Estética, Beleza e Saúde

Dormir pouco emagrece ou engorda?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Dormir pouco pode favorecer o ganho de peso, devido ao impacto que o sono de má qualidade tem no apetite e no gasto energético, podendo levar ao ganho de peso.

Isso porque dormir pouco está associado a alterações nos hormônios que controlam a fome. Os níveis de leptina, que reduz o apetite, baixam, enquanto que os níveis de grelina, que estimula o apetite, aumentam. Isso já ocorre quando a pessoa dorme menos de 8 horas por noite.

Além disso, quem dorme muito pouco (cerca de 4 horas por noite) tem mais vontade de comer alimentos calóricos, ricos em carboidratos, como doces e massas, por exemplo.

Outro fator que contribui para que as pessoas que dormem pouco engordem, é que estas têm menos chances de serem ativas fisicamente, o que leva a um gasto energético mais reduzido.

Portanto, dormir pouco pode contribuir para o ganho de peso, aumentando o risco de obesidade e outros problemas decorrentes do ganho de peso.

Além disso a privação de sono de qualidade no decorrer do tempo pode levar a diversos problemas como cansaço, fadiga, diminuição da produtividade e problemas de memória.

Caso sinta que não dorme adequadamente seja procure um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial.

Também pode lhe interessar:

Dormir pouco faz mal a saúde? Quais as consequências?

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para emagrecer, é necessário primeiro uma consulta médica para realização de exames básicos, que irão descartar doenças ou alterações hormonais, que possam ser a causa desse aumento de peso ou até mesmo da dificuldade em emagrecer. 

Após os resultados e descartando causas secundárias para sua dificuldade, deverá iniciar um plano alimentar indicado por um/uma nutrologista e nutricionista, que deverão prescrever uma dieta de acordo com as suas necessidades calóricas e nutricionais, além de associar a dieta com exercícios físicos orientados.

Outras dicas que pode começar a seguir desde então:

1. Fazer pequenos lanches entre as principais refeições, pois estimula o metabolismo a manter o apetite sob controle. Barras de cereais, iogurtes desnatados e frutas são boas opções de lanches.

2. Distribuir os alimentos ao longo do dia. Evite comer grandes quantidades de carboidratos de uma só vez, para que o excesso não seja armazenado sob a forma de gordura.

3. Investir em alimentos integrais, como massas, arroz, pães e cereais, pois prolongam a sensação de saciedade. Alimentos feitos com farinha branca saciam temporariamente, mas, após um curto período de tempo, a pessoa volta a sentir fome.

4. Não deixar de lado as proteínas, que além de serem essenciais para a manutenção da massa muscular, prolongam a sensação de saciedade. Frango, peixes, carnes, leite, ovos e leguminosas (grão-de-bico, feijão, lentilha) são boas fontes de proteína.

5. Iniciar atividade física, de preferência em grupo e que te traga prazer, para que ajude na assiduidade do exercício. (Lembrando de realizar avaliação médica prévia).

6. Cuidar do seu estado emocional. É fundamental manter o controle emocional, evitando ou procurando ajuda caso apresente ansiedade ou depressão. Pessoas com distúrbios alimentares e sobrepeso costumam apresentar também quadros de ansiedade ou oscilação de humor, que atrapalham na rotina alimentar. Para isso é importante buscar ajuda e tratamento. Os responsáveis para tratar e orientar quanto a esses sintomas são psicólogos e psiquiatras.

Existem grupos bem estruturados para auxiliar no emagrecimento, com propostas sérias e resolutivas, existem medicamentos, quando o aumento do peso passa a causar riscos aos pacientes, indicação de cirurgia, entre outros. Ou seja, existem muitas formas de auxiliar as pessoas a emagrecer, dependendo de cada caso.

O/A médico/a saberá como orientar o seu caso.

Agende uma consulta com médico/a da família, clínico/a geral ou Nutrologista para dar início ao seu plano de tratamento, de forma segura e saudável.

Também podem lhe interessar os artigos:

Remédios para emagrecer

7 Erros que Você não Pode Cometer se Quer Emagrecer

Usar cinta, body ou modelador emagrece?

Lactante pode fazer selagem?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A mulher amamentando até pode fazer selagem, mas o ideal é esperar o bebê já ter iniciado a alimentação, quando a quantidade de leite da mãe que o bebê ingere é menor e seu corpo já está mais protegido contra possíveis intoxicações, a selagem usa produtos químicos menos agressivos a saúde, mas ainda são produtos químicos. O ideal é que o pediatra do seu bebê aprove a realização do procedimento estético.

Como calcular o peso ideal?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O peso ideal para adultos pode ser calculado utilizando a fórmula do Índice de Massa Corporal (IMC), adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para isso, basta dividir o seu peso (em quilos) pelo quadrado da sua altura (em metro). IMC = Peso / Altura2.

Por exemplo:  Uma pessoa com 1,70 metro e que tenha 70 kg tem um IMC de 24. (70 / (1,7)2 = 24). Segundo a classificação do índice de massa corporal, essa pessoa está dentro do peso ideal ou na faixa de peso saudável.

Classificação do peso pelo índice de massa corporal IMC, de acordo com a OMS:

IMC                               Classificação
menor que 16 Magreza grave
16 a 17 Magreza moderada
17 a 18,5 Magreza leve
18,5 a 25 Saudável
25 a 30 Sobrepeso
30 a 35 Obesidade Grau I
35 a 40 Obesidade Grau II (severa)
maior de 40 Obesidade Grau III (mórbida)

Assim, devemos buscar estar sempre entre 18,5 a 25, portanto, evitando estar abaixo de 18,5 e, principalmente, acima de 30.

Porém, vale ressaltar que o IMC não representa a composição de gordura corporal e massa muscular, por isso o seu resultado pode não ser exato em algumas situações. Indivíduos mais musculosos podem ter resultados que indicam sobrepeso ou obesidade, quando na verdade têm mais massa muscular e não gordura. 

Do mesmo modo, há pessoas com pouca massa muscular que podem ter um IMC considerado saudável, quando na realidade podem ter uma percentagem de gordura corporal acima do recomendado. São os chamados popularmente de “falsos magros”.

O IMC também não pode ser aplicado em crianças, pois para isso é preciso de gráficos específicos. Também não é aplicável para idosos, sendo que para eles a classificação é diferente, e em algumas etnias não é tão precisa (exemplo dos japoneses, que já podem ser considerados acima do peso saudável com um IMC de 25).

Por isso, existe uma forma melhor para determinar se uma pessoa está no seu peso ideal: o cálculo da taxa de gordura corporal. Isso pode ser feito por cálculos, bioimpedância ou ainda pelas pregas cutâneas.

Como calcular o peso ideal em crianças e adolescentes?

O cálculo do peso ideal é feito de uma forma diferente no caso de crianças e jovens adultos, pois no começo da sua vida o índice de gordura no corpo é elevado e vão ficando mais magras à medida que envelhecem. 

Também há diferenças na constituição física dos meninos e meninas. Tendo em conta todas estas diferenças, os especialistas criaram IMC por idade, criado especialmente para crianças.

Os médicos e demais profissionais nutricionistas usam gráficos de crescimento para seguir o desenvolvimento de crianças e jovens adultos dos 2 aos 20 anos de idade. O IMC por idade utiliza a altura, peso e idade de uma criança para averiguar quanta gordura corporal ele ou ela tem, comparando com os resultados com os de outros elementos do mesmo gênero e idade.

Este IMC pode ser usado para determinar a probabilidade da criança estar acima do peso quando for mais velha. Cada gráfico contém um conjunto de curvas que indica o percentil da criança. 

Por exemplo, se um garoto de 15 anos de idade está no percentil 75, isso significa que 75% dos garotos da mesma idade têm um IMC mais baixo. Ele tem o peso normal e, embora seu IMC mude durante seu crescimento, ele pode se manter nas proximidades do mesmo percentil e permanecer com um peso normal. 

A faixa de IMC normal pode ficar mais alta para as meninas conforme elas vão amadurecendo, já que as adolescentes normalmente têm mais gordura corporal do que os adolescentes. Um garoto e uma garota da mesma idade podem ter o mesmo IMC, mas a garota pode estar no peso normal enquanto o garoto pode estar correndo risco de ficar acima do peso. 

É mais importante acompanhar o IMC das crianças ao longo do tempo do que olhar um número individual, pois elas podem passar por estirões de crescimento.

Bolinhas vermelhas na virilha: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Bolinhas vermelhas na virilha podem ser pelos encravados, quase sempre provocados pela depilação. Isso porque a depilação provoca uma irritação na pele, deixando-a mais grossa, o que dificulta a saída normal dos pelos. 

Como consequência, a pele fica inflamada e surgem as bolinhas vermelhas na virilha, uma condição denominada foliculite. Se a inflamação for mais intensa, podem aparecer nódulos maiores e doloridos e as bolinhas podem infeccionar e acumular pus.

Mulheres com pele mais espessa e que tenham pelos com tendência a encravar, apresentam maiores chances de desenvolver foliculite.​

A principal causa do encravamento dos pelos na virilha é o uso de cera quente ou fria na depilação. A utilização de lâminas com cremes deslizantes costuma irritar menos a pele, embora o atrito também possa causar algum encravamento.

Bolinhas vermelhas na virilha associada a um caroço ou uma enduração também podem ser sinais de alguma infecção sexualmente transmissível.

De qualquer forma, é importante consultar um/a médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação detalhada dessas bolinhas vermelhas na virilha, identificação da causa e indicação de algum tratamento, caso seja necessário.

Tomar termogênico faz mal?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Tomar termogênico pode fazer mal à saúde se for consumido em excesso, prejudicando coração, fígado e rins, além de aumentar o risco de derrames, provocar alterações de humor, entre outras complicações.

O uso de doses elevadas de termogênicos pode causar:

  • Taquicardia (batimentos cardíacos acelerados);
  • Hipertensão arterial (pressão alta);
  • Acidente vascular cerebral (derrame);
  • Alteração de humor;
  • Insônia;
  • Ansiedade;
  • Falta de ar;
  • Insuficiência renal;
  • Problemas no fígado;
  • Complicações pulmonares;
  • Insuficiência cardíaca.

Os termogênicos são usados para estimular o metabolismo e acelerar o emagrecimento, aumentando a temperatura corporal. No Brasil, os termogênicos comercializados legalmente são à base de cafeína, com altas doses deste estimulante.

A anfetamina e a febrina também são estimulantes usados em termogênicos, mas além de serem substâncias proibidas, são muito mais agressivas ao organismo.

Tomar termogênico emagrece?

Tomar termogênico não emagrece. Um grande problema desses produtos é a promessa de que emagrecem e queimam gordura localizada.

Assim, a pessoa consome altas doses de termogênico para potencializar o efeito e é aí que está o perigo para a saúde.

Sabe-se que a cafeína, por exemplo, melhora o desempenho durante o exercício físico, mas ela não irá fazer a pessoa emagrecer ou perder gordura localizada.

Saiba mais em: Remédios para emagrecer

Não existe emagrecimento fácil, sem esforço. É preciso controlar a alimentação e associar atividade física à dieta, sempre que possível.

O que são alimentos termogênicos?

Os alimentos termogênicos fazem o corpo queimar mais calorias enquanto são digeridos, elevando a temperatura interna do corpo, o que pode aumentar o metabolismo e promover a perda de gordura corporal.

O princípio é o mesmo dos produtos termogênicos, porém, sem as altas doses das substâncias usadas nos suplementos, que podem prejudicar gravemente a saúde.

Alguns exemplos de alimentos termogênicos e as suas substâncias termogênicas:

  • Óleo de coco (ácido láurico e monolauril);
  • Pimenta vermelha (capsaicina);
  • Gengibre (gingerol);
  • Chá verde (catequinas);
  • Canela (aldeído cinâmico);
  • Alho (alicina).

Estes alimentos podem potencializar o emagrecimento, desde que sejam consumidos nas doses corretas e façam parte de uma dieta balanceada, com baixas calorias, de preferência associada a exercícios físicos.

Leia também: Tomar vinagre para emagrecer faz mal?

Para maiores esclarecimentos sobre o uso de termogênicos, consulte um médico clínico geral, médico de família ou endocrinologista. Para um plano alimentar adequado às suas necessidades, consulte um nutricionista.

O que é hipertrofia muscular?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Hipertrofia muscular é o aumento do tamanho (volume) das células dos músculos. Trata-se de uma resposta fisiológica, que decorre de uma adaptação das células musculares diante de uma maior exigência de trabalho. Como resultado, há um aumento do volume do músculo para suportar o esforço, como nos casos de exercício físico ou trabalhos pesados.

A hipertrofia muscular é um processo reversível, ou seja, cessado o estímulo, a célula volta ao aspecto normal. Por isso, após o parto, por exemplo, o útero readquire suas dimensões normais.

Da mesma forma, após anos realizando exercícios físicos com o objetivo de hipertrofiar a musculatura, se houver um período de sedentarismo (mesmo que de apenas alguns meses), o volume da musculatura irá diminuir, o que é determinado geneticamente de pessoa para pessoa.

Contudo, se o estímulo persistir ou aumentar além da capacidade adaptativa do músculo, podem ocorrer dois eventos: multiplicação celular (hiperplasia), se as células estimuladas tiverem capacidade reprodutiva, e degenerações variadas que podem culminar com a morte celular.

Como ganhar massa muscular?

A musculação é a forma mais eficiente e controlada de se obter hipertrofia muscular. Entretanto, somente a musculação não é suficiente. A alimentação é muito importante para aumentar a massa muscular.

Uma dieta adequada e rica em proteínas deve suprir as perdas de energia e possibilitar a construção e reparação das lesões musculares.

O uso de suplementos alimentares pode acelerar o processo, entretanto o uso de hormônios ("bomba") para essa finalidade é totalmente contraindicada, por diversos motivos e pelos graves comprometimentos à saúde que pode causar.

Dieta para hipertrofia muscular

Uma dieta para hipertrofia muscular deve ser rica em proteínas, que fornecem os aminoácidos necessários para o aumento das fibras musculares e, consequentemente, da massa muscular.

Pessoas que fazem musculação ou praticam outro exercício físico para conseguir hipertrofia muscular devem consumir diariamente 1,2 a 1,5 g de proteína por cada quilo de peso corporal.

As proteínas mais indicadas para aumentar a massa magra são as de origem animal, por serem mais bem aproveitadas pelo organismo. Alguns alimentos fontes de proteína animal: ovos (clara), carnes, aves, peixes, leite, queijo e iogurte.

As proteínas também estão presentes em alimentos de origem vegetal, como soja, amêndoas, castanhas, nozes, linhaça, aveia, amendoim, feijão, ervilha, grão-de-bico e lentilhas.

Os carboidratos (pão, massa, arroz, batata) também são importantes para obter hipertrofia muscular, pois são fonte de energia. Os carboidratos são fundamentais para a obtenção de energia para treinar e impedem que o corpo utilize proteínas como fonte de energia.

Hipertrofia do miocárdio (músculo do coração)

A hipertrofia que ocorre no músculo cardíaco pelo exercício, em um indivíduo saudável, ao contrário da hipertrofia que ocorre por hipertensão arterial (patológica) é benéfica, aumentando a fração de ejeção de sangue sem comprometer o volume dos ventrículos.

Porém esta hipertrofia cardíaca é muito mais facilmente obtida com a realização de exercícios aeróbicos (corrida, ciclismo, natação), que são mais benéficos à saúde em relação ao levantamento de peso.

Antes de iniciar um treinamento com a finalidade de hipertrofia muscular, é aconselhável o acompanhamento com bons profissionais multidisciplinares, como nutricionista e educador físico, e ocasionalmente fisioterapeuta e médico, para maximizar os resultados e prevenir doenças ou agravos à saúde.

Pode também ser do seu interesse:

Qual a diferença entre atrofia, distrofia e hipertrofia?

Posso pintar cabelo ou fazer selagem quando estou menstruada?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a mulher quando está menstruada pode fazer selagem ou pintar o cabelo, desde que sejam usados produtos que não contenham formol. Se a selagem for apenas com queratina, você pode fazer. 

ANVISA proíbe o uso de formol como alisante, pois o produto pode causar sérios danos a qualquer pessoa. O/a profissional que aplica o produto também corre riscos.

Dentre as complicações causadas pelo formol estão:

  • Irritação;
  • Coceira;
  • Queimadura;
  • Inchaço;
  • Descamação e vermelhidão do couro cabeludo;
  • Queda de cabelo;
  • Ardência e lacrimejamento dos olhos;
  • Falta de ar;
  • Tosse;
  • Dor de cabeça;
  • Ardência e coceira no nariz.

Exposições repetidas ao produto podem causar ainda:

  • Boca amarga;
  • Dores abdominais;
  • Enjoo;
  • Vômito;
  • Desmaios;
  • Feridas na boca, narinas e olhos;
  • Câncer.

Caso não seja possível confirmar se o produto é ou não seguro, não faça a selagem, seja durante ou após o período da menstruação.