Plaquetas

Plaquetas baixas o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira

Somente o resultado de plaquetas baixas, pode não representar nada. É necessário que haja um exame clínico e a realização de outros exames para se fazer um diagnóstico.

Existem algumas doenças ou situações que podem provocar plaquetas baixas como as leucemias, a púrpura trombocitopênica idiopática, o mieloma múltiplo, válvulas cardíacas metálicas,o lúpus eritematoso sistêmico, alguns medicamentos, entre outras causas. No entanto, os sinais mais comuns quando o número de plaquetas está muito baixo são as hemorragias na pele, nas gengivas, sangramentos menstruais abundantes ou cortes na pele que demoram muito para parar de sangrar.

O clínico geral ou o hematologista são os médicos que podem orientar o diagnóstico no caso do resultado de exame com presença de plaquetas baixas.

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?
Dra. Ângela Cassol

Os sintomas de plaquetopenia (plaquetas baixas) dependem do quão baixas estão as plaquetas. Considera-se plaquetopenia quando as plaquetas estão abaixo de 150.000/mm3.

As plaquetas são células produzidas na medula óssea, que possuem a propriedade de coagular o sangue e de ajudar que uma ferida pare de sangrar.

Os sintomas mais comuns são sangramentos cutâneo-mucosos, que ocorrem espontaneamente quando as plaquetas estão abaixo de 30.000/mm3. Podem ocorrer:

  • pequenos pontinhos avermelhados no corpo (petéquias ou hemorragias puntiformes);
  • sangramentos pelas gengivas (gengivorragia);
  • sangramento menstrual abundante;
  • sangramento na urina ou nas fezes;
  • sangramento de maior intensidade quando ocorre um ferimento;
  • sangramento pelo nariz (epistaxe).

É importante frisar que as plaquetas não são as únicas envolvidas da cascata de coagulação. Sendo assim, outras doenças podem levar a sangramentos, sem que ocorra alteração na contagem das plaquetas.

Também é importante ver a evolução da contagem das plaquetas por um período de tempo, pois há variações consideradas normais. Porém contagem baixa de plaquetas persistente deve ser melhor investigada por um clínico geral ou hematologista.

Quais as causas de plaquetas baixas?
Dra. Ângela Cassol

A plaquetopenia (plaquetas em nível inferior a 150.000/mm3) pode ter várias causas:

  • doenças que levam à diminuição da produção das plaquetas na medula óssea: aplasia medular, fibrose ou infiltração por células malignas (câncer visceral ou hematológico, como linfomas e leucemias), quimioterapia. O diagnóstico é feito através da biopsia de medula óssea.

  • doenças que cursam com aumento do baço (esplenomegalia), com sequestro e destruição das plaquetas: hipertensão portal (pode ocorrer na cirrose hepática, esquistossomose, trombose da veia porta); infiltração de células tumorais no baço, nas leucemias e linfomas e ainda na doença de Gaucher.
  • aumento da destruição plaquetária, pela presença de vasos anormais, próteses vasculares e trombos, que ocorrem nas seguintes doenças: púrpura trombocitopênica trombótica, vasculites, síndrome hemolítico-urêmica, coagulação intravascular disseminada e próteses cardíacas.

  • efeito colateral de medicamentos:

    • diuréticos tiazídicos, estrogênios e fármacos mielossupressores induzem diminuição da produção das plaquetas na medula óssea.

    • sedativos, hipnóticos, anticonvulsivantes, alfa-metildopa, sais de ouro e heparina podem induzir destruição imunológica das plaquetas.

  • doenças infecciosas, como dengue, AIDS, hepatite C, febre maculosa, leptospirose, febre amarela e septicemia grave.
  • doenças imunológicas, em que ocorre a destruição das plaquetas no sangue (intravascular), como na púrpura trombocitopênica imunológica e algumas doenças reumatológicas, como no lupus eritematosos sistêmico.

É importante frisar que há doenças em que as plaquetas estão em níveis normais, porém sua função está deficiente, como na insuficiência renal crônica com uremia, por exemplo.

Em caso de plaquetopenia sem sintomas hemorrágicos, deve ser procurado um hematologista para adequados diagnóstico e tratamento. Se houver manifestações hemorrágicas, deve ser procurado um pronto atendimento.

Qual a quantidade normal de plaquetas?
Dr. Ivan Ferreira

O valor normal de plaquetas no sangue do adulto é, em média, de 150.000 a 350.000 por microlitro de sangue. Os valores considerados normais podem variar dependendo do método que o laboratório de análises clínicas utiliza para fazer a contagem de plaquetas. Esse valor vem escrito no resultado de exame fornecido pelo laboratório como "valor de referência" ou VR, normalmente ao lado do resultado encontrado.

As plaquetas são células do sangue, produzidas na medula óssea, e que participam do processo de coagulação sanguínea (formação de um coágulo que interrompe o sangramento). O exame de contagem de plaquetas é geralmente pedido para identificar se há algum problema em relação à coagulação sanguínea ou doenças que podem ter aumento ou diminuição de plaquetas.

O hematologista é o especialista responsável por diagnosticar e tratar alterações no sangue.

O que fazer em caso de plaquetas baixas?
Dra. Ângela Cassol

A plaquetopenia (plaquetas baixas) pode ter várias causas e, para melhor investigação, deve ser procurado um hematologista.

É importante frisar que há indivíduos com níveis discretamente baixos (usualmente próximos a 100.000 plaquetas/mm3), sem que exista uma doença associada, e sem prejuízo à sua saúde.

É importante observar a evolução dos níveis plaquetários durante algum período de tempo e não considerar uma medida única, pois podem ocorrer variações em virtude da análise do laboratório.

Dependendo da causa da plaquetopenia, será necessário um tratamento específico, ou será necessária apenas observação. Somente após uma avaliação detalhada, será estabelecido o diagnóstico e o tratamento.

Se houver sintomas hemorrágicos (sangramentos), deve ser procurado um pronto atendimento.

O que significa trombocitose em exame de sangue?
Dr. Charles Schwambach

Trombocitose é o aumento no número de plaquetas no sangue, as plaquetas são responsáveis pelo processo de coagulação no sangue. Trombocitose não é uma doença é na verdade uma alteração de exame que pode ou não significar uma doenças. Existem muitas causas para trombocitose, algumas são simples e outras são mais sérias. O ideal é retornar ao médico que solicitou o exame para, talvez, num primeiro momento repetir o exame para confirmar o resultado e depois se necessário procurar a causa.

Minha filha fez hemograma e deu plaquetas elevadas?
Dr. Charles Schwambach

O aumento das plaquetas pode estar relacionado com muitas doenças e situações médicas, algumas são simples e algumas são grave (algumas muito graves). O ideal é sua filha fazer acompanhamento com pediatra e se ele achar necessário procurar um Hematologista.

Não consigo aumentar nível das plaquetas, que fazer?
Dr. Charles Schwambach

Não acredito que possa aumentar o número de plaquetas com a alimentação e não compreendo porque quer fazer isto.

Hemograma do meu filho deu plaquetas altas?
Dr. Charles Schwambach

As plaquetas estão um pouco aumentadas, esse resultado isolado não tem nenhum significado clínico (pode até significar algo, porém depende do restante: história, exame físico, hipóteses diagnósticas, resultados dos exames, provas terapêuticas e assim por diante...)

Plaquetas altas, como diminuir?
Dra. Ângela Cassol

A plaquetose (aumento no número das plaquetas) muitas vezes não requer tratamento e é temporária.

Em alguns casos, especialmente se o número de plaquetas for superior a 100000/mm3, pode ser necessário o uso de ácido acetil salicílico, pelo risco de trombose, e hidroxiuréia, um agente citorredutor (que diminui a contagem das células do sangue).

Não há evidência de que seja necessário evitar ou preferir alimentos ou que a prática de outras modalidades de tratamento seja benéfica.

A avaliação da causa da plaquetose e se há necessidade de tratamento deverá ser feita pelo médico hematologista.

Plaquetas altas, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol

As causas de plaquetas altas podem ser:

  • fisiológicas (não denotam doenças): exercício, trabalho de parto, uso de epinefrina, após hemorragia;
  • infecciosas e/ou inflamatórias: retocolite ulcerativa, poliarterite nodosa, artrite reumatóide, sarcoidose, cirrose hepática;
  • distúrbios do baço: após esplenectomia (retirada cirúrgica do baço), atrofia ou agenesia do baço, trombose da veia esplênica;
  • neoplasias: carcinomas, linfomas;
  • doenças hematológicas: síndromes mieloproliferativas, trombocitose familiar, anemia ferropriva (por deficiência de ferro), anemias crônicas, hemofilia, mieloma múltiplo;
  • miscelânea: após procedimentos cirúrgicos e traumas, doenças renais, síndrome de Cushing e uso de medicamentos (epinefrina, isotretinoína, vincristina).

Plaquetas altas podem não causar sintomas ou podem ocorrer náuseas, vômitos, perda de noção espacial (labirintite) e formigamento nas extremidades.

A avaliação da causa da plaquetose e se será necessário tratamento deverá ser feita pelo médico hematologista.

Minha filha teve púrpura e suas plaquetas baixaram muito...
Dr. Charles Schwambach

O tratamento é assim mesmo corticoides e quando não responde o há o retorno frequente da baixa nas plaquetas deve-se realmente fazer a esplenectomia. Existe a possibilidade de se fazer o corticoide por via injetável em pulsos de altas doses (pode funcionar em alguns pacientes).