Perguntar
Fechar
Toragesic: para que serve e como usar
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O toragesic® (trometamol cetorolaco) é um anti-inflamatório que também tem ação analgésica e é utilizado para tratamento de dor aguda moderada a grave.

Como usar toragesic®?

O toragesic® é um comprimido sublingual e deve, portanto, ser colocado embaixo da língua, local em que permanece até que se dissolva por completo e assim seja absorvido. O comprimido não deve ser engolido.

A dose deve ser estipulada pelo médico, de acordo com a idade e características de cada pessoa, além da intensidade da dor e gravidade da doença.

O tratamento não deve durar mais do que 5 dias, a não ser sob orientação médica.

Os comprimidos de toragesic® possuem lactose em sua composição. Por este motivo, pessoas alérgicas à lactose não podem fazer uso desta medicação.

Precauções quanto ao uso de toragesic®?

A indicação da medicação deve ser avaliada com cautela nas seguintes situações:

  • Gravidez;
  • Doenças cardíacas;
  • Pressão alta;
  • Problemas no fígado ou nos rins;
  • Distúrbios de coagulação sanguínea;
  • Úlceras ou problemas no estômago;
  • Alergias a algum componente da fórmula;
  • Alergia a ácido acetil salicílico.
Mulheres grávidas podem usar toragesic®?

A medicação, como os demais anti-inflamatórios não é recomendada para gestantes, a não ser sob orientação médica estrita, nos 6 primeiros meses de gestação. Nos últimos 3 meses da gravidez toragesic® é contraindicado. Neste período, o uso do medicamento pode trazer danos ao feto e interferir no trabalho de parto normal.

Mulheres que amamentam podem tomar toragesic®?

Não. O toragesic® é excretado pelo leite materno e por este motivo não é recomendado nesse período. Contudo, quando seu uso for indispensável, o mais indicado é que a amamentação seja suspensa.

Quais os efeitos colaterais do toragesic®?

Os efeitos colaterais mais comuns são:

  • Dor abdominal com cólicas;
  • Diarreia;
  • Tontura;
  • Náusea;
  • Sonolência;
  • Dor de cabeça;
  • Inchaço.

Informe sempre ao seu médico os medicamentos em uso. Se estiver em preparo para alguma cirurgia, e estiver em uso de toragesic®, não deixe de avisar ao seu médico.

Não utilize medicamentos sem prescrição. Busque sempre orientação médica.

Estou amamentando. Posso tomar nimesulida?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Ainda não há comprovação científica no Brasil, quanto a excreção de nimesulida® no leite materno, por isso, a medicação é contraindicada para mulheres que estão amamentando.

Pela FDA (Food and Drug Administration), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, o medicamento é considerado altamente contraindicado durante a amamentação, pelo risco de toxicidade hepática para o bebê.

A Nimesulida® tem ação analgésica, anti-inflamatória e antipirética (reduzir a febre), ações que podem ser efetuadas por outros medicamentos, considerados seguros nessa fase da mulher, como por exemplo o ibuprofeno®.

Portanto, recomendamos procurar seu médico ginecologista, ou pediatra, que poderá dependendo do seu problema, prescrever outro anti-inflamatório ou analgésico seguro para mãe e bebê.

Contraindicações de nimesulida

Nimesulida é contraindicado em casos de:

  • Alergia à nimesulida ou qualquer outro componente da fórmula;
  • Pessoas com idade inferior a 12 anos;
  • Histórico de reações alérgicas ao ácido acetilsalicílico (AAS) ou a outros anti-inflamatórios;
  • Pessoas com úlcera péptica ativa, úlceras recorrentes ou hemorragias digestivas;
  • Portadores de distúrbios de coagulação;
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Pessoas com insuficiência cardíaca grave;
  • Portadores de insuficiência renal e/ou hepática.

Pode lhe interessar também: Amamentação e Remédios.

Amamentar corta o efeito da pílula do dia seguinte?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. A amamentação não corta o efeito da pílula do dia seguinte.

A mulher que amamenta pode utilizar a pílula do dia seguinte e continuar amamentando.

O uso desse medicamento não está indicado para mulher em amamentação no período das 6 semanas primeiras semanas após o parto. A pílula do dia seguinte traz uma concentração hormonal muito alta, por isso aumenta os riscos de distúrbios tromboembólicos, como trombose venosa profunda e tromboembolismo.

Para o bebê, não existem estudos científicos que comprovem riscos ou malefícios, apesar de saber que a substância pode alcançar, em pequena quantidade o leite materno.

A mulher que amamenta deve tomar cuidado com uso de qualquer medicação e fazer uso de contraceptivo adequado a esta fase da vida; para isso deve se informar durante a consulta seu médico/a ginecologista e definir o tratamento mais indicado.

Caso você queira utilizar métodos contraceptivos de longo prazo, converse com o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para escolherem juntamente com você o método mais adequado nesse período da amamentação.

Leia também:

Quais os riscos para o bebe de tomar pilula do dia seguinte enquanto estiver amamentando

Comecei a tomar Adoless e minha menstruação diminuiu muito?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim é normal. A modificação das características da menstruação após início do uso de anticoncepcional é um efeito esperado, e apenas esse sintoma não sugere endometriose.

Adoless®

O Adoless® é um anticoncepcional combinado, e como os outros da mesma classe, age no corpo da mulher, alterando os níveis de hormônios, que resultam nessas mudanças da menstruação.

A menstruação é o resultado da descamação da camada interna do útero (endométrio), quando não ocorre a fecundação e implantação do óvulo fecundado. Essa camada é preparada para receber o óvulo e nutri-lo, durante o ciclo menstrual da mulher. Para isso acontece uma proliferação celular, ou seja, aumento considerável do número de células e vasos sanguíneos.

Como os anticoncepcionais impedem essa proliferação celular, através do equilíbrio hormonal, a camada do endométrio não aumenta da mesma forma, nem acontece o aumento importante da vascularização, resultando em menor sangramento, menor fluxo menstrual.

Entretanto, essas alterações se normalizam logo após a interrupção do remédio. O que quer dizer, que na maioria das mulheres, isso não prejudica uma gravidez programada a qualquer momento, bastando interromper o anticoncepcional.

O que é endometriose?

A endometriose, é a presença de "ilhas" de endométrio (camada interna do útero), localizadas fora da cavidade uterina.

Essas ilhas de tecido endometrial são chamadas endometriomas. Os endometriomas, mesmo fora do útero, continuam respondendo aos estímulos hormonais. Sendo assim, a "ilha" pode aumentar de tamanho e pode haver sangramentos, conforme o estímulo hormonal, porém fora do útero esses fenômenos são altamente irritativos ao organismo.

Os locais mais comuns de encontrar endometriomas são os ovários, trompas, peritônio, bexiga e intestino. E os sintomas variam conforme a localização e gravidade, mas em geral são:

  • Cólicas intensas durante o período menstrual;
  • Dor pélvica;
  • Dor e desconforto durante as relações (dispareunia);
  • Diarreia e
  • Infertilidade.

Leia também: Tenho endometriose: posso engravidar?

O tratamento depende da causa e localização das lesões, porém na grande maioria das vezes, são utilizados medicamentos e ou procedimentos cirúrgicos para retirada dessas ilhas, quando os sintomas são intoleráveis ou para tratamento de infertilidade.

Saiba mais no artigo: Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

Parei de amamentar, mas o Norestin ainda não acabou. Devo parar ou continuar tomando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O Norestin é uma pílula anticoncepcional composta apenas por progestágeno. Ela pode ser usada pelas mulheres não apenas durante a amamentação. Por isso, mesmo tendo parado de amamentar, a mulher pode continuar o uso do Norestin normalmente.

A medicação deve ser tomada em 1 comprimido por dia sempre no mesmo horário.

Caso você pretenda mudar de método anticoncepcional, é recomendado uma consulta com o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação e ponderação de qual método é mais adequado à você.

Dor de cabeça na gravidez: quais remédios posso e quais não posso tomar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na gestação, os medicamentos mais utilizados e seguros para dor de cabeça, são o paracetamol e dipirona®. No entanto, a dose, forma de uso e se existe alguma contraindicação, deve ser analisada pelo médico obstetra.

Qualquer medicamento durante a gestação deve ser prescrito pelo obstetra, que acompanha a gestante, inclusive os remédios para dor de cabeça.

Já os anti-inflamatórios não-esteroides (AINES) como o ibuprofeno, embora bastante usado para combater a dor de cabeça, são contraindicados durante a gravidez. Estes medicamentos podem provocar desde aborto espontâneo até hemorragia pós-parto.

No seguimento deste texto falaremos sobre o uso de remédios para dor de cabeça durante a gestação.

Paracetamol

Quando utilizado em doses adequadas, o Paracetamol pode ser indicado durante todas as fases da gestação para combater a dor de cabeça. O medicamento apresenta ainda uma quantidade muito reduzida de efeitos colaterais, quando a dose indicada pelo médico é respeitada.

Apesar de atravessar a placenta, o paracetamol não prejudica o feto quando em doses adequadas. Entretanto, quando usado em doses elevadas durante a gravidez pode ser tóxico para o fígado da mãe e do bebê.

Dipirona®

A Dipirona® tem efeito muito semelhante ao paracetamol quando utilizado para dor de cabeça em mulheres grávidas.

Estudo mostraram que as mulheres grávidas que usaram Dipirona® durante os três primeiros meses de gestação não apresentaram aumento de malformações no feto e nem de abortamentos. Embora, seja seguro o uso da Dipirona® para tratar a dor de cabeça durante a gestação, é preciso que seja administrada de acordo com a prescrição médica.

Grávidas não podem tomar ibuprofeno para dor de cabeça

O ibuprofeno é um medicamento contraindicado para as mulheres grávidas.

Quando usado no início da gestação (três primeiros meses) o ibuprofeno pode provocar distúrbios de implantação do embrião na parede do útero, o que pode levar ao aborto. Além disso, pode causar problemas no coração, lábio leporino e fenda palatina.

Do ao 7º ao 9º mês de gravidez, o uso de ibuprofeno pode afetar os pulmões e causar anomalias na parede abdominal e hemorragia cerebral no bebê. Na mãe, o medicamento pode prolongar o trabalho de parto e hemorragia pós-parto.

Aspirina® deve ser evitado para dor de cabeça na gravidez

O uso de Aspirina® (ácido acetilsalicílico) deve ser evitado para tratar a dor de cabeça durante a gravidez. Este medicamento pode causar anemia, hemorragia e inibição do trabalho de parto, principalmente, quando usado em doses altas.

Como aliviar a dor de cabeça sem usar remédios?

Antes de utilizar remédios, deve dar preferência a adoção de medidas simples que ajudam a reduzir a dor de cabeça e protegem você e seu bebê dos seus efeitos prejudiciais. Estas medidas incluem:

  • Manter uma rotina de sono e descanso em um ambiente tranquilo e silencioso,
  • Praticar atividade física: um educador físico por orientar os exercícios mais adequados a sua fase de gestação,
  • Efetuar refeições leves e saudáveis livres de doce com açúcar branco, frituras e outros alimentos gordurosos,
  • Manter hidratação adequada: consuma água e bebidas saudáveis como sucos de fruta naturais,
  • Evitar bebidas com cafeína: refrigerante, café em excesso café,
  • Massagear ombros, pescoço e testa para aliviar a tensão,
  • Aplicar compressas de água fria na testa.
Quando devo me preocupar?

Embora a dor de cabeça na gravidez seja frequente devido às alterações hormonais, alguns sinais servem de alerta. Busque rapidamente atendimento médico se a dor de cabeça vier acompanhada de sintomas como:

  • Febre,
  • Náuseas,
  • Vômitos,
  • Dor de estômago,
  • Visão dupla ou embaçada,
  • Desmaio e
  • Convulsões.

Ao sentir dor de cabeça durante a gravidez, converse com o seu médico. Somente ele poderá indicar o medicamento mais eficaz e seguro, de acordo com o seu tipo de dor e fase da gestação.

Conheça mais sobre dor de cabeça na gravidez lendo os seguintes artigos:

Dor de cabeça na nuca durante a gravidez, o que pode ser?

Quais remédios posso tomar na gravidez?

Referências

  • Aragão, F.F.; Tobias, A.F. Pharmacological treatment of pain in pregnancy. BrJP, (2)4:374-80, 2019.
  • Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de teratogênese em humanos. FEBRASGO, 2018.
Quais os riscos de hipertireoidismo na gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Um controle não adequado do hipertireoidismo durante a gravidez pode ocasionar: aborto espontâneo, parto prematuro, natimorto, peso baixo ao nascer, pré-eclâmpsia, insuficiência cardíaca.

Se a paciente tem hipertireoidismo e no momento faz tratamento com iodo radioativo, recomenda-se aguardar pelo menos 6 meses após o fim do tratamento para tentar engravidar.

Caso a paciente já tenha o diagnóstico de hipertireoidismo e está grávida deve procurar o obstetra, endocrinologista ou clínico geral para realizar os ajustes das doses, dos medicamentos e fazer o acompanhamento das taxas hormonais ao longo da gestação.

Benzetacil amamentando
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não precisa nem parar de amamentar. A mulher que amamenta e precisa tomar Benzetacil, pode continuar amamentando de forma contínua e normal sem necessidade de pausa.

A Benzetacil não é contra-indicada durante a amamentação e não vai prejudicar o bebê.

Caso a medicação tenha sido prescrita pelo/a profissional de saúde e você não tenha alergia à penicilina, você pode fazer uso da injeção Benzetacil mesmo estando amamentando. Não há necessidade de interromper a amamentação para tomar a injeção. A amamentação deve ser continuada normalmente sem nenhuma interferência.

Benzetacil é um antibiótico da família da penicilina, bastante usado no combate a algumas infecções, como amigdalite bacteriana comunitária (dor de garganta adquirida fora do ambiente hospitalar), infecções respiratórias e de pele, sífilis, tratamento de longo prazo para prevenção da febre reumática, entre outras.

A Benzetacil começa a fazer efeito de 15 a 30 minutos após a injeção e a sua ação se prolonga por um período que vai de 1 a 4 semanas. Trata-se de um antibiótico seguro para ser usado em bebês, crianças e adultos.

A única forma de tomar Benzetacil é através de injeção intramuscular. O local de aplicação recomendado é na parte superior lateral da nádega. Em crianças pequenas e bebês, a injeção geralmente é aplicada na coxa.

Leia também:

Tudo sobre a benzetacil

A benzetacil leva quantos dias para fazer efeito?