Perguntar
Fechar

Infarto Miocárdio

O que é troponina e quais os valores de referência?

Troponina é uma enzima encontrada no sangue, cuja medição dos seus níveis serve para diagnosticar um infarto agudo do miocárdio (ataque cardíaco), sendo considerada o mais sensível marcador de lesão do músculo cardíaco disponível. O valor de referência para a troponina T é de até 0,030 ng/mL. 

A troponina cardíaca (Tn) apresenta-se de 3 formas: troponina C (TnC), troponina I (TnI) e troponina T (TnT). As troponinas são liberadas a partir das células mortas ou danificadas do músculo cardíaco e ficam elevadas entre 4 e 8 horas após o início dos sintomas do infarto do miocárdio, com pico de elevação após 36-72 horas, normalizando entre 5 e 14 dias depois.

Pacientes com angina instável e níveis de troponina cardíaca anormal, possuem 5 vezes mais chances de sofrer um infarto quando comparados com aqueles que têm níveis de troponina normais.

Elevações da troponina sérica são essenciais para o diagnóstico de infarto do miocárdio e estimar a sua extensão. Qualquer tipo de lesão do miocárdio (músculo cardíaco), e não apenas uma lesão isquêmica, pode resultar em liberação de troponina no sangue.

A troponina apresenta a mesma sensibilidade diagnóstica da CKMB após 12-48 horas do início dos sintomas do infarto, mas é indispensável no caso de pacientes com doenças que reduzem a especificidade da enzima CKMB.

Esta ênfase dada às troponinas irá ajudar a distinguir uma angina de uma isquemia leve, permitindo que os cuidados com o paciente sejam iniciados precocemente e o tratamento seja monitorizado.

Tenho 30 anos e dores no lado esquerdo do peito...

Sempre que esse tipo de sintomas aparecem é necessário afastar alguma causa cardíaca, então precisa ir ao médico e fazer exames, os que você já fez vão ajudar a esclarecer o que você realmente tem, apesar que na sua idade a principal causa desse tipo de sintomas são os problemas de ordem emocional como ansiedade, estresse e depressão.

Quais os sintomas de um ataque cardíaco?

Os sinais e sintomas de um ataque cardíaco são: 

  • Dor ou desconforto no peito que pode irradiar para costas, mandíbula, braço esquerdo e braço direito (mais raro);

    • ​A dor geralmente é intensa e prolongada, sendo acompanhada por uma sensação de peso ou aperto sobre tórax;
    • Em casos menos frequentes, a dor pode estar localizada no abdome;
  • Falta de ar: Nos idosos, este pode ser o principal sintoma de um ataque cardíaco;
  • Suor em excesso;
  • Palidez;
  • Alteração dos batimentos cardíacos.

Um ataque cardíaco é uma emergência médica e o que se deve fazer é chamar imediatamente o serviço de emergência através do número 192.

No caso de uma parada cardíaca, deve-se fazer massagem cardíaca na vítima, com compressões fortes e ritmadas (100 por minuto), afundando o peito cerca de 5 cm.

Metade das mortes por ataque cardíaco ocorre nas primeiras horas após o início dos sintomas. Por isso, quanto mais cedo a vítima receber atendimento, menor será o dano ao coração.

Saiba mais em: Sinto pontadas no peito. O que pode ser?

Dores no braço podem ser sintomas de ataque cardíaco?

Sim, dores no braço podem ser sintomas de ataque cardíaco, principalmente no braço esquerdo, já que o braço direito raramente é afetado nesses casos. A dor do infarto tem origem no peito e geralmente é intensa e prolongada, podendo irradiar também para as costas e para a mandíbula.

A pessoa também pode sentir uma sensação de peso ou aperto sobre tórax. Há casos em que a dor pode estar localizada no abdômen, embora seja menos comum.

Além de dores no braço, um ataque cardíaco também pode causar falta de ar, transpiração em excesso, palidez e alteração dos batimentos cardíacos.

Se houver suspeita de ataque cardíaco, a vítima deve ser levada imediatamente para um pronto-socorro. Se não for possível, deve-se chamar o serviço de emergência através do número 192.

Saiba mais em: O que fazer em caso (ou suspeita) de ataque cardíaco?

Contudo, é importante lembrar que uma dor no braço pode ter diversas causas e nem sempre é sinal de infarto. As dores no braço também podem ser sintomas de tendinite (inflamação do tendão), por exemplo.

Uma tendinite no ombro provoca dor que pode irradiar para o braço. Já na epicondilite, popularmente conhecida como "cotovelo de tenista", a dor começa no cotovelo e pode irradiar para o braço ou antebraço.

Leia também: Quais são os sintomas da tendinite?

As dores no braço também pode ter origem muscular, principalmente após grandes esforços, como levantamento de pesos ou exercícios físicos.

Se a dor persistir, consulte o/a médico/a de família ou médico/a clínico geral para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Também pode lhe interessar: 

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?

O que pode causar um infarto?

Saiba como identificar um infarto e conheça os sintomas

Nem sempre é fácil identificar um infarto, mas há alguns sinais que podem ajudar. Os sinais e sintomas que caracterizam um infarto do miocárdio são:

  • Dor no meio do peito, geralmente intensa e prolongada (pode durar várias horas), que pode irradiar para braço (principalmente a parte de dentro do braço esquerdo), ombro, pescoço e mandíbula; mesmo em repouso, a dor continua;
  • Falta de ar;
  • Náuseas e vômitos;
  • Suor frio;
  • Palidez;
  • Alteração nos batimentos cardíacos, que podem estar mais lentos, acelerados ou irregulares;
  • Respiração ofegante.

Normalmente a dor ou o desconforto torácico são acompanhados também de sensação de aperto ou peso no peito.

Leia também: O que é angina e quais os sintomas?

Apesar da dor no peito ser o principal sintoma de um infarto, ela nem sempre acontece em pessoas idosas. Por isso, a falta de ar é o melhor sinal para identificar um infarto em idosos.

Na presença desses sintomas, a pessoa deve ser imediatamente levada para um hospital, pois cada segundo é importante para prevenir maiores danos ao músculo cardíaco.

Leia também: Suspeita de infarto: o que fazer?

O infarto é a falta de circulação sanguínea numa área do músculo cardíaco (miocárdio), que provoca morte das células devido à falta de oxigênio. Sua principal causa é o entupimento das artérias coronárias por placas de gordura, interrompendo assim o fluxo de sangue para o coração.

Saiba mais em:

Infarto fulminante: Quais as causas e como evitar?

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?

O que pode causar um infarto?

Quais são as principais doenças cardiovasculares e suas causas?

Doenças cardiovasculares: Quais os fatores de risco e como prevenir?

O que fazer em caso (ou suspeita) de ataque cardíaco?

A primeira coisa que se deve fazer em caso ou suspeita de ataque cardíaco (infarto agudo do miocárdio) é levar a vítima até o pronto socorro mais próximo. Se a pessoa estiver inconsciente, sem respirar e com ausência de circulação, deve-se chamar uma ambulância imediatamente através do número 192 e iniciar a massagem cardíaca até que chegue o atendimento especializado.

Como fazer a reanimação cardiopulmonar:

  1. Fazer 15 compreensões cardíacas, fortes e ritmadas, afundando o peito cerca de 5 cm;
  2. Em seguida fazer 2 respirações boca a boca (ventilações);
  3. Repetir até que chegue auxilio ou a vitima reanime.
  • Adulto: 2 ventilações por cada 15 massagens de 80 a 100 vezes/minuto;
  • Criança: 1 ventilação por cada 5 massagens, 100 vezes/minuto;
  • Bebê: 1 ventilação por cada 5 massagens, 100 a 120 vezes/minuto.

Há casos em que estes procedimentos são executados por um tempo bastante longo, podendo chegar a horas. É uma tarefa cansativa, que requer muita energia e resistência da parte de quem está prestando o socorro. 

Se possível, o socorrista deve revezar com outra pessoa durante a massagem cardíaca, uma vez que os movimentos devem ser constantes e executados com bastante força. Para que a massagem seja mais profunda, deve-se usar o peso do próprio corpo.

Outras medidas que podem ser tomadas em caso ou suspeita de ataque cardíaco:

  • Desapertar as roupas ou peças de roupa que estejam comprimindo o pescoço, o peito ou a cintura da vítima;
  • Reparar na respiração da vítima;
  • Procurar falar com a pessoa para verificar se ela é capaz de responder a estímulos externos;
  • Verificar se o local em que a vítima se encontra tem condições mínimas para a realização dos primeiros socorros;
  • Uma vez identificada uma parada cardíaca, verificar se existe algum desfibrilador por perto e, se houver, usá-lo. Os equipamentos atuais indicam como agir e até a frequência da massagem cardíaca.

A respiração boca a boca só deve ser feita se quem vai prestar o socorro souber executar a técnica adequadamente. Quanto mais precocemente a vítima de um ataque cardíaco receber tratamento, menores são os danos causados ao músculo cardíaco dentro das primeiras 12 horas do infarto.

Leia também:

O que fazer no caso de dor no peito?

O que fazer quando uma pessoa tem uma parada cardiorrespiratória?

Dores no braço podem ser sintomas de ataque cardíaco?

O que pode causar um infarto?

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?

Suspeita de infarto: o que fazer?

Em caso de suspeita de infarto, a primeira coisa a fazer é dirigir-se ao hospital mais próximo ou chamar uma ambulância através do número 192, com urgência. Enquanto aguarda pelo socorro, é importante:

  • Não fazer qualquer tipo de esforço;
  • Afrouxar as roupas;
  • Tomar 2 comprimidos de ácido acetil salicílico (AAS, aspirina);
  • Não beber nada nem tomar calmantes.

Se tiver que prestar socorro a uma pessoa com suspeita de infarto e ela estiverinconsciente, sem respirar e sem circulação, deve-se chamar uma ambulância imediatamente e fazer massagem cardíaca até o socorro especializado chegar.

Como Fazer Massagem Cardíaca em Caso de Infarto
  1. Usando o peso do próprio corpo, realizar 15 compreensões cardíacas fortes e ritmadas, afundando o peito da vítima cerca de 5 cm, 80 a 100 vezes por minuto.
  2. Fazer 2 respirações boca a boca a cada 15 massagens;
  3. Repetir o procedimento até chegar o socorro ou a pessoa retomar a consciência.

Saiba mais em O que fazer em caso (ou supeita) de ataque cardíaco?

Sintomas de Infarto
  • Dor forte no peito que dura mais de 20 minutos e irradia para o braço esquerdo, costas, mandíbula ou braço direito (mais raro);
  • Falta de ar;
  • Suor em excesso;
  • Palidez;
  • Alteração dos batimentos cardíacos.

Quanto mais cedo a vítima receber um tratamento adequado, menores serão os danos causados ao músculo cardíaco.

Leia também:

Infarto fulminante: Quais as causas e como evitar?

Quais os sintomas de um infarto fulminante?

Veja como Identificar um Infarto

O que pode causar um infarto?

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?

Qual a diferença entre angina estável e angina instável?

A principal diferença entre angina estável e instável é que a angina estável geralmente ocorre em situações de esforço e a dor desaparece com o repouso. Já a angina instável surge de repente e não cessa com o repouso, podendo ser um sinal de ataque cardíaco (infarto do miocárdio).

Características da angina estável:

  • É a forma mais comum de angina;
  • Normalmente ocorre em situações de esforço físico, como subir escadas ou durante exercícios;
  • Desaparece com o repouso;
  • Também pode ser desencadeada por perturbações emocionais, exposição a baixas temperaturas, refeições pesadas, tabagismo.

Características da angina instável:

  • O desconforto ou a dor no peito não cessam com o repouso;
  • Surge de forma súbita, mesmo quando a pessoa está em repouso;
  • Trata-se de uma condição perigosa, pois geralmente antecede um infarto;

Leia também: O que é angina e quais os sintomas?

Quais os fatores de risco para angina estável e instável?
  • Tabagismo;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial (pressão alta) não controlada;
  • Níveis elevados de colesterol e triglicérides;
  • Falta de atividade física;
  • Obesidade;
  • Estresse;
  • Idade superior a 45 anos;
  • Herança genética.
Como prevenir a angina estável e instável?
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Tenha uma alimentação equilibrada, com pouca gordura e açúcar;
  • Não fume;
  • Mantenha o diabetes, a pressão arterial e as taxas de colesterol e triglicérides sob controle;
  • Diminua os níveis de estresse.
Qual o tratamento para angina estável e instável?

O tratamento da angina é feito com mudanças no estilo de vida, uso de medicamentos e exercícios de reabilitação cardíaca, sob orientação e supervisão de um médico cardiologista.