Tratamento

Homem que teve caxumba e ficou estéril tem tratamento?

O primeiro passo é fazer o exame de espermograma para verificar "a esterilidade" masculina, confirmada a esterilidade, deve-se procurar um Urologista que vai providenciar o restante da investigação para saber se o homem realmente não pode ter filhos ou se existe algum tratamento para ser feito. Em caso de esterilidade total, não existe tratamento.

Dr. Charles Schwambach
O rim pode deslocar, quais os sintomas e tratamento?

O rim pode deslocar sim em traumas de grande impacto na região renal. Os sintomas basicamente se limitam a muita dor no local do rim e trajeto de vias urinárias (dorso e lateral do corpo na altura do cotovelo e eventualmente sangue na urina. O tratamento depende do tipo de lesão.

Importante: a maioria das dores que as pessoas acreditam serem oriundas dos rins são na verdade dores osteomusculares por causa de problemas de coluna, o que é o mais provável no caso da sua mãe, também.

Dr. Charles Schwambach
Há 5 meses atrás eu fiz o tratamento para Sífilis...

As duas coisas são possíveis: pegou de novo (pegar de novo não é grave, só significa que você não tem juízo.) ou o tratamento não deu resultado (é só tratar novamente), vá ao médico, e ele vai receitar o tratamento adequado para você.

Dr. Charles Schwambach
Fiz tratamento da SOP, parei de tomar anticoncepcional...

Nossa. Acredito que se conseguir engravidar de um só já está ótimo, não é mesmo. Procure um médico.

Dr. Charles Schwambach
Qual é o tratamento para clamídia?

O tratamento da infecção causada pela clamídia é feito com antibióticos como a azitromicina, eritromicina e minociclina. Durante o tratamento deve ser feita abstinência sexual, 7 dias a partir do início do antibiótico ou 7 dias a seguir a dose única, para evitar a transmissão da clamídia, sendo que o parceiro também deve ser tratado.

Devido ao tempo prolongado de incubação da clamídia, às vezes sem sintomas, é possível ter havido o contágio há mais tempo, por isso é importante o tratamento dos parceiros com os quais houve contato sexual até os dois meses anteriores ao exame. Para prevenir a contaminação pela clamídia deve-se sempre praticar sexo com uso de camisinha.

Se houver suspeita de infecção por clamídia deve-se procurar um serviço médico o mais breve possível para a confirmação diagnóstica e tratamento. O clínico geral, o urologista ou o ginecologista são os médicos indicados para tratar essas infecções.

Dr. Ivan Ferreira
Qual o tratamento para fungo nas unhas das mãos e pés?

O tratamento da micose das unhas (onicomicose) deverá levar em conta alguns fatores:

  • número de unhas acometidas;
  • porcentagem da unha que está acometida;
  • doenças que o paciente possui e medicações que faz uso.

Após esta avaliação e, considerando que foi realizado idealmente exame que comprove a infecção fúngica, ou se a apresentação clínica for típica, deverá ser optado por realizar tratamento com medicação antifúngica, que pode ser tópica ou sistêmica. Se forem poucas as unhas afetadas e em porcentagem de acometimento inferior a 50% da unha, deve ser tentado tratamento tópico. O esmalte deverá ser aplicado de uma a duas vezes por semana e há diversas opções disponíveis atualmente. Se forem muitas unhas acometidas, é necessário o tratamento com antifúngicos de uso oral, como terbinafina, itraconazol e fluconazol. O tratamento sistêmico pode estar associado ao uso de esmaltes. usualmente a dose é de um comprimido por dia e é necessário seguimento periódico com realização de exames laboratoriais de controle.

O tempo mínimo de tratamento é de seis a 12 meses para as unhas da mãos e seis a 18 meses para as unhas dos pés.

Uma opção relativamente recente é o uso de laser. Contudo, esta tecnologia não tem uma aceitação irrestrita na literatura e serve como método auxiliar, sendo necessário o uso de antifúngicos também.

O tratamento da onicomicose deve ser feito pelo médico dermatologista.

Dra. Ângela Cassol
Hérnia hiatal tem cura? Qual o tratamento?

Hérnia hiatal tem cura, e o tratamento pode ser feito de três formas:

  • Mudança do estilo de vida (em casos mais leves, com poucos sintomas):

    • Evitar alimentos gordurosos, ricos em proteínas, muito condimentados e/ou ácidos e frituras, além de doces e pão branco;
    • Evitar situações estressantes ou fadigantes;
    • Procurar não beber álcool, café ou bebidas gaseificadas;
    • Não fumar;
    • Evitar comer em excesso próximo da hora de dormir (e fazer a última refeição pelo menos duas horas antes de deitar);
    • Não usar roupas nem acessórios apertados;
    • Evitar ingerir muito líquido durante as refeições;
    • Fazer refeições menores, mais leves e mais próximas umas das outras;
    • Fazer uma dieta rica em frutas, verduras, vegetais e fibras;
    • Fazer exercícios físicos (pelo menos 40 minutos, 5 vezes por semana);
    • Perder peso, procurando manter o índice de massa corporal (peso em quilos dividido pela altura em metros ao quadrado) igual ou menor que 25;
    • Dormir com travesseiro alto ou leve elevação da cabeceira da cama (30º);
  • Tratamento farmacológico (para pacientes que não obtêm a melhora clínica apenas com as mudanças nos hábitos; feito com antiácidos e/ou inibidores da bomba de prótons que reduzem a acidez gástrica). O tempo mínimo de tratamento é de oito semanas. Jamais se automedique; consulte um médico em caso de sintomas de refluxo gastroesofágico.
  • Tratamento cirúrgico, que pode ser feito via laparoscópica (indicado para):
    • Hérnias de hiato volumosas ou sintomáticas mesmo com mudança dos hábitos de vida e tratamento clínico;​
    • Pacientes que por alguma razão (ordem pessoal, econômica, intolerância, etc.), acham-se impossibilitados de dar continuidade ao tratamento clínico. Aqui incluem-se os pacientes que têm boa resposta ao tratamento com os remédios, porém não têm boa adesão ou não fazem corretamente o tratamento;
    • Casos onde é exigido o tratamento contínuo de manutenção com medicamento para refluxo em dose adequada, especialmente em pacientes com menos de 40 anos de idade e que optam pela cirurgia; 
    • Esofagite grave, estenose de esôfago ou esôfago de Barrett (transformação das células do esôfago devido às constantes lesões na mucosa esofágica devido ao refluxo).

Em caso de suspeita de hérnia de hiato, um médico (preferencialmente um gastroenterologista) deverá ser consultado para avaliação, diagnóstico e tratamento correto.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Como é o diagnóstico e tratamento da ginecomastia?

Primeiro de tudo precisa ir ao médico, geralmente quem cuida dessa parte é o Mastologista que é uma sub-especialidade da ginecologia, mas pode procurar qualquer ginecologista, ele fará o exame da suas mamas e então decidirá o que fazer. Provavelmente terá que fazer uma ultrassonografia das mamas e a partir do resultado desse exame é que provavelmente vai dar para definir se o tratamento é cirúrgico ou com remédios.

Dr. Charles Schwambach
Olhos inchados: quais as causas e tratamento?

Os olhos (na verdade, geralmente as pálpebras) podem ficar inchadas por diversos motivos, quando estão inflamadas, quando a inflamação ocorre no(s) olho(s), ou quando há um excesso de fluidos (edemas) nos tecidos conjuntivos em torno dos olhos. Este inchaço pode ser doloroso ou não e afetar os olhos, as pálpebras superiores e as inferiores. A inflamação pode ser devida a:

  • Infecções: como por exemplo conjuntivites - a conjuntivite é uma inflamação da mucosa clara da superfície do olho, a conjuntiva. Podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos (mais raramente) ou serem alérgicas (vide abaixo, "alergias"). Resultam em inchaço das pálpebras, dentre outros sintomas, como olhos lacrimejantes, vermelhos e coceira. Já no hordéolo, popularmente conhecido como "terçol", ocorre uma infecção bacteriana seguida de inflamação nos folículos ciliares (hordéolo externo) ou glândulas de Zeiss (hordéolo interno). Quando essas glândulas ficam bloqueadas, o inchaço na pálpebra é um sintoma típico. Um terçol pode provocar inchaço em toda a pálpebra, deixando-a sensível ao toque também.
  • Blefarite: é uma inflamação, infecciosa ou não, das pálpebras, geralmente causada pela produção excessiva de uma camada lipídica gerada por uma glândula encontrada na pálpebra. A blefarite é caracterizada por pálpebras inchadas e dolorosas e podem ser acompanhadas por caspa, mudanças na pele da pálpebra e perda dos cílios. A blefarite é geralmente uma condição crônica, ou seja, os sintomas podem ser controlados com o tratamento adequado e com práticas de higiene rígidas, mas nunca é totalmente curada;
  • Lesões oculares: qualquer trauma na área dos olhos, incluindo uma contusão na pálpebra ou um trauma causado por uma cirurgia plástica (blefaroplastia) pode provocar inflamação e inchaço nos olhos;
  • Corpos estranhos / produtos irritantes: Também podem causar irritação nos olhos, com inchaço local. Incluem solventes de limpeza doméstica, produtos de higiene pessoal (maquiagem, hidratantes, shampoo e sabonete), cloro da piscina, serragem, fagulhas, pequenos insetos, etc;
  • Uso de lentes de contato: cuidados inadequados com o uso das lentes de contato - o uso de lentes mal higienizadas, nadar com lentes de contato ou armazenar a lente num estojo sujo - podem causar uma infecção nos olhos e inchaço nas pálpebras. Usar lentes de contato vencidas, danificadas ou dormir e esquecer de retirar as lentes também pode irritar os olhos e causar o inchaço;
  • Alergias: ocorrem quando o sistema imunológico reage exageradamente a uma substância estranha, chamada de alérgeno, liberando produtos químicos (o mais comum, a histamina). Trata-se de uma tentativa 'exagerada' do organismo se defender de uma substância à qual se sensibilizou, mesmo que esta seja inócua. Os vasos sanguíneos se dilatam sob efeito da histamina, provocando vermelhidão e edema (inchaço). Pólen, poeira, pelos de animais, alguns colírios e soluções para lentes de contato são alguns dos alérgenos oculares mais comuns;
  • Insuficiência renal: neste caso, ocorre retenção de líquidos devido à perda de função dos rins, que não conseguem eliminar o líquido do corpo com a mesma eficiência. O inchaço nas pálpebras pode expandir-se para todo o rosto e é mais evidente de manhã, logo ao acordar.
  • Problemas de saúde mais graves: celulite orbitária, doença de Graves, insuficiência renal ou herpes ocular.
    • Celulite orbitária: Esta é uma infecção bacteriana rara e muito séria dos tecidos circundantes do olho, resultando em inchaço doloroso da pálpebra superior e inferior, e, eventualmente, da sobrancelha e da bochecha. Os sintomas ainda incluem olhos saltados, diminuição da visão, febre e dor, quando o paciente move os olhos. A celulite orbitária é uma emergência médica e precisa ser tratada rapidamente para evitar a lesão do nervo óptico, a perda permanente da visão, dentre outras complicações graves. Se a infecção é limitada ao tecido mole das pálpebras, chamada de pré-celulite do septo, ela é menos grave do que a celulite orbital e pode muitas vezes ser tratada com medicação tópica, sem hospitalização. No entanto, o paciente precisa ficar atento, o início súbito dos sintomas acima mencionados deve ser considerado uma emergência médica.
    • Doença de Graves: esse distúrbio ocular, decorrente de uma tireoide hiperativa (hipertireoidismo), muitas vezes está associado a inchaço, pálpebras inchadas, exoftalmia (olhos saltados), visão dupla e pálpebras caídas (ptose).
    • Herpes ocular: transmitida pelo vírus herpes simples comum, a herpes ocular é por vezes apelidada de "afta do olho" e causa inflamação (e às vezes cicatrizes) na córnea. “Os sintomas da herpes ocular podem ser semelhantes ao da conjuntivite, no entanto, podem surgir feridas dolorosas na pálpebra, visão embaçada devido à opacidade da córnea e inchaço nos olhos, que obstruem a visão. Os tipos de herpes ocular variam de uma infecção ligeira a uma forma mais grave que pode resultar em transplante de córnea ou mesmo em perda de visão.
Tratamento de Olhos inchados

O tratamento das pálpebras inchadas depende da sua causa subjacente. Se os olhos do paciente estão inchados devido a alergias, colírios anti-histamínicos ou medicamentos de alergia oral, bem como lubrificantes podem ajudar a aliviar os sintomas. O oftalmologista também poderá prescrever colírios esteroides suaves para reações alérgicas mais graves. Outras causas, como infecções, conjuntivite ou herpes ocular respondem bem a antibióticos, colírios antivirais e a pomadas oculares anti-inflamatórios, dependendo da doença. Crises mais leves de inchaço nas pálpebras podem ser tratadas em casa. Em primeiro lugar, o paciente deve evitar esfregar os olhos, pois isso só irá agravar a sua condição. Além disso, se ele usa lentes de contato, deve suspender o uso até que o inchaço passe. A aplicação de uma compressa fria, por vezes, pode reduzir o inchaço das pálpebras, bem como compressas de água fria nas pálpebras fechadas. Mas é importante ter em mente que, se os sintomas persistirem ou piorarem, ou se o paciente sentir qualquer dor no olho, deve consultar o oftalmologista imediatamente.

Em caso de olhos inchados, um médico (preferencialmente um oftalmologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Qual o tratamento para sopro no coração?

O tratamento do sopro cardíaco pode ser variado. O sopro cardíaco é um sinal de uma doença e não uma doença em si. Deve-se avaliar a doença que está provocando o sopro e, a depender de qual for a doença, deverá ser instituído o tratamento específico.

Sopros benignos não precisam de nenhum tratamento. Sopros causados por anemia ou febre, desaparecem após o tratamento destes. No caso de lesão das válvulas, o tratamento é mais complexo. Se a lesão da válvula não acarreta maior esforço ao coração e não haver possibilidade de levar à insuficiência cardíaca, o tratamento é feito clinicamente, com medicamentos para diminuir o trabalho cardíaco, ou impedir que outras doenças prejudiquem o funcionamento do coração, como a hipertensão arterial. Nas situações mais graves, com importante lesão valvar, pode ser indicada a cirurgia cardíaca para:

  • plastia da valva;
  • troca da válvula nativa defeituosa por uma válvula artificial, que pode ser biológica ou metálica;
  • transplante cardíaco.

O médico cardiologista deverá avaliar a doença que está levando ao sopro e orientá-lo quanto ao tratamento adequado.

Dra. Ângela Cassol
Meu pai tem 59 anos e começou tratamento para emagrecer...

A medicação pode sim ter haver com o estado mental do seu pai, precisa voltar ao médico e contar toda essa situação, para que ele tome as medidas necessárias para o caso do seu pai.

Dr. Charles Schwambach
Qual o tratamento para febre reumática?

O tratamento da fase inicial da febre reumática inclui repouso, anti-inflamatórios, analgésicos e outros sintomáticos.

Depois de passada a fase inicial, pode ser necessário manter o uso de penicilina benzatina (que é um tipo de antibiótico injetável), repetidamente a cada três semanas, durante vários anos.

Esse tratamento precisa ser indicado e acompanhado por um clínico geral, pediatra ou reumatologista.

Dr. Gabriel Soledade