Perguntar
Fechar

Saúde da Criança

Fumar durante a gravidez faz mal para o bebê?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Fumar durante a gravidez acarreta profundos malefícios para o/a bebê.

O fumo durante a gravidez é associado com maiores riscos de:

  • Parto prematuro;
  • Ruptura da bolsa;
  • Placenta prévia;
  • Restrição de crescimento intra-útero;
  • Baixo peso ao nascimento;
  • Morte neonatal.

Essas consequências são advindas da restrição de oxigênio que o feto fica exposto. Com isso, o feto apresentará um aumento da frequência cardíaca e uma redução dos movimentos.

Toda mulher gestante não deve fumar e deve evitar ficar perto de quem fuma ou em ambiente com muita fumaça (fumante passiva). Mesmo o fumo passivo é nocivo ao feto e pode provocar as consequências detalhadas acima.

Leia também:

Estresse durante a gravidez faz mal para o bebê?

7 Coisas que uma Grávida Não Deve Fazer

Fumar narguilé faz mal?

TDAH tem cura? Como é o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

TDAH não tem cura, mas tem tratamento.

Para tratar o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são utilizados psicoterapia, psicopedagogia (crianças) e medicamentos estimulantes e antidepressivos.

Nas crianças, o tratamento do TDAH deve ser multidisciplinar devido às disfunções pedagógicas e comportamentais que podem estar associadas. Além das medicações, os pais e os professores devem receber orientações e para a criança são ensinadas técnicas específicas para reduzir as suas dificuldades no aprendizado.

A fonoaudiologia é recomendada em casos específicos, quando simultaneamente ao TDAH a criança apresenta também dislexia (dificuldade na leitura) ou disortografia (dificuldade no aprendizado da ortografia e regras gramaticais). Também pode ser necessário o acompanhamento com outros profissionais, como psicopedagogo e psicomotricista, dependendo das dificuldades apresentadas.

Os medicamentos já apresentam resultados positivos logo no início do seu uso, sendo necessário cuidado com as doses devido alta incidência de efeitos colaterais. O ideal é que seja iniciado com doses baixas e que o seu aumento seja lento e gradativo.

Os efeitos colaterais mais comuns são: irritabilidade, insônia, dor abdominal, tremores, falta de apetite e dor de cabeça. Contudo, essas reações são leves e ocorrem sobretudo no começo do tratamento.

A Terapia Cognitivo Comportamental é a técnica de psicoterapia mais usada para tratar o TDAH em adultos, com boa resposta no alívio dos sintomas. O método ajuda o paciente a desenvolver formas de lidar com as suas limitações.

Os medicamentos estimulantes ou antidepressivos são recomendados principalmente quando os sintomas provocam muito sofrimento ao indivíduo ou prejudicam gravemente a sua vida pessoal e profissional.

O primeiro passo para tratar o TDAH é reconhecer o problema. Muitas vezes as pessoas demoram a procurar ajuda devido ao preconceito que existe em relação aos transtornos mentais.

A criança com suspeita de TDAH deve ser avaliada por um médico pediatra, que a encaminhará para um especialista se suspeitar do transtorno. Já os adultos devem consultar um médico psiquiatra.

Saiba mais em: O que é TDAH e como é diagnosticado?

Vacina contra sarampo: quem e quando deve tomar?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

De acordo com o esquema de vacinação brasileiro, a vacina contra o sarampo deve ser administrada em duas doses:

  • A primeira é dada logo depois que a criança completou um ano, geralmente sob a forma de vacina tríplice viral, isto é, que combina as vacinas do sarampo, rubéola e caxumba;
  • A segunda dose é dada entre 4 e 6 anos de idade.

Adultos que não tenham sido vacinados ainda, podem tomar uma dose única da vacina contra o sarampo num posto de saúde ou clínica particular.

A vacina é contra-indicada para gestantes e indivíduos imunocomprometidos.

O que faço para livrar minha filha dos piolhos?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Talvez deve-se usar novamente os remédios, tanto o por via oral, quanto o remédio para usar no cabelo (mas procure um médico para adaptar bem a dose ao máximo possível para sua filha para ter certeza que vai resolver) e também é importante saber de onde ela está pegando os piolhos, precisa eliminar o contato com a fonte dos piolhos, senão eles voltam a toda hora, mesmo que você faça o tratamento correto.

Saiba mais em: Qual é o melhor tratamento para acabar com piolhos?

Com quantos meses um bebê recém nascido pode viajar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não existe uma data exata em que é mais seguro ou menos seguro para um bebê viajar (salvo ordens expressas do pediatra). Precisa ter a "cadeirinha" adequada (segurança e conforto para o bebê, além de ser obrigatório por lei). O ideal é que nos primeiros meses, se necessário, o bebê faça apenas viagens curtas.

Transtorno desintegrativo da infância é grave?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O transtorno desintegrativo da infância (TDI), também conhecido como síndrome de Heller, é uma doença grave, rara, de causa desconhecida, que provoca perda das habilidades já adquiridas nas áreas da linguagem, interação social e capacidades motoras.

Crianças com transtorno desintegrativo da infância apresentam um desenvolvimento aparentemente normal nos primeiros 2 anos de vida, mas antes de completarem 10 anos de idade começam a manifestar uma profunda regressão na comunicação e nas habilidades sociais.

A causa do transtorno não é conhecida, mas acredita-se que a sua origem esteja associada a fatores genéticos, acidentes antes ou durante o parto, infecções e doenças neurológicas.

A doença causa retardo mental grave, epilepsia, prejudica severamente o funcionamento global da criança e o seu desenvolvimento durante toda a vida.

O transtorno desintegrativo da infância é raro, com cerca de 1,5 casos em cada 100.000 nascimentos, sendo bem mais comum em meninos do que em meninas. Apresenta algumas semelhança com o autismo, porém, trata-se de um quadro bem diferente no início, na evolução e nas consequências.

O tratamento do transtorno desintegrativo da infância deve começar o mais cedo possível, com abordagem multidisciplinar na área educacional, social e psicológica, é possível em algumas crianças recuperar até 20% das capacidades e habilidades perdidas.

Os pais também merecem apoio psicológico, pois costuma ser muito difícil saber que o filho que até então vinha desenvolvendo-se normalmente está a perder capacidades e habilidades de maneira quase totalmente irreversível.

Saiba mais em: Transtorno desintegrativo da infância: Quais os sintomas e como tratar?

Como melhorar a imunidade do bebê?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É possível melhorar a imunidade do bebê adotando algumas medidas simples, que passam principalmente pela alimentação e introdução de hábitos capazes de fortalecer o sistema imunológico da criança. Algumas delas:

  • Amamentar: O leite materno atua como se fosse uma primeira vacina, pois possui nutrientes essenciais e anticorpos (sobretudo o colostro) que protegem o bebê de infecções, alergias, diarreias. Recomenda-se que a amamentação ocorra até os 6 meses de idade;
  • Introduzir frutas e legumes na alimentação do bebê: A partir dos 6 meses, recomenda-se a introdução de comida sólida na alimentação do bebê e as frutas e os legumes fornecem vitaminas e sais minerais fundamentais para melhorar a imunidade do bebê. Se estes nutrientes estiverem disponíveis nas quantidades ideais, o organismo é capaz de produzir uma resposta imunológica mais rápida;
  • Ter as vacinas em dia: A vacinação é essencial para proteger o bebê de várias doenças graves, dando imunidade específica para cada uma delas;
  • Deixar o bebê explorar o mundo ao seu redor: É importante deixar a criança entrar em contato com as coisas à sua volta, para que ela ganhe imunidade contra micro-organismos comuns;

  • Não fumar dentro de casa: Bebês e crianças que convivem com fumantes desenvolvem muito mais doenças respiratórias como asma, bronquite e pneumonia, infecções de ouvido, além de aumentar o risco de doença cardiovascular;
  • Expor o bebê ao sol: A partir do 1º mês, o bebê já pode e deve tomar banhos de sol. 5 a 10 minutos por dia são suficientes para melhorar a imunidade do bebê e, principalmente, auxiliar a ativação da vitamina D, evitando o raquitismo. Porém, a exposição ao sol deve ocorrer antes das 10 hs ou após às 16 hs. Não esquecer de protetor solar (a partir dos 6 meses), chapéus e bonés;
  • Fazer massagens no bebê: A massagem provoca alterações no sistema nervoso central, que podem refletir na ativação ou modulação das respostas do sistema imunológico da criança;
  • Dormir tempo suficiente: É durante o sono que o organismo produz uma maior quantidade de substâncias que estão diretamente relacionadas com a produção de anticorpos e com o desempenho das células de defesa. Os bebês recém-nascidos precisam dormir de 16 a 20 horas por dia, passando para 14 a 15 horas, entre os 6 meses e 2 anos de idade.

Para maiores informações sobre como melhorar a imunidade do bebê, fale com o seu médico de família ou pediatra.

Quais os sintomas do refluxo em bebê?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O refluxo nos bebês acontece mais comumente devido à imaturidade do trato gastrointestinal superior. Outra possibilidade é que o bebê tenha alguma dificuldade de digestão, intolerância ou alergia a algum alimento da sua alimentação.

Geralmente, as golfadas em pequenas quantidades após as mamadas são os sintomas de refluxo. Isso é normal e pode acontecer com todos os bebês; contudo, quando acontece várias vezes, em grande quantidade e muito tempo depois da mamada, é necessária a avaliação pelo médico pediatra.

Os sintomas de refluxo patológico são:

  • Sono agitado;
  • Vômitos constantes;
  • Dificuldade para mamar;
  • Irritação e choro excessivo, especialmente durante as mamadas;
  • Choro rouco;
  • Dificuldade para ganhar peso;
  • Inflamações frequentes nos ouvidos;
  • Pneumonia aspirativa: quando o leite entra no pulmão e causa pneumonia.

Quando as golfadas após as mamadas são frequentes e o bebê tem dificuldade em ganhar peso, ou na presença dos sintomas acima listados, deverá ser procurado o médico pediatra.