Doenças e Agravos à Saúde

O que é cervicite crônica com metaplasia escamosa?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Cervicite crônica com metaplasia escamosa é um diagnóstico histológico (por biópsia) da inflamação da camada interna do colo uterino (endocérvice), que pode ocorrer em resposta à infecção pelo HPV, dentre outras causas.

O epitélio de revestimento da endocérvice, que deveria ser cilíndrico mucoso com glândulas, sofre transformação (metaplasia) para epitélio escamoso, semelhante ao da ectocérvice. Na zona de transformação ou zona T, que é a região mais próxima do orifício do colo uterino, é comum a ocorrência de metaplasia escamosa, assim como de cervicite crônica. Os cistos de Naboth, também freqüentemente observados nesta região, são glândulas endocervicais dilatadas porque seu orifício de saída foi obstruído pelo epitélio metaplásico.

A importância da zona de transformação é que o epitélio metaplásico pode ser sede de atipias celulares chamadas de displasia (de graus leve, moderado ou grave). A displasia grave é considerada um câncer in situ, que é precursor do carcinoma do colo uterino.

Para o tratamento, pode ser necessária cauterização do colo uterino, procedimento ambulatorial, que é feito com anestesia local.

Toda mulher deve consultar anualmente o ginecologista, para diagnóstico precoce e prevenção do câncer de colo uterino.

Quais são as causas da inflamação no útero?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As causas da inflamação no útero podem estar relacionadas a infecções por germes ou a lesões provocadas por traumas e produtos químicos

A inflamação uterina mais comum é aquela que ocorre no colo do útero (cérvix ou cérvice), que é a região mais estreita do útero localizada no fundo da vagina e por onde sai o sangue menstrual. Esse tipo de inflamação (cervicite) muitas vezes não apresenta sintomas, o que pode levar a distúrbios mais graves devido à progressão dessa inflamação ou infecção para outras regiões próximas como ovários, trompas e região interna do útero (endometrite).

Causas mais frequentes de inflamação ou infecção no colo do útero:

  • Germes transmitidos por meio do contato sexual como Chlamydia trachomatis, Neisseria gonorrhoeae, Trichomonas vaginalis, vírus Herpes simplex, HPV (papiloma vírus humano), Mycoplasma genitalium,
  • germes que estão presentes normalmente na vagina como Candida albicans, Gardnerella vaginalis e Lactobacillus rhamnosus,
  • alergias ou irritações causadas por produtos químicos como espermicidas,
  • alergias ao látex de preservativos (camisinha) e diafragmas,
  • lesões causadas por traumas como os provocados pelo parto ou por duchas vaginais frequentes.

A inflamação do colo do útero não interfere na possibilidade de engravidar e nem na boa evolução da gravidez desde que seja tratada adequadamente. 

O Papanicolau ou citologia oncótica é o exame utilizado para diagnosticar as inflamações do colo do útero​ e o ginecologista e/ou obstetra são os especialistas indicados para o tratamento desses problemas.

Estou com muita dor de cabeça só do lado direito. O que pode ser? Preciso realizar exames?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem diversas causas para dores de cabeça, podemos citar como causas mais comuns:

  • Tensão muscular (cefaleia tensional)
  • Enxaqueca
  • Trauma
  • Pressão alta
  • Sinusite
  • Problemas visuais (falta de óculos, fotofobia)
  • Ansiedade, entre outras.

Cada uma das causas apresentadas possui junto da dor, outras características comuns, por isso nem sempre é necessário realização de exames. Na grande maioria das vezes, o/a médico/a com uma boa história e exame físico é capaz de diagnosticar e tratar corretamente.

Quando é preciso realizar algum tipo de exame?

Alguns sinais e sintomas são indicativos de maior risco, portanto devem ser investigados com exames complementares, são principalmente:

  • Dor localizada de um só lado persistente;
  • Dor que não melhora com analgésicos comuns ou anti-inflamatórios;
  • Dor iniciada após os 50 anos de idade;
  • Dor intensa com náuseas e vômitos, sem história prévia de enxaqueca;
  • Modificação das características da dor, em pacientes enxaquecosos;
  • Dor seguida de crise convulsiva;
  • Dor associada e alterações de força ou de sensibilidade em algum membro;
  • Dor intensa associada a febre alta.

Entretanto, o exame a ser solicitado será definido pelo/médico/a, e vai depender da história, avaliação e suspeita clínica. Pode variar desde exames de sangue, eletroencefalograma, exames de imagem como a Tomografia cerebral ou ressonância magnética ou a associação de mais de um deles.

Não é incomum, quadros de enxaqueca vir acompanhados de outros sintomas neurológicos (formigamento e dormência), além de sintomas visuais (pontos ou linhas brilhantes - “áureas”), porém devem ser sempre acompanhados pelo médico, de preferência neurologista.

Por isso recomendamos que agende uma consulta com médico/a, de preferência neurologista, para avaliar o seu caso e iniciar o tratamento adequado o quanto antes.

Pode lhe interessar também:Sinto pontadas do lado esquerdo da cabeça, juntamente com enjoo, visão turva e tonturas. O que pode ser?, Dor de cabeça frequente: o que pode ser?

Quais os sintomas de infecção intestinal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de infecção intestinal mais comuns são: vômitos, náuseas, diarreia, febre, calafrios, mal-estar, dor nos músculos, dor abdominal, cólica e perda de apetite.

Esses sinais e sintomas surgem em até 72 horas após a ingestão de algum alimento contaminado e podem durar cerca de 4 dias, conforme o tipo de contaminação do alimento.

No caso de ser apenas uma toxina dos estafilococos, a duração é curta, de apenas um dia e o paciente terá sobretudo vômitos. No entanto, se a infecção intestinal for causada por vírus e bactérias, os sintomas são mais fortes e poderão durar até 7 dias.

Em casos de vômitos e diarreia intensos e persistentes, a infecção intestinal pode provocar desidratação. Se pessoa estiver desidratada, pode apresentar sensação de boca seca, olhos aprofundados, sensação de engrossamento da língua e diminuição do volume de urina, que fica mais escura.

Quais são as causas de infecção intestinal?

A principal causa de infecção intestinal é a ingestão de alimentos mal lavados ou mal conservados com presença de micro-organismos (bactérias, vírus), substâncias químicas ou tóxicas, que podem causar uma intoxicação alimentar, também conhecida como gastroenterocolite aguda.

A falta de higiene e o manuseio e armazenamento incorretos dos alimentos são as principais causas de contaminação dos mesmos, além do tempo que ficam expostos a essas substâncias ou micro-organismos.

Infecção intestinal é contagiosa?

A infecção intestinal também pode ser transmitida de pessoa para pessoa, principalmente se a pessoa não lavar bem as mãos depois de evacuar. Por isso, a pessoa doente deve lavar muito bem as mãos depois de ir ao banheiro e antes de manusear alimentos.

Para evitar a transmissão da infecção para outras pessoas, recomenda-se que a pessoa permaneça em casa até a melhora do quadro de diarreia e vômitos.

Qual o tratamento para infecção intestinal?

O tratamento da infecção intestinal é feito com aumento da ingestão de água para evitar a desidratação, dieta e medicamentos.

Sempre que possível, a pessoa deve evitar ficar sem comer. Com a melhora dos sintomas, podem ser incluídos na dieta alimentos leves e moles.

Para controlar os vômitos e a diarreia, podem ser indicados medicamentos antieméticos e antidiarreicos. Se a infecção intestinal for causada por bactérias, poderá ser indicado o uso de antibióticos.

Casos mais graves de infecção intestinal podem necessitar de internamento para um melhor tratamento e prevenção da desidratação, sobretudo em crianças.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, consulte o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família.

O que é exame VDRL?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O exame VDRL, sigla em inglês de Venereal Disease Research Laboratory, é um teste para detecção de pacientes que já tiveram sífilis, uma doença sexualmente transmissível. O exame VDRL também serve para acompanhar a sífilis em casos já diagnosticados com a doença.

O exame VDRL é realizado através da coleta de uma amostra de sangue. Para fazer o exame, recomenda-se um jejum de 4 horas, embora não seja obrigatório.

VDRL negativo (não reagente)

Quando o teste dá negativo (não reagente), usualmente indica que o paciente nunca teve contato com a bactéria causadora da sífilis, o Treponema pallidum, ou que, tendo já o paciente entrado em contato com a bactéria, o organismo ou o tratamento foram suficientes para eliminá-la.

Entretanto, pode acontecer da pessoa estar com sífilis e o teste dar negativo. É o chamado efeito prozona, que acontece quando há um elevado número de anticorpos produzidos pelo organismo durante o estado latente ou secundário da doença.

Resultados com títulos mais baixos, de 1/1 a 1/8, são um sinal de que a pessoa pode não ter sífilis, já que indicam que mesmo após diluir o sangue até 8 vezes, não foram encontrados anticorpos. Contudo, esses resultados também podem ser indicativos de falso positivo ou sífilis primária, em que a quantidade de anticorpos no sangue é baixa.

Leia mais sobre a sífilis em: O que é Sífilis?

VDRL positivo (reagente)

Quando o VDRL é positivo (reagente), usualmente o resultado é mostrado em títulos (1/2;1/8;1/64; 1/128...), que reflete a quantidade de antígenos treponêmicos presentes no sangue do paciente. Quanto maior o denominador, maior a quantidade de antígenos circulantes.

Quando o título do resultado é igual ou superior a 1/16, o resultado é positivo (reagente). O resultado significa que os anticorpos estão presentes no sangue, mesmo quando este é diluído 16 vezes.

Algumas vezes o VDRL é positivo, contudo o paciente não teve contato com o treponema. É o chamado resultado falso positivo, que pode ocorrer em algumas condições, como: mononucleose infecciosa, brucelose, lúpus eritematoso sistêmico, doenças autoimunes, câncer, hepatite A, hanseníase, tuberculose, malária e, ocasionalmente, até gravidez.

Como o VDRL não é uma exame muito específico para diagnóstico da sífilis, é recomendável a sua análise junto à história e exame clínicos e à coleta de teste treponêmico específico, como o FTA-ABS ou o TPHA, que podem dar resultado positivo ou negativo. Uma vez que o paciente tenha tido contato com o treponema, o teste se manterá positivo pelo resto da vida, independentemente do tratamento.

Faz parte dos exames de pré-natal a coleta do VDRL, associado a teste treponêmico específico, pois a sífilis congênita pode trazer vários prejuízos ao bebê.

O exame também deve ser repetido no 2º trimestre de gravidez, mesmo quando o resultado é negativo. Quando o resultado do exame VDRL é positivo, é necessário iniciar de imediato o tratamento adequado da sífilis. Sem tratamento, a doença pode ser transmitida para o bebê através da placenta ou durante o parto

Se a gestante for diagnosticada com sífilis, o exame VDRL deve ser repetido mês a mês, para garantir que a bactéria é completamente erradicada do organismo.

Se você apresentar um VDRL positivo, deve procurar um médico infectologista para melhor avaliação.

Também pode ser do seu interesse:

Como saber se tenho uma DST?

Qual o tratamento para a inflamação do útero?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O tratamento para inflamação do útero depende do local onde ela ocorre e também da sua causa. A inflamação pode ocorrer no colo do útero (cervicite) ou na parte interna do órgão (endometrite). Dentre as possíveis causas para a inflamação do útero estão as infecções por micro-organismos e as lesões traumáticas.

Qual é o tratamento para inflamação do útero causada por micro-organismos?

A maioria das inflamações do útero são causadas por micro-organismos como a clamídia, tricomonas, gonorreia, herpes genital e HPV (papiloma vírus). O início da infecção normalmente ocorre no colo do útero.

Nesses casos, o tratamento é feito com medicamentos antibióticos, antifúngicos ou antivirais, de acordo com agente causador da infecção (bactérias, fungos ou vírus).

Os parceiros também devem ser tratados, mesmo que não apresentem sintomas, uma vez que esses micro-organismos são transmitidos pela relação sexual.

Qual é o tratamento para inflamação do útero causada por lesões?

O tratamento das inflamações causadas por lesões como reações alérgicas, por exemplo alergia ao látex, produtos químicos ou duchas vaginais, é realizado afastando-se o fator causador da lesão e quando necessário, com auxílio de medicamentos.

No caso da inflamação crônica do colo do útero pode ser indicado também o tratamento por meio de cauterização (eletrocautério ou criocautério) e uso de cremes vaginais.

Quando a inflamação colo do útero progride para a sua região interna, causando a endometrite, pode ser necessário o tratamento com medicamentos por via intramuscular ou endovenosa, às vezes com indicação de internação hospitalar.

Se não for devidamente tratada, a inflamação do útero pode se alastrar para as trompas, para a pelve ou para toda a cavidade abdominal.

Quais são os sintomas de inflamação no útero?

Os principais sinais e sintomas de uma inflamação do útero podem incluir: sangramento fora do período menstrual, sangramento durante ou após as relações sexuais, presença de corrimento com mau cheiro, dor ao urinar, além de sensação de inchaço no útero ou na pelve.

O médico ginecologista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento dos casos de inflamações do útero.

O que é neoplasia? É câncer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Neoplasia é uma proliferação anormal, autônoma e descontrolada de um determinado tecido do corpo, mais conhecida como tumor. Uma neoplasia pode ser benigna ou maligna. Um câncer é uma neoplasia maligna. Num exame, como o papanicolau por exemplo, a indicação de "negativo para neoplasia" no resultado significa ausência de células cancerígenas.

A neoplasia ocorre devido a uma alteração celular, que faz com que uma célula do organismo comece a se multiplicar de forma desordenada e descontrolada.

Neoplasia no pulmão

Todos os dias as células do corpo se multiplicam (com exceção das células nervosas) para formar, fazer crescer ou regenerar tecidos saudáveis do corpo.

Porém, uma célula normal possui mecanismos de defesa que impõem um limite sobre a sua replicação para não gerar um tumor. Quando, por diversos fatores genéticos ou adquiridos, esse limite é comprometido, surge então uma neoplasia.

No tumor benigno, os fatores que regulam o crescimento e a morte da célula sofrem uma mutação genética, mas não há um descontrole total da replicação celular. No tumor maligno, essa alteração genética faz com que as células se multipliquem de forma descontrolada.

Qual a diferença entre neoplasia benigna e maligna? Neoplasia benigna
  • É constituída por células que crescem lentamente e que são muito semelhante àquelas do tecido normal;
  • Pode ser totalmente removida através de cirurgia e o paciente fica completamente curado, na maioria dos casos;
  • Não há risco de se espalhar para outras partes do corpo (metástase).

Apesar de normalmente crescer lentamente, há tumores benignos que crescem mais rapidamente que tumores malignos. A velocidade de crescimento depende do tipo de tumor e de fatores como hormônios e irrigação sanguínea.

Em geral, um tumor benigno é envolvido por uma cápsula de tecido fibroso, que marca bem os limites do tumor e facilita a sua remoção cirúrgica. Não é necessário remover o tecido ao redor ou, em alguns casos, todo o órgão.

Não há risco do tumor se infiltrar em estruturas vizinhas ou se espalhar para outras partes do corpo através da circulação sanguínea ou linfática (metástase).

Neoplasia maligna (câncer)
  • Possui células que se multiplicam rapidamente e que podem se infiltrar em estruturas próximas ao tumor.
  • Há risco de metástase, que é a disseminação e o crescimento das células cancerosas em órgãos distantes da sua origem;
  • A cura depende de um diagnóstico precoce e do tratamento realizado.

Os tumores malignos são invasivos, sendo necessário remover uma porção considerável de tecido aparentemente saudável como margem de segurança em casos de cirurgia. O tecido adjacente pode conter células cancerígenas. Se não for retirado na cirurgia, o câncer pode voltar a aparecer ou se disseminar.

Como e por quê surge uma neoplasia?

As células do corpo estão constantemente se multiplicando. Devido a diversos fatores hereditários ou adquiridos, como alimentação inadequada e tabagismo, algumas células sofrem mutações.

Em geral, num sistema saudável, essas células são eliminadas pelo sistema imunológico. Quando isso não ocorre, essas células mutantes multiplicam-se de forma descontrolada e desordenada.

No caso do câncer, esse crescimento ocorre rapidamente e o tumor é alimentado por nutrientes e oxigênio que chegam através de vasos sanguíneos que se formam no próprio tumor.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico de família ou um clínico geral.

O que pode ser fraqueza nas pernas?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A fraqueza nas pernas tem várias causas possíveis. Dentre elas estão:

  • Doenças vasculares (insuficiência vascular)
  • Doenças neurológicas
  • Doenças musculares
  • Doenças metabólicas
  • Transtornos psicológicos, entre outras.
Doenças vasculares

As doenças vasculares são as causas mais comuns de fraqueza nas pernas na nossa população, podendo acometer veias, artérias ou ambas. Condições como obesidade, sedentarismo, tabagismo, distúrbios hormonais e história familiar, são os principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças vasculares.

Insuficiência venosa

Trata-se de uma deficiência nas veias, que ocorre mais entre as mulheres, pessoas que passam muitas horas em pé e idosos. Normalmente está associada à dor nas panturrilhas, sensação de peso e cansaço nas pernas, mais prevalente no final do dia. Podem ser verificados sintomas como "vasinhos" (telangiectasias), varizes e inchaço nos membros.

Insuficiência arterial (claudicação intermitente)

Deficiência na circulação das artérias. Um quadro que acomete com maior frequência idosos, sobretudo tabagistas. Geralmente ocorre um ou mais episódios de dor intensa na perna, em pontada, durante ou logo após caminhadas mais longas, subir vários degraus de escada ou uma rua mais íngreme, ou seja, exercício intenso. É normal a pessoa precisar parar de caminhar por causa da dor. O repouso durante alguns minutos normalmente melhora os sintomas.

Doenças neurológicas

As doenças neurológicas que podem causar fraqueza nas pernas incluem: compressão de um nervo (por exemplo, causada por um disco deslocado na coluna vertebral), a hérnia de disco; "derrame" (acidente vascular cerebral); mielite transversa (inflamação aguda na medula); deficiência de vitamina B12 e neuropatia diabética (doença comum no diabético de longa data ou de controle glicêmico inadequado); paralisia cerebral, síndrome de Guillain-Barré ou mais raramente, esclerose múltipla e esclerose lateral amiotrófica e suas variações.

Dentre elas a mais frequente é a hérnia de disco, seguida pela neuropatia periférica (diabética) e o derrame cerebral. As demais doenças estão associadas a outros sintomas que devem ser avaliados pelo neurologista.

Doenças musculares

Um grupo de doenças que têm como principal sintoma a fraqueza muscular são as miopatias. A miopatia é uma doença que afeta a fibra do músculo, causando fraqueza muscular progressiva e dificuldade crescente de locomoção.

No início, as miopatias não causam sintomas. Depois, surge a fraqueza muscular, que piora gradativamente, até ocorrer a atrofia da musculatura e dificuldade de realizar tarefas simples como subir ou descer escadas, levantar-se, entre outras. Por isso, pessoas com miopatia geralmente são intolerantes ao exercício físico.

Os principais tipos de miopatias são as distrofias musculares, as miopatias congênitas, a distrofia miotônica e as miopatias inflamatórias. As causas podem ser genéticas, hereditárias ou ainda inflamações, infecções, tumores e doenças reumáticas.

Doenças metabólicas

A fraqueza nas pernas também pode ser um sintoma de distúrbio hidro eletrolítico, como baixos níveis de sódio ou potássio (após episódios de vômitos, má alimentação ou desidratação), pode ser decorrente a doenças da tireoide, glândula suprarrenal ou outras, como por exemplo a tireotoxicose, doença de Addison e hiperparatireoidismo.

Transtornos psicológicos

Os transtornos psicológicos como depressão, transtorno de ansiedade, histeria (reação de conversão), fibromialgia e síndrome da fadiga crônica, costumam originar com frequência, sintomas de fadiga, mal-estar e fraqueza nas pernas. Portanto devem sempre ser investigados.

Outras possíveis causas de fraqueza nas pernas

Outras possíveis causas de fraqueza nas pernas incluem problemas hormonais, períodos menstruais ou pré-menstruais, doenças crônicas de reumatismo, sobrepeso, alimentação ruim, entretanto também podem sinalizar situações mais graves e preocupantes como botulismo e envenenamento (inseticidas, ostras), o que leva riscos de vida para pessoa.

O diagnóstico dependerá da avaliação médica criteriosa, e quando necessário, exames complementares.

Na presença de fraqueza nas pernas, especialmente se houver dificuldade para andar, recomendamos agendar uma consulta com médico/a clínico/a geral, angiologista ou neurologista, para uma melhor avaliação.

Pode lhe interessar também: Quais os sintomas da insuficiência venosa?

Quais os alimentos ricos em vitamina B12?