Perguntar
Fechar

Busca por losartana

Pode tomar losartana potássica com besilato de anlodipino?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. A losartana e o besilato de anlodipina podem ser utilizados em conjunto e alguns médicos fazem esta combinação com frequência. Inclusive existe no mercado medicamento já com esta formulação dupla.

A associação de losartana e anlodipina é utilizada para tratamento de hipertensão arterial leve com ótimos resultados. Ambas as substâncias causam no organismo, por meios distintos, a dilatação dos vasos sanguíneos, aumentando o aporte de sangue e oxigênio para o músculo do coração, reduzindo assim seu esforço em bombear o sangue para todo o corpo, consequentemente reduzindo a pressão arterial. 

Lembre-se que a hipertensão arterial é uma doença muito comum na nossa população e de tratamento simples, entretanto ainda é responsável pela maioria dos casos de Acidente vascular cerebral (derrame) e infarto agudo do miocárdio, devido ao alto índice de tratamento irregular.

Portanto a hipertensão deve ser tratada com mais seriedade, seguindo as orientações não só quanto aos medicamentos, mas também orientações alimentares, atividade física regular e hábitos de vida mais saudáveis. 

O médico/a cardiologista é o responsável pelo tratamento da hipertensão arterial e esclarecimentos quanto às medicações que prescreve. No caso de dúvidas agende uma consulta com seu médico/a.

Pode lhe interessar também:

Para que serve a losartana potássica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A losartana potássica é uma medicação utilizada no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e na proteção dos rins em alguns pacientes com diabetes tipo 2.

A losartana potássica pode ser indicada para pessoas com pressão arterial elevada e que estão em tratamento de controle. Essa medicação deve ser usada todos os dias e na quantidade indicada na receita médica.

Por apresentar um efeito renal, ela também serve para proteger os rins de algumas lesões causadas pelo diabetes, retardando a evolução da doença renal.

Além disso, a losartana potássica serve para reduzir o risco de infarto e derrame cerebral em pessoas com hipertrofia do ventrículo esquerdo (espessamento das paredes do coração) e hipertensão.

Em alguns casos, ela será usada juntamente com outras medicações.

Para manter o efeito prolongado de controle da pressão arterial, a losartana deve ser usada de forma contínua, sem esquecimentos, no período do dia que melhor convier para a pessoa e durante o tempo determinado pelo médico.

Como funciona a losartana potássica?

A losartana potássica dilata os vasos sanguíneos, auxiliando o coração a bombear o sangue para o resto do corpo. Esse mecanismo de ação da losartana contribui para baixar a pressão arterial.

A losartana potássica também favorece o funcionamento do coração em pessoas com insuficiência cardíaca.

Como tomar losartana potássica?

Para o tratamento da hipertensão arterial e hipertrofia do ventrículo esquerdo, a dose indicada de losartana potássica é de 50 mg a 100 mg, uma vez ao dia. O medicamento atua durante 24 horas, mantendo a pressão arterial controlada nesse período.

Na insuficiência cardíaca, a dose inicial de losartana potássica é de 12,5 mg, uma vez ao dia. A dosagem pode ser gradualmente aumentada até se atingir a dose ideal. Em geral, para tratamentos prolongados, a dose de losartana potássica costuma ser de 50 mg, uma vez ao dia.

No diabetes tipo 2, a dose de losartana potássica costuma ser de 50 mg, uma vez ao dia. Contudo, a dosagem pode ser aumentada para 100 mg, uma vez ao dia.

A losartana potássica pode ser tomada sem ou junto com alimentos. A dose do medicamento depende do estado de saúde da pessoa e de outras medicações que ela estiver tomando.

Quais são os efeitos colaterais da losartana potássica?

Efeitos colaterais comuns (ocorrem em 10% dos casos): tonturas, diminuição da pressão arterial, debilidade, cansaço, diminuição dos níveis de glicose (açúcar) no sangue, aumento dos níveis de potássio, ureia e creatinina no sangue, funcionamento renal alterado, falência renal e anemia.

Efeitos colaterais incomuns (ocorrem em 1% dos casos): sonolência, dor de cabeça, distúrbios do sono, palpitações, dor no peito, falta de ar, dores abdominais, prisão de ventre, diarreia, náuseas, vômitos, urticária, coceira, erupções cutâneas, inchaço localizado e tosse.

Efeitos colaterais raros (ocorrem em 0,1% dos casos): reações alérgicas, angioedema, inflamação dos vasos sanguíneos, dormência, formigamento, desmaio, batimentos cardíacos acelerados e irregulares, derrame cerebral, hepatite e aumento dos níveis de alanina aminotransferase (ALT).

A losartana potássica deve ser usada apenas com prescrição médica. Na presença de qualquer efeito colateral, o médico que receitou o medicamento deve ser informado.

Quais os efeitos colaterais da losartana potássica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os principais efeitos colaterais da losartana podem ser: 

  • Diarreia; 
  • Dor no peito; 
  • Tosse; 
  • Hipoglicemia; 
  • Anemia; 
  • Fadiga e cansaço; 
  • Queda da pressão; 
  • Tontura. 

Outros efeitos colaterais podem aparecer, mas são menos comuns

  • Náusea; 
  • Dor abdominal; 
  • Congestão nasal; 
  • Ganho de peso; 
  • Infecções; 
  • Gastrite. 

Na presença de algum efeito colateral, a pessoa deve comunicar ao/à médico/a. Esses efeitos colaterais podem ser provisórios a depender de cada caso. É importante relatar a presença desses efeitos para que o/a médico/a possa avaliar uma possível troca de medicação ou mudança na dosagem

Use medicações apenas com a receita médica e na dosagem devidamente indicada. 

Leia também: 

Para que serve a losartana potássica?

Losartana potássica causa impotência?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A losartana pode causar impotência.

A impotência não é um efeito colateral comum da losartana, podendo se manifestar em menos de 1% das pessoas que fazem uso da medicação. Ou seja, é um efeito colateral muito raro da medicação, mas que pode acontecer.

Por ser um efeito colateral raro de ocorrer, o homem com impotência sexual e que esteja em uso da medicação deve procurar o/a médico/a para uma avaliação pormenorizada em busca de outras causas.

Toda medicação deve ser tomada apenas com receita médica e na dosagem apresentada na prescrição. Na presença de algum efeito indesejável, procure, de preferência, o/a médico/a que lhe receitou a medicação.

Leia também:

Quais os efeitos colaterais da losartana potássica?

Para que serve a losartana potássica?

Losartana faz engordar ou reter líquido?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Losartana não engorda, mas raramente pode provocar inchaço. A presença de inchaço localizado (edema) devido a losartana já foi relatado, mas é considerada um efeito adverso incomum ou seja pode ocorrer em 1 a cada 100 pessoas. Já em relação há ganho de peso por causa do medicamento não há relatos.

Outros efeitos adversos da losartana mais frequentes são:

  • Tontura;
  • Pressão sanguínea baixa (especialmente após a perda excessiva de água do corpo do vasos sanguíneos, por exemplo em pacientes com insuficiência cardíaca grave ou que esteja sendo tratado com altas doses de diuréticos);
  • Efeitos ortostáticos relacionados com a dose, tais como diminuição da pressão sanguínea ao se levantar da posição sentada ou deitada; -
  • Debilidade; 
  • Fadiga; 
  • Pouco açúcar no sangue (hipoglicemia); 
  • Muito potássio no sangue (hipercalemia);
  • Alteração no funcionamento dos rins, incluindo falência renal;
  • Anemia (diminuição do número de glóbulos vermelhos do sangue);
  • Aumento da ureia no sangue, da creatinina e do potássio sérico em pacientes com insuficiência cardíaca (enfraquecimento do coração).

A losartana é um medicamento frequentemente usado no tratamento da hipertensão arterial, muito eficaz e bem tolerado na maioria dos casos.

Procure o seu médico caso apresente algum efeito adverso para maiores orientações.

Leia também:

Quais os efeitos colaterais da losartana potássica?

Tomo losartana posso tomar cerveja ou outra bebida?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Cerveja uma lata no máximo, muito eventualmente (1 vez por semana) ou um cálice de vinho tinto seco 1 vez ao dia não teriam riscos, outras bebidas mais fortes nem pensar.

Meu sogro tomava Lozartana para pressão, foi internado...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Propranolol e Losartana são muito diferentes, com ações muito diferentes, então o mais provável é que ele deve tomar os dois, porém precisam ir ao médico habitual dele o mais rápido possível para organizar essa medicação.

Quando minha pressão está 12/9 sinto dores no peito?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pode ser um sintoma de pressão alta, ansiedade ou também de doenças cardiovasculares, como angina ou infarto agudo do miocárdio.

Sabendo que a doença cardiovascular ainda representa a principal causa de morte no mundo, é fundamental que essa suspeita seja logo avaliada, através de uma consulta médica criteriosa.

Portanto, nesse caso, sugerimos que procure imediatamente o seu médico cardiologista e informe sobre esses sintomas.

Propranolol®

O propranolol® é um medicamento anti-hipertensivo, que age reduzindo a frequência cardíaca, portanto indicado para casos de hipertensão arterial, angina, risco elevado de infarto agudo do miocárdio, ainda, enxaqueca e tremores.

Losartana®

A losartana® proporciona a dilatação dos vasos sanguíneos, por isso está indicada para casos de hipertensão arterial, prevenção de infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral, também atua na proteção de lesão renal em pacientes diabéticos.

Visto isso, seja por pico hipertensivo, angina, ou mesmo a ansiedade, as medicações vão aliviar os seus sintomas, entretanto não tratam as possíveis causas efetivamente. Com isso mantém o risco de evoluir com alguma doença mais grave.

O propranolol® melhora a Ansiedade?

Sim. Trabalhos já demostraram a melhora da ansiedade com o uso do betabloqueador, pelo seu efeito no coração, reduzindo a frequência cardíaca. É comum na ansiedade a presença de taquicardia, devido a liberação de neurotransmissores estimulantes. A taquicardia por sua vez, origina a sensação de aperto no peito, angústia e "bolo" na garganta, aumentando mais a ansiedade.

Quando o propranolol controla a frequência cardíaca, automaticamente alivia os sintomas gerados pela taquicardia emocional.

Outras causas possíveis

Existem ainda outras causas possíveis para esses sintomas, como problemas respiratórios, problemas gástricos, excesso de gases, contraturas e fadiga muscular.

Leia também: Quais as causas mais comuns de dor no peito?

Procure um atendimento médico, com clínico geral, médico da família ou cardiologista, para uma melhor avaliação e conduta.

O remédio Belisato de Anlodipino é para tratamento de pressão alta?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o Besilato de Anlodipino é um fármaco da classe dos bloqueadores do canal de cálcio, comumente utilizado no tratamento da hipertensão arterial (pressão alta). Pode ser utilizado de maneira isolada ou associado a outra medicamento anti-hipertensivo, como a losartana.

Apresenta alta eficácia no controle da pressão alta, por isso está entre os medicamentos considerados de primeira linha, ou seja, medicamentos que costumam ser a primeira escolha do médico no início do tratamento pelo fato de serem mais eficazes, principalmente quando indicada no tratamento de hipertensão em grupos de idoso ou negros. 

Leia também: Pode tomar Losartana Potássica com Besilato de Anlodipino?

O Anlodipino também é comumente utilizada no tratamento da angina estável, que é um quadro de dor no peito de origem coronariana, principalmente, em conjunto com medicamentos da classe dos beta-bloqueadores. 

É importante lembrar que o Besilato de Anlodipino é um fármaco que o uso está recomendado apenas sobre prescrição médica. Portanto, caso precise de mais informações consulte o seu médico de família ou clínico geral.

Pode também ser do seu interesse:

Quais os sintomas da pressão alta?

Qual o tratamento e prevenção para hipertensão arterial?

O Fluconazol corta o efeito do anticoncepcional?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Fluconazol não corta o efeito do anticoncepcional.

Os remédios que mais reduzem o efeito dos anticoncepcionais são:

  • Anticonvulsivantes (Carbamazepina, Topiramato, Oxcarbazepina, Fenitoína e Fenobarbital);
  • Rifampicina;
  • Rifabutina;

  • Primidona;

  • Anabolizantes;

  • Alguns anti retrovirais como o Ritonavir.

Por isso é fundamental informar ao médico, todas as medicações que faça uso, mesmo que de forma irregular, porque diversas substâncias podem interagir e prejudicar no seu tratamento.

Veja também: Interação dos Anticoncepcionais com outros Remédios e 5 Coisas que Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional

Independente dos anticoncepcionais, outras medicações devem ser avaliadas para o uso conjunto de Fluconazol®.

Medicamentos contraindicados para uso conjunto com Fluconazol®
  • Cisaprida
  • Terfenadina
  • Astemizol
  • Pimozida
  • quinidina
  • Eritromicina
Medicamentos que podem interagir com o Fluconazol®

Outros medicamentos interagem com o antifúngico, por isso, embora não sejam contraindicados para o uso conjunto, devem ser informados ao médico, para o devido ajuste, sempre que necessário.

Listamos como efeitos indesejados, a interação entre Fluconazol® e os medicamentos abaixo:

  • Anticoagulantes (varfarina®) - aumento do efeito do anticoagulante, com maior risco de sangramento;
  • Hidroclorotiazida® - aumenta a concentração de fluconazol®, podendo sobrecarregar o fígado;
  • Antidepressivos tricíclicos (amitriptilina®, nortriptilina®) - aumento dos efeitos dos antidepressivos, podendo ser necessário o ajuste no período;
  • Losartana® - inibição do metabolismo da losartana®, podendo causar aumento da pressão arterial;
  • Bloqueadores de canal de cálcio (nifedipina®, anlodipina®, verapamil®) - aumenta a ação sistêmica dos bloqueadores de canal de cálcio, podendo potencializar os efeitos colaterais;
  • Carbamazepina® - aumenta a concentração da carbamazepina® no sangue, podendo causar efeitos tóxicos, pode ser necessário ajuste de doses;
  • Benzodiazepínicos de curta duração (midazolam®) - aumento dos efeitos colaterais psicomotores do midazolam®, devendo ser reduzida sua dose durante o tratamento.

Para maiores esclarecimentos, converse com seu/sua médico/a clínico geral, médico/a de familia ou ginecologista.