Perguntar
Fechar
Ardência ao urinar no homem, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As principais causas de ardência ao urinar no homem são as infecções urinárias que afetam o canal da urina (uretrite), irritações da uretra, ISTs (infecções sexualmente transmissíveis), infecções da próstata e ainda a epididimite, uma inflamação junto aos testículos.

Além da queimação ou da ardência, é importante estar atento a outros sinais e sintomas que podem estar presentes, como corrimento ou secreção, febre, calafrios, alterações urinárias, entre outras manifestações que podem indicar a presença de infecções e doenças mais graves, como prostatites e doenças sexualmente transmissíveis, por exemplo. 

Gonorreia

Se a ardência vier acompanhada de dor ao urinar e secreção, pode ser um sinal de gonorreia, uma doença sexualmente transmissível causada por bactérias. Sem tratamento e prevenção (uso de preservativo), a gonorreia pode ser transmitida para outras pessoas.

A doença tem cura e é tratada com antibióticos específicos. Lembrando que o tratamento também deve se estender à parceira ou parceiro, caso esses também estejam infectados.

Veja também: Quais os sintomas da gonorreia?

Infecção urinária (uretrite)

A uretrite é um tipo de infecção urinária que afeta homens e mulheres. Trata-se de uma inflamação da uretra (canal da urina) causada na maioria das vezes por bactérias. Os principais sinais e sintomas são a ardência ao urinar e a presença de corrimento amarelado. O tratamento é feito com antibióticos.

Leia também: Quais são os sintomas e causas de uma infecção urinária?

Prostatite

A prostatite é uma inflamação ou infecção da próstata, um órgão que produz líquidos que compõem o sêmen. A doença pode ser aguda ou crônica e os sinais e sintomas podem incluir dor ou ardência ao urinar, febre, calafrios, urina escura, dor nos músculos e no órgão genital, além de alterações urinárias.

Saiba mais em: O que é prostatite e quais os sintomas?

Epididimite

A epididimite é uma inflamação no epidídimo, um órgão que liga os testículos ao canal que transporta o esperma. Pode afetar homens de qualquer idade e é causada na maioria das vezes por bactérias, muitas vezes transmitidas pela via sexual.

A epididimite pode provocar ardência ou dor ao urinar, dor e inchaço na região escrotal, dor durante a ejaculação, aparecimento de caroço no testículo, ínguas na virilha e presença de sangue no esperma.

Leia também: Epididimite: Quais os sintomas e como é o tratamento?

Irritações na uretra

O contato da uretra com alguns produtos químicos, como amaciantes de roupa, perfumes, sabonetes ou ainda medicamentos, podem causar irritação no local e, consequentemente, ardência ao urinar.

Em caso de ardência ou dor ao urinar, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou urologista para uma avaliação.

Leia também: 

Ardência no órgão genital depois da relação é normal? O que pode ser?

Dor ao urinar, o que pode ser?

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

Dificuldade para urinar: o que pode ser e o que fazer?

É normal sentir constantemente vontade de urinar?

Nitrito na urina: O que isso significa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Nitrito na urina pode ser sinal da presença de bactérias, o que pode sugerir uma infecção urinária. Contudo, é importante a avaliação dos sintomas para confirmação diagnóstica.

A urina é rica num metabólico chamado nitrato. A associação entre nitrito e infecção urinária deve-se ao fato das bactérias converterem o nitrato em nitrito.

Pessoas saudáveis e que não apresentam sintomas de doenças normalmente não apresentam bactérias na urina. Se estiverem presentes, deve ser em pequenas quantidades, já que existe uma flora abundante na região.

Se o exame detectar bactérias, leucócitos e nitrito na urina, é bem provável que estaremos diante de um quadro de infecção.

Nitrito positivo ou negativo na urina, o que significa?

No exame de urina pode ser pesquisada a presença ou ausência de nitrito na urina, um indicador de infecção urinária. Essa informação vem descrita, como:

  • Nitrito positivo (ou nitrito +): foi encontrado nitrito na urina, portanto é possível que haja bactérias na urina, indicando uma infecção urinária.
  • Nitrito negativo (ou nitrito -): não foi encontrado nitrito na urina, o que desfavorecer a presença de bactérias na urina ou infecção urinária.
Leucócitos na urina

Os leucócitos são glóbulos brancos, ou seja, são as células de defesa do organismo. A presença de leucócitos na urina normalmente indica alguma inflamação nas vias urinárias, geralmente infecção urinária, mas também podem estar presentes em diversas situações, como traumas, utilização de substâncias irritantes, entre outras causas.

Cabe ao médico que solicitou o exame de urina interpretá-lo, uma vez que os resultados devem ser analisados em conjunto com a história clínica, os sintomas e o exame físico do paciente.

Também pode lhe interessar:

O que pode ser e como tratar nitrito positivo na urina?

Corpos cetônicos positivo no exame de urina: O isso significa?

Hemoglobina na urina é grave? O que pode ser?

O que são piócitos na urina?

Muco na urina, o que pode ser?

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Urologia. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Ejaculo pouco esperma, pode dificultar ter filhos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Ejacular pouco esperma ou sêmen, somente, não significa dificuldade para ter filhos. Além disso, é necessário saber se o volume de esperma ejaculado está realmente abaixo do normal, o que pode variar entre 1,5 ml e 5 ml por ejaculação.

Para saber se há algo errado com o esperma é necessário a realização de um espermograma, exame que analisa o número de espermatozoides por mililitro (ml), a proporção de espermatozoides defeituosos e imaturos, e a motilidade deles.

Alterações dos espermatozoides que podem ser encontradas no esperma:

  • oligospermia (baixa quantidade de espermatozoides);
  • astenospermia (baixa motilidade de espermatozoides);
  • teratospermia (pequeno número de espermatozoides com forma normal);
  • azoospermia (ausência de espermatozoides no esperma).

As causas de ejacular pouco sêmen ou de ter baixa qualidade do esperma podem estar ligadas a situações como:

  • Sedentarismo,
  • Desidratação,
  • Uso abusivo de álcool ou outras drogas;
  • Tabagismo,
  • Infecções sexualmente transmissíveis,
  • Uso de medicamentos,
  • Alterações genéticas,
  • Excesso de aquecimento na região dos testículos e
  • Alterações anatômicas.
O que posso fazer para aumentar a quantidade de esperma?

Você pode adotar alguns cuidados na sua rotina diária para aumentar a quantidade de esperma. Estes cuidados são simples e incluem alimentação rica em vitamina A, C, E, zinco e ômega 3 (brócolis, espinafre, cenoura, limão, sardinha, salmão, atum), praticar atividade física regularmente, evitar bebidas alcoólicas em excesso, evitar o tabagismo, procurar diminuir ou evitar as situações de estresse e dormir bem.

A dificuldade para ter filhos pode estar relacionada a outros fatores, além do esperma, que devem ser esclarecidos com a consulta a um urologista ou a um especialista em reprodução humana. É importante que o casal seja avaliado e acompanhado.

Para saber mais sobre esperma ou sêmen, você pode ler:

Como aumentar a contagem de esperma?

Tem como saber se meu marido é estéril no esperma a olho nu?

O homem pode ter o esperma fraco?

Quais remédios e o que posso fazer para aumentar a quantidade de sêmen?

7 causas de esperma grosso e como resolver

Referências

Bradley D Anawalt, et cols. Approach to the male with infertility. UpToDate: May 13, 2019.

Sociedade Brasileira de Urologia – SBU.

Antibiótico muda a cor e o cheiro da urina e das fezes?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Alguns antibióticos podem mudar a cor e o cheiro da urina, mas dificilmente irão alterar a aparência ou o cheiro das fezes.

Entre os remédios antibióticos que podem alterar a coloração da urina, e deixá-la com uma cor avermelhada ou rosa, destaca-se a rifampicina.

Já os medicamentos antibióticos da família da penicilina (amoxicilina, ampicilina, dicloxacilina, penicilina benzatina, entre outros) podem deixar a urina com cheiro forte e desagradável.

Em relação às fezes, o efeito colateral mais comum dos antibióticos é a diarreia. Vários antibióticos podem provocar essa reação, porque acabam destruindo também as bactérias benéficas que formam a flora intestinal.

Leia também: Quais podem ser os efeitos colaterais dos antibióticos?

Se você estiver tomando antibiótico e notar qualquer mudança no seu organismo, fale imediatamente com o médico que receitou o medicamento ou procure um médico de família ou clínico geral.

Também pode lhe interessar:

Fezes escuras, fezes claras, esverdeadas ou fezes com sangue, o que pode ser?

Urina escura: o que pode ser?

Pênis com cortes inexplicáveis, dói muito, o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Uma inflamação na pele decorrente de alguma infecção ou alergia, pela sua descrição parece um eczema, dermatite ou uma infecção por fungo. Sem ver a lesão é difícil fazer o diagnóstico, você precisa consultar um médico.

Bolinha em bolsa escrotal o que fazer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se você percebeu uma bolinha ou caroço no testículo, é importante buscar um médico de família ou urologista. Somente este profissionais podem definir a causa do nódulo para que sejam efetuados o diagnóstico e o tratamento adequados.

O nódulo no saco escrotal é comum em homens de qualquer idade, desde as crianças até os idosos, e pode significar cistos, hidrocele (acúmulo de líquido), inflamações ou tumor no testículo.

Encontrei uma bolinha na bolsa escrotal, o que devo fazer?

É importante que você saiba que o nódulo no testículo não deveria existir. Por este motivo, você deve procurar um urologista ou médico de família para uma avaliação detalhada. Fique atento se você sentir:

  • Dor intensa e repentina
  • Febre e calafrios
  • Náuseas e vômitos
  • Inchaço do testículo
  • Sensação de peso na bolsa escrotal
Causas mais comuns de nódulo na bolsa escrotal 1. Varicocele

A varicocele costuma ser a causa mais comum de bolinhas ou caroços na bolsa escrotal. É uma má formação da bolsa escrotal provocada pelo aumento das veias dos testículos, o que leva ao acúmulo de sangue e à sensação de nódulo.

Estas dilatações causam alterações estéticas, dor e sensação de peso no testículo e bolsa escrotal.

Geralmente a varicocele é tratada somente com uso de analgésicos. Entretanto, é necessário a consulta a um urologista para ele avalie o risco de infertilidade. Se esta possibilidade existir é necessário cirurgia para correção do problema.

2. Cisto

O cisto é um pequeno saco cheio de líquido que é sentido, inicialmente, como um caroço endurecido do tamanho de uma ervilha que não provoca dor.

Quando não tratado, este cisto pode crescer com o passar do tempo. Nestes casos, ele pode grudar-se na parede do testículo e causar dor e desconforto.

Geralmente estes cistos não apresentam riscos à saúde do homem, mas necessitam de tratamento feito com analgésicos ou antibióticos quando surgem os sintomas. O tratamento dura em torno de duas semanas e se o cisto não desaparecer pode ser preciso retirá-lo com cirurgia.

3. Hidrocele

A hidrocele se caracteriza pela presença de uma pequena bolsa de líquido próximo ao testículo que pode provocar a formação de uma bolinha no saco escrotal. Normalmente a hidrocele é indolor e pode afetar um dos lados (unilateral) ou o lado direito e o esquerdo (bilateral).

O tamanho pode variar e quanto maior for a hidrocele, maior a chance de causar dor e desconforto na bolsa escrotal.

Geralmente a hidrocele regride sozinha, sem tratamento. No entanto, se você sentir dor poderá ser necessária uma pequena cirurgia para retirar a hidrocele.

4. Epididimite

A epididimite consiste na inflamação do epidídimo, um pequeno ducto localizado na região posterior do testículo no qual ocorre a maturação e o armazenamento dos espermatozoides.

O sintoma mais comum é a presença de um nódulo dolorido no testículo acompanhado de inchaço, sensação de calor na região da bolsa escrotal, calafrios e febre.

A inflamação do epidídimo ocorre principalmente por infecção bacteriana devido a prática de sexo sem proteção. O tratamento consiste no uso de antibióticos prescritos após avaliação do urologista.

5. Torção do testículo

A torção testicular é a torção de um dos testículos sobre o seu cordão espermático. Esta torção interrompe a circulação sanguínea para o testículo e pode provocar a sua perda caso não seja corrigida entre 6 e 12 horas após a interrupção.

É caracterizada por uma dor intensa que se inicia de forma repentina. Além da dor, ocorre a presença de um caroço e inchaço do testículo e bolsa escrotal. O paciente pode ainda sentir necessidade frequente de urinar, náusea, vômitos e febre.

Por ser uma emergência médica, o paciente deve procurar um hospital imediatamente. O tratamento consiste em um procedimento cirúrgico que deve ser feito nas primeiras 12 horas para não ocorrer a perda do testículo.

6. Hérnia Inguinal

Embora não seja um problema relacionado diretamente à bolsa escrotal, a hérnia inguinal pode sair para dentro do saco escrotal, o que causa a sensação de caroço na bolsa. Geralmente, este caroço não provoca dor. Entretanto, se a hérnia aumentar de tamanho pode provocar desconforto.

O tratamento da hérnia inguinal é cirúrgico e consiste em recolocar a porção do intestino que provocou a hérnia de volta na cavidade abdominal.

7. Câncer de testículo

O câncer de testículo é uma condição rara. Entretanto, a bolinha ou o caroço no testículo é o seu sintoma mais comum. Geralmente, este nódulo não provoca dor nenhuma e tem crescimento lento e sem um motivo aparente.

É importante buscar um urologista o mais rapidamente possível, pois o tratamento precoce aumenta a chance de cura.

A perceber um nódulo na bolsa escrotal, busque o mais rapidamente possível um urologista ou médico de família. Não inicie qualquer tratamento ou use qualquer medicamento sem orientação médica.

Referência:

Sociedade Brasileira de Urologia

Quais são os sintomas de uma cólica renal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A cólica renal caracteriza-se como uma dor intensa na região lombar que começa subitamente e pode irradiar para a lateral do abdômen, virilha e região genital. Sua principal causa é a presença de pedra nos rins (cálculo renal). Os sintomas normalmente têm início quando a pedra sai do rim e obstrui o canal que leva a urina do rim à bexiga (ureter), causando uma dilatação do rim que provoca dores intensas.

A cólica renal geralmente manifesta-se apenas em um lado do corpo, não piora com os movimentos, nem melhora com o repouso. Também pode haver sangue na urina devido à lesão causada pela passagem do cálculo renal pelo canal da urina.

A cólica renal pode ser uma das piores dores na escala de intensidade da dor. A dor é tão forte que pode causar náuseas e vômitos.

Outros sintomas que podem estar presentes em caso de pedra nos rins incluem febre e calafrios.

O que é cálculo renal?

O cálculo renal é uma massa sólida composta por pequenos cristais. Podem estar presentes uma ou mais pedras no rim ou no ureter (canal que a urina percorre do rim à bexiga).

Quais as causas do cálculo renal?

Existem diferentes tipos de cálculo renal. A causa do problema depende do tipo de cálculo. As pedras podem se formar quando a urina tem um alto teor de certas substâncias que formam cristais. Esses cristais podem se tornar pedras ao longo de semanas ou meses.

O principal fator de risco para desenvolver pedra no rim é não beber bastante líquido. Os cálculos têm mais chances de se formar se a pessoa produzir menos de 1 litro de urina por dia.

Sabe-se ainda que as doenças do intestino delgado aumentam o risco de formação de pedra nos rins. Outras substâncias, como certos medicamentos, também podem formar pedras.

Os cálculos renais de cálcio são os mais comuns. Ocorrem mais frequentemente em homens entre 20 e 30 anos de idade. O cálcio pode ser combinado com outras substâncias para formar a pedra, como oxalato, fosfato ou carbonato. Porém, o oxalato é o mais comum deles e está presente em certos alimentos, como espinafre, e também é encontrado em suplementos de vitamina C.

Outros tipos de cálculo renal incluem:

  • Pedras de cistina: podem se formar em pessoas com cistinúria, um distúrbio hereditário que afeta homens e mulheres;
  • Pedras de estruvita: são encontradas principalmente em mulheres com infecção do trato urinário. Essas pedras podem crescer muito e bloquear os rins, ureteres ou bexiga;
  • Pedras de ácido úrico: são mais comuns em homens do que em mulheres. Eles podem ocorrer devido à gota ou quimioterapia.
Qual é o tratamento para cálculo renal?

O tratamento para cálculo renal depende do tipo de pedra e da gravidade dos sintomas. Cálculos pequenos quase sempre passam pelo trato urinário e são eliminados com a urina.

Medicamentos

Para aliviar dor intensa da cólica renal, são usados medicamentos analgésicos. Há casos de cólica renal que necessitam de hospitalização, para administrar soro através da veia.

Para alguns tipos de cálculo renal, podem ser prescritos medicamentos para impedir a formação das pedras ou ajudar a quebrar e eliminar a substância responsável pela formação dos cálculos. Esses medicamentos podem incluir:

  • Alopurinol, para cálculos de ácido úrico;
  • Antibióticos, para pedras de estruvita;
  • Diuréticos;
  • Soluções de fosfato;
  • Bicarbonato de sódio ou citrato de sódio;
  • Tansulosina para relaxar o ureter e facilitar a passagem da pedra.
Cirurgia

A cirurgia para tirar pedras dos rins pode ser necessária se:

  • O cálculo for muito grande para ser eliminado;
  • O cálculo estiver crescendo;
  • A pedra estiver bloqueando o fluxo de urina, causando infecção ou danos aos rins;
  • A dor for incontrolável.

A litotripsia é usada para remover pedras com menos de 1,25 cm. Esse método usa ondas de ultrassom ou ondas de choque para quebrar as pedras em pequenos fragmentos que são eliminados pela urina. É também chamada litotripsia extracorpórea por onda de choque.

Para retirar pedras grandes, é feito um pequeno corte na pele das costas e o cálculo é extraído com uma sonda (endoscópio). A uretroscopia pode ser usada para cálculos no trato urinário inferior.

A cirurgia aberta do rim (nefrolitotomia) pode ser necessária se os outros métodos não funcionarem ou não forem possíveis de serem realizados. Porém, esses casos são raros.

É comum os cálculos renais voltarem a aparecer. Isso ocorre com mais frequência se a causa não for identificada e tratada.

Em caso de cólica renal, deve-se procurar atendimento médico com urgência para receber os medicamentos que irão aliviar a dor e o melhor tratamento para eliminar o cálculo renal, caso seja indicado.

Esse atendimento emergencial pode ser feito pelo/a médico/a clínico/a geral, porém, o seguimento para retirada do cálculo poderá ser feita com o/a médico/a urologista ou nefrologista, dependendo da localização da pedra e de outras comorbidades presentes.

FSH alto ou baixo, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Há algumas condições que podem levar à alteração nos níveis de FSH. As doenças que cursam com diminuição nos níveis de FSH podem ser:

  • Congênitas: causadas por deficiência na produção do FSH pela hipófise, como Hipogonadismo hipogonadotrófico idiopático Isolado, hipogonadismo hipogonadotrófico idiopático associado a retardamento mental, síndrome de Kallman, craniofaringioma, deficiência hipofisária combinada e síndrome do Eunuco Fértil;
  • Adquiridas: quando algum tumor ou condição impede a produção adequada de FSH pela hipófise, como adenomas, cistos e neoplasias metastáticas hipofisários, cirurgias e/ou radioterapia hipotalâmicas / hipofisárias, lesões infiltrativas (hemocromatose, sarcoidose, histiocitose, linfoma), hipofisite linfocítica, meningite, apoplexia pituitária, trauma crânio-encefálico, síndrome de Cushing, hiperprolactinemia, hipotireoidismo primário, pacientes severamente doentes, exercícios extenuantes, tumores secretores de esteróides sexuais, hipogonadismo secundário intencional (iatrogênico),iInfarto hipofisário (p.ex.: Síndrome de Sheehan), doenças sistêmicas crônicas, anorexia nervosa, hiperplasia adrenal congênita e etilismo agudo.

As causas de aumento dos níveis de FSH podem ser:

  • Congênitas: quando as gônadas são disfuncionais e não conseguem produzir os hormônios sexuais ou quando o organismo não consegue absorvê-los, como síndrome de Klinefelter, síndrome de Sertoli, síndrome de Turner, mutação do gene receptor de FSH, criptorquismo, distúrbios da síntese de andrógenos, resistência androgênica e distrofia miotônica;
  • Adquiridas: condições que interferem na produção de hormônios sexuais pela gônadas, como infecções, radioterapia, antineoplásicos, glicocorticóides, cetoconazol, traumas, torção testicular, doenças sistêmicas crônicas, insuficiência ovariana, adenomas gonadotróficos, menopausa.

Nas mulheres, a secreção alterada do FSH levará a alterações no ciclo menstrual e, se presente desde o nascimento, levará a atraso puberal. Nos homens, haverá dificuldade para produzir gametas (alteração na fertilidade) e, se presente desde o nascimento, levará a alterações na aquisição dos caracteres secundários masculinos.

Na presença de alterações do FSH, deverá ser procurado um médico ginecologista, endocrinologista ou urologista.