Perguntar
Fechar
Qual exame fazer para saber se tenho pressão alta?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sua pergunta é bem estranha, mas é interessante.. Para saber se tem pressão alta basta medir a pressão se estiver acima de 12/8 você tem pressão alta, procure um médico e comece a tomar o remédio que ele vai prescrever, além de para de beber, fumar e assim por diante.

É possível baixar o colesterol com dieta?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Para baixar o colesterol é necessário adotar uma dieta pobre em gorduras animais e rica em fibras, realizar atividade física regularmente e, em alguns casos, usar medicamentos prescritos pelo médico.

Uma dieta para colesterol alto deve contemplar alimentos ricos em fibras e gorduras vegetais. Os alimentos com gordura de origem animal devem ser evitados. O objetivo da dieta para baixar o colesterol é diminuir os níveis de mau colesterol (LDL) e aumentar os níveis do bom colesterol (HDL).

Diminuir o consumo de:
  • Produtos de origem animal, principalmente miúdos (coração, fígado, miolos);
  • Leite integral e seus derivados, como manteiga, queijos (quanto mais amarelo mais gordura), creme de leite e iogurtes;
  • Embutidos e frios como presunto, bacon, salsichas e linguiças;
  • Frutos do mar como camarão, ostra, marisco e polvo;
  • Alimentos com gordura trans como sorvetes cremosos, chocolates, margarinas, biscoitos recheados, nuggets e bolos industrializados;
  • Frituras, carne de porco, carne vermelha;
Aumentar o consumo de:
  • Alimentos ricos em fibras como aveia, soja, cereais, grão-de-bico, feijões e grãos;
  • Frutas (com casca, sempre que possível) e verduras;
  • Leite e iogurte desnatados;
  • Queijos magros, como ricota e cottage;
  • Frango (sem pele) e peixe;
  • Sementes de linhaça;
  • Azeite (moderadamente).

Além da dieta, é importante realizar atividade física aeróbica regularmente, como caminhadas, natação, hidroginástica e bicicleta. A perda de peso também é indicada, quando necessário.

O que é o colesterol e para que serve?

O colesterol é um tipo de gordura. A presença do colesterol no organismo humano é importante para a produção de hormônios, da vitamina D e de ácidos da vesícula biliar. Além disso, ele também faz parte da composição das membranas das células e de alguns processos celulares.

No entanto, em alguns grupos populacionais, quando há acumulo e aumento de colesterol no sangue, sobretudo o LDL, torna-se um fator de risco muito importante para doenças cardiovasculares.

Para saber como baixar o colesterol através da dieta, consulte um clínico geral, um médico de família ou um nutricionista.

Pode lhe interessar também:

O que pode provocar taquicardia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Taquicardia é o aumento dos batimentos cardíacos acima de 100 batimentos por minuto (bpm) em adultos e acima de 150 bpm em crianças. Várias situações e fatores podem provocar taquicardia, tais como:

  • Febre, exercício físico, anemia;
  • Ingestão de cafeína (presente em café, chá, refrigerantes);
  • Tabagismo, uso de outras drogas, especialmente cocaína;
  • Hipertireoidismo, uso de certos medicamentos, ansiedade, feocromocitoma;
  • Hipotensão, infarto, isquemia;
  • Insuficiência cardíaca, sepse, hipóxia, embolia pulmonar.

A taquicardia ocorre quando os sinais elétricos que controlam os batimentos cardíacos e atravessam o coração são produzidos ou transmitidos de forma inadequada. Há várias formas de taquicardia e a gravidade e o tratamento variam em cada caso.

Essa disfunção na transmissão dos impulsos elétricos pode ter origem em doenças cardíacas, defeitos congênitos dos sinais elétricos do coração ou ainda anemias. A taquicardia também pode ter causa desconhecida.

Dentre os fatores de risco para taquicardia estão a idade, a história de taquicardia na família e a presença de doenças cardíacas.

Quais são os sintomas de taquicardia?

Quando os batimentos cardíacos estão muito acelerados, o coração torna-se incapaz de bombear, de forma eficaz, o sangue para o resto do corpo, reduzindo a oxigenação dos tecidos.

Quando presentes, os sinais e sintomas da taquicardia são decorrentes dessa diminuição da quantidade de oxigênio que chega aos tecidos, podendo incluir falta de ar, tonturas, palpitações, dor no peito e desmaio.

A taquicardia pode surgir sem manifestar sintomas em alguns casos. Porém, esse aumento da frequência cardíaca pode mudar significativamente o funcionamento do coração, elevando os riscos de infarto, derrame cerebral, parada cardíaca e morte.

Qual é o tratamento para taquicardia?

O tratamento da taquicardia pode incluir o uso de medicamentos, cirurgia para remoção da porção elétrica defeituosa do coração e implantação de um pacemaker ou desfibrilador, que são aparelhos que identificam a frequência cardíaca e corrigem os batimentos cardíacos.

Uma vez que a taquicardia pode levar à formação de coágulos, faz ainda parte do tratamento a prevenção dos mesmos, por meio de medicamentos anticoagulantes.

Também é muito importante controlar e tratar a doença de base que está causando a taquicardia, como hipertireoidismo, anemia, doenças cardíacas, entre outras.

O que fazer em caso de taquicardia?

A taquicardia pode ser minimizada se a pessoa tossir, inclinar o corpo para a frente ou aplicar gelo no rosto. Se esses procedimentos não forem suficientes, pode ser necessário medicamento por via oral, ou administrar diretamente na veia.

Nos casos mais graves e sob risco de vida, os batimentos cardíacos podem ser normalizados por meio da aplicação de choque elétrico diretamente do tórax, um procedimento chamado cardioversão.

Os objetivos do tratamento da taquicardia são a diminuir a frequência cardíaca, prevenir novas crises e a reduzir as chances de complicações.

A taquicardia melhora com o tratamento adequado de cada situação. Pessoas com doenças cardíacas têm maior chance de apresentar taquicardia.

Para garantir a saúde do seu coração é importante manter uma alimentação saudável, evitar carnes e comidas gordurosas, praticar atividade física regularmente e manter o peso adequado para sua altura.

O diagnóstico e tratamento da taquicardia é da responsabilidade do médico cardiologista.

Estou sentindo meu coração bater forte, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pode ser Taquicardia. A taquicardia, popularmente conhecida por palpitações, é o aumento da frequência cardíaca, o que pode ser consequência de diversas doenças, embora a causa mais comum atualmente seja a ansiedade ou alterações emocionais.

O que é a taquicardia?

A taquicardia consiste no aumento do número de batimentos cardíacos em um minuto, a frequência cardíaca. O valor considerado normal para a maioria da população está entre 60 e 100 batimentos por minuto (bpm), portanto, quando a frequência estiver acima de 100 bpm, significa taquicardia.

Para saber qual é a sua frequência cardíaca, basta palpar o pulso do punho ou do pescoço, após se manter em repouso por alguns minutos, colocando as pontas dos dedos médio e indicador, levemente, sobre o pulso, e contar durante um minuto os batimentos.

Vale ressaltar que o mais fidedigno é mesmo contar com calma durante o minuto inteiro, contar por 15 segundos ou 30 e depois multiplicar pode não ser confiável, porque nem sempre a frequência é regular.

Nas situações de ansiedade, febre, entre outras menos graves, a frequência não costuma ultrapassar 140 bpm. Nos casos de sepse e fibrilação atrial, a frequência ultrapassa os 200 batimentos, impossibilitando a contagem manual.

Inclusive, a fibrilação atrial é a frequência aumentada e descompassada do coração, ou seja, o coração bate de maneira irregular, podendo acumular sangue dentro do coração, com formação de coágulos, aumentando consideravelmente o risco de parada cardíaca e/ou tromboembolismo (maior risco de infarto do coração e de acidente vascular cerebral - AVC).

Portanto, nos casos de suspeita de sepse ou fibrilação atrial, doenças consideradas emergências médicas, o serviço de urgência deverá ser chamado imediatamente.

Leia também: O que é arritmia?

Causas de taquicardia?

Diversas são as situações que podem causar taquicardia, as mais comuns são:

  • Ansiedade
  • Anemia
  • Febre, Sepse
  • Fibrilação atrial
  • Exercício físico
  • Ingestão de cafeína (presente em café, chá, refrigerantes)
  • Tabagismo
  • Uso de outras drogas, especialmente cocaína
  • Hipertireoidismo
  • Uso de certos medicamentos
  • Desidratação, entre outras.

Devido a grande quantidade de causas existentes para o sintoma de palpitação, e sabendo que algumas são de alto risco para a saúde, recomendamos que na presença desses sintomas, procure sempre um médico/a clínico geral ou médico/a de família para avaliação e orientações adequadas.

Leia também: Tenho Taquicardia, o que fazer?

O que é insuficiência aórtica? Quais os sintomas e qual é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Insuficiência aórtica é o acometimento que atinge o coração devido ao inadequado fechamento da válvula aórtica. Como consequência disso, o sangue bombeado sofre um refluxo e retorna para uma das câmaras cardíacas, o ventrículo esquerdo.

A insuficiência aórtica pode ser aguda ou crônica. A insuficiência aórtica aguda se apresenta com edema pulmonar e choque cardiogênico.

Na insuficiência aórtica crônica, inicialmente o/a paciente pode não demonstrar nenhum sintoma pois o coração compensa a insuficiência com remodelamento cardíaco. Posteriormente, a depender do grau da insuficiência, a pessoa poderá apresentar falta de ar, palpitações e dor no peito.

O tratamento poderá ser feito com uso de medicações para dilatar os vasos sanguíneos e diminuir o trabalho cardíaco ou com realização de cirurgia para substituição da válvula cardíaca.

A insuficiência aórtica pode ser detectada na consulta médica durante o exame físico e ausculta cardíaca ou após a avaliação de alguns exames como radiografia de tórax, eletrocardiograma e ecocardiograma. 

O que fazer para baixar os triglicerídeos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para baixar os triglicerídeos é necessário ter uma dieta equilibrada, praticar atividade física e manter o peso dentro do adequado. O tratamento para triglicerídeos altos consiste principalmente em mudanças no estilo de vida. Quando essas medidas não são suficientes ou os níveis de triglicerídeos estão muito elevados, o tratamento também pode incluir medicamentos.

A dieta para baixar os triglicerídeos deve incluir alimentos com baixo teor de gordura saturada, gordura trans e colesterol. A alimentação deve ser rica em fibras, que podem reduzir em até 20% os níveis sanguíneos de triglicerídeos.

Também é importante diminuir a ingestão de carboidratos (principalmente açúcar branco e doces) e bebidas alcoólicas.  

Além da dieta, recomenda-se praticar atividade física regularmente (pelo menos 30 minutos por dia) e não fumar. Emagrecer e manter-se no peso adequado faz parte do tratamento para triglicerídeos altos.

Ao aumentar o gasto energético do corpo com os exercícios e reduzir a ingestão calórica, o organismo irá utilizar as reservas de gordura como fonte de energia. Como os triglicerídeos são um tipo de gordura, eles também serão usados como combustível pelo corpo e os seus níveis tendem a baixar.

Veja também: O que são triglicerídeos?

Quando os triglicerídeos estão muito altos, acima de 400 mg/dl, podem provocar pancreatite (inflamação do pâncreas). O tratamento nesses casos deve ser imediato e intenso, com dieta, exercícios e medicamentos.

Saiba mais em: Quais são as causas e os sintomas de triglicerídeos altos?

Há várias opções de medicamentos usados para baixar os triglicerídeos. Eles vão atuar sobre os triglicerídeos e podem ainda aumentar os níveis de colesterol HDL, o chamado “colesterol bom”.

Muitas pessoas com triglicerídeos elevados têm doenças de base ou desordens genéticas, como diabetes e obesidade, o que torna fundamental manter essas doenças/desordens sob controle.

O tratamento para triglicerídeos altos pode ser prescrito pelo/a clínico/a geral, médico/a de família ou endocrinologista.

Também pode lhe interessar: Triglicerídeos baixos: o que pode ser?

Qual o tratamento para hipotensão arterial?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para hipotensão arterial depende da causa da hipotensão, das características e da gravidade dos sintomas apresentados pelo paciente. Pessoas com hipotensão arterial que não manifestam sintomas e não possuem nenhuma doença de base, não precisam de tratamento.

Quando o tratamento é necessário, existem medidas a serem tomadas e diversos grupos de medicamentos capazes de aumentar ligeiramente a pressão arterial, afim de aliviar os sintomas da hipotensão arterial e prevenir complicações maiores, como queda da própria altura.

Podemos citar alguns dos medicamentos usados:

  • Simpaticomiméticos (epinefrina, metilsulfato de amezínio, midodrina, norfenefrina, foledrina e oxilofrina)

    • São frequentemente usados por causar o aumento do retorno venoso ao coração, estimulando o batimento cardíaco. Entre os possíveis efeitos colaterais estão: taquicardia, transtornos na micção e alterações do ritmo cardíaco;
  • Fludrocortisona: Atua nos rins, prevenindo que sal e água sejam eliminados, levando assim a um aumento do volume de sangue e consequentemente da pressão arterial
    • É utilizado sobretudo em pacientes com hipotensão ortostática;
  • Diidroergotamina: É um vasoconstritor que causa vasoconstricção, melhorando assim o retorno sanguíneo ao coração e prevenindo os sintomas de hipotensão ao se levantar
    • Está indicada principalmente em casos de hipotensão ortostática;
  • Eritropoietina: Estimula a maturação dos glóbulos vermelhos na medula óssea, que são as células responsáveis pelo transporte de oxigênio no sangue. Pode diminuir os sintomas da hipotensão ortostática grave.

No entanto, todos os tratamentos para hipotensão arterial que envolvem medicamentos, podem causar efeitos colaterais indesejáveis, como hipertensão arterial, por exemplo. Assim, recomenda-se tentar primeiro reduzir os sintomas da hipotensão arterial sem medicamentos.

Algumas medidas que podem ajudar a controlar os sintomas em casos de queda brusca da pressão arterial são:

  • Deitar-se numa posição confortável;
  • Elevar os pés, de maneira que fiquem mais altos que o coração e a cabeça;
  • Ingerir bastante líquido com pequenos goles, dando preferência aos sucos, no caso de estar sem comer nada há muito tempo;
  • Evitar o jejum e exposição solar em excesso.

Se essas medidas não aliviarem os sintomas em 15 minutos, a pessoa deve ser levada para um hospital rapidamente.

O tratamento da hipotensão arterial é da responsabilidade do médico cardiologista.

Saiba mais em: Pressão baixa na gravidez é normal? Quais os sintomas e o que fazer?

Quando deitada e levanto minha vista escurece...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Uma das causas de vista escura após se levantar é a hipotensão ortostática ou postural, mas existem diversas outras causas para esse sintoma.

O mais adequado é que procure um médico clínico geral ou médico da família para uma avaliação criteriosa e dar início a investigação diagnóstica, com posterior tratamento.

Hipotensão ortostática ou postural

A hipotensão ortostática ou postural se caracteriza pela queda na pressão arterial:

Sistólica ("máxima") - de pelo menos 20 mmHg, ou 30 mmHg em pacientes hipertensos; e/ou

Diastólica ("mínima") - de pelo menos 10 mmHg.

Portanto, uma pessoa com a pressão habitualmente de 120 x 80 mmhg, apresentar queda da pressão para 100 x 70 mmhg, já é suficiente para definir a hipotensão ortostática e com isso, desenvolver os sintomas de tontura, mal-estar ou visão escura.

As causas comuns dessa hipotensão são uso crônico de medicamentos anti-hipertensivos ou ansiolíticos; doenças neurodegenerativas, como a doença de Parkinson; ou situações que interfiram na circulação sanguínea cerebral, por exemplo placas de gordura na artéria carótida.

O colesterol aumentado com consequente "entupimento" das carótidas, representa uma parcela considerável dessa patologia, especialmente se a queda da pressão acontece quando a pessoa passa um tempo deitado ou abaixado e se levanta rapidamente, pela dificuldade do sangue retornar ao cérebro em pouco tempo e com a placa de gordura no caminho.

Os sintomas mais prevalentes estão relacionados a hipoperfusão cerebral, sendo eles, a tontura, síncope, náuseas, visão escura e quedas.

O médico cardiologista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento da hipotensão postural.

Outras causas de "vista escura"

Além da hipotensão postural, outras situações podem causar a sensação de vista escura, ou mesmo alteração visual permanente, como:

  • Pressão arterial alta;
  • Hipoglicemia;
  • Crise de enxaqueca;
  • Degeneração macular;
  • Lesão no olho, por trauma por exemplo;
  • Infecção ou lesão da córnea;
  • Glaucoma, aumento da pressão no olho;
  • Descolamento de retina: Descolamento súbito da camada do olho sensível à luz;
  • Neurite óptica: Inflamação do nervo óptico.

Leia também: Visão turva ou embaçada: o que pode ser e o que fazer?

O médico clínico geral ou médico da família deve ser procurado para dar início a avaliação e investigação diagnóstica, seguido do tratamento ou encaminhamento ao especialista quando achar necessário.