Pergunte ao Médico
Como Funciona

Ressonância Magnética

Ressonância magnética do crânio com redução volumétrica...

Na maioria das vezes alterações desse tipo são inespecíficas e não estão associadas a nenhuma doença. Senelidade, tabagismo e alcoolismo são as associações mais comuns na prática clínica diária, depois disso vem as doenças cérebro degenerativas, o ideal é uma avaliação de um neurologista, talvez essas alterações em hipocampos possam ter relação mais específica com alguma doença.

Meu pai fez um exame de ressonância magnética...

Isso pode significar um acidente vascular cerebral isquêmico (vulgo derrame), mas só o neurologista vendo o exame pode dar certeza do resultado.

Machuquei meu pé e fiz uma ressonância magnética...

Lesão é o resultado do machucado no ligamento fíbulo-talar anterior e derrame articular, também, ocorre em decorrência do trauma. As outras perguntas serão respondidas pelo seu ortopedista, porque dependem do grau das lesões e de qual forma de tratamento será necessária para seu caso.

Tive uma super dor de cabeça há 10 dias...

Muitas coisas podem causar esses sintomas, algumas coisas são graves e outras nem tanto. Esqueceu de fazer essa pergunta ao neurologista e se ele não sabe, eu também não, qualquer coisa que eu disser estaria apenas chutando; esperamos que a ressonância magnética possa ajudar.

Grávida pode fazer ressonância magnética?

Sim, grávida pode fazer ressonância magnética, mas o exame deve ser evitado no 1º trimestre de gravidez para não haver riscos de prejudicar o feto.

Depois dos primeiros 3 meses de gestação, a gestante pode fazer ressonância magnética sem se preocupar. Porém, o uso de gadolínio (contraste  paramagnético), deve ser evitado, pois verificou-se uma restrição do crescimento fetal em camundongos expostos a esse contraste.

Deve-se evitar fazer ressonância magnética no 1º trimestre de gestação porque a exposição do feto às ondas de radiofrequência pode provocar um aumento da temperatura dos tecidos.

Essa elevação da temperatura pode ser muito prejudicial, principalmente nessa fase, em que os tecidos mais sensíveis, como o sistema nervoso central e os ossos, estão em plena formação.

Basta um aumento superior a 2ºC na temperatura para causar deformidades no tubo neural e defeitos craniofaciais.

Porém, há situações específicas em que a ressonância magnética é indicada, mesmo no 1º trimestre de gravidez, tais como:

  • Lesões no cérebro ou na medula espinhal da mãe;
  • Grávidas com câncer;
  • Grávidas com doenças aguda torácica, abdominal ou pélvica, que não foram diagnosticadas pela ultrassonografia;
  • Casos específicos de anomalia fetal ou desordem fetal complexa.

Não existe uma legislação específica no Brasil que determina a época da realização da ressonância magnética durante a gravidez, por isso os médicos procuram seguir o consenso internacional de não realizá-la no 1º trimestre de gestação.

O médico obstetra ou o médico radiologista poderá esclarecer outras dúvidas que a grávida possa ter em relação ao exame durante.