Perguntar
Fechar

Saúde da Criança

O que é a síndrome mão-pé-boca? Quais os sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A síndrome mão-pé-boca é uma infecção que causa feridas na boca, mãos, pés, nádegas e às vezes na região genital. Essa síndrome é causada pelos vírus do tipo enterovírus, principalmente o Coxsackie vírus.

A transmissão ocorre pela via fecal-oral através do contato direto com secreções (fezes e saliva) ou objetos contaminados. A síndrome é mais frequente em crianças menores de 5 anos.

Em geral, a síndrome é auto-limitada e tem a duração de 2 a 3 dias.

Os principais sintomas são:

  • Feridas que podem aparecer na boca, mãos, pés, nádegas e às vezes na região genital podendo ser caracterizadas como pequenas bolhas ou vesículas que ulceram;
  • Dor ao engolir ou refusa para comer caso a criança seja pequena;
  • Aumento da salivação;
  • Dor nas áreas afetadas;
  • Febre;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Vômitos.

Continue a leitura em:

Qual é o tratamento para a síndrome mão-pé-boca?

Meu sobrinho há 15 dias com diarreia e barriga grande...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Diarreia com aumento da barriga e geralmente é algum tipo de infecção intestinal, precisam levar esse menino ao médico para correto diagnóstico e tratamento.

Tenho 15 anos e sofro muito pois tenho o intestino solto...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Seu problema é chamado de encoprese. Existe sim outras formas de tratamento da encoprese (claro que isso depende da avaliação que o médico realizou). na verdade a maioria desses caso são tratados com uso de medicamentos e não com cirurgia. O ideal é procurar um pediatra ou psiquiatra que trate esse tipo de distúrbio, um homeopata também pode ajudar.

O que é a Síndrome de Prader-Willi, quais os sintomas e como é o tratamento?

A Síndrome de Prader-Willi é uma doença genética causada por uma alteração do cromossomo 15 paterno no momento da concepção. O distúrbio caracteriza-se por hipotonia (músculos "moles") ao nascimento, retardo mental, ingestão excessiva de alimentos (hiperfagia), baixa produção de hormônios sexuais, estatura baixa e atraso no desenvolvimento psicomotor.

Quando nascem, os bebês portadores da Síndrome de Prader-Willi apresentam um choro fraco e têm dificuldade para sugar devido ao baixo tônus muscular, o que torna difícil a amamentação.

A hipotonia dificulta a realização de movimentos e a criança também têm dificuldade para aprender coisas e falar. Outros sinais e sintomas incluem alterações hormonais, escoliose, instabilidade emocional, dificuldade de socialização e alterações de comportamento como automutilação e comportamento obsessivo-compulsivo.

A busca constante por comida surge entre 2 e 5 anos de idade, levando à obesidade, que é outra característica marcante da Síndrome de Prader-Willi. Essa fome incontrolável, conhecida como hiperfagia, é decorrente de uma disfunção na região do cérebro responsável pelo controle do apetite.

A perda da saciedade faz a criança comer compulsivamente, o que torna difícil controlar o excesso de peso. O resultado é o desenvolvimento de outros problemas de saúde decorrentes da obesidade, como diabetes e doenças cardiovasculares.

O tratamento da Síndrome de Prader-Willi é multidisciplinar, envolvendo médicos neurologista, cardiologista, pneumologista, ortopedista e endocrinologista, fisioterapeuta, nutricionista e psicólogo.

A introdução precoce de novos hábitos alimentares e exercício físico pode ajudar a controlar o aumento de peso, melhorando a qualidade de vida e aumentando a expectativa de vida do paciente.

A utilização de hormônio do crescimento precocemente é importante para combater a baixa estatura. A fisioterapia ajuda a melhorar o tônus muscular e aumentar a força muscular. O tratamento ortopédico também deve começar o quanto antes para corrigir as deformidades ósseas na coluna e membros inferiores.

Todas as intervenções terapêuticas visam controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente, uma vez que a Síndrome de Prader-Willi não tem cura.

Os médicos neurologista e geneticista são os especialistas indicados para diagnosticar a síndrome.

Também pode lhe interessar:

O que é a Síndrome de Angelman e como identificá-la?

O que é deficiência intelectual e quais são as suas características?

Hemólise o que quer dizer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Hemólise significa a destruição das células dos sangue (hemo = sangue e lise = quebra ou ruptura), diante desta situação novo sangue precisa ser colhido. Provavelmente não tem nada haver com os medicamentos que ele toma.

O que é eritema infeccioso e quais os sintomas?

Eritema infeccioso é uma doença infantil benigna, leve, caracterizada por erupções na pele. Recebe também o nome de Quinta Doença, por ser a quinta de um grupo de doenças semelhantes, do qual também fazem parte a rubéola, o sarampo e a escarlatina.

A maior parte dos casos de eritema infeccioso ocorre no final do inverno ou início da primavera. A ocorrência de grupos de casos em escolas ou creches também é frequente.

O eritema infeccioso é bastante comum em crianças. Até os 15 anos de idade, cerca de 50% delas já está imune por já terem tido a doença.

Os sintomas do eritema infeccioso manifestam-se de acordo com o estágio da doença:

  • Primeiro estágio: Dor de cabeça, dor no corpo, dor de garganta, febre leve e calafrios. Estes sintomas duram 2 ou 3 dias;
  • Segundo estágio: Não apresenta sintoma algum durante um período de até uma semana;
  • Terceiro estágio:
    • Crianças: Apresentam erupções cutâneas na face que as deixam com a aparência de terem sido esbofeteadas. Esta erupção cutânea na face pode ser seguida de erupções rendilhadas mais evidentes nos braços e nas pernas;
    • Adultos: Têm menos chances de apresentar as erupções do terceiro estágio, podendo às vezes desenvolver dor e inchaço nas articulações, principalmente nas mãos e nos pés.

O eritema infeccioso normalmente é leve e, na maior parte dos casos, os pacientes, adultos e crianças, recuperam-se sem complicações. Há pessoas que nem chegam a manifestar sintomas.

Casos em que a pessoa fica muito mal com o eritema infeccioso são raros. Indivíduos com problemas de sangue, como anemia falciforme, ou com um sistema imunológico debilitado (decorrente de HIV/AIDS ou quimioterapia, por exemplo) são os que apresentam maior risco de complicações.

O eritema infeccioso deve ser diagnosticado e tratado preferencialmente por um médico dermatologista (adultos) ou pediatra (crianças).

Saiba mais em: Erupção cutânea pode ser o quê?

Posso amamentar depois de tomar gripeol?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O ideal é não associar esse remédio com a amamentação, em principio existe uma contra-indicação relativa ao uso desse medicamento nesta situação (isso significa que o benefício deve ser maior que o risco), no caso como ele é um remédio para gripes e resfriados, o benefício trazido para você, não justifica o risco para o bebê.

Meu filho tem 10 anos e sempre sentiu dores nas pernas...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Este exame sugere algum tipo de inflamação no corpo, ele é muito inespecífico e pode dar alterado em milhares de situações desde uma gripe até um osso quebrado, então não dá para saber o que ele tem por esse exame.