Perguntar
Fechar
Febre, dor de garganta e tem bolhas na boca, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Febre, dor de garganta e presença de bolhas na boca são sintomas comuns de garganta inflamada, ou um processo de inflamação ou infecção em uma das estruturas encontradas dentro da boca.

Esses sintomas se apresentam com frequência nos quadro de amigdalite (inflamação das amigdalas), aonde além dos sintomas descritos o paciente costuma apresentar focos de pus, "amarelados" nas amigdalas e muita dificuldade para engolir; faringite (inflamação na faringe),  laringite (inflamação na laringe) ou mesmo quadro viral inespecífico, as viroses e resfriados.

A febre é um sintoma de defesa do organismo, nos mostrando que o corpo está reagindo adequadamente contra algum agente agressor, seja ele vírus ou bactéria, e com isso produzindo anticorpos para eliminar a doença. Porém algumas vezes não basta só a nossa defesa imunológica. Nos casos de infecção bacteriana, por exemplo, é necessário o uso de antibióticos para combater o germe e completar o tratamento definitivo, além de evitar complicações.

Por isso, nesses casos de febre, dor de garganta e lesões na boca, é necessário que procure um atendimento de emergência, e seja avaliado por um médico. O diagnóstico quase sempre é simples, determinado apenas pela avaliação e exame físico, possibilitando a prescrição do tratamento específico.

Saiba mais sobre o assunto nos links:

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

Dor e dificuldade ao engolir. O que pode ser e o que fazer?

Garganta inflamada, o que fazer?

Quais os sintomas da laringite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas da laringite incluem rouquidão e alterações vocais, perda abrupta da voz, dor na garganta, dificuldade para engolir, febre, tosse seca, garganta seca e dificuldade para respirar (laringite bacteriana).

Porém, os sintomas mais característicos da laringite são a rouquidão e as alterações da voz, uma vez que a laringe é onde estão localizadas as cordas vocais. Assim, quando a laringe está inflamada, as cordas vocais ficam inchadas e vibram de outra forma, deixando a pessoa rouca.

A laringite aguda é a principal causa de rouquidão e perda repentina da voz, sendo na maioria das vezes provocada por uma infecção viral.

As laringites agudas também podem surgir depois de gripes ou resfriados mal curados, provocando sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, dor no corpo, tosse seca, nariz entupido e coriza.

As laringites bacterianas são bem mais raras que as virais e frequentemente estão associadas à dificuldade respiratória, o que requer uma avaliação médica urgente. O/a paciente pode apresentar também tosse produtiva e dor para engolir e falar.

O que é laringite e quais são as causas?

A laringite é uma inflamação da laringe, localizada na porção final da garganta. Pode ser causada por vírus, bactérias ou irritação na laringe.

Pessoas que estão constantemente expostas a substâncias irritantes, como fumaça de cigarro, ou que apresentam uma produção excessiva de ácido no estômago, têm mais chances de desenvolver laringite.

As infecções respiratórias, a bronquite, a sinusite e o uso excessivo da voz também constituem fatores de risco para o desenvolvimento da laringite.

A laringite crônica pode durar semanas e está diretamente relacionada com o consumo de bebidas alcoólicas e o hábito de fumar. Esse tipo de laringite também pode ser causado por câncer de laringe, refluxo gastroesofágico, doenças autoimunes, entre outras.

A laringite também pode ser provocada por refluxo. Nesses casos, a inflamação tem como causa a subida constante do conteúdo ácido do estômago para a garganta.

Qual é o tratamento para laringite?

O tratamento da laringite pode incluir o uso de medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos, antibióticos ou corticoides, de acordo com a causa e o tipo de laringite.

Muitas vezes, a laringite resolve-se espontaneamente apenas com alguns cuidados e algumas medidas, como descansar a voz, manter o ambiente constantemente úmido (de preferência com umidificador), não pigarrear, beber bastante água, não fumar e evitar permanecer em ambientes com fumaça de cigarro.

Se a laringite for causada por refluxo gastroesofágico, o tratamento deve incidir sobre o refluxo.

Casos de laringite crônica decorrente do uso excessivo da voz podem necessitar de cirurgia, quando as cordas vocais estão danificadas. Também é importante fazer um tratamento para a voz nesses casos.

Na presença de algum desses sintomas ou em caso de rouquidão sem uma causa aparente, procure o/a médico/a de família, clínico/a geral ou otorrinolaringologista para uma avaliação adequada.

Laringite tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, laringite tem cura e o tratamento depende da causa e extensão da inflamação da laringe.

Podendo se limitar a orientações de repouso, umidificação da garganta e hidratação, até medicamentos como corticoides e adrenalina, para casos mais prolongados ou graves.

Portanto o tratamento pode variar entre:

  • Repouso,
  • Hidratação;
  • Diminuir o uso da voz;
  • Anti-inflamatórios;
  • Analgésicos;
  • Antialérgicos;
  • Antibióticos;
  • Corticoides e
  • Adrenalina.

No caso da laringite viral, a causa mais comum de laringite na nossa população, o melhor tratamento é manter uma boa hidratação, repouso e diminuir o uso da voz. Forçar a voz durante um quadro de laringite aguda pode provocar ferimentos graves nas cordas vocais.

A laringite bacteriana necessita de tratamento com antibióticos orais, além dos cuidados já citados anteriormente. A evolução do quadro com piora, representada pela dificuldade para respirar ou engolir, indica que deve ser levada imediatamente a um serviço de urgência.

Nos casos de laringite por reações alérgicas, causa menos comum, podem ser usados medicamentos antialérgicos, até adrenalina, quando evolui com edema local e mais uma vez, dificuldade de respirar ou engolir. Outra situação de emergência médica.

Já as laringites crônicas, qe podem ser causadas por doenças sistêmicas como o refluxo gastroesofágico, necessitam de tratamento específico e por vezes, pode ser necessário a associação de corticoides orais.

Outros medicamentos que podem ser usados para aliviar os sintomas da laringite, como anti-inflamatórios e analgésicos, serão definidos através da avaliação médica.

Na suspeita da laringite, procure atendimento médico, de preferência com otorrinolaringologista.

Leia também:

Quais os sintomas da laringite?

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

Quais os sintomas de amigdalite?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os principais sintomas de amigdalite são:

  • Dor e dificuldade para engolir;
  • Febre;
  • Mal-estar geral;
  • Vermelhidão e inchaço na garganta (amigdalite viral);
  • Placas brancas de pus na garganta (mais comum na amigdalite bacteriana).

As amigdalites podem causar ainda falta de apetite, mau hálito, dor de cabeça e inchaço dos gânglios do pescoço e da mandíbula, que pode ser notado pela presença de caroços ou nódulos nessas regiões.

No caso da amigdalite bacteriana, a febre costuma ser acima de 38 graus e pode vir acompanhada de calafrios, muita indisposição e, em alguns casos, dor abdominal.

Os sintomas da amigdalite viral duram cerca de 4 dias e desaparecem espontaneamente após esse período, enquanto nas infecções provocadas por bactérias eles duram mais tempo.

O tratamento das amigdalites provocadas por vírus é feito com medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, tendo como objetivo amenizar os sintomas. Já as amigdalites bacterianas precisam ser tratadas com antibióticos.

Veja aqui quais são os melhores tratamentos para amigdalites.

Consulte um médico de família/ clínico geral se apresentar sintomas de inflamação, ou infecção nas amígdalas.

Leia também:

O que causa inflamação nas amígdalas e qual o tratamento?

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

Garganta inflamada o que fazer?

O que é uma massa branca que eu tenho no fundo da garganta?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Esse tipo de lesão somente com a visualização direta dela, precisa ir a um médico, geralmente é algum tipo de inflamação ou infecção de garganta.

Formigando após tomar várias injeções, pode ser grave?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser uma reação referente a medicação sim, se é grave não dar para afirmar (no meu entendimento não parece ser), deve voltar a um médico caso persistir os seus sintomas.

Dúvidas sobre Coronavírus (COVID-19)
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Conhecer o novo coronavírus (SARS-CoV-2) é a melhor forma de se prevenir e de proteger as outras pessoas do contágio. Para isto, esclareça as suas dúvidas. Medidas simples podem evitar a infecção e a transmissão da doença COVID-19.

O que é o COVID-19?

A COVID-19 é uma doença causada por um tipo novo de vírus, da família coronavírus: o SARS-CoV-2. Identificado pela primeira vez em Wuhan, na província de Hubei, na China.

Os coronavírus, dentre eles o SARS-CoV-2, provocam infecções respiratórias em seres humanos e animais. Normalmente, as infecções respiratórias são leves a moderadas e parecidas com um resfriado comum. Na COVID-19 não é diferente.

Este vírus são chamados de coronavírus por se assemelharem à uma coroa quando vistos por meio de um microscópio.

Quais os sintomas da COVID-19, causada pelo novo coronavírus ?

Para você saber se tem COVID-19, a infecção provocada pelo coronavírus, fique atento aos sinais de um resfriado comum, pois os sintomas afetam o sistema respiratório e são muito parecidos com uma gripe. É também possível que a pessoa infectada apresente pneumonia.

Os sintomas frequentes são:

  • Febre: a febre se inicia branda e, com o passar do tempo, se torna alta e persistente com duração de 3 a 4 dias.
  • Tosse: inicialmente seca e, na medida em que o tempo passa, se torna produtiva (com catarro).
  • Dificuldade respiratória (falta de ar).
  • Fadiga (cansaço, indisposição).
  • Dor muscular (dores pelo corpo).

Na maior parte dos casos, os sintomas são leves a moderados. Nos casos graves, em que há dificuldade respiratória é indicado buscar um serviço hospitalar.

Em quanto tempo os sintomas aparecem?

O tempo entre o contato com uma pessoa infectada até o surgimento dos primeiros sintomas, chamado de período de incubação, pode variar de 2 a 14 dias. Deste modo, se você teve contato com a pessoa infectada, os sintomas podem surgir de 2 a 14 dias após este contato.

Neste período, mesmo sem apresentar sintomas, é possível transmitir o coronavírus que provoca a COVID-19. Por este motivo, lavar constantemente as mãos e não compartilhar objetos de uso pessoal como copos, talheres, entre outros, é de extrema importância.

Como se pega a COVID-19?

O coronavírus (SARS-CoV-2) que causa a Covid-19 é transmitido de pessoa para pessoa. As gotículas emitidas quando a pessoa tosse, espirra, além da saliva e do catarro de uma pessoa infectada, estão repletos de vírus e são responsáveis pela transmissão.

Além disso, o contato próximo como beijo, aperto de mão e o contato com superfícies e objetos como telefones celulares, talheres e copos também são capazes de transmitir o coronavírus.

Neste momento, evite cumprimentar as pessoas e se o fizer, lave as mãos ou utilize álcool gel e evite levar as mãos aos olhos, nariz e boca.

A pessoa pode transmitir o vírus mesmo sem apresentar sintomas?

Sim. O que se sabe até o momento é que, normalmente, a pessoa contaminada com o coronavírus leva de 2 a 14 dias para manifestar os sintomas da COVID-19, entretanto ela já é capaz de transmitir o vírus.

Que pessoas correm mais risco com a COVID-19?

De forma geral, as pessoas jovens e saudáveis apresentam sintomas leves da COVID-19.

Entretanto, a doença pode se tornar grave em:

  • Pessoas com idade superior a 60 anos (idosos);
  • Gestantes;
  • Pessoas com doenças crônicas: diabéticos, hipertensos e asmáticos;
  • Portadores de doenças cardíacas;
  • Pessoas com sistema imunológico debilitado.

Ainda não se sabe exatamente como o coronavírus afeta as crianças. Acredita-se que, por terem um sistema imunológico forte, nem todas apresentam sintomas. Porém, quando infectadas são capazes de transmitir o coronavírus.

Como posso me proteger da COVID-19?

Algumas medidas simples podem ajudar na prevenção da COVID-19:

  • Lave as mãos com frequência por pelo menos 20 segundos. Lave todas as regiões das mãos: palmas das mãos, regiões entre os dedos, dorso das mãos, polegares, unhas e punhos;
  • Lave as mãos especialmente antes das refeições e após tossir ou espirrar;
  • Se não for possível lavar as mãos com água e sabão, utilize álcool gel a 70% para higienizá-las;
  • Não toque nos seus olhos, nariz e boca se suas mão não estiverem lavadas;
  • Ao espirrar ou tossir, cubra o nariz e a boca com um lenço descartável ou com a face interna (dobra) do cotovelo. Nunca use as mãos para cobrir nariz e boca enquanto você tosse ou espirra;
  • Use lenço descartável para higiene nasal;
  • Não compartilhe objetos como talheres, copos e garrafas;
  • Evite ambientes fechados e com aglomeração de pessoas;
  • Mantenha-se em ambientes ventilados;
  • Limpe e desinfete objetos que você toca com frequência como celulares. Esta desinfecção pode ser feita com álcool gel a 70%;
  • Evite o contato com pessoas que apresentam os sintomas da COVID-19;
  • Evite sair de casa;
  • Pessoas doentes devem permanecer em casa e, em caso de dificuldade respiratória, devem se dirigir a um serviço de atendimento de urgência.

Covid-19 tem tratamento?

Não existe um remédio específico para o tratamento da COVID-19. O tratamento é feito com base nos sintomas do paciente.

Se você apresenta febre, o indicado é o uso de um antitérmico (como o Paracetamol). Evite utilizar Ibuprofeno e remédios que tenham Ibuprofeno em sua fórmula. Além disso, tome bastante água para ajudar a eliminação do vírus. Uma alimentação saudável rica em frutas, verduras, legumes e cereais é fundamental para reforçar o sistema imunológico.

Se você começar a sentir dificuldade de respirar, o indicado é buscar atendimento hospitalar.

Não utilize antibióticos. Estes medicamentos são indicados apenas em casos de infecção bacteriana. Por ser um vírus, os antibióticos não funcionam para prevenir ou tratar infecções por COVID-19.

Qual o tempo de quarentena?

Ainda não há uma determinação exata do tempo necessário de isolamento social ou quarentena. É preciso que você esteja atento às orientações das autoridades sanitárias do país, do Estado e da sua cidade, pois o tempo de isolamento vai depender da velocidade de transmissão do vírus em cada lugar.

As pessoas com suspeitas de infecção por oronovírus e/ou sintomas da COVID-19 devem permanecer isoladas até o resultado do seu exame ou durante o período indicado pela equipe médica e pelas autoridades sanitárias locais.

As pessoas infectadas com o novo coronavírus que estão sendo tratadas em casa devem permanecer isoladas, se possível em um cômodo exclusivo da casa, até que os sintomas doa COVID-19 desapareçam.

A equipe de saúde e/ou as autoridades sanitárias são as responsáveis pela orientação de quanto tempo e como deverá ocorrer o isolamento.

Devo usar máscara quando sair à rua?

Se você não está doente, não deve usar máscara nem para ir à rua.

A máscara somente deve ser usada por pessoas que estão doentes ou que cuidam de pessoas com COVID-19. Pessoas que se encontram na primeira semana ou nos primeiros 10 dias da doença, devem usar a máscara para evitar a disseminação do vírus no ambiente e reduzir a chance de contaminar outras pessoas.

Os parentes próximos, cuidadores e profissionais de saúde que cuidam de doentes com COVID-19 também devem usar máscara.

Para as pessoas que não estão doentes, a recomendação da Organização Mundial de Saúde é que não utilizem a máscara.

Quando devo procurar um posto de saúde ou hospital?

Você deve procurar os postos de saúde se apresentar febre (a partir de 37.8°C), tosse, dor de garganta e coriza. Entretanto, se você apresenta apenas um destes sintomas, deverá se manter em casa. Além disso, se você apresenta sintomas leves, mas não sente necessidade de ajuda médica, pode ficar em casa.

Se você apresentar dificuldade de respirar, falta de oxigenação ou respiração curta, busque atendimento em emergência hospitalar. Estes são sintomas de um estágio mais grave da COVID-19.

Como é o exame para saber se tenho a doença?

O teste para confirmar se a pessoa tem COVID-19 é específico para esta doença. É feita a coleta de secreções respiratórias da boca e do nariz ou por aspiração de secreção do sistema respiratório.

Somente as pessoas que tiveram contato com alguém infectado, que viajou para um outro país ou local com casos de COVID-19 e que está apresentando sintomas da doença podem fazer o teste específico para coronavírus. Esta orientação pode sofrer reajustes a depender da localidade em que a pessoa vive, a disponibilidade de recursos e evolução da pandemia.

As secreções coletadas são enviadas para os laboratórios centrais de Saúde Pública e são examinados em busca da presença de coronavírus (RNA viral).

Existe vacina para o coronavírus?

Por ser um vírus novo, ainda não existe vacina para prevenir a COVID-19. Entretanto, a vacina é uma possibilidade futura após um período de estudos sobre o novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Depois de ter a doença a pessoa fica imune?

Ainda não se sabe se a pessoa desenvolve imunidade ao novo coronavírus (SARS-CoV-2). Por ser um vírus novo, pesquisas ainda estão sendo realizadas para esclarecer sobre o comportamento do vírus após a infecção.

Qual o álcool que devo usar para desinfetar?

O álcool gel a 70% é a solução desinfetante mais indicada para higienizar as mãos e superfícies e objetos. Entretanto, o uso de álcool gel não substitui a lavagem das mãos. Lavar as mãos com água e sabão é a forma mais eficaz de higiene e prevenção para da COVID-19. O álcool gel somente é indicado nos momentos em que não é possível lavá-las.

O tempo quente impede o coronavírus de se espalhar?

Como as características da COVID-19 ainda não são completamente conhecidas, não é possível afirmar que o clima quente impede a propagação do vírus.

Em geral, no calor, os vírus que provocam gripes sobrevivem por menos tempo quando estão fora do nosso corpo. As temperaturas mais baixas, por outro lado, aumentam o tempo de sobrevivência destes vírus no ar. Além disso, no inverno as pessoas tendem a ficar por mais tempo em ambiente fechados, o que facilita a transmissão.

Apesar destas regras gerais, não é possível afirmar que o verão ou o calor impedem a rápida propagação do novo corona vírus (SARS-CoV-2) que causa a COVID-19.

Siga as instruções das autoridades sanitárias da sua cidade, estado e país.

Leia mais em:

O que já se sabe sobre o novo Coronavírus (SARS-CoV-2)?

Coronavirus (COVID-19) tem cura? Quando teremos vacina?

Posso tomar Ibuprofeno se tiver com coronavirus (COVID-19) ou com suspeita?

Chá de hortelã é bom para a saúde?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O chá das folhas de hortelã (Mentha piperita) é bastante utilizado na medicina popular. Os benefícios desta planta medicinal para a saúde estão relacionados, especialmente, aos distúrbios do sistema digestivo.

A hortelã pode ser usada para melhorar a digestão, reduzir gases e cólicas, aliviar náuseas, vômitos e sintomas de gripe e dor de garganta.

Infusão de Hortelã Benefícios do chá de hortelã 1. Auxilia na melhora da digestão

As plantas do gênero Mentha, tal como a hortelã (Mentha piperita), são indicadas para as pessoas que apresentam distúrbios digestivos. Estudos mostram que o chá de hortelã relaxa a musculatura do estômago e melhora o fluxo da bile. Este mecanismo está envolvido na digestão de gorduras e propicia uma melhor digestão.

2. Ajuda a reduzir de gases

O chá de hortelã-pimenta possui propriedades carminativas, isto é, ajudam a reduzir gases e cólicas. A infusão quente desta planta reduz os movimentos peristálticos do intestino e evita a liberação de gases.

3. Alivia náuseas e vômitos

O mentol presente nas folhas de hortelã ajuda a aliviar episódios de vômitos e náuseas. Para este efeito, você pode consumir o chá de hortelã ou mastigar folhas de hortelã frescas. O aroma do óleo essencial de hortelã também ajuda nestes casos.

4. Ameniza sintomas de gripe e dor de garganta

Por ter ação descongestionante e expectorante, o mentol presente nas folhas de hortelã ajuda a aliviar a tosse e promove a excreção de muco. Além disso, o chá de hortelã também ameniza as tosses secas e dores de garganta.

Hortelã e a Síndrome do Intestino Irritável

Estudos mostram que a hortelã-pimenta pode ser benéfica para pessoas portadoras da síndrome do intestino irritável. Substâncias presentes na planta ativam receptores anti-dor no cólon e ajudam no tratamento da do, inchaço, gases e diarreia.

Deste modo a hortelã-pimenta atua como coadjuvante no tratamento e pode ser associada à uma alimentação saudável e ao tratamento medicamentoso. Se você tem esta síndrome converse com seu médico antes de começar a usar hortelã-pimenta.

Contraindicações quanto ao uso de hortelã

O uso de hortelã na forma de chá ou óleo essencial é contraindicado em casos de:

  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Crianças com menos de 8 anos de idade;
  • Pessoas alérgicas ao óleo essencial de hortelã;
  • Pacientes com obstrução dos ductos biliares;
  • Portadores de anemia.

Para o consumo seguro do hortelã busque orientação de um/a fitoterapeuta, nutricionista ou nutrólogo/a.

Leia mais

Plantas medicinais são seguras para a saúde?