Perguntar
Fechar

Exames de Sangue

Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Nível de bastonetes alto no hemograma pode ser sinal uma infecção bacteriana aguda. Os bastonetes são neutrófilos (células de defesa) imaturos. Portanto, quando os níveis estão altos, significa que o organismo está solicitando mais neutrófilos da medula óssea, onde são produzidos. O resultado é um aumento do número de neutrófilos jovens (bastonetes) no sangue.

Em geral, quando os bastonetes estão altos, o nível de neutrófilos maduros, chamados de segmentados, também está elevado. Se o aumento de bastonetes vier acompanhado por um aumento do número dos outros glóbulos brancos (eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos), indica que o organismo está respondendo bem a uma inflamação ou infecção.

Porém, se o número de bastonetes estiver mais alto que o de segmentados, significa que a medula óssea não está conseguindo enviar para o sangue uma quantidade suficiente de neutrófilos maduros, liberando os imaturos. Isso geralmente ocorre em processos inflamatórios e infecciosos mais graves.

Veja também: Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Os neutrófilos são um tipo de células do sangue que participam no combate às infecções. A sua quantidade pode aumentar nos casos de infecções (principalmente quando há presença de febre e pus em algum local), inflamações, tumores, sangramentos, uso de certas medicações, entre outras causas. 

Saiba mais em: Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?Mielócitos altos ou baixos no leucograma, o que significa?

O resultado de um exame sempre deve ser interpretado de acordo com os sintomas e sinais clínicos que a pessoa apresenta. Por isso, é importante levar o resultado do exame para que o/a médico/a que solicitou faça a correlação adequada e tome as medidas apropriadas em cada caso.

Também pode lhe interessar:

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?

O que significa bastonetes baixos no hemograma?

O que é neutrofilia?

O que é neutropenia e qual o tratamento adequado?

Eosinófilos baixo no exame o que significa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A eosinopenia, condição que caracteriza-se pelo nível de eosinófilos baixo no sangue, tem como principais causas o uso de medicamentos corticoides, estresse e processos inflamatórios ou infecciosos agudos.

Pessoas que estão fazendo tratamento com corticoides normalmente apresentam números baixos de eosinófilos.

O estresse agudo causado por medo, excitação ou convulsões, provoca um aumento da produção de adrenalina. No início, há um ligeiro aumento dos eosinófilos (eosinofilia), mas depois de algumas horas observa-se uma eosinopenia moderada.

Já o estresse crônico aumenta a produção de cortisol, um hormônio produzido pelas glândulas supra-renais, conhecido como "hormônio do estresse" justamente devido a esse aumento da sua liberação durante períodos estressantes.

O cortisol baixa os níveis de eosinófilos através de diferentes mecanismos, favorecendo a destruição dos mesmos por outras células de defesa do corpo, estimulando a migração de eosinófilos e diminuindo a produção dessas células na medula óssea.

Síndrome de Cushing, uma condição caracterizada pelo aumento excessivo de cortisol, também está entre as causas de eosinopenia.

Veja também: O que é síndrome de Cushing e quais os sintomas?

Em geral, os níveis de eosinófilos voltam ao normal depois de retirada ou tratada a causa da eosinopenia.

É importante ressaltar que a avaliação do hemograma deve ser feita pelo/a médico/a que solicitou o exame, que irá levar em consideração os valores das outras células do sangue em conjunto com a história clínica e os sintomas da pessoa.

Também podem lhe interessar:

Eosinófilos alto no exame, o que significa?

O que pode causar neutropenia?

Leucócitos baixos, o que pode ser?

Exame AST: Para que serve e como entender os resultados?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O exame AST serve detectar lesões no fígado, na bile e no pâncreas. O AST (aspartato aminotransferase) também conhecido como TGO, é uma enzima presente no corpo todo, mas é encontrada em maiores quantidades no fígado. Leões hepáticas levam ao extravasamento dessa enzima na circulação sanguínea, deixando os seus níveis altos. 

Geralmente o exame AST é solicitado quando há suspeita de doenças que afetam sobretudo o fígado. Os valores de referência do aspartato aminotransferase (AST) variam de laboratório para laboratório, mas geralmente ficam entre 5 e 40 U/L.

Quando os valores de aspartato aminotransferase estão muito altos (10 vezes acima do normal), normalmente é sinal de hepatite aguda causada por vírus. Nesses casos, os níveis de AST podem demorar de 3 a 6 meses para voltar ao normal. 

Há ainda outras condições que podem elevar os níveis de aspartato aminotransferase, como exposição a produtos tóxicos para o fígado e redução da circulação sanguínea para o fígado.

Pessoas com hepatite crônica, cirrose, câncer de fígado, doenças biliares ou que tiveram infarto ou danos musculares, também podem apresentar resultados ligeiramente altos para o AST. Até mesmo exercícios físicos intensos podem elevar um pouco os níveis de aspartato aminotransferase.

Os níveis de AST normalmente são analisados em conjunto com a alanina aminotransferase (ALT), outra enzima encontrada no fígado, bem como com outros exames hepáticos (fosfatase alcalina, albumina, bilirrubinas...).

Os sinais e sintomas que podem indicar uma doença hepática e levar o médico a solicitar o exame AST são:

  • Dores na parte superior do abdômen;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Escurecimento da urina;
  • Coceira pelo corpo.

O exame AST também pode ser realizado quando o risco de desenvolver alguma doença hepática é maior, como em casos de hepatite, abuso de álcool, uso de certos medicamentos, entre outras situações.

A interpretação do exame AST deve ser feita pelo médico que solicitou o exame, que irá levar em consideração o exame clínico, a história e os resultados de outros exames.

Saiba mais em:

O que é TGO e TGP?

Para que servem os exames de TGO e TGP?

O que pode significar nível alto ou baixo de TGO e TGP?

O que significa CHCM no hemograma?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

CHCM é a sigla para Concentração da Hemoglobina Corpuscular Média. No hemograma, os valores de CHCM servem para verificar a quantidade de hemoglobina presente nas hemácias, também conhecidas como eritrócitos ou glóbulos vermelhos.

A hemoglobina é uma proteína que se liga ao oxigênio, permitindo aos eritrócitos executar a sua função de transportar o oxigênio dos pulmões para os tecidos do corpo.

A Concentração da Hemoglobina Corpuscular Média (CHCM) é um dos índices hematimétricos medidos através do eritrograma, parte do hemograma que serve para contar e avaliar as características dos glóbulos vermelhos. 

Quando o valor de CHCM está alto, os eritrócitos são mais escuros. Se a pessoa estiver com anemia, ela é chamada hipercrômica. Por outro lado, se a CHCM estiver baixa, as hemácias estão mais claras e a anemia é denominada hipocrômica.

Quando os valores de CHCM estão dentro do normal, a coloração dos glóbulos vermelhos é considerada normal. Logo, em caso de anemia, ela é classificada como normocrômica.

Veja também: Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Os valores de referência de CHCM variam entre 30 e 33 pg.

O outros índices hematimétricos fornecidos pelo eritrograma são o VCM (Volume Corpuscular Médio), que mede o tamanho da célula, e o RDW (Red Cell Distribution Width), que avalia amplitude de distribuição das hemácias. Esse índice serve para avaliar a variação de tamanho entre os glóbulos vermelhos.

Também pode lhe interessar: RDW alto no hemograma pode ser anemia?

Os resultados do hemograma devem ser analisados e interpretados pelo/a médico/a que solicitou o exame, juntamente com o exame clínico do/a paciente.

Saiba mais em:

CHCM alto no hemograma, o que pode ser?

CHCM baixo, o que pode ser?

No hemograma, o que significa VCM, HCM e RDW?

Para que serve o eritrograma e quais os valores de referência?

Bilirrubina alta: o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A bilirrubina alta pode pode indicar má capacidade de funcionamento do fígado, deficiência do fluxo de bile na vesícula biliar, bem como possíveis lesões hepáticas. Pode, portanto, ser um sinal de hepatite, cirrose hepática, Síndrome de Gilbert (condição benigna e genética que provoca uma elevação nos níveis de bilirrubina), câncer de fígado, anemia falciforme, cálculos ou tumores biliares, entre outras doenças.

Em excesso, a bilirrubina se deposita na pele, parte branca dos olhos e mucosas, deixando a pele e os olhos amarelados, uma condição conhecida como icterícia.

A bilirrubina é uma substância resultante do metabolismo da hemoglobina, uma substância do sangue que carrega o oxigênio e dá a cor vermelha aos glóbulos vermelhos.

Quando os glóbulos vermelhos, também conhecidos como hemácias, envelhecem, eles são captados e destruídos pelo baço. A hemoglobina é então "quebrada"e transformada em bilirrubina, que por sua vez é metabolizada e excretada pelo fígado. A bilirrubina também é excretada pela bile e eliminada por meio das fezes.

A bilirrubina indireta é a primeira bilirrubina a ser produzida nesse processo, sendo depois transformada em bilirrubina direta.

Assim, quando a bilirrubina indireta está alta, é sinal de aumento da degradação de hemoglobina ou deficiência do funcionamento do fígado. Já o aumento da bilirrubina direta tem como principal causa a deficiência da bile em eliminar a bilirrubina.

A elevação simultânea dos níveis de bilirrubina direta e indireta pode ser causada por obstrução da bile ou lesão intensa das células do fígado.

O médico hepatologista é o especialista indicado para investigar as causas da bilirrubina alta e indicar o tratamento adequado.

Saiba mais em: 

Para que serve o exame de bilirrubina no sangue?

Tenho a pele amarela desde que nasci. Posso ter hepatite?

Olhos amarelados, o que pode ser?

Quais os sintomas da leucopenia?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

A leucopenia não tem sintomas específicos, já que por si só não é uma doença, mas sim uma alteração laboratorial, vista no exame de sangue.

Em alguns casos, pode ser apenas uma variação normal relacionada à época da vida do indivíduo. Mas pode ser sinal de algum problema de saúde, e nesse caso, os sintomas serão aqueles da doença causadora.

Por exemplo, se for uma infecção, poderá haver febre, fraqueza, sintomas respiratórios etc.; se for um tumor, pode haver emagrecimento; se for consequência de hipotireoidismo, pode haver sonolência excessiva, lentidão para as atividades. E assim por diante.

A leucopenia precisa ser investigada pelo médico que inicialmente solicitou o hemograma. Quando necessário, ele poderá encaminhar a algum especialista.

Qual é o nível normal de ferritina no exame de sangue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O valor de referência da ferritina é entre 40 a 200 ng/mL (mcg/L). Esse valor pode variar de acordo com o gênero e com a idade da pessoa.

ferritina é uma proteína responsável pelo armazenamento do ferro dentro das células do nosso organismo. Quando seu valor está alterado, ela indica que há um desequilíbrio no estoque do ferro disponível.

Ela pode ser medida a partir do exame de sangue específico chamado Dosagem de Ferritina. Com esse exame é possível saber o estoque de ferro disponível e diagnosticar possíveis deficiências de ferro no organismo.

O exame de Dosagem da Ferritina não é um exame de rotina. Geralmente ele é feito durante a investigação das causas de anemia e da deficiência de ferro.

Todo exame solicitado por profissionais de saúde deve ser levado na consulta de retorno para uma leitura pormenorizada e para correlacionar com o quadro clínico do/a paciente.

Leia também:

Ferritina alta ou baixa: Quais os sintomas, consequências e tratamentos?

O que é ferritina?

Estou grávida e menstruei o que pode ser que aconteceu?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sangramento durante a gravidez é uma ocorrência relativamente frequente. Em alguns casos a mulher continua menstruando na data certa, mesma estando grávida. Geralmente essa "menstruação" é bem pouco e dura poucos dias. Sangramento durante a gestação só é preocupante quando for contínuo, ou ocorrer muitas vezes ou ser um sangramento muito intenso e vir acompanhado de cólicas fortes que pode indicar um aborto.

No seu caso o ideal seria ir ao ginecologista que vai lhe pedir os exames de pré-natal e um exame de ultrassonografia transvaginal (ou ecografia transvaginal) que vai dizer exatamente se está tudo bem com sua gravidez. Um novo exame de gravidez agora provavelmente daria positivo mesmo que você tivesse tido um aborto, porque os níveis de Bhcg (que são medidos no exame de gravidez) levam um tempo para negativarem.