Perguntar
Fechar
Logo após a relação sexual tenho dor de cabeça. O que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É preciso observar se a dor de cabeça começa mesmo logo após a relação sexual ou se ela tem início durante o ato. Existem muitos tipos de dor de cabeça (cefaleia) e um deles está relacionado ao orgasmo (cefaleia orgástica).

Este tipo de dor de cabeça atinge homens e mulheres, podendo acontecer antes do orgasmo (menos comum), no início da excitação ou da relação sexual, com aumento progressivo à medida que a pessoa vai se excitando. No entanto, o mais comum é que essa dor de cabeça aconteça durante o orgasmo, no momento do clímax.

Caracteriza-se como uma dor explosiva, sentida em toda a cabeça ou apenas na nuca. Este tipo de cefaleia pode durar até 2 dias, podendo desaparecer em até uma hora se o indivíduo interromper a atividade sexual. Pode ter intensidade tão forte que em muitos casos é preciso interromper a relação sexual.

A principal causa dessa dor de cabeça ainda não é conhecida. Pode estar relacionada com o aumento da pressão sanguínea durante a relação sexual, enxaquecas ou até estresse.

O melhor é procurar um médico clínico geral ou médico de família para uma avaliação inicial. Em casos de maior gravidade, quando as crises são muito intensas e frequentes, pode ser necessário o acompanhamento pelo neurologista para uma investigação mais aprofundada da causa dessa cefaleia após as relações sexuais.

Também pode ser do seu interesse:

Dor de cabeça frequente: o que pode ser?

Enxaqueca e cefaleia

Quem tem enxaqueca pode tomar anticoncepcional?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem tem enxaqueca pode usar determinados anticoncepcionais.

A escolha do anticoncepcional para quem tem enxaqueca irá depender de alguns fatores como a idade (maiores ou menores de 35 anos) e a presença ou ausência de aura. A combinação desses dois fatores são levados em conta para decidir qual o melhor anticoncepcional a ser usado.

Em geral, mulheres que apresentam enxaqueca com aura ou que tenha mais de 35 anos devem ficar mais atentas pois, nesses casos, os anticoncepcionais hormonais combinados contendo estrogênio não podem ser usados. Para essas mulheres as opções serão:

  • Preservativo feminino ou masculino;
  • DIU;
  • Pílulas contendo apenas progesterona;
  • Implante subcutâneo;
  • Injeção trimestral.

Quem tem enxaqueca e vai iniciar um método anticoncepcional deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação pormenorizada.

Tenho dificuldade de concentração e aprendizado, memória...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Parece mesmo um quadro de enxaqueca (os sintomas são compatíveis) em relação a um aneurisma é uma hipótese pouco comum (rara na verdade), principalmente em um adulto jovem. Aproveita a ocasião com o neurologista para começar a tratar mais adequadamente seu problema de memória, concentração e aprendizagem.

Leia também: 5 Formas de Melhorar a sua Memória

Fortes dores de cabeça, perda de visão e tonturas...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Diversas situações e doenças podem causar os sintomas de dores de cabeça, alteração visual e tonturas, dentre elas a mais comum é a enxaqueca.

Uma crise de enxaqueca pode se apresentar de várias formas, e dentro desse universo de sinais e sintomas de crises de enxaqueca, temos a enxaqueca oftálmica, a qual se caracteriza pela presença de dor de cabeça intensa, associada a perda visual momentânea além de tontura, náuseas e ou vômitos. Exatamente os sintomas relatados.

Falta agora ser avaliado e pesquisar se preenche todos os critérios para um quadro de enxaqueca. O que poderá ser feito pelo médico especialista, nesse caso, o neurologista.

Leia também: O que é enxaqueca com aura e quais os sintomas?

Contudo, a presença desses sintomas exige que outras causas sejam investigadas, especialmente se o tipo de dor for sempre na mesma localização. As outras causas podem ser:

  • Pico hipertensivo (elevação súbita da pressão arterial),
  • Lesões isquêmicas, como o AIT (acidente isquêmico transitório) ou AVC (acidente vascular cerebral),
  • Lesões tumorais (por exemplo: meningioma),
  • Distúrbios vestibulares (labirintite), entre outros.

Durante a consulta e o exame médico minucioso, o médico pode ser capaz de definir o diagnóstico em 70% das vezes, mesmo assim, devem ser solicitados alguns exames complementares para confirmação da suspeita diagnóstica.

Um dos exames mais solicitados nesse caso, é a tomografia computadorizada de crânio, entretanto, dependendo da sua avaliação, pode ainda ser necessário mais exames. Cabe ao médico avaliar e orientar caso a caso.

Recomendamos agendar uma consulta com médico clínico geral, médico de família, ou o neurologista.

Pode lhe interessar também: Qual é o tratamento da enxaqueca?

O que é cefaleia tensional e quais os sintomas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Cefaleia tensional é um tipo de dor de cabeça primária, muito comum na população, dividida em 3 grupos: Pouco frequente, frequente e crônica, de acordo com a sua periodicidade.

A causa desse tipo de cefaleia ainda é bastante controversa, porém parece estar relacionada ao aumento de tensão nos músculos da face, fronte, pescoço e mandíbula. Essa tensão muscular provoca contraturas que desencadeiam a dor de cabeça. Outras teorias acreditam que ocorra uma maior liberação de neurotransmissores da dor, ocasionadas por exemplo por estresse, ou outros fatores psicossomáticos.

No entanto, a correlação entre a cefaleia tensional com fatores emocionais, já está bem estabelecida. 

A cefaleia tensional também pode ser desencadeada por atividades que exijam uma postura viciosa, de repetição, com a cabeça e/ou pescoço, como as atividades profissionais que exigem o uso de computador por períodos longos, ou realização de trabalhos manuais.

Outras causas de cefaleia tensional incluem:

  • Bruxismo - apertar de forma contínua e intensa a mandíbula;
  • Uso irregular de óculos (causando fadiga da visão);
  • Frio - tensão muscular pela baixa temperatura;
  • Sono em posição inadequada - posição viciosa da musculatura, podendo levar inclusive a torcicolos;
  • Fumar em excesso;
  • Fadiga, esforço físico em excesso
Quais são os sintomas da cefaleia tensional?

A cefaleia tensional caracteriza-se principalmente pelos sintomas:

  • Dor de cabeça difusa, que se espalha por todo o crânio
  • Bilateral, na maioria das vezes;
  • Início lento e progressivo;
  • Dor tipo aperto, pressão;
  • Intensidade fraca ou moderada;
  • Geralmente não se altera com barulhos ou luz;
  • Podem durar apenas alguns minutos, ou se prolongar por até uma semana.

A dor tende a ser pior no couro cabeludo, na nuca e nas têmporas, podendo chegar aos ombros.

Pessoas com cefaleia tensional muitas vezes tentam aliviar a dor massageando ou apertando a base da nuca, as têmporas e o couro cabeludo. É frequente a presença de nódulos de tensão doloridos nos músculos da região dos ombros e do pescoço.

Qual a diferença entre cefaleia tensional e enxaqueca?

As principais diferenças entre elas são o tipo de dor, localização e sintomas associados, assim como apresentadas na tabela abaixo.

DIFERENÇAS ENTRE CEFALEIA TENSIONAL E ENXAQUECA
Cefaleia tensional Enxaqueca
Tipo de dor Aperto, Pressão Latejante
Localização Bilateral Unilateral
Sintomas associados Não se altera com luz ou barulho. Sem sintomas associados. Piora com luz e com barulho. Náuseas e vômitos é comum

A diferenciação entre os tipos de dor de cabeça, assim como avaliar sua gravidade e consequências na rotina diária do paciente é fundamental para elaboração do seu tratamento. As medidas e medicações prescritas para o tratamento da cefaleia tensional são distintas do tratamento para enxaqueca,

No entanto, apesar da não haver uma cura para a maioria dos casos de cefaleia. assim como de enxaqueca, os tratamentos estão cada dia mais eficientes e duradouros, auxiliam na redução de crises e melhora na qualidade de vida.

Portanto, no caso de dores de cabeça, agende uma consulta com médico/a neurologista para uma adequada avaliação e tratamento específico.

Saiba mais sobre o assunto em: Cefaleia tensional tem cura? Qual o tratamento?

Propranolol resolve enxaqueca? Propranolol dá sono?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, Propranolol® é uma das opções para tratamento de enxaqueca, e muitas vezes resolve sim, mas cada caso é um caso e deve ser avaliado pelo médico neurologista.

Porém, como todo medicamento, esse também possui suas contraindicações e efeitos indesejáveis, devendo ser avaliado fatores de risco e benefício antes de ser prescrito. Por exemplo, é uma medicação que não é recomendada para portadores de doenças pulmonares, como asma, bronquite e DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

O sono está sim entre um dos efeitos colaterais do Propranolol®. Dentre os efeitos indesejáveis mais comuns, podemos citar: dedos e extremidades frias, diminuição da frequência cardíaca, alterações de sono e fadiga. Outros efeitos menos frequentes, são náuseas, diarreia, edema nos membros inferiores, tonturas, queda de cabelo, alterações de humor, psicose ou alucinações (perturbações mentais), alterações visuais, secura nos olhos, vermelhidão na pele, piora da psoríase e agravamento de doenças neuromusculares.

Por isso, se já tem o diagnóstico definitivo de enxaqueca, sabendo que trata-se de uma doença crônica, sem cura definitiva, é fundamental que procure atendimento médico com especialista, neurologista, para avaliar seu caso, definir melhor tratamento e acompanhamento regular.

O melhor tratamento da enxaqueca, é a prevenção das crises. Atualmente temos uma variedade de opções bastante interessante para atingir esse objetivo, oferecendo qualidade de vida aos pacientes e menor prejuízo pessoal e laboral.

Leia também: Qual é o tratamento da enxaqueca?

Tenho dor de cabeça constante, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor de cabeça constante está entre as causas mais comuns de atendimento médico, especialmente em consultórios e ambulatórios de neurologia. Entretanto, existem diversas causas para esse sintoma, que nem sempre são de origem neurológica.

Entre as mais frequentes se destacam:

  • Hipertensão arterial
  • Enxaqueca
  • Cefaleia tensional
  • Problemas oftalmológicos
  • Problemas respiratórios
  • Tumor cerebral
  • Ansiedade e estresse

Outras causas de dores de cabeça incluem: anemia, gravidez, cefaleia por uso abusivo de analgésicos, distúrbios do sono e até alguns distúrbios endocrinológicos.

Hipertensão arterial

A hipertensão arterial muitas vezes é diagnosticada por médicos não cardiologistas, devido a queixa inicial se apresentar por dores de cabeça, ou sangramento nasal. Por isso, é mandatório no exame clínico e neurológico, a avaliação da pressão arterial do paciente.

O tratamento desse tipo de dor de cabeça é o uso de um anti-hipertensivo.

Enxaqueca

A enxaqueca é um tipo específico de dor de cabeça, que se caracteriza por dor tipo pulsátil, de localização variada, que piora com a luz e ou o barulho, associada a náuseas, vômitos e tontura. A dor pode ser incapacitante e a frequência variável. O estresse, jejum e privação de sono são fatores precipitadores de crise de dor.

O tratamento é baseado nas caraterísticas da dor de cada um, podendo ser necessário medicação diariamente, ou apenas durante as crises. O principal fator para essa definição, é a frequência de dor por mês ou intensidade.

Cefaleia tensional

A cefaleia tensional, se caracteriza pela dor tipo "aperto", geralmente em toda a cabeça, de intensidade variada, que pode durar dias, precipitada por períodos de estresse ou preocupações. A cefaleia tensional pode gerar aumento da pressão arterial.

O tratamento deve se basear na intensidade da dor, com anti-inflamatórios não esteroides associados ou não a relaxantes musculares.

Problemas oftalmológicos

Os problemas de visão, como miopia, uso irregular de óculos, glaucoma, entre outros, também são causas frequentes de dores de cabeça constante. Nesses casos a queixa é mais prevalente ao final do dia, pelo esforço exercido durante todo o dia. Costuma ter história prévia de dificuldade visual, embora não seja obrigatório.

Problemas respiratórios

Os problemas respiratórios como rinite, sinusite crônica, asma ou bronquite, comprometem a oxigenação cerebral, seja por obstrução direta, pela respiração bucal ou por quadro de broncoespasmo, ocasionando a queixa de cefaleia.

O tratamento será voltado para o problema em questão.

Tumor cerebral

Os tumores no cérebro não costumam causar dor, porém quando atingem dimensões maiores e comprimem alguma estrutura, causam sinais e sintomas relacionados àquela região. Por exemplo, fraqueza de um lado do corpo ou "dormência" em algum membro.

Contudo em alguns casos, como nos meningiomas, é comum a queixa de dor de cabeça. Os meningiomas são tumores benignos da meninge, membrana que recobre o que protege o cérebro e medula. Nesse caso, a cefaleia é constante e localizada na região acometida.

Na maioria dos casos, o tratamento é cirúrgico.

Ansiedade e estresse

Os problemas de ansiedade e estresse, costumam causar dores de cabeça decorrente da tensão muscular involuntária promovida pela doença. Além do aumento de neurotransmissores adrenérgicos e por vezes, aumento de pressão arterial.

Portanto, para definir a causa de uma dor de cabeça, diversos fatores devem ser levados em conta. Procure um médico clínico geral ou neurologista para avaliação e conduta mais adequadas para cada caso.

Leia também : Estou com muita dor de cabeça só do lado direito. O que pode ser? Preciso realizar exames?

Enxaqueca e Cefaleia
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Enxaqueca e cefaleia (dor de cabeça) não são a mesma coisa. A diferença é que a enxaqueca é uma doença, enquanto que a cefaleia é um sintoma que pode ter muitas origens, sendo uma delas a enxaqueca.

Existem dois tipos de cefaleia, as primárias e as secundárias. As cefaleias primárias são aquelas sem uma causa etiológica definida por investigação através de exames, entre elas tem-se as enxaquecas, cefaleias em salvas e cefaleias do tipo tensional.

Já as cefaleias secundárias são aquelas com uma causa etiológica bem definida, ou seja, são provocadas por outras doenças, como infecções sistêmicas, meningite, encefalite, tumores cerebrais, hemorragia cerebral, intoxicações ou disfunções endócrinas.

A enxaqueca é uma doença que caracteriza-se por crises de cefaleia que podem ser diárias, semanais, quinzenais ou ainda mais esparsas.

Os principais sintomas da enxaqueca são:

  • Dor de cabeça latejante, normalmente em apenas um lado da cabeça, que piora ao fazer qualquer esforço físico;
  • Náuseas;
  • Vômitos
  • Visão turva;
  • Tontura;
  • Aura visual (linhas e pontos luminosos na visão);
  • Sensibilidade à luz (fotofobia), barulhos e cheiros.

Uma crise de enxaqueca pode durar 2 ou mais dias e pode ser incapacitante, dificultando a realização das atividades da vida diária.

O diagnóstico da enxaqueca deve ser feito por um médico de família, clínico geral ou neurologista que pode fazer a diferenciação entre enxaqueca ou outros tipos de cefaleias e conduzir ao tratamento adequado para cada caso.