Perguntar
Fechar

Resultado de Exames

Meu exame de Gama-GT deu 250, está muito alto?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Com um valor isolado de Gama GT não é possível estabelecer diagnóstico algum.

Este valor mencionado (255) está acima do valor de referência e, portanto a sua enzima Gama GT apresenta elevada.

aumento de valores de Gama GT podem acontecer em pessoas que ingeriram quantidade elevada de bebida alcoólica ou em quem usa medicamentos como Fenobarbital e Fenitoína.

Esse aumento deve ser correlacionado com o valor das outras enzimas hepáticas e com o quadro clínico do/a paciente para poder estabelecer uma explicação correta.

Todos os exames de sangue e outros solicitados pelo/a médico/a deve ser apresentado na consulta de retorno para que ele/ela explique o real motivo desse valor.

Leia também:Exame de sangue Gama-GT alterado o que pode ser?

Quais são os valores de referência do Gama-GT?

Gama-GT de 255 como está o meu fígado?

Quais os sintomas do Gama-GT alto?

Quais são os valores de referência do Beta-hCG?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os valores de referência do Beta-hCG são os seguintes (podem variar de acordo com o método e os reagentes utilizados):

Em homens e mulheres não grávidas, saudáveis o resultado é NEGATIVO.

Para o diagnóstico de gravidez:

                • De 5 a 50mU/ml: indeterminado                 • Acima de 50mU/ml, mulher saudável: POSITIVO

A gonadotrofina coriônica humana (hCG), é uma glicoproteína hormonal sintetizada nas células trofoblásticas sinciciais, com a função de manter o corpo lúteo no primeiro trimestre da gestação, quando a placenta assume a função de produção de progesterona. A molécula de hCG é composta por unidades, alfa e beta, sendo que a subunidade beta é específica para a gravidez. A pesquisa de Beta-hCG pode ser feita no sangue ou na urina quando há suspeita de gravidez (normal ou ectópica), aborto, doença trofoblástica gestacional e no caso de tumores germinativos (ovarianos e testiculares).

Comentários
  • O paciente deve fazer jejum de 4 horas antes da coleta do exame e pode ser realizado no dia da provável menstruação. No caso da urina, deve-se colher preferencialmente a primeira urina da manhã, que contém maior concentração de hCG;
  • O diagnóstico da gravidez não deve se basear somente no resultado do exame laboratorial, mas sim na correlação do resultado do teste com os sinais e sintomas clínicos. Um resultado negativo não deve ser considerado para excluir a possibilidade de gravidez - sugere-se realizar um novo teste em amostra colhida após 7 dias;
  • Quando o resultado for indeterminado, atenção especial na evolução, com repetição após 72 horas;
  • O diagnóstico de gravidez pode ser feito a partir do 2º dia de atraso menstrual e na gravidez normal a concentração dobra a cada 2 dias da 2ª à 5ª semana de evolução;
  • Determinações seriadas podem ser usadas na suspeita de gravidez anormal, quando o ritmo de elevação na concentração de HCG é menor do que o esperado ou mesmo podendo diminuir, em casos de aborto ou gravidez ectópica;
  • A pesquisa na urina é usada como método de triagem, pois seus resultados são qualitativos e o limiar de detecção é menor do que no sangue;
  • Amostras de pacientes com doenças trofoblásticas como coriocarcinoma ou mola hidatiforme que secretam hCG, podem produzir resultados positivos na ausência de gravidez;
  • Baixas concentrações de hCG podem ocorrer em mulheres saudáveis não grávidas;
  • Resultados falso-positivos podem ocorrer, raramente, em amostras que contenham concentrações elevadas de LH (menopausa). Portanto, resultados positivos em mulheres com mais de 45 anos devem ser interpretados com cautela.

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou preferencialmente um ginecologista.

Segmentados baixo no leucograma, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Segmentados baixo no leucograma pode ser sinal de infecções ou doenças do sangue. Contudo, o nível de segmentados também pode estar abaixo do normal em casos de tratamento com quimioterapia, alcoolismo, estresse, uso de certos medicamentos, entre outras condições.

Os segmentados são células de defesa do sistema imune conhecidas como glóbulos brancos ou leucócitos. Existem 5 tipos de leucócitos: eosinófilos, basófilos, linfócitos, neutrófilos e monócitos. No caso dos segmentados, tratam-se de neutrófilos maduros. Os imaturos são chamados de bastonetes.

O número de segmentados fica baixo quando essas células são requisitadas rapidamente para combater uma infecção, por exemplo, ou quando o organismo não é capaz de produzir uma quantidade suficiente das mesmas.

As principais doenças do sangue que podem baixar as taxas de segmentados são a anemia aplásica, neutropenia idiopática crônica, neutropenia cíclica, mielodisplasia, neutropenia associada à disgamaglobulinemia, hemoglobinúria paroxística noturna e neutropenia congênita grave (síndrome de Kostmann).

Há ainda síndromes, como a de Shwachman-Diamond, que podem deixar o nível de segmentados baixo.

Há ainda outras condições específicas que podem diminuir a quantidade dessas células na circulação, como estresse excessivo, uso de medicamentos corticoides, antitérmicos e antibióticos ou ainda utilizados para tratar AIDS, infecções causadas por vírus, câncer (quimioterapia), transplante de medula óssea, falta de vitamina B12, entre outras.

Leia também: O que pode causar neutropenia?

Bebês com menos de 3 meses de idade também podem apresentar resultados baixos para os segmentados durante infecções graves, uma vez que possuem reservas muito limitadas dessas células no corpo.

Veja também: O que é neutrofilia?

O resultado do leucograma, bem como de todo o hemograma, deve ser interpretado pelo/a médico/a que solicitou o exame, juntamente com a história, os sintomas e os sinais clínicos do/a paciente. 

Saiba mais em:

Eosinófilos baixo no exame o que significa?

Neutrófilos altos no hemograma: O que significa?

O que é neutropenia e qual o tratamento adequado?

O que significa bastonetes baixos no hemograma?

O que é proteína C reativa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Proteína C reativa, também conhecida como PCR, é uma proteína produzida no fígado que está presente em pequenas quantidades no sangue de pessoas saudáveis. Em casos de inflamações ou infecções agudas, os seus níveis no sangue podem aumentar até 1.000 vezes.

O exame de proteína C reativa é usado principalmente para medir o risco de doenças cardiovasculares. Um resultado com proteína C reativa alta indica maiores chances de "derrames" e ataque cardíaco.

Apesar de ser um método preciso, rápido, seguro e econômico, o exame de PCR não é suficientemente específico para diagnosticar qualquer doença.

Isso porque a proteína C reativa pode estar elevada no sangue devido a qualquer situação de inflamação no corpo. Portanto, a condição que levou a essa inflamação deve ser investigada mais a fundo pelo/a médico/a com outros exames.

Veja também: Proteína c reativa alta pode ser o quê?

Já para avaliar o risco de doença cardiovascular é feito o exame de proteína C reativa ultrassensível, que faz uma dosagem mais precisa de PCR.

Sabe-se que muitas doenças cardiovasculares resultam sobretudo de dois fatores: inflamação constante nas paredes dos vasos sanguíneos e acúmulo de colesterol nesses vasos.

Portanto, pessoas com níveis de proteína C reativa persistentemente acima de 0,3 mg/dL (3 mg/L) apresentam maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, uma vez que esse valor elevado de PCR indica que há um processo inflamatório discreto no corpo, porém contínuo.

Saiba mais em: Quais os valores normais do PCR?

O exame de proteína C reativa também tem sido muito usado para dar início ao tratamento com antibióticos quando ainda não se sabe se a infecção é causada por vírus ou bactérias, já que o aumento da concentração de PCR é maior durante as infecções bacterianas do que nas virais.

É importante que o resultado dos exames sejam analisados pelo/a médico/a que os solicitou, juntamente com a história clínica e o exame físico do/a paciente.

Também podem lhe interessar:

O que é o exame PCR e para que serve?

PCR baixo: o que pode ser?

PCR alto: o que pode ser?

Valor do exame de T3 alto ou baixo: o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os valores de referência do exame T3 podem variar em função do método e reagente utilizado, portanto, esses valores devem estar claramente citados nos laudos de resultados de exames laboratoriais.

  • Até 3 dias de idade: 100 a 740 ng/dL
  • 1 a 11 meses de idade: 105 a 245 ng/dL
  • 1 a 5 anos: 105 a 269 ng/dL
  • 6 a 10 anos: 94 a 241 ng/dL
  • 11 a 15 anos: 82 a 213 ng/dL
  • 16 a 20 anos: 80 a 210 ng/dL
  • 20 a 50 anos: 70 a 204 ng/dL
  • 50 a 90 anos: 40 a 181 ng/dL

​O exame T3 é a dosagem de um hormônio produzido pela glândula tireóide, conhecido como tri-iodotironina. A avaliação dos níveis séricos de T3 está recomendade para pessoas com TSH diminuído e T4 total ou livre dentro dos valores de referência. Assim, este teste é importante na avaliação do hipertireoidismo, mais concretamente da tireotoxicose.

Um nível mais alto de T3 pode indicar hipertireoidismo, doença de Graves ou possivelmente câncer na tireoide. T3 baixo pode ser sinal de doenças crônicas não tireoidianas e seus níveis séricos são influenciados pelo estado nutricional. Também podem ocorrer no hipotireoidismo ou de doença de Hashimoto.

Além disso, a gravidez e alguns problemas no fígado podem fazer subir os níveis de T3 de forma artificial. Variações na concentração da globulina ligadora de tiroxina (TBG) e outras proteínas podem afetar os níveis de T3.

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou endocrinologista.

Linfócitos aumentados: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Geralmente, o aumento dos linfócitos no sangue pode indicar uma infecção recente, porém pode ser indicativo de outras patologias graves como leucemia e linfoma ou pode estar presente no após a retirada do baço.

Linfócitos são tipos de glóbulos brancos que fazem parte do nosso sistema imunológico. Essas células do sangue protegem nosso organismo contra as invasões de micro organismos estranhos ao corpo humano. Por isso, em situações de infecções, os linfócitos são liberados em maior quantidade na corrente sanguínea para combater os patógenos e proteger o sistema imune.

Todo exame de sangue deve ser avaliado em conjunto com a história e idade do/a paciente, exame físico, queixas atuais e resultado do exame das outras células sanguíneas. Englobando essa avaliação completa, o/a médico poderá informar o motivo atual do aumento dos linfócitos e, caso seja necessário, solicitará outros exames para continuar a avaliação.

Após a realização do exame de sangue é muito importante retornar à consulta para mostrar o resultado à/ao médica/o que solicitou.

Para que serve a ecografia transvaginal e como é feito o exame?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A ecografia (ou ultrassom) transvaginal serve para avaliar a anatomia dos órgãos genitais femininos, como útero, ovários, trompas e colo do útero.

O exame é feito com a mulher deitada em uma maca, em posição ginecológica (na mesma posição em que é feita a coleta do papanicolau) e é necessário esvaziar a bexiga antes do exame. O médico radiologista introduz, pela vagina, um transdutor revestido por uma camisinha, onde foi aplicado gel. É esse transdutor que capta as imagens dos órgãos examinados e transmite a informação para o computador, onde é possível ver as imagens. O médico ultrassonografista faz as medidas do útero e ovários, além da avaliação do aspecto destes órgãos. Os resultados são emitidos na forma de laudos, juntamente com a impressão das imagens ultrassonográficas, que devem ser interpretadas pelo médico que assiste a paciente.

O exame é realizado pelo médico radiologista ou ultrassonografista.

O que é neutrofilia?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Neutrofilia é quando a quantidade de neutrófilos está alta no sangue.

Os neutrófilos são um tipo de células do sangue, que participam no combate às infecções. A sua quantidade pode aumentar nos casos de infecções (principalmente quando há presença de febre e pus em algum local), inflamações, alguns cânceres, sangramentos e no uso de certas medicações.

A neutrofilia por si só não é um problema, e não precisa ser tratada. Mas ela é sinal de que algum processo está ocorrendo no organismo, e a causa deve ser investigada.

Geralmente, essa investigação é feita inicialmente pelo clínico geral ou pediatra que, se necessário, poderá encaminhar a algum especialista.

Saiba mais em:

Neutrófilos altos no hemograma: O que significa?

Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

Neutrófilos baixos, o que pode ser?