Diarreia

Qual o tratamento para disenteria?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A maioria dos casos de disenteria pode ser tratado com hidratação e uso de soro caseiro. Em alguns casos, é preciso usar antibióticos, principalmente se a pessoa apresentar febre e piora do estado geral. Para infecções causadas por parasitas como ameba ou giárdia, são usados medicamentos antiparasitários.

Raramente e apenas em casos de desidratação grave é preciso internação hospitalar para que o paciente receba hidratação venosa e tenha uma recuperação adequada.

A suplementação com zinco também é indicada para diminuir o tempo de duração da diarreia e evitar novos episódios.

Além dos medicamentos, é importante beber bastante líquidos para combater a desidratação, caso o tratamento seja feito em casa. O paciente deve ser visto pelo médico novamente 2 dias após o início da medicação. Se a pessoa continuar a apresentar diarreia com sangue nas fezes depois dessas 48 horas, ela deve ser internada.

O tratamento da disenteria deve começar o quanto antes, já que os micróbios podem atingir outros órgãos, como fígado e pulmões, formando abcessos nos mesmos. A infecção também pode se generalizar pele corpo e causar forte desidratação.

O soro de reidratação é oferecido gratuitamente nas unidades de saúde do SUS (Sistema Único de Saúde) e vendido nas farmácias.

Como a transmissão ocorre com a ingestão de água ou alimentos contaminados com parasitas, as medidas de prevenção são importantes:

  • Lavar bem as frutas, legumes e vegetais antes de comer;
  • Beber água filtrada ou fervida;
  • Lavar as mãos antes das refeições;
  • Comer em locais que preparam os alimentos de forma higiênica.

Saiba mais em: 

O que é disenteria e quais os sintomas?

O que é balantidiose, quais os sintomas e como tratar?

O que é diarréia crônica?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Diarreia crônica é definida como o aumento do número de evacuações diárias ou alteração da consistência das fezes, om ambos, há mais de trinta dias. Manifesta-se como aumento de massa (ou volume) de fezes em mais de 200 g (ou ml) por dia.

As principais causas da diarreia crônica são as seguintes:

  • Síndrome do intestino irritável (SII);
  • Doenças inflamatórias intestinais (DII);
  • Infecções;
  • Síndrome de má absorção;
  • Intolerância e alergia a alimentos;
  • Causas pancreáticas;
  • Causas endócrinas;
  • Causas hereditárias;
  • Cirurgias do abdome ou trato intestinal;
  • Tumores;
  • Radioterapia;
  • Redução de fluxo sanguíneo intestinal;
  • Alterações na função imunológica;
  • Uso de determinados medicamentos.

Para auxiliar no diagnóstico, além da anamnese (história clínica completa e detalhada) e exame físico, podem ser solicitados (caso a caso): hemograma, proteínas totais e frações, transferrina, ferritina, ferro sérico, triglicerídeos e colesterol, VHS, exame de fezes completo, com protoparasitológico e coprocultura, além de pesquisa de leucócitos, sangue oculto e gorduras fecais, entre dezenas de outros exames.

A dosagem de eletrólitos fecais e a determinação do pH fecal podem ser úteis, além da retossigmoidoscopia e/ou colonoscopia e biópsia ou aspirado duodenal (giardíase e estrongiloidíase). Em indivíduos imunodeprimidos, é fundamental a pesquisa de agentes oportunistas.

O tratamento da diarreia crônica é determinado por sua causa, existem diversas causas, portanto várias formas diferentes de tratamento.

Em caso de diarreia crônica, jamais faça automedicação, procure um médico e sempre siga as orientações de tratamento dadas por ele. O mais importante é assegurar a reposição de fluidos e eletrólitos perdidos nas evacuações, enquanto o tratamento medicamentoso (quando necessário) é realizado.

Saiba mais em: Quais as causas mais comuns de diarreia?

O que fazer para evitar salmonella?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para evitar a salmonelose, uma infecção intestinal causada pela bactéria Salmonellae, algumas medidas preventivas são essenciais como:

  • Lavar as mãos com água e sabão principalmente antes de manipular alimentos, após ida ao banheiro, após manipulação do lixo e após tocar em animais;
  • Evitar comer alimentos não pasteurizados;
  • Evitar comer carne crua;
  • Lavar frutas e vegetais antes do consumo;
  • Manter o refrigerador e a geladeira em uma temperatura adequada.

Essas medidas são fundamentais para evitar a salmonelose e outras infecções intestinais.

Leia também:

Quais os sintomas causados pela salmonella?

Diarreia constante pode ser por causa dos meus remédios?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, pode ser reação de um dos remédios em uso regular. O mais provável é a metformina®, visto que os distúrbios gastrointestinais são efeitos colaterais comuns ao seu uso crônico.

Procure seu médico assistente, endocrinologista ou um médico gastroenterologista, para conversar sobre esse sintoma, definir a causa e assim avaliar a melhor opção de tratamento.

Metformina®

A metformina® é um medicamento indicado para o tratamento de diabetes tipo I e tipo II, além de ser uma opção ao tratamento da Síndrome dos Ovários Policísticos.

Trata-se de uma medicação amplamente utilizada, porém como toda medicação pode haver efeitos colaterais indesejáveis. A diarreia é um dos efeitos colaterais comuns do uso crônico de metformina®. Outros efeitos secundários possíveis são a perda de peso, náusea, vômito, cólicas, perda de apetite e alterações do paladar.

Saiba mais no artigo: Metformina emagrece?

Sibutramina®

A sibutramina® é um medicamento anorexígeno, inibidor de apetite, registrado e liberado pela ANVISA como coadjuvante no tratamento da obesidade. Portanto, como outros inibidores de apetite, a medicação interfere em diversos sistemas do corpo, o que obrigada uma avaliação médica criteriosa, para avaliar a possibilidade de seu uso e manter acompanhamento regular.

A diarreia não costuma ser um efeito colateral da medicação, ao contrário, um dos efeitos mais comuns é a constipação intestinal. Outros efeitos relatados são: boca seca, dor de cabeça, taquicardia, agitação, ansiedade, nervosismo, sudorese intensa, distúrbios do sono, aumento da pressão arterial, náuseas e alteração do paladar.

Causas de diarreia

Contudo, a diarreia é um sintoma inespecífico, que pode ser desencadeado por diversas causas. O uso regular de medicamentos como a metformina® é uma causa comum, porém outras causas devem ser pesquisadas, como:

  • Doença inflamatória intestinal crônica, entre elas a Doença de Crohn e a Retocolite ulcerativa;
  • Intoxicação intestinal;
  • Doença celíaca;
  • Intolerância alimentar, como lactose e glúten;
  • Infecção pelo HIV;
  • Síndrome do intestino irritável,
  • Câncer, entre outras.

O médico endocrinologista assistente ou o gastroenterologista são os mais indicados para definir a causa e avaliar o melhor tratamento.

Leia também: Tenho diarreia constante. O que pode ser?

Qual o tratamento para diarreia crônica?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O tratamento da diarreia crônica é determinado por sua causa, existem diversas causas, portanto várias formas diferentes de tratamento. Em caso de diarreia crônica (aumento no número de evacuações diárias e/ou alteração na consistência das fezes, há mais de 30 dias), jamais faça automedicação, procure um médico e sempre siga as orientações de tratamento dadas por ele.

O mais importante é assegurar a reposição de fluidos e eletrólitos perdidos nas evacuações, enquanto o tratamento medicamentoso (quando necessário) é realizado.

Quais os sintomas da retocolite ulcerativa?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os sintomas​ da retocolite ulcerativa idiopática (RCIU) são parecidos com os de outras doenças intestinais. No início do quadro, há uma crescente urgência para defecar, cada vez mais frequente, com vontade intensa logo após comer. Surgem leves cólicas abdominais baixas e aparece pequena quantidade de muco e sangue nas fezes.

Com a evolução da doença, os episódios de diarreia tornam-se frequentes com maior quantidade de sangue, muco ou pus (os episódios variam em intensidade e duração e são intercalados por períodos em que o paciente está bem, sem sintomas). A dor abdominal torna-se mais intensa e pode haver febre e toxemia nos casos mais graves.

Menos comumente, a RCIU pode ter início agudo e fulminante, com diarréia súbita, violenta e síndrome febril.

Quando a doença está confinada ao retossigmoide, pode haver constipação (fezes normais ou endurecidas).

Em casos mais avançados, os sintomas estendem-se a outros locais, sendo os mais comuns listados abaixo:

  • Manifestações articulares: Ocorrem em cerca de 25% dos doentes. Variam de artralgia a artrite aguda, com dor e edema articular.
  • Manifestações cutâneo-mucosas: Ocorrem em cerca de 15% dos pacientes, e incluem eritema nodoso, pioderma gangrenoso, lesões labiais e úlceras aftosas orais.
  • Manifestações oculares: Em 5% dos casos - uveíte, conjuntivite e episclerite.

Em caso de suspeita de RCIU, o médico deve ser prontamente consultado para investigação da causa e tratamento.

Quais as causas mais comuns de diarreia?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As causas mais comuns de diarreia são as gastroenterites virais, que quase sempre desaparecem espontaneamente em poucos dias. O rotavírus é a causa mais comum de diarreia aguda em crianças.

A ingestão de alimentos ou água contaminados por certos tipos de bactérias ou parasitas (intoxicação alimentar) também pode causar diarreia. A diarreia também pode ser causada por certos medicamentos, como antibióticos, medicamentos quimioterápicos para câncer e laxantes contendo magnésio.

Outras causas comuns de diarreia incluem:

  • Doença celíaca;
  • Doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e colite ulcerativa);
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Intolerância à lactose;
  • Síndromes de má absorção, que impedem a absorção de nutrientes pelo intestino.

As causas menos comuns de diarreia podem incluir síndrome carcinoide (tumores benignos ou malignos no intestino), distúrbios dos nervos do intestino, remoção parcial do estômago ou do intestino delgado e radioterapia.

O que é diarreia?

Diarreia é uma condição que caracteriza-se pela eliminação de fezes aquosas ou moles, pelo menos 3 vezes por dia. Em algumas pessoas, a diarreia é leve e desaparece em alguns dias, enquanto em outras, pode durar mais tempo, podendo deixar a pessoa fraca e desidratada.

Diarreia que dura mais de alguns dias pode ser sinal de um problema mais sério. Se a diarreia durar mais de 4 semanas ela é considerada crônica e pode ser sintoma de alguma doença crônica. Os sintomas da diarreia crônica podem ser contínuos ou podem aparecer e desaparecer.

Leia também: O que é diarreia crônica?

A diarreia pode ser grave quando ocorre em bebês e crianças, sendo necessário um tratamento diferente do que seria usado para tratar a diarreia em adultos.

Quais os sintomas que podem acompanhar a diarreia?
  • Cãibras ou dor no abdômen;
  • Necessidade urgente de evacuar;
  • Perda do controle do intestino;
  • Febre, calafrios e sangue nas fezes (diarreia causada por vírus ou bactérias).
Como tratar diarreia?

Na maioria dos casos, é possível tratar a diarreia em casa. O tratamento consiste em beber bastante líquidos para evitar a desidratação e evitar determinados alimentos, dando prioridade a outros.

Deve-se evitar tomar medicamentos para diarreia que podem ser comprados sem receita médica.

Veja também: Diarreia: o que fazer?

Para casos de diarreia crônica, como a causada pela síndrome do intestino irritável, é necessário fazer mudanças na dieta e no estilo de vida.

Como prevenir diarreia?

O uso de suplementos que contêm bactérias benéficas (probióticos) pode ajudar a prevenir episódios de diarreia, sobretudo aqueles causados pelo uso de antibióticos. Alguns iogurtes com bactérias vivas ou ativas também são uma boa fonte dessas bactérias benéficas para o intestino.

As seguintes medidas podem ajudar a prevenir doenças que causam diarreia:

  • Lavar as mãos com frequência, principalmente depois de usar o banheiro e antes de comer;
  • Passar gel à base de álcool nas mãos frequentemente;
  • Ensinar as crianças a não colocar objetos na boca;
  • Beber apenas água engarrafada, filtrada ou fervida;
  • Evitar comer frutas e vegetais crus sem lavar ou descascar;
  • Não comer frutos do mar crus ou carne mal cozida.
Quando procurar um médico em caso de diarreia?

Procure um médico se a diarreia vier acompanhada de sinais e sintomas de desidratação, como diminuição do volume de urina, vertigem ou tontura, boca seca e olhos fundos.

Na presença de sangue nas fezes, fezes pretas, dor de estômago que não desaparece após a evacuação ou diarreia com febre acima de 38º C, também deve-se procurar atendimento médico.

Saiba mais em:

Estou com diarreia amarela, o que pode ser?

Dor no estômago e diarreia: o que eu faço?

Meu filho esta evacuando praticamente só sangue, o que pode ser isso?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É algum tipo de infecção intestinal, precisa levar ele ao médico imediatamente.