Otorrinolaringologia

Tenho tonturas e acho que é labirintite. Qual médico procurar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As tonturas são um dos sintomas da labirintite, mas podem estar relacionadas com muitas outras doenças. Você pode procurar o/a clínico/a geral ou o/a médico/a de família, visto se tratar de um sintoma inespecífico. Se preferir ir direto a um especialista, os mais indicados para avaliar casos de tontura são o/a otorrinolaringologista ou o/a neurologista.

Lembrando que a labirintite pode causar tonturas (sensação de perda de equilíbrio e queda), vertigens (sensação de que tudo ao redor está girando ou inclinando), náuseas, vômitos, perda de equilíbrio, zumbidos no ouvido e perda de audição.

Geralmente, a labirintite ocorre em crises pontuais transitórias que podem durar apenas alguns minutos ou se tornar frequentes.

Saiba mais em: O que é Labirintite e quais seus sintomas?

Contudo, como foi dito, sentir tonturas pode ser sinal de uma série de outros problemas de saúde. Consulte um/a dos/as médicos/as indicados no início do artigo para que seja feito um diagnóstico adequado.

Tenho a boca seca constantemente. O que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A boca seca pode ser um sinal de que o corpo não está produzindo saliva suficiente. Suas principais causas são: uso de medicamentos, pouca ingestão de água, nervosismo ou estresse, envelhecimento e tratamentos com radiação na cabeça e no pescoço.

Muitos medicamentos, como anti-histamínicos, descongestionantes e medicamentos para pressão alta, ansiedade, depressão, dor, doença cardíaca, epilepsia, asma ou outras condições respiratórias, podem deixar a boca seca.

A boca seca pode ainda ter como causa:

  • Quimioterapia (pode afetar a produção de saliva);
  • Lesão dos nervos envolvidos na produção de saliva;
  • Síndrome de Sjögren;
  • Diabetes;
  • HIV ou AIDS;
  • Doença de Parkinson;
  • Fibrose cística;
  • Doença de Alzheimer;
  • Retirada de glândulas salivares devido a infecção ou tumor;
  • Tabagismo;
  • Consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas.

A falta de saliva na boca permite que as bactérias produtoras de ácido aumentem. Isso pode causar mau hálito, cáries e doenças gengivais, aumento do risco de infecção por fungos (candidíase) e feridas na boca ou infecções.

A xerostomia, termo médico para "boca seca", pode trazer problemas para a saúde bucal, uma vez que a saliva ajuda a proteger os dentes contra as cáries, previne infecções, atua na digestão dos alimentos e favorece a mastigação e a deglutição.

A falta de saliva pode causar uma sensação pegajosa e seca na boca e na garganta. A saliva também pode ficar mais espessa e pegajosa. A xerostomia pode vir acompanhada de outros sinais e sintomas, como:

  • Lábios rachados e ressecados;
  • Língua seca e áspera;
  • Incômodo para quem usa prótese;
  • Perda do paladar;
  • Dor de garganta;
  • Sensação de queimação ou formigamento na boca ou na língua;
  • Sede;
  • Dificuldade para falar, mastigar e engolir.
O que fazer em caso de boca seca?

Dentre as medidas indicadas para tratar o problema estão o uso de chicletes ou balas sem açúcar para estimular a salivação, medicamentos que aumentam a produção de saliva, umidificador no quarto durante a noite, saliva artificial e lubrificante de lábios, aumentar o consumo de água, além de mudanças na alimentação. Para diminuir o risco de cárie, pode ser indicada a aplicação local de flúor.

Na alimentação, algumas mudanças podem ajudar a diminuir a secura na boca, como:

  • Comer alimentos macios e fáceis de mastigar;
  • Incluir alimentos frescos na dieta, evitando alimentos quentes, condimentados e ácidos;
  • Consumir alimentos com alto conteúdo líquido, como aqueles com molho ou caldo;
  • Ingerir líquidos nas refeições;
  • Mergulhar alimentos duros ou crocantes em um líquido antes de engolir;
  • Evitar bebidas açucaradas, álcool e lavagem bucal à base de álcool;
  • Evitar alimentos e bebidas ácidas;
  • Evitar alimentos secos e ásperos, que podem irritar a língua ou a boca;
  • Evitar fumar e consumir tabaco em geral.

O tratamento para a boca seca consiste em identificar a causa e corrigi-la ou afastá-lado paciente. Não sendo possível, como nos casos de tratamentos com radiação ou medicamentos, o tratamento visa apenas amenizar os sintomas.

Procure um médico de família, clínico geral ou dentista para uma avaliação caso apresente sintomas de boca seca.

Cirurgia de adenoide: como é feita e quando é indicada?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A cirurgia de adenoide (adenoidectomia) é feita sob anestesia geral, em centro cirúrgico, através de um procedimento rápido e simples que remove a adenoide pela boca, com duração de aproximadamente 10 a 20 minutos.

Após o procedimento, o paciente deve permanecer em observação por algumas horas e, não havendo complicações, já recebe alta para casa no mesmo dia. As complicações no pós-operatório da cirurgia de adenoide são raras.

Quando a cirurgia de adenoide é indicada?

A cirurgia de adenoide é indicada quando o aumento da adenoide provoca:

  • Entupimento frequente do nariz;
  • Infecções recorrentes na garganta, no nariz ou nos ouvidos (otites e sinusites);
  • Acúmulo de catarro no ouvido, com prejuízos para a audição;
  • Dificuldade respiratória, levando à respiração pela boca, o que gera desconforto na garganta, dores de cabeça, pela oxigenação inadequada, e roncos à noite;
  • Sono não reparador, fragmentado pelos roncos e pelos despertares noturnos, que prejudica a atenção e o humor durante o dia.

Na grande maioria dos casos, a pessoa evolui bem após a cirurgia de adenoide. São indicados analgésicos e ou anti-inflamatórios para controlar a dor durante alguns dias. O local da cirurgia pode demorar algumas semanas para cicatrizar completamente.

Quando uma criança muito nova é submetida à cirurgia de adenoide, os sintomas podem voltar a aparecer, pois a adenoide pode voltar a crescer. Porém, esses casos são raros.

A cirurgia reduz a ocorrência de infecções e melhora a qualidade de vida da criança, embora em algumas situações específicas, a retirada da adenoide possa ser prejudicial, como em crianças com lábio leporino ou Síndrome de Down.

A adenoidectomia pode ser realizada isoladamente ou junto com outros procedimentos cirúrgicos, como a retirada das amígdalas, por exemplo

Nos primeiros dias de pós-operatório, a alimentação deve ser pastosa, líquida e gelada para ajudar no alívio da dor.

Podem ocorrer episódios de vômitos e indisposição, considerados normais pelo manuseio da cirurgia. Porém, o aparecimento de febre ou sangramento não é normal e deve ser comunicada ao médico assistente imediatamente.

O que é adenoide?

A adenoide é um tecido esponjoso localizado no final do nariz e que ajuda o corpo a se defender contra doenças respiratórias, reconhecendo vírus e bactérias e produzindo anticorpos.

Porém, a adenoide pode crescer demais e prejudicar a respiração pelo nariz, causando obstrução nasal, o que desencadeia outros problemas de saúde.

O aumento da adenoide pode causar obstrução ou até interrupção da respiração, além de obstrução da tuba auditiva, que liga a faringe ao ouvido. O entupimento da tuba pode causar otites de repetição e sinusites.

O aumento da adenoide pode provocar ainda dificuldade para engolir, diminuição do olfato e do paladar, distúrbios da fala e anomalias no crescimento do crânio e da face.

Cabe ao médico otorrinolaringologista avaliar o caso e indicar o momento mais adequado para a cirurgia, quando esta for necessária.

Leia também: O que é adenoide?

Quanto tempo pode durar uma gripe?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Uma gripe dura em média uma semana (7 dias). A febre é o principal sinal da gripe e dura cerca de 3 dias. Os sintomas mais comuns da gripe incluem febre alta, congestão nasal, tosse, mal-estar, dor de cabeça, dores musculares e dor nas articulações.

Já o resfriado, causado por outros tipos de vírus, pode durar entre 2 e 4 dias e manifesta sinais e sintomas semelhantes aos da gripe, porém são mais brandos e duram menos tempo.

Se os sintomas da gripe se prolongarem por mais de 7 dias, é recomendável procurar um médico, para evitar ou diagnosticar precocemente complicações comuns, como pneumonia e otite (infecção de ouvido).

No entanto, mulheres grávidas e pessoas com diabetes, asma ou doença cardíaca devem buscar ajuda médica assim que surgirem os primeiros sintomas da gripe, para evitar complicações.

As pessoas mais sujeitas a terem complicações com a gripe são os idosos, as grávidas, pacientes com doença crônica nos pulmões, no coração, no fígado ou nos rins, diabéticos ou que tenham outras doenças que baixam a imunidade.

Quando procurar um médico em caso de gripe?

Situações nas quais é indicado  procurar atendimento médico imediatamente em casos de gripe:

  • Febre que dura mais de 3 dias;
  • Febre ou tosse que desaparece por 24 horas ou mais e depois reaparece;
  • Febre com:
    • rigidez de nuca (dificuldade de abaixar a cabeça, ou encostar o queixo no peito);
    • dor de cabeça muito forte;
    • dor de garganta intensa;
    • dor de ouvido (ou saída de secreção pelo ouvido);
    • erupção ou manchas na pele;
  • Urinar pouco ou observar urina escura;
  • Expectoração com catarro marrom-esverdeado ou com sangue;
  • Vômitos intensos ou muito frequentes;
  • Dificuldade em beber líquidos ou mamadeira, no caso das crianças;
  • Muita agitação ou sonolência, também no caso de bebês e crianças.
Qual é o tratamento para gripe?

A gripe é uma doença autolimitada, alcançando a cura completa pela própria reação do organismo, mesmo sem medicações. A não ser casos que evoluam com  complicações. 

Não existe um medicamento específico para tratar a gripe, embora sejam prescritos medicamentos sintomáticos, ou seja, remédios que servem apenas para amenizar os sintomas.

Durante a gripe, a pessoa deve permanecer em repouso, em casa. Para baixar a febre, geralmente recomenda-se o uso de paracetamol. Também é indicado o uso de soro fisiológico nas narinas para diminuir a congestão nasal e ingerir bastante líquidos, como água, sucos e chás e manter alimentação saudável, auxiliando o sistema de defesa do corpo.

O que é a gripe e como se transmite?

A gripe é uma doença viral que afeta sobretudo as vias respiratórias. A transmissão do vírus ocorre através da inalação de gotículas de secreção eliminados por uma pessoa infectada ao tossir ou espirrar. A gripe também pode ser transmitida pelo contato direto com objetos contaminados com secreção.

Por isso, a melhor forma de prevenir a gripe é evitar aglomerações em épocas de maior incidência, evitar o contato com pessoas doentes e lavar frequentemente as mãos com água e sabão. Ao tossir ou espirrar, é importante tapar a boca com um lenço ou com o antebraço. Não usar as mãos. Manter uma boa alimentação para fortalecer o sistema imunológico.

Para maiores esclarecimentos, consulte um/a médico/a clínico/a geral ou um/a médico/a de família.

Quais os sintomas da sinusite bacteriana?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas da sinusite bacteriana incluem dor facial, dor de cabeça, congestão nasal com secreção espessa ou fina, diminuição do olfato, tosse diurna, espirros e febre. Também pode haver mau hálito, fadiga e perda de apetite.  

Esses sintomas podem ser confundidos com os de uma gripe ou resfriado. Deve-se desconfiar de sinusite quando a doença dura mais de 10 dias e não melhora.

A dor facial é sentida atrás dos olhos, ao redor do nariz ou ainda nos dentes, podendo ser mais forte em um dos lados do rosto. Ocorre principalmente ao abaixar a cabeça ou caminhar.

A tosse diurna pode piorar à noite, principalmente em crianças.

Também é sinal de sinusite bacteriana haver mais secreção em uma narina do que na outra. A secreção nasal tanto pode ser espessa como mais fina, purulenta ou musosa.

A sinusite bacteriana pode cursar com uma piora progressiva dos sintomas ou ter um início grave. Na primeira situação a febre pode surgir após uma melhora inicial do quadro, enquanto que na segunda pode haver febre logo de início, com secreção nasal purulenta, durante pelo menos 3 dias seguidos.

É importante estar alerta a alguns sinais e sintomas que podem indicar complicações da sinusite bacteriana, tais como:

  • Piora do quadro após 72 horas de uso de antibióticos;
  • Inchaço ou vermelhidão nas pálpebras;
  • Dor de cabeça intensa com irritabilidade, vômitos ou alterações visuais.

Na presença de 3 ou mais sintomas de sinusite bacteriana, consulte o/a médico/a clínico geral, médico/a de família ou otorrinolaringologista.

Saiba mais em:

Sinusite faz o nariz sangrar?

Sinusite dá tontura?

Qual é o tratamento para sinusite bacteriana?

Coceira no ouvido: O que pode ser e o que devo fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Coceira no ouvido pode ser um sinal de dermatite seborreica. No couro cabeludo, a dermatite seborreica é a causadora da caspa. No ouvido, ela aumenta a produção de cera e ainda a deixa seca e escamosa, causando coceira intensa. Trata-se de uma doença crônica, com períodos em que os sintomas melhoram ou pioram.

A dermatite seborreica não tem uma causa bem definida, podendo ter origem genética ou ser provocada por alergias, fadiga, estresse emocional, frio, excesso de oleosidade, fungos, entre outras.

Para aliviar a coceira no ouvido, pode ser necessário tratar a dermatite seborreica com medicamentos específicos receitados pelo/a médico/a. É importante não coçar o ouvido com objetos para evitar ferimentos na pele e lesões no tímpano.

Além dos remédios, alguns cuidados podem ajudar a aliviar os sintomas e facilitar o tratamento medicamentoso, como evitar alimentos gordurosos, evitar banhos em água muito quente, secar bem o ouvido após o banho, além de controlar o estresse e a ansiedade.

A coceira no ouvido também pode ser causada por infecções provocada por fungos, dermatite crônica, excesso de cera e ainda alergias.

Em caso de coceira intensa no ouvido, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou otorrinolaringologista para que a causa da coceira seja devidamente diagnosticada e tratada.

Saiba mais em:

Estou com coceira na garganta e sinto que ela está irritada. O que pode ser?

Coceira nas mãos: o que pode ser e o que fazer?

O que pode causar coceira nas pernas?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Otite pode causar surdez ou perda de audição?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, otite pode causar surdez ou perda de audição. Isso pode ocorrer quando há acúmulo de catarro ou secreção no ouvido, rompimento do tímpano ou imobilização de um ou mais ossinhos do ouvido.

Dentre as otites que causam surdez ou perda de audição estão a infecção da pele do canal do ouvido (otite externa) e a infecção da membrana do tímpano ou ouvido médio (otite média secretora ou serosa, otite média aguda, otite média crônica).

Outra forma de surdez causada pela otite é a imobilização de alguns ossinhos do ouvido que são responsáveis por captar as vibrações do ar e transmiti-las ao cérebro, para serem traduzidas em som.

Surdez na otite média secretora ou serosa

A otite média secretora ou serosa ocorre quando permanece catarro ou secreção no ouvido médio. A otite média serosa é uma infecção no ouvido causada por uma coleção de líquido ou catarro dentro do ouvido médio. A doença pode ser aguda ou crônica.

Pode acontecer por um mau funcionamento da tuba auditiva, quando se está resfriado ou gripado e vai catarro para o ouvido e não sai, ou quando o ouvido é submetido a grandes diferenças de pressão.

A tuba auditiva é um canal de aproximadamente 2 cm que comunica o ouvido médio e a rinofaringe (comunicação entre nariz e garganta), por onde passa o ar que respiramos.

A obstrução da tuba provoca uma retração da membrana do tímpano, que é muito fina e mole, dando uma sensação de desconforto ou de pressão no ouvido (por exemplo, quando há mudanças bruscas de altitude ou em casos de gripe).

Essa sensação pode provocar uma diminuição da audição que pode ou não vir acompanhada por um barulho, tipo chiado, dentro do ouvido.

Caso esse "entupimento" da tuba permaneça, a secreção que é formada no ouvido não pode ser drenada e fica dentro do ouvido médio, causando otite secretora ou otite serosa.

Surdez na otite serosa aguda

A otite serosa aguda normalmente é decorrente de um bloqueio da tuba auditiva provocado por gripe ou crise de alergia. Caso essa secreção seja infectada por uma bactéria ou vírus, pode se tornar uma otite média aguda.

Se não houver infecção, esse líquido ou catarro pode ser absorvido ou drenado pela tuba auditiva para a garganta e a situação fica resolvida.

Surdez na otite serosa crônica

A otite serosa crônica é causada por um bloqueio permanente ou um engrossamento do líquido, que se transforma numa espécie de "cola" e deixa de ser absorvido ou drenado pela tuba. Isso geralmente leva a uma diminuição da audição.

A otite também pode provocar uma ruptura da membrana do tímpano e levar à surdez. Nestes casos, pode haver vazamento de pus através do ouvido.

A perfuração da membrana do tímpano e a otite média crônica tem tratamento cirúrgico. Cabe ao/à médico/a otorrinolaringologista orientar a forma de tratamento mais adequada, de acordo com o caso.

Para que servem as amígdalas?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

As amígdalas (tonsilas palatinas) têm como função principal a produção de anticorpos para o combate aos micro-organismos causadores de doenças, agindo, dessa forma, como grandes aliadas do sistema imunológico.

São extremamente ricas em linfócitos (células que atuam na defesa do organismo) e estão localizadas em uma posição estratégica (entre a boca, o nariz e a garganta). Portanto, as amígdalas entram em contato direto com os micro-organismos que invadem o organismo pelo ar ou pelos alimentos.

Ao desenvolver anticorpos para combater micro-organismos específicos, torna o corpo capaz de conseguir se defender rapidamente e crie imunidade caso seja atacado pelo mesmo vírus ou bactéria numa próxima vez. Trata-se de um órgão de defesa de extrema importância no corpo humano, uma das primeiras barreiras de nosso organismo contra agressões do sistema ambiente.​

Por causa da sua localização privilegiada, porém ao mesmo tempo vulnerável, as amígdalas são contaminadas com frequência e inflamações e infecções são bastante comuns, principalmente nas crianças.

Durante muito tempo, acreditava-se que as amígdalas não tinham função no organismo e por isso, os médicos recomendavam a sua retirada por meio de uma cirurgia simples (amigdalectomia).

Hoje, sabendo da função imunológica das nossas tonsilas palatinas, a sua retirada só é recomendada em casos mais graves, quando elas são muito grandes (hiperplasia) e atrapalham a respiração e alimentação, halitose crônica ou infecções bacterianas agudas e muito frequentes.