Perguntar
Fechar

Psiquiatria

Quais os efeitos dos anabolizantes no corpo humano?

O uso indevido dos anabolizantes pode acarretar inúmeros efeitos, como:

  • redução da produção de esperma;
  • impotência;
  • dificuldade ou dor para urinar;
  • calvície (queda dos cabelos);
  • crescimento irreversível das mamas em homens (ginecomastia);
  • aparecimento de sinais masculinos em mulheres, como engrossamento da voz, crescimento excessivo de pelos no corpo e na face (barba), perda de cabelo, diminuição dos seios;
  • finalizar, prematuramente, o crescimento, levando à baixa estatura;
  • aparecimento de tumores (câncer) no fígado;
  • alteração da coagulação do sangue;
  • alteração no colesterol;
  • pressão alta;
  • infarto do miocárdio (cardíaco);
  • acne (espinhas);
  • oleosidade do cabelo;
  • aumento da agressividade e irritabilidade;
  • infecção pelo HIV, hepatite B e C, se for feito uso do anabolizante injetável, sem técnica estéril.

Na tentativa totalmente errônea de prevenir o aparecimento de efeitos indesejáveis, alguns usuários tomam medicamentos anti-hipertensivos e também medicamentos anti-câncer.

Usuários de anabolizantes podem ficar dependentes dessas drogas, o que pode ser observado em pessoas que continuam tomando anabolizantes mesmo após terem tido consequências causadas pelos mesmos, como problemas físicos, nervosismo, irritabilidade, efeitos negativos nos seus relacionamentos sociais e pessoais. 

Além disso, essas pessoas gastam grandes quantias de dinheiro e tempo para conseguir a droga e, quando deixam de usá-la, apresentam diversos sintomas desagradáveis.

Para quem já vem consumindo altas doses de anabolizantes há muito tempo e apresentam sintomas de dependência, nem sempre é fácil deixar de usar. Quando interrompem o uso, podem sentir fadiga, falta de apetite, insônia, diminuição da libido e ainda muita vontade de continuar usando anabolizantes.

O sintoma mais perigoso que pode surgir ao deixar de usar anabolizantes é a depressão, que pode levar à tentativa de suicídio, em casos extremos. Nesses casos é necessária a ajuda de um profissional para parar de usar anabolizantes, idealmente um médico psiquiatra.

Se você faz uso destas substâncias, deve procurar um médico psiquiatra ou endocrinologista para interromper o uso.

A esquizofrenia tem cura?

A esquizofrenia não tem cura mas tem tratamento, que deve ser feito com base na integração da psicoterapia com o uso de medicamentos e de apoio social. Os antipsicóticos de segunda geração são os medicamentos mais usados no tratamento da esquizofrenia, porque causam menos efeitos colaterais ao paciente, facilitando a sua adesão ao tratamento. O uso de medicações e psicoterapia podem proporcionar uma vida produtiva para a pessoa com esquizofrenia.

A esquizofrenia é um distúrbio psicótico que surge, geralmente, no decorrer da adolescência até os 30 anos de idade, aproximadamente. Sua causa é possivelmente genética, desencadeada por estímulos que podem ser psicológicos, ambientais ou biológicos.

Leia também: Diferenças entre Esquizofrenia e Transtorno Bipolar; Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão

A manutenção do tratamento com os medicamentos é muito importante para evitar as recaídas e eventuais surtos. A psicoterapia pode auxiliar tanto a pessoa com esquizofrenia como os seus familiares a enfrentarem o problema e a desenvolverem estratégias para integrá-la socialmente em atividades educacionais ou profissionais facilitando e contribuindo para a sua melhora.

O psiquiatra, o psicólogo e outros profissionais da saúde podem ajudar no tratamento da pessoa com esquizofrenia.

Quais os sintomas dos transtornos de ansiedade?

De acordo com o Projeto Diretrizes, redigido pela Associação Brasileira de Psiquiatria, existem quatro tipos principais de transtornos de ansiedade: transtorno do pânico, transtorno de ansiedade social (a fobia social), transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e o transtorno de ansiedade generalizada. É preciso diferenciar entre cada um destes, para facilitar no diagnóstico. Os sintomas principais de cada transtorno são:

1) Transtorno do pânico:

Os sintomas comumente ocorrem em locais abertos (agorafobia), especialmente quando o paciente está sozinho.

  • sensação de sufocação, geralmente acompanhada de sensação de morte iminente;
  • taquicardia;
  • tontura;
  • sudorese;
  • tremores;
  • sensação de perda do controle ou de "estar enlouquecendo";
  • distúrbios gastrointestinais.

2) Transtorno de Ansiedade Social (fobia social):

Quando a pessoa está em contato com os outros, especialmente pessoas que não conhece, o paciente sofre de sintomas como tremores, sudorese, vermelhidão no rosto, dificuldade de concentração (não consegue lembrar de algumas coisas), palpitações, tontura e sensação de desmaio.

3) Transtorno obsessivo-compulsivo:

Muitas vezes, as compulsões estão relacionadas com rituais de limpeza, verificação (da luz ou trinco da porta) e contagem. Por vezes o paciente toma dezenas de banhos no mesmo dia, de acordo com um esquema pré-estabelecido. Lava as mãos toda vez que encosta em certo tipo de objeto. Os pacientes acreditam que fazer estes rituais impedem o acontecimento de algo trágico, como a morte de um familiar, por exemplo.

4) Transtorno de ansiedade generalizada:

O sintoma principal é a expectativa ou apreensão exagerada ou mórbida. A pessoa passa a maior parte do tempo excessivamente preocupada com alguma coisa. Também experimenta sintomas de inquietude, cansaço, dificuldade de concentração, irritabilidade, tensão muscular, insônia e sudorese.

Em caso de suspeita de transtorno de ansiedade, um médico (preferencialmente um psiquiatra) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese e eventuais exames complementares, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-lo(a) e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Também pode lhe interessar: O que é estresse pós-traumático e quais são os sintomas?

Como saber se tenho depressão? Quais os Sintomas?

O diagnóstico de depressão nervosa, também conhecida como transtorno depressivo maior ou perturbação depressiva major, é feito a partir de alguns critérios.

É diferente do "humor triste" ou da reação de luto, que todo ser humano vivencia regularmente, e são situações normais e fundamentais para a vida.

Na depressão doença, os sintomas têm uma duração prolongada (no mínimo duas semanas), e são de intensidade tal que prejudicam a pessoa nas suas tarefas do dia-a-dia.

O diagnóstico é feito pela presença de pelo menos cinco dos seguinte sintomas: desânimo ou irritabilidade na maior parte do dia, falta de prazer nas atividades diárias, perda de apetite com diminuição do peso, insônia ou sono excessivo, agitação ou preguiça excessiva, fadiga constante, sentimento constante de culpa, dificuldade de concentração, ideias frequentes de suicídio, preocupação excessiva com os pequenos problemas do dia-a-dia, dificuldade no exercício das atividades básicas diárias tais como tomar banho, ver televisão ou ler, desejo de autoagressão ou automutilação.

Leia também: Diferenças entre Esquizofrenia e Depressão

Nesse caso, pode ser necessário um tratamento psicoterápico e/ou medicamentoso. O diagnóstico exato e o acompanhamento devem ser realizados por um médico psiquiatra.

Também pode lhe interessar o artigo: As 4 Formas para Combater a Depressão

Antidepressivo pode causar impotência ou infertilidade?

Sim, antidepressivo pode causar impotência e infertilidade. Praticamente todos os antidepressivos podem provocar disfunções sexuais, interferindo no desejo, ereção, orgasmo e ejaculação, além de poderem influenciar a fertilidade.

Em relação à impotência (incapacidade de ter ou manter uma ereção durante uma o ato sexual), os antidepressivos normalmente causam efeitos colaterais que podem prejudicar a atividade sexual em todos os níveis, tais como:

  • Diminuição do desejo;
  • Diminuição da excitação;
  • Disfunção erétil;
  • Problemas de orgasmo e ejaculação, como orgasmo em tempo atrasado e ausência de ejaculação.

Outros efeitos colaterais menos comuns, incluem:

  • Anestesia peniana;
  • Dor durante o orgasmo;
  • Orgasmo associado com bocejos;
  • Priapismo (ereção dolorosa e prolongada que ocorre independentemente de desejo sexual);
  • Orgasmo espontâneo.

Quanto à infertilidade (incapacidade de gerar filhos), os antidepressivos podem afetar a fertilidade das seguintes formas:

  • Diminuição do volume da ejaculação;
  • Produção reduzida de espermatozoides;
  • Baixa qualidade dos espermatozoides.  
Todos os antidepressivos podem causar impotência?

Praticamente todos esses medicamentos influenciam a sexualidade de alguma forma. No entanto, os antidepressivos serotoninérgicos (que aumentam o hormônio serotonina) estão entre os principais responsáveis pela disfunção sexual no homem, uma vez que a serotonina inibe a libido, a ejaculação e o orgasmo.

Os antidepressivos que mais provocam disfunção erétil (impotência) são:

  • Fluoxetina;
  • Sertralina;
  • Paroxetina;
  • Citalopram;
  • Venlafaxina

Já os antidepressivos que menos interferem na atividade sexual são:

  • Nefazodona;
  • Bupropiona;
  • Trazodona.

Dentre estes, a trazodona pode causar ereções prolongadas, enquanto que a bupropiona pode inclusive melhorar o desejo sexual e facilitar o orgasmo.

Outros antidepressivos e seus respectivos efeitos na sexualidade:

  • Imipramina e Amitriptilina (antidepressivos tricíclicos): Diminuem o desejo sexual e provocam problemas na ereção e ejaculação;
  • Clomipramina: Diminui a sensibilidade genital, retardando a ejaculação.

Cerca de 60% dos homens que tomam antidepressivos apresentam algum tipo de disfunção sexual, sendo essa uma das principais causas de abandono do tratamento à longo prazo.

Para maiores esclarecimentos, converse com o seu médico psiquiatra.

Também pode lhe interessar: Quais são as causas da impotência sexual?

Tenho tremores na cabeça. O que pode ser e o que fazer?

Se os tremores na cabeça são desencadeados por sustos, nervosismo, ansiedade ou estresse, é provável que tenham uma origem psicológica.

Tremores e espasmos musculares podem ter muitas causas. A origem pode estar no nervo, no músculo ou ainda ter fundo emocional, como estresse, ansiedade, nervosismo.

Há ainda doenças neurológicas que provocam tremores, que podem piorar em períodos de maior estresse.

No seu caso especificamente, o mais indicado é procurar um médico psiquiatra, uma vez que o problema parece estar relacionado com fatores psicológicos e emocionais.

Leia também:

O que são espasmos musculares e quais as causas?

Tenho tremores ou espasmos no pescoço do lado esquerdo. Que médico devo procurar?

Coração acelerado, tremores no corpo e formigamento nas mãos e braços, o que pode ser?

Tenho síndrome de pânico e ansiedade, tomo remédio...

Na verdade com relação aos seus medicamentos precisa tomar um pouco de cuidado com essas alterações feitas por conta própria, seu quadro ainda está muito sensível as alterações do medicamento (sinal de que você não está totalmente bem). O ideal é aguardar sua médica voltar e não fazer essas mudanças por conta própria. Claro que a decisão é sua, mas evite a auto-medicação, principalmente frente um quadro de Síndrome do Pânico.

A acupuntura pode realmente te ajudar, mas vou te dar uma dica melhor: homeopatia, já tive alguns pacientes com síndrome do pânico que fizeram tratamento concomitante com remédios homeopáticos com ótimos resultados.

Antidepressivo pode atrasar a menstruação?

Antidepressivo pode atrasar a menstruação. Alguns medicamentos psiquiátricos e neurológicos podem tem como efeito colateral a desregulação do ciclo menstrual.

As alterações no ciclo menstrual incluem aumento ou redução no sangramento, amenorreia (ausência de menstruação), irregularidades no ciclo com sangramentos pontuais e menstruação fora do período.

Os efeitos colaterais do antidepressivo ou outra medicação devem ser comunicados ao/à médico/a que avaliará a continuidade ou alteração do tratamento.