechamento (laqueamento) dos canais que ligam os ovários ao útero (trompas de Falópio), impedindo a gravidez, pois os óvulos não conseguem chegar ao útero, não havendo a fecundação.

As vantagens desse tipo de cirurgia são várias, entre elas, a recuperação mais rápida da mulher, menor tempo de internação, menores riscos do que numa cirurgia normal, além de não interferir nas relações sexuais.

O obstetra é o médico especializado na realização da laqueadura.

Fiz cirurgia de laqueadura desde então minha menstruação...
Dr. Charles Schwambach

Não deve haver nada de errado com sua cirurgia, o mais provável que tenha acontecido é que seu organismo, de alguma forma, não tenha "aceito" a cirurgia, não conseguiu se adaptar com a nova situação. Está é uma situação bastante controversa e complicada de lidar dentro da medicina. Todos sabemos da existência de determinados acontecimentos que fogem da explicação plausível e viável dentro do nosso paradigma atual. Você fará muitos exames e alguma explicação viável será encontrada, e não passará de pura coincidência: a cirurgia e o início dos seus sintomas.

Laqueadura é reversível?
Dr. Ivan Ferreira

A laqueadura das tubas pode ser reversível dependendo de alguns fatores como a técnica que foi utilizada, a lesão causada nas tubas e quanto tempo decorreu da realização da laqueadura. É necessário a realização de vários exames para que seja avaliada a possibilidade da reversão da laqueadura, nos quais são verificadas as condições das tubas em relação ao seu comprimento e anormalidades, alterações no útero e em suas estruturas.

Alguns exames realizados para verificar a possibilidade de reversão da laqueadura são: histerossalpingografia (HSG), videolaparoscopia, ultrassonografia transvaginal, histeroscopia.

A cirurgia de reversão ou recanalização das tubas tem mais chances de sucesso quando as tubas não foram muito danificadas e se for realizada até 5 anos após a laqueadura. A técnica de interrupção das tubas que utiliza clipes é uma das mais facilmente reversíveis, uma vez que danifica uma porção muito pequena da trompa.

O ginecologista/obstetra é o especialista capacitado para diagnosticar a possibilidade da reversão da laqueadura e realizá-la.

Laqueadura engorda?
Dra. Ângela Cassol

A laqueadura tubária não engorda, não provoca alterações no ciclo menstrual da mulher nem causa diminuição do desejo sexual feminino.

A taxa de complicações é pequena. Quando realizada por laparoscopia ou por minilaparotomia, a laqueadura apresenta uma taxa de complicações de apenas 0,1%. As possíveis complicações podem incluir:

  • infecção
  • lesão de bexiga
  • lesão dos intestinos
  • hemorragia interna
  • complicações relacionadas à anestesia, como cefaléia.

A taxa de complicação com a técnica histeroscópica é menor ainda, cerca de 0,002%. A complicação mais comum é a lesão da parede do útero, que poderia trazer problemas em futuras gestações, que não é a preocupação da mulher que deseja fazer laqueadura.

As três técnicas de laqueadura tubária mencionadas acima apresentam uma taxa de sucesso acima de 99%.

O médico ginecologista/obstetra deverá discutir os riscos e benefícios da laqueadura tubária, assim como indicar a melhor técnica para realizá-la.

Como fica a menstruação depois da laqueadura?
Dra. Ângela Cassol

Pode ocorrer alteração no fluxo menstrual após a laqueadura. A frequência de alterações menstruais varia de 2,5 a 60%. Estudo realizado pela Universidade de Botucatu com mais de trezentas mulheres encontrou uma porcentagem inferior a 10% de alterações menstruais.

As causas da alteração menstrual não são inteiramente conhecidas. Existem algumas tentativas para explicá-las, como por exemplo: falha ou interrupção do fornecimento de sangue do ovário, modificação dos impulsos nervosos da trompa e/ou do ovário, torção do ovário e aderências pélvicas. Outra explicação possível é uma insuficiência na fase lútea causada pela supressão da irrigação entre útero e ovário.

Além disso, parar de usar o DIU (dispositivo intra-uterino) ou a pílula também pode causar alterações na menstruação. O DIU predispõe ao aumento da quantidade e da duração do fluxo menstrual. Quando a usuária deixa de usá-lo, esses sinais têm a tendência de diminuir. O ciclo menstrual é normalizado e a quantidade de fluxo diminui quando são usados contraceptivos hormonais. Assim, quando deixam de usar esse método, frequentemente os ciclos menstruais irregulares regressam.

É importante ter em conta os padrões menstruais anteriores à esterilização. Se os ciclos menstruais eram irregulares, provavelmente serão irregulares outra vez.

Na presença de ciclos menstruais irregulares, poderá ser prescrita pílula hormonal, na tentativa de regularizar o fluxo. O médico ginecologista deverá ser consultado.

É possível engravidar após laqueadura?
Dra. Ângela Cassol

Sim, é possível engravidar após a laqueadura, mas a chance é muito pequena. A taxa de reversão espontânea da laqueadura é de 0,5% a 1%, e pode ocorrer independentemente da cirurgia que foi feita. O risco de gravidez após a laqueadura pela de técnica de Pomeroy, a mais utilizada no Brasil, é de um em 2 mil – muito menor que o da pílula anticoncepcional, que é de dois ou três para cada cem.

As mulheres que desejam engravidar após a realização da laqueadura, podem se submeter a cirurgia de reversão. A cirurgia é feita por laparoscopia e as tubas uterinas são religadas através de sutura. Também é retirada a região onde ficou a cicatriz da laqueadura. A anestesia pode ser raquidiana ou peridural e usualmente a mulher tem alta após 24 horas. A cirurgia é complexa, com duração de três a quatro horas.

A fertilidade só é restabelecida depois de 30 dias da da operação. Um grande parte das pacientes consegue engravidar após 6 a 12 meses. É importante referir que a probabilidade de engravidar é reduzida em 15 a 20%. Mesmo com essa redução, mulheres com menos de 35 anos têm 80% de probabilidade de engravidar depois da cirurgia.

O sucesso deste procedimento depende da condição atual das tubas. Se elas estiverem doentes, dilatadas ou com cicatrizes, o sucesso fica reduzido. Apesar disso, essa condição só pode ser verificada durante a cirurgia.

O médico ginecologista deverá ser procurado para orientá-la sobre a laqueadura e no caso de desejo de reversão.

Sou laqueada há 16 anos e a menstruação está atrasada...
Dr. Charles Schwambach

A pesar dos sintomas serem perfeitamente compatíveis com uma gravidez, é quase impossível de acreditar que poderia engravidar depois de 16 anos com laqueadura (existe uma chance sim, mas seria um caso raro), o mais provável é que seja somente uma alteração hormonal que tenha causados seus sintomas e o atraso menstrual.

Como funciona a laqueadura?
Dra. Ângela Cassol

A laqueadura de trompas, ou tubas uterinas, é uma cirurgia que impede a gravidez quase que definitivamente. Para a ocorrência da gravidez é necessário que o espermatozóide encontre o óvulo, que é liberado do ovário por volta do 14odia do ciclo menstrual, é capturado pelas fímbrias da trompa e transportado através dela, onde usualmente ocorre a fecundação. Sendo assim, para que não seja possível esse "encontro" do óvulo com o espermatozóide, é necessário que seja feito um "bloqueio" nas trompas.

A cirurgia consiste em bloquear as trompas, através de anéis, clipes de titânio, fios de sutura, ou queimando ou cortando estas estruturas. Há algumas técnicas disponíveis para sua realização:

  • após a cesariana;
  • minilaparotomia: procedimento cirúrgico feito imediatamente após o parto normal ou até dois dias depois. O médico faz uma pequena incisão no abdômen, perto do umbigo e, em seguida, remove uma parte das trompas de Falópio de cada lado;
  • laparoscopia: realizada através de uma pequena incisão perto do umbigo e na parte inferior do abdômen, com introdução de um dispositivo chamado laparoscópio, usado para ver as trompas de Falópio. O médico pode usar anéis ou clips para fechar as trompas, ou cauterizá-las através de calor;
  • histeroscopia: é introduzido um histeroscópio através da vagina, que atravessa o útero e chega às trompas, onde será colocado uma pequena mola (Essure®) ou será aplicada radiofrequência seguida de pastilha de silicone (Adiana®). O objetivo é gerar um reação inflamatória que leve à fibrose da trompa e consequente obstrução da mesma. As vantagens desta técnica são a ausência de sedação, anestesia geral, incisões cirúrgicas ou internação hospitalar. Porém, é necessário utilizar outro método contraceptivo nos três meses que se seguem ao procedimento e é possível que seja necessário repetir o procedimento. Também é necessário realizar um exame chamado histerossalpingografia para avaliar se o método foi capaz de causar a obstrução completa das trompas.

O processo de laqueadura é complicado de reverter e por esse motivo os médicos só recomendam quando a mulher está segura que não deseja mais ter filhos. No Brasil, a laqueadura pode ser feita no hospital público ou particular, quando uma mulher tem 2 ou mais filhos ou se tem mais de 25 anos.

A reversão de laqueadura consiste na reconstrução microcirúrgica das tubas uterinas realizada com o auxílio de um microscópio cirúrgico e instrumentos especiais, incluindo fios cirúrgicos de difícil visibilização a olho nu. O tempo da laqueadura não é fator limitante para a sua reversão.

O médico ginecologista/obstetra deverá orientá-la sobre os riscos e benefícios da laqueadura como método contraceptivo.

Fiz laqueadura, tem possibilidade de engravidar?
Dr. Charles Schwambach

Em teoria não é gravidez, o motivo deve ser outro, procure um ginecologista.

Faz 4 anos que fiz laqueadura tem perigo de estar grávida?
Dr. Charles Schwambach

Provavelmente não.