Perguntar
Fechar
Quais são as causas da hemoglobina baixa?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As causas para a hemoglobina baixa estão relacionadas a distúrbios que causam a redução da quantidade de hemácias no sangue. A hemoglobina é uma substância de cor vermelha presente no interior das hemácias (glóbulos vermelhos). Valores baixos de hemoglobina caracterizam a anemia.

Esses valores baixos podem ser causados por problemas que levam à redução da produção das hemácias, ao aumento da velocidade da sua destruição ou à perda de sangue.

A hemoglobina é uma proteína que tem como função transportar o oxigênio dos pulmões para os tecidos do corpo através do sangue. Quando a hemoglobina está baixa, o transporte de oxigênio para as células do corpo fica prejudicada.

Porém, a hemoglobina um pouco abaixo do limite pode ser um resultado normal para muitas pessoas e, geralmente, não deve ser causa de preocupação. É comum as mulheres grávidas apresentarem valores de hemoglobina um pouco abaixo do normal.

Que doenças podem causar redução da produção de hemácias e hemoglobina?

As doenças que podem deixar a hemoglobina baixa incluem anemias por falta de ferro ou vitaminas, cirrose, leucemia, linfomas, insuficiência renal, anemia aplástica, hipotireoidismo, e uso de medicamentos, como os usados no tratamento do câncer e da AIDS.

Que doenças aumentam a velocidade de destruição das hemácias e hemoglobina?

Dentre as doenças que podem causar um aumento da velocidade de destruição das hemácias, deixando a hemoglobina baixa, estão: anemia falciforme, talassemia, distúrbios que causam o aumento do baço (esplenomegalia), porfiria e vasculites.

Quais distúrbios levam à perda de sangue e deixam a hemoglobina baixa?

Uma vez que a hemoglobina baixa também pode ser um sinal de perda sanguínea, alguns distúrbios que provocam hemorragia também devem ser levados em consideração, tais como: distúrbios da coagulação, sangramentos no sistema digestivo e distúrbios menstruais com sangramento exagerado.

Quais são os sintomas de hemoglobina baixa?

A hemoglobina baixa causa palidez, descoramento das mucosas e redução dos níveis de oxigênio em todos os órgãos do corpo, levando à sensação de fraqueza, cansaço fácil e falta de ar, até mesmo para a realização de atividades das rotinas diárias.

Para um diagnóstico adequado é necessário avaliar a história clínica e os sinais e sintomas associados para se chegar a conclusão de qual é a causa da anemia, se por perda sanguínea, falta de produção ou por destruição das hemácias.

O clínico geral ou o médico de família podem diagnosticar e iniciar o tratamento das anemias. Em casos mais complicados pode ser necessário o acompanhamento também pelo hematologista.

Para saber mais sobre hemoglobina baixa, você pode ler:

Hemoglobina baixa, o que pode ser?

Minha hemoglobina está baixa: o que fazer?

Quais são as causas da hemoglobina baixa?

Referências

ASH - American Society of Hematology.

SBHH - Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia.

Qual a quantidade normal de plaquetas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O valor normal da contagem de plaquetas no sangue do adulto, e de uma criança, varia de 150.000 a 450.000 por microlitro de sangue.

Os valores considerados normais podem ter uma pequena variação entre os laboratórios, de acordo com o método utilizado para a análise clínica. No entanto, esse valor deve vir discriminado no resultado de exame, fornecido pelo laboratório, como "valor de referência" ou apenas VR, normalmente ao lado do resultado encontrado.

O exame de contagem de plaquetas é solicitado principalmente, na suspeita de um problema de coagulação sanguínea, quando a pessoa apresenta dificuldade de parar um sangramento, sangramentos prolongados ou quando surgem manchas roxas no corpo, sem motivo aparente.

O que são plaquetas?

As plaquetas são células do sangue, produzidas na medula óssea, que participam do processo de coagulação sanguínea, ou seja, atuam na formação de um coágulo que interrompe o sangramento. Quando um vaso sanguíneo se rompe, ele começa a sangrar. As plaquetas então se aglomeram para cobrir a lesão e estancar o sangramento.

Plaquetas baixas: o que pode ser?

As plaquetas baixas têm 2 causas principais: uma produção diminuída das células, ou quando são destruídas precocemente.

1) Produção insuficiente de plaquetas na medula óssea.

A medula óssea pode não produzir plaquetas suficientes nas seguintes doenças e condições:

  • Anemia aplástica;
  • Câncer de medula óssea, como leucemia;
  • Cirrose hepática;
  • Deficiência de folato (vitamina B9);
  • Infecções da medula óssea;
  • Síndrome mielodisplásica;
  • Deficiência de vitamina B12;
  • Quimioterapia e radioterapia.

2) Destruição das plaquetas na corrente sanguínea, no baço ou no fígado.

As seguintes doenças e distúrbios podem aumentar a destruição de plaquetas:

  • Desordens que provocam hiperatividade das proteínas que controlam a coagulação do sangue, geralmente durante doenças graves;
  • Baixa contagem de plaquetas induzida por medicamentos;
  • Aumento do baço;
  • Destruição das plaquetas pelo sistema imunológico;
  • Desordem que causa formação de coágulos em pequenos vasos sanguíneos.

Considera-se que as plaquetas estão baixas quando o resultado do exame apresenta valores abaixo de 150.000 plaquetas por microlitro de sangue, uma condição denominada plaquetopenia ou trombocitopenia.

Se a contagem de plaquetas for menor que 50.000, aumenta o risco de sangramentos, mesmo em atividades diárias. A hemorragia pode ser externa ou interna. Por isso, para casos considerados de alto risco ou mais graves, há necessidade de tratamento com medicamentos, transfusões de sangue ou transfusão de plaquetas.

As plaquetas baixas podem causar sangramento na boca e na gengiva, hematomas, sangramento nasal e formação de pequenas manchas vermelhas na pele.

Contudo, não é apenas quando as plaquetas estão baixas que o risco de sangramento é maior. Existem doenças em que as plaquetas estão normais, porém não funcionam adequadamente, como na doença de von Willebrand, por exemplo. Nesse caso, as plaquetas não se aderem à parede do vaso sanguíneo, o que pode causar sangramento excessivo.

Plaquetas altas: o que pode ser?

Considera-se que as plaquetas estão altas quando o resultado do exame apresenta resultado com valor superior a 450.000 plaquetas por microlitro de sangue. Essa condição é denominada trombocitose e indica que o corpo está produzindo plaquetas em excesso. As causas podem incluir:

  • Anemia hemolítica;
  • Deficiência de ferro;
  • Infecções, grandes cirurgias ou traumatismos;
  • Câncer;
  • Uso de certos medicamentos;
  • Doença da medula óssea (neoplasia mieloproliferativa);
  • Retirada do baço.

Quando as plaquetas estão elevadas, existe o risco de formação de coágulos sanguíneos. Os coágulos podem causar sérios problemas, como trombose e embolia pulmonar, condições que podem levar à morte.

O tratamento da trombocitose depende da causa e pode incluir o uso de medicamentos e outros procedimentos médicos.

Quando devo procurar um médico?

O exame de sangue sempre deve ser analisado e interpretado pelo médico que solicitou este exame. Entretanto, se o resultado do seu exame evidenciou a contagem total de plaquetas menor do que 150.000 ou acima de 450.000/mm³, é preciso procurar um médico o mais rápido possível, para essa avaliação.

O hematologista é o especialista responsável por diagnosticar e tratar alterações no sangue.

Saiba mais sobre o assunto nos artigos:

Para que serve a contagem das plaquetas e como entender os resultados?

O que fazer para aumentar a contagem de plaquetas?

Plaquetas altas, como diminuir?

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?

Referência:

Donald M Arnold, et al.; Approach to the adult with unexplained thrombocytopenia. UpTodate: Jul 19, 2019.

Jenny M Despotovic,et al.; Approach to the child with unexplained thrombocytopenia. UpTodate: Jun 15, 2018.

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de plaquetopenia ou trombocitopenia (plaquetas baixas) dependem do quão baixas estão as plaquetas. Considera-se plaquetopenia quando as plaquetas estão abaixo de 150.000/mm3.

Os sinais mais comuns das plaquetas baixas são os sangramentos na pele e nas mucosas, que ocorrem espontaneamente quando o número de plaquetas estão abaixo de 30.000/mm3. Nesses casos, pode haver:

  • Pequenos pontinhos avermelhados no corpo (petéquias ou hemorragias puntiformes);
  • Sangramentos pelas gengivas (gengivorragia);
  • Sangramento menstrual abundante;
  • Sangramento na urina ou nas fezes;
  • Sangramento de maior intensidade quando ocorre um ferimento;
  • Sangramento pelo nariz (epistaxe).

A plaquetopenia pode ser leve (plaquetas entre 100.000 a 150.000/mm3), moderada (plaquetas entre 50.000 e 99.000/mm3) e grave (plaquetas abaixo de 50.000/mm3).

Porém, algumas pessoas podem apresentar valores de plaquetas entre 100.000 e 150.000/mm3 sem que isso seja classificado como um quadro de plaquetopenia. Isso significa que, para alguns indivíduos, pode ser normal ter as plaquetas baixas.

As plaquetas são células produzidas na medula óssea, que possuem a propriedade de coagular o sangue e de ajudar que uma ferida pare de sangrar.

É importante frisar que as plaquetas não são as únicas envolvidas da cascata de coagulação. Sendo assim, outras doenças podem levar a sangramentos, sem que ocorra alteração na contagem das plaquetas.

Plaquetas baixas: o que pode ser?

O número de plaquetas pode estar baixo devido à queda da produção de plaquetas na medula óssea, destruição das plaquetas por anticorpos ou acúmulo e destruição das plaquetas no baço.

As principais causas de plaquetopenia incluem: púrpura trombocitopênica imune (PTI), infecções virais e bacterianas, uso de certos medicamentos, gravidez, doença crônica do fígado, aumento de tamanho do baço, doenças das plaquetas e doenças da medula óssea.

O tratamento para a plaquetopenia pode ou não ser necessário, de acordo com as suas causas e com o número de plaquetas encontrado no sangue.

Também é importante ver a evolução da contagem das plaquetas por um período de tempo, pois há variações consideradas normais. Porém, contagem baixa de plaquetas persistente deve ser melhor investigada por um clínico geral ou hematologista.

Leia também:

PCR alto: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

PCR alto indica a presença de um processo inflamatório na fase aguda, o que pode ser causado por diversas doenças, tais como:

  • Infecções bacterianas;
  • Pancreatite aguda;
  • Apendicite;
  • Queimaduras;
  • Doença inflamatória no intestino;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Linfoma;
  • Infarto do miocárdio;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • Doença inflamatória pélvica;
  • Artrite reumatoide;
  • Sepse (infecção generalizada);
  • Pós-operatório de alguma cirurgia (3 primeiros dias);
  • Tuberculose.

Existem condições que podem não estar propriamente relacionadas com processos inflamatórios ou infecciosos, mas que podem alterar os níveis de PCR no sangue e influenciar o resultado do exame, tais como:

  • Uso de medicamentos, como anti-inflamatórios não-esteroides (AINE), aspirina, corticoides, estatinas, beta-bloqueadores, pílula anticoncepcional;
  • Terapia de reposição hormonal;
  • Uso de dispositivo intrauterino (DIU);
  • Exercício físico intenso;
  • Gravidez;
  • Obesidade.

Também pode lhe interessar: PCR baixo: o que pode ser?

O que é PCR?

PCR é uma proteína (proteína C-reativa) produzida no fígado e que está presente em pequenas quantidades no sangue de pessoas saudáveis.

Em casos de inflamações ou infecções agudas, os seus níveis no sangue podem aumentar até 1.000 vezes.

O exame de PCR é usado principalmente para medir o risco de doenças cardiovasculares. Um resultado com PCR alto indica maiores chances de "derrames" e ataque cardíaco.

A elevação da concentração de PCR é maior durante as infecções bacterianas do que nas virais, por isso o exame tem sido muito usado para dar início ao tratamento com antibióticos quando ainda não se sabe se a infecção é causada por vírus ou bactérias.

É importante que você leve o resultado dos exames solicitados pelo/a médico/a na consulta de retorno para que o/a profissional possa relacionar esse resultado com a história clínica, o exame físico e programar a melhor terapêutica indicada para o seu caso.

Leia também:

O que é o exame PCR e para que serve?

Quais os valores normais do PCR?

Quais as causas de plaquetas baixas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As plaquetas baixas podem ter várias causas. A plaquetopenia ocorre quando o nível de plaquetas está inferior a 150.000/mm3 e pode ser causada por:

  • Doenças e condições que diminuem a produção de plaquetas na medula óssea: aplasia medular, fibrose ou infiltração por células malignas (câncer visceral ou hematológico, como linfomas e leucemias) e quimioterapia. O diagnóstico é feito através da biópsia da medula óssea;
  • Doenças que causam aumento do baço (esplenomegalia), com sequestro e destruição das plaquetas: hipertensão portal (pode ocorrer na cirrose hepática, esquistossomose, trombose da veia porta), infiltração de células tumorais no baço, leucemias, linfomas e doença de Gaucher;
  • Aumento da destruição plaquetária pela presença de vasos anormais, próteses vasculares e trombos: púrpura trombocitopênica trombótica, vasculites, síndrome hemolítico-urêmica, coagulação intravascular disseminada e próteses cardíacas;
  • Efeito colateral de medicamentos: diuréticos tiazídicos, estrogênios e fármacos mielossupressores induzem diminuição da produção das plaquetas na medula óssea. Sedativos, hipnóticos, anticonvulsivantes, alfa-metildopa, sais de ouro e heparina podem induzir destruição imunológica das plaquetas;
  • Doenças infecciosas: dengue, AIDS, hepatite C, febre maculosa, leptospirose, febre amarela e septicemia grave;
  • Doenças imunológicas, em que ocorre a destruição das plaquetas no sangue (intravascular): púrpura trombocitopênica imunológica e algumas doenças reumatológicas, como no lúpus eritematosos sistêmico.

É importante frisar que há doenças em que as plaquetas estão em níveis normais, porém sua função está deficiente, como na insuficiência renal crônica com uremia.

O que significa plaquetas baixas no exame de sangue?

A plaquetopenia se caracteriza por qualquer distúrbio em que há uma quantidade anormalmente baixa de plaquetas no sangue, que são as células responsáveis pela coagulação sanguínea. Por isso, as plaquetas baixas podem estar associadas a sangramentos anormais.

As plaquetas baixas têm como principais causas a produção insuficiente de plaquetas na medula óssea e o aumento da destruição de plaquetas na corrente sanguínea, no baço ou no fígado.

Baixa produção de plaquetas na medula óssea

A medula óssea pode não produzir plaquetas suficientes nas seguintes doenças e condições:

  • Anemia aplástica (distúrbio no qual a medula óssea não produz células sanguíneas suficientes);
  • Câncer de medula óssea, como leucemia;
  • Cirrose hepática (cicatrização do fígado);
  • Deficiência de folato (vitamina B9);
  • Infecções da medula óssea;
  • Síndrome mielodisplásica (a medula óssea não produz células sanguíneas suficientes ou as produz com defeito);
  • Deficiência de vitamina B12;
  • Tratamento com quimioterapia.
Destruição das plaquetas

Os seguintes distúrbios podem aumentar a destruição de plaquetas:

  • Hiperatividade das proteínas que controlam a coagulação do sangue, geralmente durante uma doença grave;
  • Baixa contagem de plaquetas causada por medicamentos;
  • Aumento de tamanho do baço;
  • Destruição de plaquetas pelo sistema imunológico;
  • Formação de coágulos sanguíneos em vasos de pequeno calibre.
Quais os sintomas e o tratamento para plaquetas baixas?

A plaquetopenia pode não causar sintomas. Contudo, em alguns casos, as plaquetas baixas podem provocar sangramentos na boca e nas gengivas, hematomas, sangramento nasal e manchas vermelhas na pele. Os sintomas das plaquetas baixas também dependem da causa.

A principal complicação da plaquetopenia é a hemorragia que pode ocorrer no cérebro ou no trato digestivo.

O diagnóstico das plaquetas baixas é feito através de hemograma completo, que pode ser complementado por testes de coagulação sanguínea, aspiração da medula óssea ou biópsia, com intuito de investigar a causa.

O tratamento depende da causa. Em alguns casos, a transfusão de plaquetas pode ser necessária para interromper ou prevenir sangramentos.

Em caso de plaquetopenia sem sintomas hemorrágicos, consulte um médico hematologista para adequados diagnóstico e tratamento. Se houver manifestações hemorrágicas, deve procurar um atendimento médico de urgência.

Pode lhe interessar também: O que fazer para aumentar a contagem de plaquetas? e Qual a quantidade normal de plaquetas?

Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Segmentados alto no leucograma geralmente indica a presença de uma infecção causada por bactérias ou fungos. Contudo, o aumento do número de segmentados no hemograma completo também pode ter como causa inflamações, tumores, hemorragias, uso de certos medicamentos, entre outras.

Além das doenças, o nível de segmentados também pode estar alto em algumas condições temporárias, como infarto, após atividade física intensa, pós-operatórios, uso de algumas medicações como corticoides, lítio e epinefrina, fumo e gestação.

Recém-nascidos também podem apresentar taxas elevadas de segmentados nos primeiros dias após o nascimento.

Os valores de referência de segmentados no hemograma são de 3.000 - 8.000/mm³ (valor absoluto) e 36 - 53% (valor relativo).

Lembrando que o aumento do número de segmentados não é uma doença em si, mas um sinal de que algo está ocorrendo no organismo. Uma vez que a elevação desses glóbulos brancos pode indicar doenças graves, ela precisa ser investigada.

O que são segmentados?

Os segmentados são os neutrófilos maduros, células de defesa que fazem parte do sistema imune do corpo. Os neutrófilos compõem o grupo das células conhecidas como glóbulos brancos, juntamente com os eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos.

Os neutrófilos têm a função de atacar e destruir micro-organismos invasores, sobretudo bactérias, através de uma ação conhecida por fagocitose. A grosso modo falando, os neutrófilos literalmente “engolem” os germes e a seguir os destroem. Por isso, quando os segmentados estão altos, é provável que haja um processo inflamatório ou infeccioso em curso no organismo.

Os neutrófilos segmentados são atraídos para os focos de infecção e chegam rapidamente a esses locais. Quando o organismo necessita mobilizar grandes quantidades de neutrófilos, a medula óssea aumenta a produção dessas células e em poucas horas os seus níveis são compensados, conforme a necessidade do corpo.

Qual a diferença entre segmentados e bastonetes?

Os segmentados são neutrófilos maduros. Constituem a maioria dos neutrófilos e, muitas vezes, são os únicos neutrófilos presentes no sangue. Os outros neutrófilos encontrados na circulação são os bastonetes, que são neutrófilos jovens ou imaturos. O tempo de maturação dos neutrófilos na medula óssea é de 4 a 6 dias, quando só então entram na circulação sanguínea.

Os neutrófilos vivem durante cerca de 9 dias. Quando chegam à circulação sanguínea, já têm aproximadamente 6 dias, onde permanecem de 6 a 20 horas. Essas células estão constantemente saindo da circulação sanguínea e chegando a diferentes tecidos do corpo, onde permanecem vivas por mais 2 ou 3 dias.

Quando o leucograma detecta a presença de bastonetes, utiliza-se o termo "desvio à esquerda". Em geral, trata-se de um sinal de que o organismo está reagindo bem à inflamação ou infecção.

Porém, se o valor de bastonetes for superior ao valor total de neutrófilos, pode indicar que a medula não está produzindo e liberando neutrófilos maduros suficientes e, por isso, está enviando células mais jovens, que são uma espécie de neutrófilos de reserva.

O resultado do leucograma, bem como de todo o hemograma, deve ser interpretado pelo/a médico/a que solicitou o exame, juntamente com o exame clínico do/a paciente.

Saiba mais em:

Segmentados: qual o valor normal?

Segmentados baixo no leucograma, o que pode ser?

Mielócitos altos ou baixos no leucograma, o que significa?

Referência

Sociedade Brasileira de Análises Clínicas

Anti-HBS no exame significa hepatite B?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame anti-HBs serve para identificar anticorpos contra a hepatite B. Portanto, quando o anti-HBs dá positivo, significa que a pessoa já está imune ao vírus da hepatite B. Isso geralmente acontece após a vacinação ou cura da doença.

O anti-HBs é o anticorpo que o sistema imunológico produz contra o vírus da hepatite B, mais especificamente contra uma proteína localizada na superfície do vírus, conhecida como HBsAg.

Esse anticorpo não está presente em pessoas que ainda estão doentes. Por isso, o objetivo do exame não é saber se o paciente está com hepatite B, mas verificar se a doença já foi tratada e curada.

Para detectar a hepatite B é feito o exame de HBsAg. Em indivíduos doentes, o HBsAg dá positivo. Se o anti-HBs der positivo e o HBsAg negativo, significa que a pessoa já possui anticorpos contra a hepatite B e o vírus não está circulando mais na corrente sanguínea, ou seja, está curada.

Portanto, o exame anti-HBs positivo indica que o paciente já está imune ao vírus da hepatite B, seja por ter ficado doente ou ter tomado a vacina.

Vale lembrar que a vacina contra a hepatite B está disponível gratuitamente nas Unidades de Saúde do SUS (Sistema Único de Saúde).

Saiba mais em:

Hepatite B tem cura? Se tem, qual o tratamento?

Como pode ocorrer a transmissão da hepatite B?

Existe vacina para a hepatite b?

O que é a leucocitose e quais são as causas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A leucocitose é o aumento do número de leucócitos (glóbulos brancos) no sangue. Pode ser causada pela presença de infecção no organismo, por situações como exercícios físicos, gravidez ou ainda leucemias. A leucocitose é confirmada quando o número de leucócitos está acima de 11.500 por milímetro cúbico de sangue.

Os leucócitos são responsáveis pela resposta do organismo a agentes causadores de doenças ou a situações estressantes e de esforço físico. São divididos em neutrófilos, eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos.

Quais as causas da leucocitose?
  • Uso de certos medicamentos (agonistas adrenérgicos, como salbutamol (ou albuterol), corticoides, epinefrina, fator estimulador de colônias de granulócitos, heparina e lítio);
  • Tabagismo;
  • Cirurgia para retirar o baço;
  • Infecções, quase sempre causadas por bactérias;
  • Doença inflamatória, como artrite reumatoide ou alergia;
  • Leucemia ou doença de Hodgkin;
  • Queimaduras.

A quantidade normal de glóbulos brancos é de 4.500 a 11.000 por microlitro de sangue. Os valores de referência podem variar de acordo com o laboratório.

O aumento da quantidade dessa células no sangue é considerado uma leucocitose. Porém, a causa depende das suas características e do tipo de leucócito aumentado.

Quais são os tipos de leucocitose e suas causas? Leucocitose fisiológica

A leucocitose fisiológica ocorre em resposta a um estresse agudo do organismo, como no caso de exercícios físicos vigorosos, anestesia e gravidez.

Leucocitose reativa

A leucocitose reativa ocorre devido às infecções por bactérias, inflamações e em doenças que afetam o metabolismo do corpo.

Leucocitose patológica

Já as leucocitoses patológicas ocorrem em doenças como leucemia mieloide, leucemia linfoide e linfoma.

Leucócitos baixos: o que pode ser?

Níveis de leucócitos baixos no sangue é uma condição chamada leucopenia. Ocorre quando há menos de 4.500 leucócitos por microlitro de sangue. A leucopenia pode ser causada por:

  • Deficiência ou insuficiência da medula óssea, devido a infecção, tumor ou distúrbios de cicatrização;
  • Medicamentos para o tratamento de câncer ou outras doenças;
  • Doenças autoimunes, como lúpus;
  • Doença do fígado ou baço;
  • Tratamento com radioterapia;
  • Certas doenças virais, como mononucleose;
  • Infecções bacterianas muito graves (sepse);
  • Estresse emocional ou físico intenso, como lesões ou cirurgias.

Os medicamentos que podem baixar a contagem de leucócitos incluem: antibióticos, anticonvulsivantes, medicamentos antitireoidianos, arsênio, captopril, medicamentos quimioterápicos, clorpromazina, clozapina, diuréticos, bloqueadores de histamina-2, sulfamidas, quinidina, terbinafina e ticlopidina.

O médico que solicitou o exame de sangue é o responsável pela sua interpretação, que deve levar em conta a história do paciente, o exame clínico, o resultado de outros exames e a presença de outras doenças e condições.

Saiba mais em: Fiz exame de urina e o resultado dos leucócitos está elevado. O que pode ser?