Perguntar
Fechar

Cirurgia Vascular

Secagem de vasinhos dói?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A secagem de vasinhos ou escleroterapia venosa pode doer dependendo do método utilizado para tratamento, da região onde estão os vasos e da sensibilidade dolorosa de cada pessoa. A secagem dos vasinhos (telangiectasias) ou escleroterapia consiste na promoção de uma reação inflamatória no interior dos vasos levando ao seu endurecimento (esclerose) e posterior absorção pelo organismo. . O número de sessões necessárias vai depender da quantidade de vasos existentes e da habilidade do cirurgião.

Existem várias técnicas disponíveis para a sua realização, que são indicadas conforme a avaliação do médico e desejo do paciente.

  • Na escleroterapia convencional são injetadas substâncias químicas esclerosantes, como o polidocanol e a glicose hipertônica, por meio de uma pequena e fina agulha. Podem surgir lesões arroxeadas (hematomas) após o procedimento, que são absorvidas com o passar dos dias. A sensação causada é de uma pequena picada e ardência leve, principalmente nas regiões mais sensíveis da perna.
  • Na crio-escleroterapia, o procedimento realizado é semelhante ao da escleroterapia convencional, porém a substância injetada é resfriada, visando provocar um resultado mais rápido, com menos possibilidade de ocorrência de hematomas e com menos dor que na técnica convencional.
  • Na escleroterapia à LASER, o processo de esclerose do vaso ocorre por meio da emissão de ondas de luz que promovem o aumento da temperatura no interior do vaso e uma reação inflamatória. Alguns tipos de pele, mais escuras ou bronzeadas, podem não ser adequadas ao tratamento com LASER. Pode ser um pouco dolorido e provocar uma leve sensação de ardência local durante algumas horas após o tratamento. Utiliza-se, geralmente, um aparelho que resfria a pele com um jato de ar frio para evitar a dor durante o procedimento.

Nenhuma dessas técnicas requer repouso ou internação. No caso de surgirem hematomas deve-se evitar a exposição ao sol até que eles desapareçam. Alguns médicos orientam o uso de meias elásticas ou o enfaixamento da perna com faixa elástica após o procedimento.

 O cirurgião vascular é o médico responsável pelo tratamento e orientação dos problemas circulatórios.

Qual o tratamento para úlcera varicosa?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para úlcera varicosa varia de acordo com a localização e características da úlcera, entretanto, pode incluir:

  • Meias elásticas;
  • Repouso;
  • Elevação das pernas;
  • Curativos;
  • Oxigenoterapia hiperbárica e
  • Cirurgia.

As meias elásticas de média e alta compressão aceleram a taxa de cicatrização das úlceras varicosas, por isso devem ser usadas de modo consistente, quando indicadas.

Apesar da compressão elástica ser benéfica nos casos de insuficiência venosa, ela também possui contraindicações. Por exemplo, só deve ser usada para cicatrizar úlceras varicosas não complicadas, estão contraindicadas nos casos de insuficiência arterial, carcinoma e ainda na suspeita ou confirmação de trombose venosa profunda.

O repouso e elevação das pernas, são medidas simples, porém bastante efetivas para o tratamento de úlceras varicosas, por auxiliar no retorno venoso e com isso, na vascularização dos membros, favorecendo a cicatrização. Contudo, também existem contraindicações, como os casos de insuficiência arterial.

O curativo é essencial no tratamento da úlcera varicosa, pois acelera o processo de cura, evita infecções e previne de novas feridas. Todavia é importante lembrar que os curativos devem ser feitos com o máximo de cuidado e higiene, conforme as orientações da equipe médica.

Com os curativos adequados podemos manter a ferida limpa, retirar o excesso de secreção, permitir a "respiração" do local, promover uma "barreira" contra bactérias, partículas ou substâncias tóxicas que houverem no ambiente.

A Oxigenoterapia hiperbárica é um tratamento complementar já bem estabelecido e eficaz para casos de úlceras, devido ao aumento de oferta de oxigênio para o organismo, sob pressão, acelerando o processo de cicatrização.

A cirurgia pode ser necessária em alguns casos de úlcera varicosa de difícil tratamento, casos que não respondam ao tratamento convencional ou úlceras muito grandes.

Normalmente a úlcera varicosa é recorrente e, se estiver aberta, pode levar ainda mais tempo para sua cicatrização completa.

As complicações mais graves da úlcera incluem: celulite (infecção da pele), osteomielite (infecção do osso) e até mesmo transformação maligna, ou seja, a úlcera varicosa pode evoluir para câncer. O risco da ferida se transformar em câncer é maior nas úlceras grandes e de duração prolongada.

Saiba mais em: Uma úlcera pode virar câncer?

O tratamento da úlcera varicosa é realizado pelo médico angiologista ou cirurgião vascular e também pelos enfermeiros especializados em tratamento de feridas.

Leia também:

Quem tem úlcera varicosa pode comer peixe?

O que é úlcera varicosa?

Quem tem úlcera varicosa pode comer peixe?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem tem úlcera varicosa pode e deve comer peixe, pois é um alimento rico em proteínas, essencial para o processo de cicatrização, e zinco, que fortalece o sistema imunológico, ajudando a prevenir e combater infecções.

Além disso, peixes como salmão, sardinha, atum, bacalhau, arenque e cavala são excelentes fontes de ômega 3, que pode ser benéfico para quem tem úlcera varicosa, por conta da sua propriedade anti-inflamatória. Além de ajudar na prevenção de trombos, no fortalecimento do sistema imunológico, no aumento do colesterol bom (HDL) e redução do colesterol ruim (LDL).

Pessoas com úlcera venosa devem ter uma alimentação saudável e balanceada, rica em proteínas (clara de ovo, carnes magras, feijão, lentilha, grão-de-bico, leite e derivados), zinco (ostras, camarão, peixes, carne de frango e vaca, castanhas, legumes) e vitamina C (acerola, pimentão amarelo cru, caju, goiaba, morando, kiwi, laranja).

Deve-se evitar alimentos gordurosos, excesso de sal, doces, adoçantes e bebidas alcoólicas.

O objetivo da dieta é estimular e favorecer a cicatrização da ferida, manter uma boa imunidade e reduzir os riscos de infecção.

Para ter um plano alimentar personalizado, específico para o seu caso, consulte um nutricionista.

Leia também:

Qual o tratamento para úlcera varicosa?

O que é úlcera varicosa?

Insuficiência venosa tem cura? Como é o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, na grande maioria das vezes existe tratamento para a insuficiência venosa, entretanto, existem casos de doenças crônicas em que já não alcança a cura, mas da mesma forma deve ser tratada e acompanhada para evitar complicações ou piora da doença.

Como é o tratamento da insuficiência venosa?

O tratamento da insuficiência venosa varia de acordo com a causa e gravidade, podendo incluir medidas gerais, como uso de meia elástica, exercícios física, elevação das pernas e orientações de alimentação; escleroterapia, laser e cirurgia.

Escleroterapia

Na escleroterapia, aplica-se um líquido no interior dos vasos sanguíneos por meio de agulhas bem finas. Esse líquido esclerosante destrói e cicatriza o vaso doente.

A escleroterapia é indicada somente para casos de insuficiência venosa em vasos de pequeno calibre, pois pode causar manchas e complicações nos vasos sanguíneos maiores.

Essa forma de tratamento da insuficiência venosa não causa dor importante, porém é preciso a realização de várias sessões para se atingir bons resultados.

Ecoesclerose (espuma)

A ecoesclerose consiste na aplicação por meio de uma injeção guiada pelo doppler, de um produto em forma de espuma. Essa substância espumosa "entope" a veia doente, que não recebe mais qualquer volume de sangue, resolvendo as varizes.

Laser

A aplicação de laser destrói os vasos sanguíneos de fino calibre afetados pela insuficiência venosa. Tem melhores resultados nas veias finas de coloração roxa, localizadas logo abaixo da pele.

Contudo, a escleroterapia é mais eficaz para tratar as varizes e o laser não é indicado para todos os tipos de pele.

Cirurgia

O tratamento cirúrgico da insuficiência venosa consiste na remoção do vaso sanguíneo doente. Na microcirurgia, não é preciso internamento e a cirurgia pode ser feita na clínica, desde que a veia tenha um pequeno calibre.

A microcirurgia é realizada com poucos cortes. Quando necessário, o período de internamento normalmente não é superior a 1 dia.

Medidas gerais: Meias elásticas

As meias elásticas são muito usadas para tratar casos de varizes e insuficiência venosa, já que auxiliam o retorno do sangue das veias para o coração.

O uso de meias elásticas é indicado sobretudo ao longo do dia, principalmente se a paciente permanece em pé por muito tempo.

Apesar de ser uma forma simples e prática de tratar a insuficiência venosa, as meias elásticas devem ser prescritas pelo médico responsável pelo tratamento. Se as meias não tiverem o grau de compressão adequado, o seu uso pode causar complicações.

Exercícios físicos

Todos os exercícios que trabalham os músculos das panturrilhas, como andar, correr e andar de bicicleta, favorecem a circulação sanguíneas nos membros inferiores.

Vale lembrar que a musculatura da "batata da perna", também conhecida como panturrilha, é considerada pelos cardiologistas como o "2º coração" do corpo, tão grande é a importância desses músculos no retorno do sangue para o coração.

Apesar dos benefícios da atividade física no tratamento da insuficiência venosa, a musculação deve ser evitada.

Elevação das pernas

Para ajudar o retorno venoso, é importante que as pernas fiquem acima do nível do coração. Portanto, sentar-se com as pernas elevadas numa cadeira não é tão eficaz.

O ideal é elevar os pés da cama com um calço embaixo dos mesmos. O importante é que o tronco e as pernas fiquem inclinados, o que irá ajudar o sangue a voltar ao coração.

Orientação de alimentação

A alimentação deve ser equilibrada, pois a ingesta de grande quantidade de gordura pode agredir a parede do vaso sanguíneo e ao mesmo tempo aumentar o peso da pessoa, que consequentemente prejudica as pernas, pela sobrecarga de peso, gerando mais varizes.

Para avaliar o seu caso, o melhor tratamento e orientações, agende uma consulta com médico angiologista ou cirurgião vascular.

Saiba mais em:

Quais os sintomas da insuficiência venosa?

Quais as causas da insuficiência venosa?

Quais as causas da insuficiência venosa?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As principais causas de insuficiência venosa são:

  • Veias profundas danificadas, ineficientes;
  • Malformação vascular;
  • Trombos, obstrução de veias (trombose venosa profunda);
  • Traumas;
  • Tumores (mais raramente).

A insuficiência venosa é uma doença caracterizada por uma série de sinais e sintomas decorrentes do refluxo ou obstrução do fluxo sanguíneo dentro das veias.

Talvez mais importante do que conhecer as causas da insuficiência venosa, seja entender os fatores de risco que desencadeiam a doença. Excluindo a predisposição genética, a grande maioria dos fatores desencadeantes são preveníveis, por isso vale a pena entendê-los.

Quais são os principais fatores de risco para insuficiência venosa?

Dentre os fatores de risco para desenvolver a doença podemos citar como os mais comuns:

  • História familiar (predisposição genética);
  • Gênero, é mais comum nas mulheres;
  • Idade, acima de 35 anos, embora possa ocorrer em qualquer idade;
  • Gestação,
  • Aumento de peso, sobrepeso ou obesidade;
  • Tabagismo;
  • Sedentarismo (falta de exercícios físicos);
  • Hábitos de vida, por exemplo passar muitas horas em pé ou sentado;
  • Hormônios, pílulas anticoncepcionais.
Gravidez

Com o aumento dos níveis de progesterona, como ocorre na gravidez, os vasos tornam-se mais frágeis, aumentando os riscos do desenvolvimento de insuficiência venosa.

Complicações

Sem tratamento, a insuficiência venosa aumenta o risco de desenvolver complicações como: inchaço, trombose venosa profunda, alterações na pele, erisipela, dermatites e úlceras varicosas.

Prevenção

Para combater e prevenir a insuficiência venosa, recomenda-se movimentar sempre as pernas, evitar mantê-las para baixo ou paradas por muito tempo; praticar atividade física regularmente, com acompanhamento; manter o peso e dietas adequados e fazer uso de meias elásticas de baixa ou média compressão durante o dia (quando recomendado) e durante viagens prolongadas.

O tratamento da insuficiência venosa é da responsabilidade do/a médico/a angiologista ou cirurgião/ã vascular.

Leia também:

Quais os sintomas da insuficiência venosa?

Insuficiência venosa tem cura? Como é o tratamento?

Quem tem varizes pode viajar de avião?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Quem tem varizes pode viajar de avião, porém deve seguir algumas medidas para melhorar a circulação sanguínea das pernas e dos pés durante o voo. Quem tem varizes mais grossas (calibrosas) deve evitar ficar muito tempo em pé, sentado ou parado porque essas situações fazem com que o sangue não circule adequadamente nas pernas e pés, provocando o surgimento de inchaços (edemas), aumentando a possibilidade de formação de coágulo dentro dos vasos sanguíneos (trombo) e o seu deslocamento, o que pode causar uma embolia pulmonar.

Alguma medidas de prevenção de problemas circulatórios durante o voo:
  • andar no corredor sempre que possível,
  • movimentar joelhos, barriga da perna (panturrilha), tornozelo e dedos dos pés,
  • não sentar sobre as pernas ou cruzá-las,
  • não usar roupas e meias apertadas,
  • ingerir bastante líquido. 

As pessoas com problemas circulatórios devem consultar o cirurgião vascular antes de uma viagem prolongada de muitas horas, quer seja de avião ou por outro transporte, para que ele oriente a prevenção necessária, inclusive em relação ao uso de meias elásticas medicinais para melhorar o fluxo sanguíneo e o de medicação para prevenir a trombose.

O que é úlcera varicosa?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Úlcera varicosa ou venosa é uma ferida de difícil cicatrização, causada por insuficiência venosa crônica.

A úlcera é uma ferida que pode ser ocasionada por pequenos traumas ou até espontaneamente, devido a falta de nutrição adequada naquela região, por má circulação sanguínea. Portanto, a úlcera varicosa é uma complicação comum da insuficiência venosa crônica não tratada.

Representa o estágio final das varizes, já que tende a surgir vários anos após seu aparecimento.

A úlcera varicosa ocorre principalmente em pessoas com idade avançada, excesso de peso, história de ferimentos nas pernas, flebite (inflamação da veia) e trombose venosa profunda.

Quais são as características das úlceras varicosas?

As características mais comuns das úlceras varicosas são:

  • Tipicamente superficiais,
  • Formato irregular, fundo avermelhado,
  • Manchas escuras na pele, ao redor da ferida,
  • Localizadas em regiões de proeminência ósseas, como na parte anterior da perna (canela), nos tornozelos e calcanhares,
  • Sem dor ou pouca dor local,
  • Varizes na perna acometida,
  • Edema e vermelhidão ao redor da ferida.
Quais são as complicações das úlceras varicosas?

Dentre as complicações mais graves destacamos a celulite (infecção da pele), a osteomielite (infecção do osso) e até mesmo a transformação maligna, ou seja, existe o risco de evoluir para câncer, sobretudo as úlceras grandes e de duração prolongada.

Qual é o tratamento das úlceras varicosas? Tem cura?

O tratamento da úlcera varicosa é difícil e a sua cicatrização é lenta, mas pode atingir a cura completa quando bem tratada e acompanhada. O tratamento inclui:

  • Curativos específicos e orientados por profissionais,
  • Elevação das pernas por algum tempo, durante o dia,
  • Uso de meias elásticas de média compressão,
  • Oxigenoterapia hiperbárica e
  • Cirurgia (em alguns casos).

O curativo específico geralmente já possui medicação e pode ser trocado menos vezes, acelerando a cura da ferida e evitando manipulação com menos risco de infecção e retorno da ferida.

A elevação das pernas por períodos do dia é fundamental para auxiliar no fluxo de sangue contra a gravidade.

As meias elásticas favorecem a circulação, com isso a cicatrização e devem ser usadas sempre que possível. Contudo, a compressão elástica só é indicada para cicatrizar úlceras em estágios iniciais, que não estejam complicadas.

Oxigenoterapia hiperbárica, é um tratamento bastante eficiente, aonde o paciente recebe oxigênio sob pressão, com aumento da oxigenação direta e também favorecendo a circulação sanguínea.

Já o tratamento cirúrgico pode ser indicado em alguns casos de úlcera varicosa. Através de técnicas específicas de cirurgia vascular, é possível remover ou fechar a veia doente.

O responsável pelo tratamento da úlcera varicosa é o médico angiologista ou cirurgião vascular.

Leia também:

Qual o tratamento para úlcera varicosa?

Quem tem úlcera varicosa pode comer peixe?

O que são varicoses?

Como é feita a escleroterapia com espuma? Quais são os riscos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A escleroterapia com espuma é feita através da injeção de um medicamento (polidocanol) em forma de espuma na veia varicosa (varizes). A veia é localizada pelo ultrassom e o médico injeta o polidocanol, que forma uma espuma densa após ser agitado. Dentro do vaso, essa substância esclerosante se expande e ocupa o lugar do sangue, provocando a formação de fibrose (cicatriz). O sangue então deixa de fluir, a veia seca e é absorvida pelo organismo.

O procedimento pode ser feito no próprio consultório médico, sem necessidade de internação e anestesia. Após a sessão de escleroterapia com espuma, a pessoa pode caminhar e não é necessário ficar em repouso. O médico pode prescrever o uso de meia elástica durante duas semanas.

Os riscos da escleroterapia com espuma são baixos. As complicações são muito raras e a maioria das reações são locais e passageiras. É comum haver ardência no local durante alguns minutos, inchaço e vermelhidão.

Eventualmente podem surgir pequenas manchas ao redor da veia tratada ou novos vasos sanguíneos no local (neovascularização), além de reações alérgicas locais. Em casos muito raros, podem ocorrer complicações mais graves, como trombose, reações alérgicas generalizadas e formação de feridas locais de difícil cicatrização.

Lembrando que a escleroterapia com espuma é indicada para varizes de maior calibre. As injeções de "espuma" são realizadas em mais de uma sessão, com um intervalo de cerca de 5 dias entre as aplicações. O número de sessões depende do caso e é definida pelo cirurgião vascular.

Saiba mais em: O que é escleroterapia e para que serve?