Perguntar
Fechar
Cisto pilonidal pode virar câncer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, cisto pilonidal pode virar câncer mas é muito raro, ocorrendo sobretudo em casos crônicos e recorrentes. O risco do cisto pilonidal evoluir para carcinoma epidermoide, um tipo de câncer de pele, é de apenas 0,02% a 0,1%.

Apesar do carcinoma epidermoide ou espinocelular, como também é conhecido, ser o mais frequente nesses casos, o cisto pilonidal também pode evoluir para outros tipos de câncer, como carcinoma basocelular, sarcoma e melanoma.

A malignização do cisto pilonidal é desencadeada pelo processo inflamatório crônico. Trata-se de uma evolução tardia e rara desses cistos, observada tipicamente em situações negligenciadas, em que os cistos não foram tratados e permaneceram inflamados por muito tempo.

O carcinoma espinocelular tem um crescimento lento, mas o seu comportamento é agressivo, com alto índice de recidivas e metástases (desenvolvimento do câncer em órgãos distantes da origem do tumor).

Por isso, o diagnóstico da doença deve ser precoce. O tratamento é cirúrgico e consiste na remoção do tumor, incluindo uma ampla área ao seu redor.

Em alguns casos, o câncer só é detectado quando a doença já invadiu estruturas vizinhas, dificultando as chances de cura.

Para evitar uma eventual "transformação" do cisto pilonidal em câncer, recomenda-se realizar um tratamento efetivo e precoce do cisto, principalmente se ele estiver constantemente inflamado.

Para maiores esclarecimentos, consulte o/a médico/a da Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica ou Dermatologia.

Leia também:

Cisto pilonidal tem cura? Qual o tratamento?

Cisto pilonidal pode voltar após cirurgia?

Vitiligo tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O vitiligo não tem cura, mas há tratamentos que ajudam a reestabelecer a pigmentação natural da pele.

Vitiligo é uma despigmentação da pele resultado de um processo auto imune contra as células que produzem melanina, os melanócitos. A explicação exata do desenvolvimento desse processo ainda é desconhecida.

Há uma diversidade de opções de tratamento que dependerá da idade da pessoa, da extensão do corpo que foi afetado, das regiões de predominância e da presença de outras doenças associadas.

Essas opções constituem de corticoides tópicos, medicamentos imunossupressores, fototerapia, cuidados durante a exposição solar com constante uso de protetor solar, aplicação de laser e terapia de despigmentação.

O acompanhamento psicológico deve fazer parte do tratamento e é muito importante para a pessoa compreender a doença e receber suporte para manejo do estresse.

O tratamento deve ser orientado pelo/a médico/a dermatologista. 

O que é carcinoma espinocelular?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Carcinoma espinocelular, ou carcinoma epidermóide, é o tumor maligno originado nas células epiteliais presentes na pele e na camada escamosa das mucosas (esôfago, laringe, boca, canal anal, pulmões, colo uterino, etc).

É o segundo tipo mais comum de câncer de pele, sendo superado somente pelo carcinoma basocelular. Geralmente ocorre em áreas expostas ao sol, estando relacionado ao dano solar crônico, ou seja, ao dano acumulado pela radiação ultravioleta na pele no decorrer da vida.

Apresenta comportamento mais agressivo nas mucosas, sobretudo na boca e na garganta, com maior risco de metástases e morte. Na pele, o carcinoma espinocelular não é tão agressivo, mas pode gerar metástases.

São fatores de risco para o carcinoma espinocelular:

  • pele clara;
  • sexo masculino;
  • antecedente de exposição crônica aos raios ultravioleta;
  • imunossupressão, especialmente transplantados e portadores de AIDS;
  • úlceras crônicas e cicatrizes, como queimaduras;
  • tabagismo, especialmente associado ao câncer nos lábios e cavidade oral;
  • infecção pelo HPV;
  • xeroderma pigmentoso;
  • exposição à radiação ionizante e arsênico.

O diagnóstico é baseado na história e lesão clínica, além da biópsia.

O tratamento é preferencialmente cirúrgico.

Na presença de ferida que não cicatriza, ou cicatriz que cresce e começa a sangrar, deve ser procurado um médico dermatologista.

Cisto pilonidal tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Cisto pilonidal tem cura através de tratamento cirúrgico, no qual o cisto pilonidal é removido e o local é suturado ("costurado"). Porém, o fechamento cirúrgico da lesão só pode ser feito se o cisto não estiver inflamado ou infeccionado.

Por isso, o melhor momento para a realização da cirurgia é quando a lesão não apresenta sinais ou sintomas de inflamação, como dor, vermelhidão e inchaço.

Na presença de infecção, realiza-se primeiro um tratamento com antibióticos e uma drenagem parcial do cisto, deixando a cirurgia para uma outra fase.

Após a remoção cirúrgica do cisto pilonidal, a área operada deve ser bem higienizada e desinfetada. Também pode ser necessário remover os pelos próximos ao local para que não entrem na ferida.

A retirada do cisto pilonidal através de cirurgia é indicada quando ocorrem inflamações constantes e aumento de tamanho do cisto, causando muito incômodo. Mesmo após a operação, o cisto pode voltar em cerca de 12% dos casos.

O que é um cisto pilonidal?

O cisto pilonidal é uma bolsa de pele preenchida com pelos, restos celulares, glândulas sebáceas e sudoríparas, que surge na região do cóccix. Trata-se de um processo inflamatório crônico que normalmente está associado à presença de pelos. Um vez infeccionado, o cisto forma um abscesso que causa muita dor.

Essas bolsas de pele se formam durante o desenvolvimento embrionário e geralmente são eliminadas. Porém, algumas podem ficar ocultas na pele, sendo chamadas fendas embrionárias. Se as fendas forem grandes o bastante para inflamar ou serem perceptíveis a olho nu, são chamadas de cisto pilonidal.

Quando o cisto está inflamado, pode formar pus e vazar, causando bastante dor quando a pessoa está sentada.

Quais as causas do cisto pilonidal?

Em geral, o cisto pilonidal é formado em locais com pelo encravado. Permanecer muito tempo na posição sentada, o uso de roupas apertadas, entre outras condições que possam provocar atrito ou pressão e empurrar o pelo para dentro da pele, podem originar o cisto pilonidal. O pelo é reconhecido pela pele como um corpo estranho, que forma então um cisto em torno do mesmo.

A origem do cisto pilonidal também pode estar na rotura de um folículo piloso, causada pelo estiramento da pele e pelos movimentos que acontecem nas suas camadas mais profundas. Nesses casos, o cisto é formado ao redor do folículo.

Há ainda alguns fatores de risco que aumentam as chances de formação do cisto pilonidal, como obesidade, sedentarismo, permanecer muitas horas na posição sentada, excesso de pelos no corpo, falta de higiene e presença de pelos muito espessos.

Quando o cisto está infeccionado ou inflamado, forma-se um abcesso dolorido no local. A pele fica vermelha e ocorre saída espontânea de secreção com sangue e pus.

Esse tipo de cisto é cerca de 3 vezes mais comum em homens, sobretudo a partir dos 30 anos de idade, sendo frequente em pessoas que permanecem muitas horas sentadas.

Quais são os sinais e sintomas de um cisto pilonidal?

O cisto pilonidal geralmente começa a se manifestar como uma inflamação na região do cóccix, causando dor ou desconforto, principalmente quando a pessoa está sentada. O início dos sinais e sintomas normalmente ocorre na adolescência e no início da idade adulta.

À medida que o processo inflamatório evolui, é possível notar um nódulo de consistência mole, com até 5 cm de diâmetro. É comum a presença dos sinais e sintomas típicos de uma inflamação, como dor, vermelhidão e aumento da temperatura local.

Uma vez que o cisto pilonidal contém glândulas sudoríparas no seu interior, o calor tem tendência para agravar o quadro. A temperatura elevada no local aumenta a transpiração e o suor se acumula no cisto, causando inflamação ou infecção.

Em casos muito raros, quando o cisto pilonidal é crônico e permanece infectado por muito tempo, sem tratamento adequado, pode haver evolução para carcinoma, um tipo de câncer de pele.

O tratamento do cisto pilonidal é da responsabilidade da equipe médica cirúrgica (Cirurgia Geral ou Cirurgia Plástica) ou da equipe da Dermatologia.

Posso eliminar manchas solares com creme de dexametasona?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não. Não está recomendado fazer isso. A dexametasona é um creme corticoide indicado para diferentes tipos de dermatose, mas não apresenta eficácia no tratamento de manchas solares, além disso, o seu uso pode apresentar efeitos adversos e problemas secundários se for por tempo muito prolongado.

O tratamento de manchas solares é feito através de outros medicamentos ou técnicas dermatológicas. O ideal é consultar um médico dermatologista, para indicar o tratamento mais adequado ao seu tipo de mancha e pele.

Qual o tratamento para manchas solares? Fotoproteção

O primeiro passo para o tratamento de manchas solares é a fotoproteção, feita através do uso de protetor solar diariamente. É essencial a proteção da pele dos raios solares, a fotoproteção previne o aparecimento de novas manchas e também contribui para a eficácia dos demais medicamentos ou técnicas usados no tratamento das manchas solares.

Cremes

Uma segunda etapa é o uso de cremes como a hidroquinona ou os ácidos glicólico, retinoico e azeláico. Estes cremes levam ao clareamento gradual das manchas. Pode-se demorar alguns meses para alcançar um resultado satisfatório.

Em muitas pessoas apenas a fotoproteção e o uso de cremes clareadores já é suficiente para a melhora de pequenas manchas. Contudo, é frequente a necessidade de associar outras técnicas que permitam um resultado mais consistente e duradouro, principalmente quando se trata de manchas solares mais extensas. Entre essas técnicas destacam-se o peeling e o laser.

Peeling

O peeling é uma técnica de esfoliação que leva a descamação e consequente renovação das células da pele, o resultado no clareamento de manchas é mais rápido do que com o uso de cremes.

Laser

Já o laser utiliza um feixe de luz para quebrar os pigmentos que constituem a mancha solar. Alcança-se o resultado de clareamento rapidamente, mas deve ser cuidadosamente administrado por um profissional capacitado para reduzir o risco de pigmentar ainda mais a pele.

Para mais informações consulte um médico dermatologista.

Bicho-de-pé: o que é e como tirar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O bicho-de-pé é uma infecção de pele, causada pela pulga Tunga penetrans.

O macho e a fêmea dessa espécie de pulga se alimentam de sangue, contudo, apenas a fêmea penetra na pele dias após a fecundação, para amadurecimento de seus ovos e para depois eliminá-los no ambiente.

A Tunga penetrans mede em torno de 1 milímetro e vive na terra. Depois de penetrar no corpo, o bicho-de-pé começa a crescer, podendo atingir o tamanho de uma ervilha.

Tunga penetrans (bicho-de-pé)

O bicho-de-pé pode produzir cerca de 100 a 200 ovos em uma semana, e após depositar os ovos no hospedeiro ou no meio ambiente, a pulga morre.

A Tunga penetrans pode penetrar em qualquer parte do corpo, porém, as regiões mais acometidas são os pés, sobretudo na planta dos pés, entre os dedos, em torno das unhas e no calcanhar, daí o nome popular “bicho-de-pé”.

Quais são os sintomas do bicho-de-pé?

O local em que a Tunga penetrans se encontra geralmente apresenta uma lesão arredondada, com círculo claro ao redor de um ponto preto. Essa coloração escura no centro, corresponde ao abdômen da pulga carregado de ovos.

Bicho-de-pé no calcanhar

O bicho-de-pé pode causar dor, coceira, vermelhidão e desconforto local. A intensidade varia conforme o local afetado e a quantidade de pulgas que causaram a infestação.

Como tirar bicho-de-pé?

O bicho-de-pé deve ser retirado com uma agulha esterilizada, que perfura a pele, permitindo a retirada do parasita e seus ovos. Importante ressaltar a necessidade de limpar e desinfetar o local, antes e após o procedimento.

Para ajudar na cicatrização o mais importante será manter a ferida limpa, seca e com curativo orientado pelo profissional de saúde. Contudo, pode ainda ser indicado o uso de pomada com antibiótico, como a neomicina, uso de medicamentos antifúngicos e anti-inflamatórios.

O procedimento deve ser feito sempre por profissionais de saúde, de maneira que são garantidos os cuidados adequados de higiene para evitar infecções e demais complicações.

Quando há muitas pulgas e a infestação é grande, a pessoa pode necessitar ficar hospitalizada. Nesses casos, o procedimento requer intervenção médica e é feito sob anestesia. Além disso, são administrados medicamentos antibióticos e a pessoa recebe um reforço da vacina contra o tétano.

Dependendo da gravidade da infestação, o bicho-de-pé pode causar gangrena, perda de dedos e tétano se não for tratado adequadamente.

Como prevenir bicho-de-pé?
  • Evite andar descalço ou permanecer em lugares que podem estar infestados pela Tunga penetrans;
  • Use botas de cano alto;
  • Examine regularmente os animais para prevenir infestações e retire os parasitas que encontrar;
  • Evite ir a praias que são frequentadas por animais;
  • Evite entrar em casas abandonadas ou que não estão habitadas, pois podem abrigar pessoas ou animais infectados;
  • Evite entrar em contato com areia e grama cuja procedência não é conhecida.

Para tirar o bicho-de-pé, procure um serviço de saúde para fazer a remoção correta do parasita, com os devidos cuidados de higiene, e receber orientações adequadas.

O que é lúpus discoide e quais são os sintomas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Lúpus eritematoso discoide é uma doença inflamatória crônica que afeta apele. O lúpus é uma doença autoimune, o que significa que o corpo produz anticorpos que atacam o próprio organismo. Sua causa é desconhecida, mas sabe-se que está relacionada com fatores genéticos, sendo mais comum em mulheres.

Os sintomas do lúpus discoide caracterizam-se por manchas arredondadas e avermelhadas na pele, com bordas bem definidas. Podem surgir lesões semelhantes a espinhas e placas vermelhas que rapidamente ficam com o aspecto de uma pele muito áspera.

As lesões geralmente evoluem com vermelhidão e pigmentação nas bordas. O centro tende a ficar mais claro, como uma cicatriz atrofiada. Numa fase mais avançada do lúpus discoide, essas lesões podem se fundir e formar extensas áreas de cicatriz na pele.

Os locais mais afetados pelo lúpus discoide são o rosto, o couro cabeludo, as orelhas, o tórax, e as partes expostas dos braços. As lesões também podem ocorrer nas mucosas da boca, nariz, olhos e órgão genital.

O lúpus discoide é a forma mais comum de lúpus eritematoso cutâneo. A doença normalmente não afeta órgãos internos e fica restrita à pele. Em alguns casos, pode haver acometimento de órgãos internos e evoluir para lúpus eritematoso sistêmico.

Saiba mais em: Lúpus, o que é?

Os médicos reumatologista e dermatologista são os especialistas envolvidos no diagnóstico e tratamento do lúpus discoide.

Também pode lhe interessar: 

Lúpus discoide tem cura? Qual é o tratamento?

Quais são os sintomas do lúpus?

O que é celulite infecciosa? É contagiosa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Celulite infecciosa é uma infecção da pele que se estende pelos tecidos subcutâneos. A celulite infecciosa não é contagiosa e ocorre principalmente em pessoas com imunidade baixa. A doença é causada por bactérias do tipo estreptococos ou estafilococos, sendo este último o mais frequente.

A celulite infecciosa surge após um trauma ou uma lesão na pele (furúnculo, úlcera, micose, picada de insetos, espinha, arranhões), que funcionam como porta de entrada para as bactérias, que penetram na pele e infeccionam as suas camadas mais profundas.

Celulite infecciosa

A celulite infecciosa é considerada uma doença grave que pode levar à morte, devido a possibilidade de evolução para sepse (infecção generalizada). A infecção pode ocorrer em qualquer parte do corpo, embora pernas, pés e rosto sejam os locais mais afetados.

Quando afeta o rosto, a celulite infecciosa requer ainda mais atenção, pois pode causar meningite bacteriana ou lesão nos olhos.

Quais os sintomas da celulite infecciosa?

Poucos dias após o trauma ou a lesão, começam a surgir os primeiros sinais e sintomas da celulite infecciosa: dor, calor, vermelhidão, inchaço e ardência no local afetado, febre, calafrios, aumento dos gânglios linfáticos próximos ao local e formação de bolhas dolorosas que podem provocar morte do tecido quando se rompem.

Qual é o tratamento para celulite infecciosa?

O tratamento da celulite infecciosa consiste na administração de antibióticos e na realização de exames para detectar o tipo de bactéria que causou a infecção. A doença não deixa sequelas, desde que o tratamento adequado seja iniciado precocemente.

O médico dermatologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da celulite infecciosa.