Corrimento e Inflamação

Comecei tomar um anabolizante e notei corrimento vaginal?

O M-drol é um hormônio e a vagina é um órgão sensível a ação dos hormônios, portanto essa pode ser a causa do seu corrimento; ou existe a possibilidade de ser uma infecção vaginal que coincidiu com o período que começou a tomar essa substância. O ideal é você ir ao médico, preferencialmente um ginecologista, para o correto diagnóstico e tratamento, precisa ver também com o médico que receitou esse hormônio o que fazer se for efeito do próprio anabolizante.

Dr. Charles Schwambach
Quais os sintomas da gonorreia?

Os sintomas da gonorreia, no homem e na mulher, manifestam-se entre 2 e 8 dias após a relação sexual, caracterizando-se por ardência e dificuldade para urinar, podendo ainda ser observado um corrimento amarelado ou esverdeado saindo pelo canal da uretra (homem) ou pela vagina (mulher).

Os sintomas da gonorreia nas mulheres caracterizam-se por:

  • Coceira na vagina;
  • Corrimento amarelado;
  • Dor ou ardência ao urinar
  • Dor no baixo ventre;
  • Dor ou sangramento durante a relação sexual.

Nos homens, a gonorreia pode causar os seguintes sintomas:

  • Sensação de ardor e calor ao urinar;
  • Corrimento ou pus no pênis.

É muito comum as pessoas estarem doentes e não manifestarem sintomas, pelo que é necessário usar preservativo em todas as relações sexuais para evitar transmitir a doença.

A gonorreia pode infectar o pênis, o colo uterino, o canal anal, a garganta e os olhos. Se não for devidamente tratada, pode causar diversos danos à saúde, como infertilidade, dor nas relações sexuais, gravidez nas trompas, entre outros.

O tratamento da gonorreia pode ser feito pelo/a clínico geral, médico/a de família, ginecologista ou urologista.

Conheça outros sintomas de DST em Como saber se tenho uma DST?

Dra. Nicole Geovana
O uso de anticoncepcionais pode causar vaginite?

Sim, o uso de anticoncepcionais pode causar vaginite, pois o anticoncepcional pode alterar a composição e o tipo de muco que a mulher tem naturalmente na vagina, podendo levar a corrimentos e candidíase.

O muco protege contra inflamações e infecções na vagina. Mudanças nesse muco pode aumentar a predisposição para infecções vaginais (vaginites).

A pílula anticoncepcional pode alterar o meio vaginal, interferindo no seu pH (acidez) e no equilíbrio da flora vaginal (bactérias naturalmente presentes na vagina).

Quando há alguma interferência nesse equilíbrio, aumentam os riscos de infecções ou proliferação dessas bactérias ou fungos.

Além dos anticoncepcionais, existem muitos outros fatores que podem afetar o equilíbrio da flora bacteriana normal e causar vaginites, tais como:

  • Uso de antibióticos;
  • Estresse;
  • Relações sexuais;
  • Cremes vaginais;
  • Poucos pelos pubianos;
  • Aplicação de duchas na vagina;
  • Diabetes;
  • Gravidez;
  • Uso de desodorantes íntimos.

Consulte um médico ginecologista para avaliar o seu caso e diagnosticar a causa da sua vaginite. Pode ser necessário trocar de pílula ou utilizar outro método anticoncepcional, conforme orientação médica.

Leia também:

O que é vaginose e quais os sintomas?

Qual o tratamento para vaginose?

Qual o tratamento para gonorreia?

tratamento para gonorreia é feito com medicamentos antibióticos, como a azitromicina, preferencialmente em doses únicas assistidas pelo médico para garantir que o tratamento seja realizado devidamente e as bactérias não adquiram resistência aos antibióticos.

Caso a pessoa possua parceiro/a fixo/a, é importante que o tratamento da gonorreia seja feito por ambos/ambas ao mesmo tempo para evitar nova infecção.

Durante a gravidez, o tratamento da gonorreia deve ser iniciado o quanto antes pela gestante, pois a doença aumenta a chance de abortamento espontâneo, parto prematuro e cegueira no bebê. 

Os sintomas da gonorreia geralmente se manifestam 2 a 8 dias após a relação sexual e caracteriza-se sobretudo por ardência e dificuldade para urinar, que podem vir acompanhadas por um corrimento amarelado.

Se não for devidamente tratada, a gonorreia pode causar infertilidade, gravidez ectópica, artrite, etc.

Na presença de quaisquer sinais ou sintomas da doença, recomenda-se procurar uma unidade de saúde para o diagnóstico correto e tratamento adequado.

Dra. Nicole Geovana
Qual o tratamento para vaginose?

A vaginose é tratada com medicações em comprimidos ou em creme vaginal.

É importante realizar o tratamento completo com a dosagem prescrita pelo médico mesmo que os sintomas já tenham desaparecido. Tomar todo o medicamento pode evitar o reaparecimento da doença.

Nesse caso específico, o parceiro sexual da paciente não precisa ser tratado.

O ginecologista, clínico geral ou médico de família poderão indicar o melhor tratamento para cada mulher.

Dra. Nicole Geovana
Quem está usando creme vaginal pode fazer exame transvaginal?

Sim, quem está em uso de creme vaginal pode realizar o exame transvaginal normalmente.

O ultrassom transvaginal é solicitado para avaliar os órgãos pélvicos da mulher. Isso pode ser mesmo que a mulher esteja usando creme vaginal. Isso porque o creme vaginal não irá atrapalhar a realização do exame e não vai interferir no resultado.

Cremes vaginais servem para tratar vários tipos de infecções vaginais, na maioria das vezes causadas por fungos ou bactérias. São, portanto, antibióticos ou antifúngicos que só devem ser usados com prescrição médica.

A mulher que está em uso do creme vaginal deve continuar o uso normalmente como indicado na receita, mesmo tendo o exame transvaginal marcado. 

Leia também:

Como é feito o exame transvaginal?

Dra. Nicole Geovana
DIP tem cura? Qual o tratamento?

Sim, a DIP tem cura.

O tratamento da DIP (Doença Inflamatória Pélvica) é feito com uso de antibióticos que são prescritos pelo/a médico/a assistente. Em alguns casos, a depender dos sintomas do parceiro, também será indicado o tratamento para ele.

Caso a mulher possua DIU (Dispositivo Intra-Uterino), em algumas situações é indicada a retirada do dispositivo.

Quando há demora em iniciar o tratamento para a DIP ou quando não é realizado nenhum tratamento, a doença pode causar consequências na fertilidade da mulher. Por isso, a grande importância em iniciar o tratamento o mais rápido possível.

Leia mais em:

O que é DIP e quais os sintomas?

Dra. Nicole Geovana
O que é DIP e quais os sintomas?

DIP é abreviação da Doença Inflamatória Pélvica. Em geral, a DIP ocorre após a propagação de micro-organismos oriundos do aparelho genital da mulher: vagina, útero, tubas, etc.

Os sintomas podem variar de mulher para mulher, mas a dor abdominal no baixo ventre está sempre presente. Outros sintomas que podem estar presentes:

  • Febre;
  • Dor ao urinar ou defecar;
  • Corrimento vaginal;
  • Dor durante a relação sexual;
  • Sangramento vaginal.

Na presença desses sintomas é importante procurar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação detalhada.

Continue a leitura em:

DIP tem cura? Qual o tratamento?

Dra. Nicole Geovana