Otorrinolaringologia

Zumbido e pressão na cabeça: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Zumbido e pressão na cabeça é um sintoma típico de perda auditiva. Na maioria dos casos, o zumbido no ouvido é decorrente de algum grau de surdez. Acredita-se que o cérebro sofre alterações nas áreas relacionadas com a audição, quando o som deixa de atravessar os ouvidos, gerando o zumbido.

Tais sintomas também podem indicar a presença de disfunção na articulação da mandíbula (ATM). Ainda não se sabe ao certo por que os distúrbios na ATM causam zumbido, mas acredita-se que haja alguma relação neurológica entre os músculos mastigatórios e os músculos do ouvido.

Outra explicação sugere que o zumbido seja causado pelo aperto exagerado dos músculos da mastigação, como acontece no bruxismo, o que pode comprimir algumas áreas próximas aos ouvidos e gerar o zumbido.

O zumbido também pode ser sintoma de doenças da coluna cervical, como hérnia de disco e bico de papagaio, além de poder estar relacionado com a alimentação. Há ainda diversas possíveis causas, como labirintite, diabetes, hipertensão arterial, entre muitas outras.

Já a sensação de pressão na cabeça pode ainda ter como causa a contração excessiva da musculatura mastigatória, que pode provocar dores de cabeça constantes ou intermitentes, como nas dores de cabeça tensionais. 

Surdez

Se o zumbido estiver relacionado com perda auditiva, a pessoa geralmente começa a ouvir rádio ou televisão com volume muito elevado, além de falar alto e pedir para os outros falarem mais alto.

A perda auditiva tem como principais causas otite, tumores, produção excessiva de cera, labirintite, disfunções nos nervos ou nos ossos que captam o som, infecções, exposição frequente a ruído excessivo, idade avançada, perfurações e inflamações do tímpano, entre outras.

O tratamento da surdez pode incluir cirurgia, uso de aparelhos auditivos ou de uma prótese coclear. A prótese substitui a função da cóclea, o órgão que capta o som.

Leia também: Deficiência auditiva: Quais os sintomas e como tratar?

Disfunções na ATM

Além do zumbido no ouvido, problemas na ATM podem causar sensação de ouvido tapado, dor de cabeça ao acordar, dor no ouvido, nos olhos ou nos músculos da face, estalos ao fechar ou abrir a boca, dor ao abrir muito a boca, mandíbula que sai do lugar ou trava, alterações no encaixe dos dentes, entre outros.

As causas para as disfunções na ATM ainda não estão totalmente esclarecidas, mas sabe-se que elas podem ter origem em fatores emocionais ou psicológicos, como ansiedade, estresse, depressão, além de má oclusão dentária, deformidades faciais ou ainda alterações posturais e musculares.

O tratamento depende do que está causando o problema, podendo incluir fisioterapia, medicamentos relaxantes musculares, analgésicos e anti-inflamatórios, cirurgia ou uso de placas de silicone na boca.

Bico de papagaio 

O bico de papagaio é um crescimento ósseo anormal entre as vértebras da coluna cervical, torácica ou lombar. Essa pequena saliência óssea tem a forma de um bico de papagaio, daí o nome da doença. 

O bico de papagaio ocorre devido ao desgaste do disco intervertebral. Sem o disco para dar estabilidade à coluna e absorver impactos, o organismo produz mais osso como forma de proteger e estabilizar a coluna vertebral.

Quando ocorre na coluna cervical, o bico de papagaio pode causar zumbido e pressão na cabeça, além de dor no pescoço, formigamento no pescoço, nos braços ou nas mãos, limitação dos movimentos da cabeça, alterações da sensibilidade no pescoço ou membros superiores e diminuição da força muscular nos braços.

As principais causas de bico de papagaio na coluna cervical são: predisposição genética, falta de atividade física, má postura, traumatismos na coluna e a idade avançada.

O tratamento pode ser feito com analgésicos e anti-inflamatórios, fisioterapia e exercícios específicos. A cirurgia é indicada nos casos mais graves. 

Saiba mais em: Qual o tratamento para bico de papagaio na coluna?

Hérnia de disco cervical

Entre as vértebras da coluna existe um disco fibroso cujo núcleo é gelatinoso. A função do disco intervertebral é estabilizar a coluna e amortecer impactos. Quando ocorre o rompimento do disco, e o núcleo gelatinoso extravasa, é formada a hérnia.

A hérnia de disco cervical tem como principais causas os movimentos bruscos, a postura inadequada e a idade avançada.

Além do zumbido no ouvido e da pressão na cabeça, a hérnia de disco pode causar ainda dor ou formigamento no pescoço e membro superior, alterações da sensibilidade no pescoço, braço mão ou dedos, diminuição da força no membro superior, entre outros sintomas.

Também pode lhe interessar: Quais os sintomas de hérnia de disco?

Má alimentação

Os hábitos alimentares também estão associados ao zumbido e à perda auditiva. Uma dieta rica em açúcar, por exemplo, aumenta os níveis de glicose no sangue e, como consequência, aumentam também os níveis de insulina. Esta última é um hormônio que tem a função de transportar a glicose (açúcar) para dentro das células, para que possa ser usada como fonte de energia.

Além dessa função, a insulina também atua no ouvido interno. Assim, em excesso, a insulina pode prejudicar a audição, gerando o zumbido no ouvido.

O consumo de bebidas alcoólicas ou bebidas com cafeína, também pode influenciar o funcionamento do ouvido. Isso acontece porque essas substâncias provocam uma contração dos vasos sanguíneos, diminuindo o seu calibre. Como consequência, a irrigação sanguínea do ouvido fica prejudicada, gerando zumbido ou piorando este sintoma. Por isso, pessoas com predisposição para ter deficiência auditiva devem evitar o consumo de álcool e cafeína.

A baixa ingestão de água ou ficar sem beber água por muito tempo também influencia a irrigação sanguínea do ouvido e pode gerar zumbido. Outro mau hábito alimentar que pode gerar zumbido, além de sensação de ouvido entupido e tonturas, é ficar em jejum por mais de 3 horas.

Consulte um médico clínico geral, um médico de família ou vá diretamente a um otorrinolaringologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Estou com bolinhas brancas na garganta. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Enfermeira doutorada em Saúde Pública

As bolinhas brancas que se acumulam nas amígdalas e possuem odor fétido se chamam cáseos amigdalianos ou caseum amigdaliano. São formados por células descamadas (mortas), bactérias e, em menor quantidade, por resíduos alimentares. Podem provocar o mau hálito.

Os cáseos amigdalianos não têm nenhuma relação com as amigdalites ou outras infecções de garganta.

8 Dicas para prevenir os cáseos 1.Beber muita água

Ao ingerir, pelo menos, 2 litros de água ao dia, a saliva se torna mais fluida e evita a formação de cáseos. Ao contrário, a saliva mais viscosa, favorece que as células mortas grudem umas nas outras e formem os cáseos.

2. Ingerir frutas ácidas

A ingestão de frutas ácidas como limão, laranja, kiwi, morango e abacaxi, estimulam as glândulas salivares a produzir maior quantidade de saliva prevenindo a formação dos cáseos.

3. Limpar a língua

As células mortas também se acumulam na superfície da língua. Por este motivo, recomenda-se limpar a língua, com um limpador específico para língua, após a escovação dos dentes. Isto evita que estas células migrem para as amígdalas e formem os cáseos.

4. Gargarejar com bicarbonato de sódio

Coloque uma colher de café em meio copo de água e faça o gargarejo após a escovação dos dentes. A vibração causada pelo gargarejo faz com que os cáseos se soltem das criptas da amígdalas e também previne a formação de novos cáseos.

5. Mastigar alho

O alho tem ação antibacteriana. Mastigar um dente de algo ao dia pode tratar os cáseos já existentes e prevenir a deposição de outros cáseos.

6. Inserir cebola na alimentação

A cebola, assim  como o alho, tem ação antibacteriana. Por este motivo deve ser adicionada à alimentação. Além de ajudar a evitar os cáseos, traz diversos benefícios à saúde.

7. Gargarejar com vinagre de maçã orgânico

Faça gargarejos com meio copo de água morna e meio copo de vinagre de maçã orgânico por 2 ou 3 vezes ao dia. O vinagre tem função adstringente e também é antibacteriano.

8. Usar probióticos: Kefir

O uso dos probióticos, especialmente o kefir, ajudam equilibrar a flora intestinal. Ao realizar este equilíbrio as boas bactérias presentes no intestino ajudam a eliminar a bactérias ruins que possam estar em todo o trato gastrointestinal. Isto ajuda a eliminar e prevenir os cáseos.

Se nenhuma destas medidas tiverem resultado positivo busque um médico de família ou um otorrinolaringologista para uma avaliação inicial. A retirada das amígdalas pode ser indicada mas, em último caso, após avaliação médica.

Saiba mais:

O que é caseum e quais os sintomas?

Caseum tem cura? Qual o tratamento?

Caseum pode ser transmitido pelo beijo e pela saliva?

Gosto de podre na boca o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Gosto de podre na boca geralmente está associado a produção de pus em algum local que no seu caso podem ser as glândulas salivares ou os seios paranasais (uma sinusite pode dar como único sintoma um gosto ou cheiro de podre na boca). Precisa ir a um médico, procure um Otorrinolaringologista.

Sangramento no ouvido, o que fazer?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Quando há sangramento no ouvido deve-se fazer uma limpeza externa cuidadosa do sangue que está na orelha. Se a pessoa com sangramento está deitada, deve-se manter a sua orelha posicionada para baixo e procurar um serviço médico.

O sangramento no ouvido geralmente é devido à uma lesão canal do ouvido ou no tímpano (membrana timpânica). Normalmente, o sangramento esta acompanhado de outros sintomas como tonturas, enjoos, vômitos, dores de cabeça, zumbido e diminuição da audição.

As causas mais comuns de sangramento nos ouvidos são: ferimento devido ao uso de algum objeto pontiagudo como cotonete ou grampo, infecção, tumores, pancada forte na orelha, fratura do crânio, variações muito grandes de pressão atmosférica, que podem ocorrer em voos e mergulhos e explosões.

Nessas situações deve-se procurar um clínico geral ou otorrinolaringologista para uma avaliação correta do problema.

Gosto de Sangue e Dor de Cabeça, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Gosto de sangue e dor de cabeça pode ser sinusite, rinite, amidalite ou até mesmo resfriado, ou gripe em processo inicial. É importante observar também a presença de outros sinais e sintomas. No caso dessas doenças, podem surgir também:

Sinusite
  • Dor na região anterior da cabeça, ao redor dos olhos, no céu da boca, na testa ou nas bochechas;
  • Sensação de pressão na cabeça;
  • Nariz entupido;
  • Secreção nasal de cor amarela ou esverdeada;
  • Febre;
  • Mal-estar;
  • Perda de apetite;
  • Tosse;
  • Cansaço.
Rinite
  • Corrimento e congestão nasal;
  • Coceira no nariz, nos olhos e no céu da boca;
  • Espirros;
  • Lacrimejamento;
  • Olheiras.
Amigdalite (bacteriana)
  • Dor intensa ao engolir;
  • Febre;
  • Indisposição e mal estar;
  • Dor de cabeça;
  • Calafrios;
  • Placas de pus brancas nas amígdalas;
  • Vermelhidão na garganta;
  • Nódulos ou caroços no pescoço.
Gripe e resfriado

Geralmente apresentam os mesmos sintomas, sendo mais intensos na gripe e mais leves no resfriado.

  • Febre;
  • Tosse;
  • Dor de garganta;
  • Dores no corpo;
  • Mal-estar.

Para saber ao certo o que está causando essa dor de cabeça acompanhada pelo gosto de sangue na boca, o melhor é consultar o médico de família ou otorrinolaringologista para um diagnóstico e tratamento adequados.

Tomar sorvete faz mal para quem está gripado ou com a garganta inflamada?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Tomar sorvete não faz mal para quem está com gripe nem para a garganta inflamada. Sorvete, água gelada e outras bebidas ou alimentos frios não pioram os sintomas de gripes, resfriados, inflamações e infecções na garganta.

No caso da garganta inflamada ou infeccionada, segundo os últimos estudos na área de otorrinolaringologia, o consumo de sorvete, por exemplo, é inclusive indicado no pós-operatório de garganta devido à ação anti-inflamatória do frio.

É o mesmo princípio que se usa ao aplicar gelo para controlar dores, inchaços e inflamações. Além disso, os mesmos estudos não encontraram evidências de que o consumo de sorvete piora as inflamações e infecções na garganta.

Em relação à gripe, a temperatura do corpo ou dos alimentos e bebidas ingeridos não interferem no percurso da doença, que é causada por um vírus que se espalha pelo organismo. Tomar sorvete ou gelado não melhora nem piora o quadro, por isso não precisa ser evitado por quem está gripado.

Veja também: O que é gripe e quais os sintomas?

Qual o efeito do sorvete nas inflamações de garganta?

O consumo de sorvete e outros alimentos e bebidas geladas após cirurgias na garganta é indicado porque o frio provoca uma contração dos vasos sanguíneos, o que ajuda a controlar a inflamação e o inchaço. 

Sempre que há uma inflamação, os vasos sanguíneos se dilatam para aumentar o aporte de sangue para o local, de maneira a acelerar a resolução do problema. Por isso, uma diminuição do calibre dos vasos sanguíneos controla o processo inflamatório.

Saiba mais em: O que causa inflamação nas amígdalas e qual o tratamento?

Contudo, é importante lembrar que o sorvete e as bebidas e alimentos gelados devem ser consumidos com moderação. Em excesso, o frio pode aumentar a dor e irritar a garganta. Assim como o gelo não deve ser deixado sobre uma lesão por tempo indeterminado, caso contrário pode causar uma queimadura no local,  se tornando prejudicial e não benéfico.

Em caso de garganta inflamada ou gripe, consulte um médico de família ou clínico geral para receber um diagnóstico e tratamento adequado, bem como orientações quanto ao que deve evitar em cada situação.

Também podem lhe interessar:

Qual a diferença entre gripe e resfriado?

Quanto tempo pode durar uma gripe?

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

Dor e dificuldade ao engolir. O que pode ser e o que fazer?

HPV na garganta: Quais os sintomas e como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O HPV pode apresentar diversos sintomas quando acomete a garganta, dentre eles os mais característicos são:

  • Feridas na parte interna da boca de difícil cicatrização;
  • Placas avermelhadas ou esbranquiçadas na língua, gengiva ou orofaringe;
  • Tosse ou rouquidão persistente, mais de 2 semanas, mesmo após tratamento;
  • Dor na garganta, também refratária ao tratamento;
  • Até dificuldade de engolir com evidente emagrecimento, nos casos mais avançados.    

Os sintomas podem ser confundidos facilmente com infecção bacteriana, o que leva a demora do diagnóstico e consequente demora no início do tratamento.

A infecção por alguns tipos do vírus HPV, sabidamente, os tipos 16,18,31, 33, 35 e 55, está relacionada a um risco aumentado para desenvolver câncer, por isso, na suspeita desta infecção, você deve procurar tratamento médico e manter de forma regular o seu acompanhamento até alcançar a cura desta doença.

HPV na garganta Qual é o tratamento para HPV na garganta?

O tratamento da infecção por HPV na garganta envolve o uso de medicamentos e a remoção das lesões através de cauterização ou pequenas cirurgias. Quando a lesão evolui para câncer, o tratamento pode incluir ainda cirurgias mais invasivas, radioterapia e ou quimioterapia.

Mesmo após a remoção cirúrgica das verrugas, elas podem voltar a aparecer, principalmente quando o tratamento não é completo, permitindo que algumas células permaneçam infectadas. O reaparecimento dos sintomas do HPV na garganta pode ser desencadeado por baixa imunidade, estresse e outros fatores emocionais.

Saiba mais em: Como é feito o diagnóstico do HPV?

Como é a transmissão do HPV na garganta?

A infecção pelo HPV na garganta geralmente ocorre pela via sexual ou da mãe para o feto durante o parto. Pessoas infectadas com o HPV têm mais chances de desenvolver câncer de garganta, mesmo sem apresentar sintomas do vírus.

Contudo, vale lembrar que o aparecimento de tumores na garganta é desencadeado não só pelo HPV isoladamente, mas pela combinação da infecção pelo vírus com fatores genéticos, fatores externos e hábitos de vida, como o consumo regular e exagerado de bebidas alcoólicas e o hábito de fumar cigarro.

Leia também: Quem deve tomar a vacina contra HPV?

O médico otorrinolaringologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar as infecções por HPV na garganta.

Saiba mais em:

Quem tem HPV pode doar sangue?

HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?

Quem tem HPV pode engravidar?

Sinto uma tontura constante. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem muitas causas para a tontura. A tontura constante pode ter origem em:

  • Problemas de visão;
  • Pressão alta ou baixa;
  • Diabetes mellitus descompensado;
  • Anemia;
  • Doenças do labirinto;
  • Doenças neurológicas,
  • Traumas na cabeça;
  • Efeito colateral de alguns medicamentos;
  • Ansiedade, estresse;
  • Cansaço extremo, entre outras.

A tontura muitas vezes é um termo usado para descrever sintomas como falta de equilíbrio, fraqueza, sensação de cabeça pesada, vertigem e sensação de desmaio. As causas da tontura podem ser identificadas conforme as sensações que surgem com as tonturas, a sua duração, os fatores que as desencadeiam e o exame médico.

Sensação de vertigem Problemas de visão

Dentre as causas mais comuns de tontura, sem dúvida estão os problemas de visão. Falta do uso regular de óculos, catarata, glaucoma, miopia e a hipermetropia podem causar tonteira e dores de cabeça com frequência.

Pressão arterial alta ou baixa

Já a pressão arterial alta ou baixa pode interferir na irrigação sanguínea do cérebro ou labirinto, o que leva a quadros de tontura e desequilíbrio.

Diabetes mellitus descompensado

O açúcar no sangue, em excesso, ou principalmente abaixo do adequado, leva a quadros graves de tontura, queda e confusão mental, pela falta de nutrição cerebral.

Outra causa de tontura nesses pacientes se dá devido à perda da sensibilidade em pernas e pés, gerando desequilíbrio e tontura.

Trata-se de uma situação de risco, portanto todo paciente diabético com queixa de tonturas deve procurar atendimento médico de urgência.

Anemia

Na anemia, a tontura é causada pela falta de oxigênio no cérebro. A baixa quantidade de hemoglobina (proteína que se liga ao oxigênio para transportá-lo através do sangue) diminui a oxigenação cerebral, causando tontura.

Doenças do labirinto

Já as doenças do labirinto na realidade causam vertigem. Enquanto a tontura se caracteriza pela sensação de perda de equilíbrio e queda, como se a pessoa deixasse de sentir o chão, as vertigens dão a sensação de que tudo ao redor está girando ou inclinando, embora nem sempre seja fácil essa caracterização pelo paciente.

Neurite vestibular, doença de Ménière e vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) são algumas dessas doenças.

Doenças neurológicas

Algumas das doenças neurológicas que podem estar na origem das tonturas constantes são a enxaqueca, doenças cerebrovasculares (AVC), Parkinson, Alzheimer e os tumores cerebrais.

Traumatismos na cabeça

Os traumatismos cranianos podem causar lesões na região cerebral responsável pelo equilíbrio, causando tontura.

Medicamentos

Há ainda medicamentos que podem afetar o equilíbrio e causar tontura, como efeitos adversos, como por exemplo o Diazepam, Fenobarbital, Metoclopramida, entre outros.

Ansiedade

A ansiedade, estresse e sintomas depressivos, são decorrentes de um desequilíbrio de neurotransmissores, que causam entre outros sintomas, a vertigem, tontura, palpitação e mal-estar.

Outras causas

Podemos citar ainda como outras causas de tontura, quadros de infecção de ouvido, sinusites, a desidratação, gestação e o calor em excesso.

Quais são os sintomas da tontura?

A tontura pode vir acompanhada de náuseas e palidez. Quando há perda de equilíbrio, a pessoa refere falta de estabilidade quando anda. Nesses casos, a tontura pode ser causada por alterações no ouvido interno, distúrbios visuais, alterações neurológicas ou ainda uso de medicamentos, como antiepilépticos, sedativos e tranquilizantes.

O que é vertigem?

No caso da vertigem, a pessoa tem a sensação de que ela ou o local em que se encontra está girando ou movendo-se. A vertigem geralmente piora quando a pessoa está sentada ou se movimenta. Quando as vertigens são muito intensas, podem causar náuseas, vômitos e perda de equilíbrio também.

As vertigens são provocadas por uma mudança repentina ou temporária do funcionamento de estruturas localizadas no ouvido interno ou no cérebro. Tais estruturas captam os movimentos e as mudanças de posição da cabeça.

A vertigem pode ter várias causas, entretanto as mais comuns são a vertigem paroxística posicional benigna (VPPB), causada por estresse extremo ou fadiga na maioria das vezes, as inflamações do ouvido interno, doença de Ménière, enxaqueca e tumor no nervo acústico. Menos comum, a vertigem pode ser causada por derrame cerebral e esclerose múltipla.

Qual o tratamento da tontura?

O tratamento da tontura depende da sua causa. Como a tontura não é uma doença em si, mas um sintoma, o tratamento deve incidir sobre a doença de base.

Uma vez que a tontura constante pode ser sintoma de doenças graves, é muito importante procurar um médico de família ou clínico geral para receber um diagnóstico adequado.

Pode lhe interessar também: Tontura na gravidez, é normal?