Perguntar
Fechar
Pergunte ao Médico
Como Funciona

Busca por cancer bucal

Quais são os sintomas de câncer de boca?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os principais sinais e sintomas do câncer de boca são o aparecimento de manchas, feridas, caroços ou inchaços nos lábios, céu da boca, gengiva, bochecha, língua, glândulas salivares ou amígdalas (garganta). As feridas decorrentes do câncer bucal não cicatrizam. As manchas têm coloração avermelhada ou esbranquiçada e podem surgir em qualquer local da cavidade oral ou nos lábios.

Outros sintomas que podem estar presentes nesses tipos de tumores malignos incluem:

  • Sensação de dormência em qualquer parte da boca;
  • Sangramentos sem uma causa aparente;
  • Dores na garganta que não passam;
  • Mobilidade dos dentes;
  • Rouquidão persistente;
  • Sensação de ter alguma coisa “entalada” na garganta;
  • Dificuldade para movimentar a língua.
Câncer no lábio

Dependendo do tamanho e da localização do tumor, o câncer de boca pode prejudicar o hálito e causar dificuldade para engolir, mastigar ou falar. Em fases mais avançadas, o câncer bucal pode provocar ainda perda de peso.

Os caroços ou nódulos também podem aparecer no pescoço. Nesse caso, não se trata do tumor em si, mas de gânglios linfáticos, também conhecidos como linfonodos, que estão com o tamanho aumentado. Trata-se de uma resposta do sistema imunológico ao tumor, já que esses gânglios participam do sistema de defesa do corpo.

Veja também: Linfonodos aumentados pode ser câncer?

O câncer de boca costuma surgir com mais frequência na mucosa localizada embaixo da língua, na lateral da língua e na porção posterior do céu da boca.

As lesões do câncer bucal normalmente não provocam dor na fase inicial e vão se tornando progressivamente mais dolorosas com o tempo.

Quais as causas do câncer de boca?

Pessoas que fumam, tomam bebidas alcoólicas frequentemente ou se expõem excessivamente ao sol são as mais propensas a desenvolverem câncer na boca.

O tabagismo e o álcool são as principais causas de câncer de bucal. A fumaça do cigarro provoca diversas alterações na mucosa oral e tem uma ação cancerígena direta sobre as células que recobrem essa mucosa.

Por isso, quem fuma tem de 5 a 7 vezes mais chances de desenvolver câncer de boca do que alguém que não fuma. Além disso, quanto maior o número de cigarros, maior é o risco de desenvolver a doença.

Contudo, há ainda outros fatores de risco que favorecem o aparecimento desse tipo de câncer, como:

  • Má higiene bucal;
  • Dentes quebrados não restaurados ou próteses que podem causar lesões ou irritação na gengiva ou nos lábios;
  • Falta de vitaminas;
  • Infecção por HPV;
  • Ingestão frequente de bebidas quentes;
  • Excesso de peso;
  • Exposição a produtos como amianto, agrotóxico, solventes, poeiras de madeira, couro, cimento, cereais e têxtil, formaldeído, sílica e fuligem de carvão.

Mais de 90% dos casos de câncer de boca são do tipo carcinoma. Os melanomas, linfomas e sarcomas são tumores malignos pouco comuns que afetam a cavidade oral.

Câncer de boca tem cura?

Se for detectado e tratado corretamente nas fases iniciais, o câncer de boca tem boas chances de cura. No entanto, o câncer bucal tem altas taxas de mortalidade, principalmente devido ao diagnóstico tardio da doença.

O tratamento do câncer de boca é feito através de cirurgia e radioterapia. Os tratamentos podem ser realizados em conjunto ou isoladamente.

O diagnóstico precoce do tumor aumenta de forma significativa as taxas de sobrevivência, por isso é fundamental para o sucesso do tratamento e para a cura do câncer bucal.

Vale lembrar que nem toda ferida, mancha ou caroço na boca é um sinal de câncer, mas é importante que essas manifestações sejam avaliadas por um dentista estomatologista.

Quais são os sintomas do câncer de língua?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O câncer de língua pode se manifestar sob a forma de aftas ou feridas dolorosas que não cicatrizam, aumentam de tamanho e não melhoram com os tratamentos. As lesões costumam sangrar e têm as bordas rígidas. Os sinais e sintomas também podem incluir a presença de manchas vermelhas ou esbranquiçadas que normalmente não causam dor.

Pessoas com câncer de língua também podem sentir dormência no local e apresentar inchaço ou caroços na língua. 

A presença de caroços ou nódulos no pescoço também é comum. Nesse caso, trata-se do aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, também chamados de linfonodos. Esses pequenos órgãos de defesa participam do sistema imune do corpo e podem aumentar de tamanho em caso de inflamações, infecções e câncer.

Veja também: Linfonodos aumentados pode ser câncer?

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de câncer na língua ou em qualquer parte da boca (lábios, gengivas, garganta) são o consumo frequente e excessivo de cigarro e bebidas alcoólicas. 

Pessoas infectadas pelo vírus HPV ou que machucam constantemente a língua, geralmente com próteses dentárias mal ajustadas, também têm mais chances de desenvolver câncer de língua. A má higiene bucal também contribui para o aparecimento do tumor.

O câncer de língua tem cura, mas é importante detectá-lo precocemente e começar o tratamento nas fases iniciais do tumor.

A presença desses sintomas na língua ou em qualquer porção da cavidade oral deve ser avaliada pelo/a dentista especialista em estomatologia.

Também podem lhe interessar:

Quais são os sintomas de câncer de boca?

Formigamento na língua, o que pode ser?

O que pode causar edema de língua?

Língua rachada o que pode ser? Qual o tratamento?

Tenho a língua inchada: o que pode ser?

Anticoncepcional pode causar nódulo ou câncer de mama?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na verdade ainda não existe um consenso sobre esse assunto. Esse é um tema bastante estudado e controverso, com publicações constantes sobre o aumento do risco, benefícios e suas características principais. No Brasil, a federação de ginecologia e obstetrícia, FEBRASGO,  defende que o uso das medicações mais novas, principalmente, e com devido acompanhamento médico, é sim seguro.

Em 2017, um trabalho grande sobre o assunto na Dinamarca, mostrou que sim, o uso do anticoncepcional hormonal continua aumentando o risco de câncer de mama, quando comparado a mulheres que não fazem uso, porém um risco ainda considerado baixo. Entretanto, concluiu também que existe um benefício, de proteção, contra câncer de endométrio, ovário e intestino.

Alguns pontos aceitos pela maioria dos pesquisadores nesta área são:

1. O uso de medicamentos antigos, com dosagens maiores de hormônios aumentam o risco;

2. O uso contínuo por mais de 10 anos, parece aumentar o risco;

3. A história familiar de câncer, seja de mama ou outro órgão, aumenta o risco pela predisposição genética;

4. Obesidade, sedentarismo, uso abusivo de bebidas alcoólicas, são comprovadamente fatores de maior risco para câncer de mama,

5. Existem ainda evidências bem estabelecidas e aceitas de que a pílula anticoncepcional pode ajudar a prevenir além do câncer de ovário, endométrio e intestino, protegem contra:

  • Miomas;
  • Endometriose;
  • Pólipos;
  • Cistos no ovário;
  • Alguns tipos de infecção;
  • Alterações benignas das mamas.

Leia mais sobre o assunto em Além de impedir a gravidez, para que pode servir o anticoncepcional?

Fale com o/a seu/sua médico/a ginecologista sobre os eventuais riscos e os benefícios da pílula anticoncepcional e faça regularmente seu auto exame de mama.

Também pode lhe interessar: O que é um nódulo isodenso?

Beber álcool aumenta a probabilidade de ter câncer de mama?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O consumo de bebida alcoólica aumenta o risco desenvolvimento de vários tipos de câncer, inclusive o câncer de mama.

Sabemos que para o desenvolvimento do câncer de mama, muitos fatores de risco são envolvidos como idade, predisposição genética, uso de hormônios (pílula anticoncepcional e terapia de reposição) contendo estrogênio, idade da menarca, idade da menopausa, idade do primeiro filho, entre outros. O consumo de álcool, juntamente com esses outros fatores, influencia no aumento da probabilidade de ter câncer de mama.

Nenhum fator desses isoladamente vai determinar o aparecimento do câncer. Para que o câncer de mama seja instalado há uma conjunção de elementos dependentes das características de cada pessoa e de sua exposição ao longo da vida.

O consumo de álcool também pode ser maléfico para outros aspectos da saúde e aumenta a chance de surgimento de outras doenças. Por isso, é sempre recomendável o uso reduzido de bebidas alcoólicas ou mesmo a abstenção para as pessoas que apresentam outros fatores de risco associados. 

Leucoplasia é câncer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Leucoplasia não é câncer, mas é uma lesão com potencial de malignização, ou seja, em alguns casos pode tornar-se câncer. A taxa de transformação maligna da leucoplasia varia nos estudos de 0% a 20%, m uma média de de 5%

Embora não seja possível prever quais lesões irão sofrer transformação maligna, sabe-se que as leucoplasias de aspecto não homogêneo são as que têm mais chances de evoluir para câncer.

Outros fatores de risco para a malignização incluem: persistência da lesão por tempo prolongado, presença da leucoplasia em pessoa não fumante, localização na língua ou soalho da boca, lesão maior que 2 cm2 .

A leucoplasia é uma mancha ou placa branca que surge na boca e que não é possível remover com raspagem. Suas causas estão muito associadas ao hábito de fumar, sendo por isso mais comum em fumantes.

Pode ser classificada como homogênea e não homogênea. A primeira apresenta placas brancas uniformes, lisas e finas, enquanto que a não homogênea tem uma superfície rugosa, verrucosa ou com áreas avermelhadas.

Veja também: Língua branca é sinal de doença?

A leucoplasia verrucosa proliferativa é uma forma não homogênea de leucoplasia com elevado risco de se transformar em câncer. Suas lesões são múltiplas e resistentes ao tratamento.

O diagnóstico da leucoplasia é conformado através de biópsia. Uma vez detectada, recomenda-se afastar os fatores de risco, realizar um acompanhamento clínico e remover a lesão cirurgicamente, quando possível.

O tratamento da leucoplasia pode ser feito com medicamentos (retinoides, betacaroteno, bleomicina), terapia fotodinâmica ou cirurgia. Os tratamentos cirúrgicos incluem criocirurgia, laser e remoção cirúrgica convencional.

Para prevenir o aparecimento do câncer, é feita a remoção cirúrgica da leucoplasia. Contudo, a retirada da lesão não é totalmente eficaz para prevenir o aparecimento do câncer. Isso porque o tumor pode se desenvolver em áreas adjacentes à leucoplasia e não apenas onde estava a lesão.

Portanto, não existe um tratamento capaz de prevenir recidivas ou impedir que a leucoplasia se transforme em câncer.

Para maiores informações, consulte um cirurgião dentista.

Fiz o Preventivo do Câncer de Colo do Útero e deu...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Quer dizer que o exame está normal. Vamos detalhar um pouco a descrição para melhor compreensão, entretanto é fundamental que leve o resultado para o médico que o solicitou, pois o exame é um dado complementar ao exame físico e história do paciente. Não define ou descarta nada sozinho.

O que é o exame preventivo?

Também conhecido por Papanicolau, o exame preventivo é uma avaliação ginecológica, que deve ser realizada periodicamente, de acordo com a faixa etária da mulher.

No exame é coletado material celular do colo do útero e regiões ao redor, com o objetivo principal de detectar células anormais precocemente. Por isso o exame é considerado exame de rastreio para câncer de colo de útero.

Leia também: Com qual idade a mulher deve fazer o preventivo pela primeira vez?

Como entender o resultado do exame preventivo?

No exame são avaliados itens como: tipo de célula encontrada, presença de lesão ou reação inadequadas, germe mais prevalente na flora bacteriana e presença ou ausência de lesão neoplásica (células tumorais).

O médico especialista deverá avaliar os dados e comparar aos considerados normais para sua faixa etária, para definir a melhor conduta em cada caso.

No seu caso, as células escamosas são as células normalmente encontradas no exame de Papanicolau, assim como as alterações celulares benignas reativas ou reparativas e a prevalência de lactobacilos sp.

Um dos dados mais importantes, a pesquisa de células neoplásicas, no seu caso aparece como negativa, o que significa que as células não foram evidenciadas descartando a possibilidade de câncer por esse exame

Leia também: Fiz exame de papanicolau e gostaria entender resultado...

Por isso seu resultado é considerado normal. Mantenha o acompanhamento regular com seu/sua médico/a ginecologista.

Pode lhe interessar: O que significa lactobacillus sp no preventivo? e O que é neoplasia? É câncer?

Quais os sintomas do câncer de endométrio?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O principal sintoma do câncer de endométrio é o sangramento vaginal, chamado sangramento uterino anormal, que pode se manifestar na fase inicial da doença e ocorre em mais de 90% dos casos de câncer de endométrio.

Outros sintomas que também podem estar presentes incluem dor, sensação de peso na pelve, corrimento vaginal e emagrecimento.

O sangramento uterino em mulheres na pós-menopausa é um forte indício de câncer de endométrio, uma vez que a maioria das pacientes afetadas pelo tumor encontram-se nessa fase. Nesses casos, é comum ainda a queixa de corrimento vaginal de cor branca ou amarelada, semanas ou meses antes do início do sangramento.

Sangramentos vaginais fora do período menstrual em mulheres na pré-menopausa também devem ser investigados.

Quando o câncer já se espalhou para outras partes do corpo (metástase), podem surgir sinais e sintomas relacionados com os órgãos atingidos pela doença, tais como:

  • Prisão de ventre (intestinos);
  • Dificuldade para urinar (bexiga);
  • Tosse, falta de ar (pulmões);
  • Icterícia (fígado);
  • Presença de nódulos ou "ínguas" (linfonodos);
  • Tumor vaginal.

O câncer de endométrio é o câncer ginecológico mais comum nos países desenvolvidos. Os fatores de risco para desenvolver o tumor incluem terapia com estrógenos, ausência de ovulação crônica, obesidade, hipertensão arterial, idade entre 40 e 50 anos, pré-disposição genética, primeira menstruação precoce e menopausa tardia.

O câncer de endométrio tem tratamento, mas é importante que o mesmo seja iniciado o mais cedo possível. Consulte um médico ginecologista em caso de sangramento uterino anormal, principalmente se você estiver na pós ou pré-menopausa.

Saiba mais em: Câncer de endométrio tem cura?

O câncer de pele tem cura?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Câncer de pele tem cura, mas é importante que haja um diagnóstico precoce. Quanto mais cedo o câncer de pele for descoberto, maior é a chance de sucesso no tratamento e, consequentemente, de cura do paciente.

Há 3 tipos de câncer de pele: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma. Dentre eles, os carcinomas representam a grande maioria dos casos.

Contudo, é o melanoma que apresenta o maior risco de morte devido ao risco de metástase (alastramento do câncer para outros órgãos do corpo). Porém, se for diagnosticado precocemente, o melanoma tem um alto percentual de cura.

Câncer de pele do tipo melanoma

A maioria dos casos de câncer de pele do tipo melanoma, quando há metástase, não tem cura. Por isso, é importante detectar e tratar a doença ainda nas fases iniciais. Apesar de não ter cura, o tratamento do melanoma nas fases avançadas permite prolongar o tempo de vida da pessoa e controlar a doença a longo prazo.

Como é o tratamento para câncer de pele?

O tratamento do câncer de pele depende do tamanho, do tipo e da localização do tumor. Os carcinomas podem ser curados por completo através de cirurgia.

Nos casos em que há um maior risco de metástase ou quando ela já ocorreu, pode ser necessário realizar radioterapia ou quimioterapia após a cirurgia.

Tratamento dos carcinomas basocelulares e espinocelulares Cirurgia 

O tratamento cirúrgico consiste na remoção do tumor e também de uma área de pele ao redor, como margem de segurança. Após a retirada do tumor, os tecidos são analisados para garantir que foram extraídas todas as células cancerígenas. A remoção cirúrgica do câncer de pele tipo carcinoma tem elevadas taxas de cura.

Curetagem e eletrodissecção

Esses tipos de tratamento são usados em casos de câncer de pele em que os tumores são pequenos. Os procedimentos consistem na raspagem da lesão e na destruição do tumor com um bisturi elétrico. 

Os procedimentos devem ser repetidos algumas vezes e não são indicados para cânceres de pele mais invasivos.

Criocirurgia

A criocirurgia destrói o câncer de pele através de congelamento com nitrogênio líquido. As taxas de cura nesse tipo de procedimento são menores que na cirurgia de remoção do tumor, sendo mais usada em tumores menos invasivos, menores e recorrentes.

Cirurgia a laser

A cirurgia a laser retira o tumor por meio de raio laser, sem causar sangramentos. Trata-se de uma técnica indicada muitas vezes para pessoas com distúrbios na coagulação sanguínea. 

Cirurgia Micrográfica de Mohs

Nesse tratamento, retira-se o tumor e um pedaço de pele ao redor com uma cureta. O procedimento é repetido diversas vezes, até a eliminação completa das células cancerosas. A técnica é especialmente indicada em casos de tumores mal delimitados ou localizados na face.

Terapia fotodinâmica

Na terapia fotodinâmica, é aplicado um ácido no tumor e, depois de algumas horas, a área lesionada é exposta a uma luz intensa que ativa o ácido, destruindo o câncer de pele.

Além das cirurgias, o tratamento dos carcinomas podem inclui ainda radioterapia, quimioterapia, imunoterapia e uso de medicamentos tópicos e orais.

Tratamento do melanoma

O tratamento do melanoma depende da localização, agressividade, tamanho do tumor, idade e estado geral de saúde da pessoa. As técnicas mais utilizadas são a remoção cirúrgica e a Cirurgia Micrográfica de Mohs. Também são usados quimioterapia, radioterapia e imunoterapia. 

É importante estar atento a qualquer alteração nas pintas ou feridas na pele que não cicatrizam. Se algum desses sinais for observado, recomenda-se procurar o/a médico/a dermatologista ou médico/a de família o mais rápido possível.

Câncer de endométrio tem cura?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, câncer de endométrio tem chance de cura. Segundo associações de câncer no Brasil, mais de 90% das mulheres com câncer de endométrio localizado, alcançam a cura da doença após o tratamento adequado. Apenas pequena parcela, com doença já avançada ou presença de metástases, reduzem consideravelmente esta estatística.

O tratamento é cirúrgico, com retirada do útero (histerectomia), trompas, ovários e gânglios linfáticos regionais. Quimioterapia, radioterapia e terapia hormonal também podem ser indicadas após a cirurgia, como tratamento complementar.

Entretanto, quando o câncer já disseminou para outros órgãos do corpo (metástase), a quimioterapia passa a ser o tratamento de escolha, e a taxa de cura é bem menor.

O procedimento cirúrgico pode ser realizado por meio de métodos minimamente invasivos, como a laparoscopia, ou pela cirurgia aberta, laparotomia.

Após o fim do tratamento, a paciente deve ser avaliada regularmente pelo médico ginecologista. Os cuidados no 1º e no 2º ano após a cirurgia podem incluir radiografias, exames pélvicos, exames de sangue e Papanicolau seriados, a cada 3 meses, ou anual, dependendo de cada caso.

Lembrando que sempre que houver sintomas como emagrecimento, perda de apetite, alterações urinárias ou intestinais, dor ou sangramento vaginal, deve informar imediatamente ao médico.

Saiba mais em: Quais os sintomas do câncer de endométrio?

Minha bisavó tem 87 anos, há mais de 4 anos ela ela começou emagrecer mas o médico disse que não é câncer. O que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Realmente parece ser uma história muito compatível com câncer, mas se o médico dela diz que não é, então precisamos acreditar que é verdade.

Vocês como família só podem é aproveitar os poucos momentos que ainda tem com ela, ela tem 87 anos e frente a esse quadro clínico é difícil que ela resista muito tempo, sempre há de se ter fé e esperança, ela está internada e provavelmente bem acompanhada e tratada com aquilo que se pode fazer, de nada adianta procurar doenças ou diagnóstico numa hora dessas (mesmo que se encontre alguma coisa, nada vai ser feito - ela não tem condições nenhuma de cirurgia ou qualquer outro procedimento, ou medicamento mais forte).

Como família, sempre acreditamos que fomos negligentes, sempre acreditamos que poderíamos ter feito algo a mais. O que vocês puderam fazer vocês já fizeram, agora ela está na mão da medicina e de Deus, cabe a vocês darem carinho e amor, é o que mais ela precisa agora.

Quais são os sintomas de câncer na garganta?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O principal sintoma de câncer na garganta (laringe) é a rouquidão. Outros sinais e sintomas incluem dificuldade para engolir e respirar, alterações na voz, sensação de "bolo" na garganta, dor na garganta que pode irradiar para o ouvido, presença de nódulos no pescoço e sangramento ao tossir.

Vale lembrar que esses sinais são muito comuns em outras situações e, na maioria das vezes, não são causados por câncer na garganta. Contudo, a presença de um ou mais desses sintomas durante mais de duas semanas deve ser avaliada pelo/a médico/a otorrinolaringologista ou médico/a de família, principalmente se a pessoa for fumante e tiver o hábito de beber bebidas alcoólicas regularmente.

O câncer de laringe é mais frequente em homens e representa cerca de 25% dos tumores malignos que acometem a região da cabeça e pescoço. Mais da metade dos casos ocorre nas cordas vocais, enquanto que aproximadamente 33% dos tumores afetam a laringe acima das cordas vocais.

O diagnóstico do câncer na garganta é feito através de biópsia. O procedimento pode ser realizado sob anestesia local ou geral.

O tratamento do câncer de laringe depende das características e da fase em que está o tumor. Dependendo da localização e da extensão, o tratamento pode incluir cirurgia, radioterapia e quimioterapia. 

Quanto mais cedo o tumor for diagnosticado, maiores são as chances de evitar problemas nos dentes, na fala e na deglutição causados pelo tratamento. A retirada total da laringe leva à perda da voz e requer a abertura de um orifício definitivo na traqueia (traqueostomia).

Algumas técnicas cirúrgicas já permitem preservar a função da laringe. Também é possível reabilitar a voz através de próteses específicas, mesmo nos pacientes que foram submetidos à remoção total do órgão.

A associação de cigarro com bebidas alcoólicas aumenta em mais de 40 vezes as chances de desenvolver câncer na garganta. Quem fuma já tem 10 vezes mais chances de ter a doença do que quem não fuma. 

Além disso, má alimentação (alimentos muito temperados ou gordurosos), estresse, usar a voz de forma inadequada e ingerir bebidas muito quentes ou muito frias também aumentam o risco de câncer de laringe.

O/a otorrinolaringologista é o/a especialista indicado/a para diagnosticar e tratar câncer na garganta.

Saiba mais em: Quais são os sintomas de câncer de boca?

Diverticulite pode virar câncer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não, diverticulite não vira câncer nem aumenta o risco de desenvolver tumores. As principais complicações da diverticulite são:

  • Infecção, formação de abscesso ou peritonite (infecção na cavidade abdominal);
  • Perfuração;
  • Obstrução intestinal;
  • Fístulas e
  • Sangramento.

A diverticulite normalmente melhora em poucos dias após o início do tratamento com antibióticos.

Porém, se a resposta ao tratamento não for satisfatória, pode sinalizar uma complicação, como a formação de um abscesso (acúmulo de pus), que geralmente não responde ao tratamento pela dificuldade do antibiótico penetrar na cápsula que circunda o abscesso, sendo necessário drenagem cirúrgica.

O divertículo inflamado também pode apresentar pequenas perfurações, o que permite o extravasamento do pus para a cavidade abdominal, causando peritonite (infecção generalizada da cavidade abdominal). Complicação mais grave, por isso a mais temida e que necessita de cirurgia de emergência.

A obstrução intestinal ocorre devido à cicatrização da área inflamada, que diminui o espaço interno das alças do intestino, impedindo a passagem parcial ou completa das fezes.

Outra complicação da diverticulite, decorrente dessa cicatrização das alças intestinais, é a formação de uma fístula (comunicação anormal entre dois órgãos). A fístula ocorre devido à maior facilidade que os tecidos inflamados têm de ficarem "grudados" quando entram em contato um com o outro, formando assim uma comunicação entre eles.

No caso da diverticulite, os órgãos mais susceptíveis para formação de fístulas, pela proximidade do intestino, são a bexiga, pele ou mesmo outra alça intestinal. A mais frequente é a fístula entre o cólon e a bexiga, causando infecção urinária crônica, de difícil tratamento.

O sangramento é uma complicação rara da diverticulite, sendo notado pelo paciente nas fezes. A maioria dos sangramentos cessa espontaneamente, mas há casos em que eles podem ser graves e necessitar de intervenção cirúrgica.

Para maiores informações sobre as possíveis complicações da diverticulite, e qual será a melhor conduta para o seu caso, consulte um/a médico/a gastroenterologista.

Saiba mais em:

O que é diverticulite?

Diverticulite tem cura? Qual o tratamento?