Perguntar
Fechar

Estética, Beleza e Saúde

Beber muita água faz mal?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sim, beber muita água pode fazer mal à saúde. O excesso de água pode promover uma diluição dos eletrólitos no sangue, principalmente sódio e potássio, com consequente redução das suas concentrações sanguíneas.

A diminuição da concentração desses sais no sangue causa distúrbios como a hiponatremia (falta de sódio) e hipopotassemia (falta de potássio). Essas alterações podem causar náuseas, vômitos, câimbras, dor de cabeça, fadiga, confusão mental e, em casos mais graves, convulsões, edema agudo do pulmão e morte.

Hiponatremia

A hiponatremia surge quando os rins, que regulam o volume de água e a quantidade de sais no corpo, não conseguem filtrar adequadamente o sangue pelo excesso de água. Um rim saudável pode filtrar até 1 litro de água por hora. Quando os volumes são superiores a 3 ou 4 litros por hora, o risco de hiponatremia é maior. 

Como consequência, o sangue fica literalmente “encharcado” e a água, que é atraída para onde há mais sais, acaba por entrar nas células. Nos casos mais graves de hiponatremia, pode mesmo haver uma intoxicação por água.

Algumas pessoas sofrem de uma doença psiquiátrica chamada potomania, que caracteriza-se pela mania de beber água. Esses indivíduos podem tomar mais de 20 litros de água por dia e necessitam de tratamento para conseguir parar com o "vício".

Pessoas que praticam maratonas também podem desenvolver hiponatremia devido à elevada perda de sais durante a prova. Se a hidratação for feita apenas com água, os níveis de sódio no sangue podem ficar muito baixos.

Além de beber água em excesso, a hiponatremia também pode ocorrer pelo uso de medicamentos e alterações do hormônio antidiurético, que regula o consumo de água.

Quantos litros de água devo beber por dia?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, um homem de 70 kg deve beber 2,5 litros de água por dia. Para uma mulher de 58 kg, a dose diária de água indicada é de 2,2 litros.

Porém, em princípio, para indivíduos jovens e saudáveis, o mecanismo da sede, guiado pelo sistema nervoso central, é suficiente para indicar a quantidade necessária de água a ser ingerida de modo a repor as perdas e manter uma hidratação adequada. 

No entanto, durante a prática de exercícios físicos e outras situações do cotidiano, o volume necessário de líquidos a ser ingerido continua sendo alvo de discussões e estudos.

Nas situações relacionadas à atividade esportiva, o médico especialista em medicina do esporte é o profissional indicado para orientar a reposição de líquidos.

Quais são os benefícios da água?

A água exerce diversas funções no organismo, tais como: 

⇒ Transporta nutrientes e elimina toxinas e restos de processos metabólicos; ⇒ Transporta hormônios, enzimas e células do sangue; ⇒ Atua como solvente, ajudando a dissolver substâncias e promover reações químicas; ⇒ Lubrifica as articulações; ⇒ Atua na regulação da temperatura corporal; ⇒ É essencial para a digestão, a absorção e a assimilação de nutrientes, bem como para a os processos de excreção.

O clínico geral pode orientar sobre a necessidade de ingestão de água diária.

Pele oleosa pode ser sintoma de gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pele oleosa pode ser sintoma de gravidez.

As alterações na pele, que pode ficar mais oleosa ou mais ressecada, dependendo da mulher, são observadas durante a gravidez.

Além do aumento (ou diminuição) da oleosidade da pele, o início da gestação também é marcado pelas seguintes alterações:

  • Atraso menstrual;
  • Mamas doloridas e inchadas;
  • Escurecimento dos mamilos;
  • A mulher começa a urinar com mais frequência;
  • Enjoos e vômitos;
  • Pequeno sangramento (nem sempre), acompanhado por cólicas uterinas;
  • Cansaço;
  • Sonolência.

Leia também: Sintomas de Gravidez; Sintomas de gravidez só aparecem após o atraso menstrual?

A gravidez também deixa a pele mais luminosa e viçosa, devido ao aumento das células de gordura do corpo, que esticam a pele e melhoram o seu aspecto. Porém, se a mulher já tiver tendência para ter pele oleosa, ela poderá desenvolver espinhas.

Contudo, pele oleosa também pode ser sintoma de síndrome do ovário policístico, uma doença nos ovários que também provoca acne, aumento dos pelos do corpo e obesidade.

Veja mais sobre o assunto em Pele e cabelo oleosos: o que pode ser e o que fazer?

Para saber se está mesmo grávida, o melhor é esperar pela menstruação. Se ela atrasar, faça um teste de gravidez de farmácia. Se estiver grávida, consulte o/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família. Caso contrário, procure o/a médico/a dermatologista, clínico/a geral ou médico/a de família para fazer uma avaliação da pele oleosa.

Existe algum remédio para engordar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não existe remédio para fazer engordar. Existem medicamentos que auxiliam a aumentar o apetite e massa muscular.

Há medicamentos, como os antialérgicos, que aumentam o apetite e podem ajudar a ganhar peso, embora nem sempre de maneira saudável, deve-se ter muito cuidado com a alimentação para evitar doenças relacionadas ao aumento de gordura no corpo. Não existe remédio capaz de produzir gordura corporal sem que a pessoa coma mais.

A Buclina e Complexo B são indicados em alguns casos, como tratamento de doenças que causam náuseas, distúrbios alimentares, principalmente na infância, entre outros.

Saiba mais em: Posso tomar Buclina e complexo B para engordar?

Outros medicamentos como a cortisona e a insulina não estão indicadas para aumentar o peso, pois levam também à perda de massa muscular e ganho de gordura, além do risco de hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue), quando insulina estiver muito alta.

Os anabolizantes com hormônios masculinos, como a testosterona, aumentam a massa muscular e por isso fazem ganhar peso. No entanto, eles provocam vários efeitos colaterais e podem trazer graves prejuízos à saúde do homem e da mulher.

Se você acha que já come o suficiente e não consegue engordar, consulte um/a médico/a endocrinologista para garantir que não tem haja nenhum problema de saúde e, junto a um/a nutrólogo ou nutricionista, seja desenvolvida estratégias e um plano alimentar adequado para o seu tratamento.

Leia também:

Quais os remédios que engordam e emagrecem?

Dormir pouco emagrece ou engorda?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Dormir pouco pode favorecer o ganho de peso, devido ao impacto que o sono de má qualidade tem no apetite e no gasto energético, podendo levar ao ganho de peso.

Isso porque dormir pouco está associado a alterações nos hormônios que controlam a fome. Os níveis de leptina, que reduz o apetite, baixam, enquanto que os níveis de grelina, que estimula o apetite, aumentam. Isso já ocorre quando a pessoa dorme menos de 8 horas por noite.

Além disso, quem dorme muito pouco (cerca de 4 horas por noite) tem mais vontade de comer alimentos calóricos, ricos em carboidratos, como doces e massas, por exemplo.

Outro fator que contribui para que as pessoas que dormem pouco engordem, é que estas têm menos chances de serem ativas fisicamente, o que leva a um gasto energético mais reduzido.

Portanto, dormir pouco pode contribuir para o ganho de peso, aumentando o risco de obesidade e outros problemas decorrentes do ganho de peso.

Além disso a privação de sono de qualidade no decorrer do tempo pode levar a diversos problemas como cansaço, fadiga, diminuição da produtividade e problemas de memória.

Caso sinta que não dorme adequadamente seja procure um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial.

Também pode lhe interessar:

Dormir pouco faz mal a saúde? Quais as consequências?

Fazer piercing no tragus dói? Quais os riscos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, fazer piercing no tragus dói. Apesar do tragus ser formado por cartilagem, que não tem receptores nervosos para dor, a pele que o recobre tem muitos receptores, o que causa dor no momento da perfuração.

A exata mensuração da dor depende da sensibilidade individual de cada pessoa, mas em geral costuma ser suportável.

Riscos de colocar um piercing

Os riscos de colocar um piercing no tragus são basicamente os mesmos de colocá-lo em outros locais do corpo, sendo eles:

  • Infecção local, a curto prazo é mais comum;
  • Reações alérgicas, que podem surgir até anos após a colocação do piercing, quando o organismo entende que possui um corpo estranho e tenta expulsá-lo;
  • Contaminação de vírus como da hepatite, HIV ou micoses atípicas.

Para minimizar as chances de complicações e os riscos para a saúde, é importante tomar algumas precauções antes de colocar o piercing:

  • Verifique se o estabelecimento possui licença da Secretaria Municipal de Saúde e Vigilância Sanitária;
  • A pele onde o piercing será colocado deve estar sadia, sem doenças, queimaduras ou alergias;
  • Verifique as condições de higiene do estabelecimento e peça para ver como é feita a esterilização e a higienização dos materiais utilizados;
  • Usar sempre agulhas e lâminas descartáveis;
  • Depois de colocar o piercing, lave o local com água e sabão diariamente, duas e três vezes ao dia, até a completa cicatrização, que pode levar até 6 meses.

Veja também: Que cuidados devemos ter depois de colocar um piercing?

Apesar dos riscos, a orelha é um dos locais mais seguros para se colocar um piercing, pois é arejada e seca, embora isso não significa que mereça menos cuidados, pois uma infecção no local pode provocar a morte do tecido (necrose) e deformidades definitivas.

Importante também realizar uma avaliação médica previamente à colocação de piercing, pois o uso de algumas medicações, como anticoagulantes, dependendo da dose, contraindicam esse procedimento, assim como certas doenças. 

Convém informar ainda que de acordo com a lei estadual 9.828/97 de São Paulo, menores não podem fazer tatuagens nem mesmo com o consentimento dos pais, devido justamente ser uma situação de agressão e pele e um procedimento definitivo.

Caso aconteça alguma reação local não esperada como febre, mal-estar ou vermelhidão no local, procure um médico clínico geral, médico de família ou um dermatologista o quanto antes.

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para emagrecer, é necessário primeiro uma consulta médica para realização de exames básicos, que irão descartar doenças ou alterações hormonais, que possam ser a causa desse aumento de peso ou até mesmo da dificuldade em emagrecer. 

Após os resultados e descartando causas secundárias para sua dificuldade, deverá iniciar um plano alimentar indicado por um/uma nutrologista e nutricionista, que deverão prescrever uma dieta de acordo com as suas necessidades calóricas e nutricionais, além de associar a dieta com exercícios físicos orientados.

Outras dicas que pode começar a seguir desde então:

1. Fazer pequenos lanches entre as principais refeições, pois estimula o metabolismo a manter o apetite sob controle. Barras de cereais, iogurtes desnatados e frutas são boas opções de lanches.

2. Distribuir os alimentos ao longo do dia. Evite comer grandes quantidades de carboidratos de uma só vez, para que o excesso não seja armazenado sob a forma de gordura.

3. Investir em alimentos integrais, como massas, arroz, pães e cereais, pois prolongam a sensação de saciedade. Alimentos feitos com farinha branca saciam temporariamente, mas, após um curto período de tempo, a pessoa volta a sentir fome.

4. Não deixar de lado as proteínas, que além de serem essenciais para a manutenção da massa muscular, prolongam a sensação de saciedade. Frango, peixes, carnes, leite, ovos e leguminosas (grão-de-bico, feijão, lentilha) são boas fontes de proteína.

5. Iniciar atividade física, de preferência em grupo e que te traga prazer, para que ajude na assiduidade do exercício. (Lembrando de realizar avaliação médica prévia).

6. Cuidar do seu estado emocional. É fundamental manter o controle emocional, evitando ou procurando ajuda caso apresente ansiedade ou depressão. Pessoas com distúrbios alimentares e sobrepeso costumam apresentar também quadros de ansiedade ou oscilação de humor, que atrapalham na rotina alimentar. Para isso é importante buscar ajuda e tratamento. Os responsáveis para tratar e orientar quanto a esses sintomas são psicólogos e psiquiatras.

Existem grupos bem estruturados para auxiliar no emagrecimento, com propostas sérias e resolutivas, existem medicamentos, quando o aumento do peso passa a causar riscos aos pacientes, indicação de cirurgia, entre outros. Ou seja, existem muitas formas de auxiliar as pessoas a emagrecer, dependendo de cada caso.

O/A médico/a saberá como orientar o seu caso.

Agende uma consulta com médico/a da família, clínico/a geral ou Nutrologista para dar início ao seu plano de tratamento, de forma segura e saudável.

Também podem lhe interessar os artigos:

Remédios para emagrecer

7 Erros que Você não Pode Cometer se Quer Emagrecer

Usar cinta, body ou modelador emagrece?

Lactante pode fazer selagem?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A mulher amamentando até pode fazer selagem, mas o ideal é esperar o bebê já ter iniciado a alimentação, quando a quantidade de leite da mãe que o bebê ingere é menor e seu corpo já está mais protegido contra possíveis intoxicações, a selagem usa produtos químicos menos agressivos a saúde, mas ainda são produtos químicos. O ideal é que o pediatra do seu bebê aprove a realização do procedimento estético.

Como calcular o peso ideal?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O peso ideal para adultos pode ser calculado utilizando a fórmula do Índice de Massa Corporal (IMC), adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para isso, basta dividir o seu peso (em quilos) pelo quadrado da sua altura (em metro). IMC = Peso / Altura2.

Por exemplo:  Uma pessoa com 1,70 metro e que tenha 70 kg tem um IMC de 24. (70 / (1,7)2 = 24). Segundo a classificação do índice de massa corporal, essa pessoa está dentro do peso ideal ou na faixa de peso saudável.

Classificação do peso pelo índice de massa corporal IMC, de acordo com a OMS:

IMC                               Classificação
menor que 16 Magreza grave
16 a 17 Magreza moderada
17 a 18,5 Magreza leve
18,5 a 25 Saudável
25 a 30 Sobrepeso
30 a 35 Obesidade Grau I
35 a 40 Obesidade Grau II (severa)
maior de 40 Obesidade Grau III (mórbida)

Assim, devemos buscar estar sempre entre 18,5 a 25, portanto, evitando estar abaixo de 18,5 e, principalmente, acima de 30.

Porém, vale ressaltar que o IMC não representa a composição de gordura corporal e massa muscular, por isso o seu resultado pode não ser exato em algumas situações. Indivíduos mais musculosos podem ter resultados que indicam sobrepeso ou obesidade, quando na verdade têm mais massa muscular e não gordura. 

Do mesmo modo, há pessoas com pouca massa muscular que podem ter um IMC considerado saudável, quando na realidade podem ter uma percentagem de gordura corporal acima do recomendado. São os chamados popularmente de “falsos magros”.

O IMC também não pode ser aplicado em crianças, pois para isso é preciso de gráficos específicos. Também não é aplicável para idosos, sendo que para eles a classificação é diferente, e em algumas etnias não é tão precisa (exemplo dos japoneses, que já podem ser considerados acima do peso saudável com um IMC de 25).

Por isso, existe uma forma melhor para determinar se uma pessoa está no seu peso ideal: o cálculo da taxa de gordura corporal. Isso pode ser feito por cálculos, bioimpedância ou ainda pelas pregas cutâneas.

Como calcular o peso ideal em crianças e adolescentes?

O cálculo do peso ideal é feito de uma forma diferente no caso de crianças e jovens adultos, pois no começo da sua vida o índice de gordura no corpo é elevado e vão ficando mais magras à medida que envelhecem. 

Também há diferenças na constituição física dos meninos e meninas. Tendo em conta todas estas diferenças, os especialistas criaram IMC por idade, criado especialmente para crianças.

Os médicos e demais profissionais nutricionistas usam gráficos de crescimento para seguir o desenvolvimento de crianças e jovens adultos dos 2 aos 20 anos de idade. O IMC por idade utiliza a altura, peso e idade de uma criança para averiguar quanta gordura corporal ele ou ela tem, comparando com os resultados com os de outros elementos do mesmo gênero e idade.

Este IMC pode ser usado para determinar a probabilidade da criança estar acima do peso quando for mais velha. Cada gráfico contém um conjunto de curvas que indica o percentil da criança. 

Por exemplo, se um garoto de 15 anos de idade está no percentil 75, isso significa que 75% dos garotos da mesma idade têm um IMC mais baixo. Ele tem o peso normal e, embora seu IMC mude durante seu crescimento, ele pode se manter nas proximidades do mesmo percentil e permanecer com um peso normal. 

A faixa de IMC normal pode ficar mais alta para as meninas conforme elas vão amadurecendo, já que as adolescentes normalmente têm mais gordura corporal do que os adolescentes. Um garoto e uma garota da mesma idade podem ter o mesmo IMC, mas a garota pode estar no peso normal enquanto o garoto pode estar correndo risco de ficar acima do peso. 

É mais importante acompanhar o IMC das crianças ao longo do tempo do que olhar um número individual, pois elas podem passar por estirões de crescimento.