Perguntar
Fechar

Saúde da Criança

Meu bebê recém nascido tem os olhos amarelados, o que é isso?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Geralmente, os olhos amarelados do recém nascido é chamado de icterícia fisiológica. Essa icterícia não é uma doença, ela é apenas uma adaptação do metabolismo do recém nascido e tende a resolver na primeira ou segunda semana de vida.

A coloração amarelada da conjuntiva dos olhos é uma consequência do aumento da produção de bilirrubina, a diminuição de sua degradação e o aumento da circulação entre o intestino e o fígado. Com a adaptação, o organismo do recém nascido aos poucos elimina o excesso dessa molécula e a conjuntiva volta à coloração branca habitual.

Há situações em que os olhos do recém nascido continuam amarelados após a segunda semana de vida, e nesses casos há necessidade de investigação e tratamento.

Essa avaliação é feita pelo/a pediatra ou médico/a de família nas consultas de rotina de puericultura. Essas consultas são importantes para acompanhar a adaptação do organismo e o crescimento do recém nascido. É fundamental comparecer às consultas marcadas, mas se houver alguma alteração preocupante no intervalo entre elas, os responsáveis pela criança podem marcar uma consulta extra de avaliação ou mesmo levar o bebê ao serviço de emergência.

Saiba mais em:

Quais as causas da icterícia neonatal e como é o tratamento?

Como posso saber se o meu bebê tem icterícia?

Bilirrubina alta: o que pode ser?

Para que serve o exame de bilirrubina no sangue?

Vacina para meningite B provoca alguma reação ou efeito colateral?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a vacina contra meningite B, também conhecida como Bexsero®, pode provocar reações e efeitos colaterais. Em bebês e crianças com menos de 2 anos de idade, as reações mais comuns são: dor, inchaço e vermelhidão no local da injeção, febre e irritabilidade.

Em adolescentes e adultos, os efeitos colaterais mais observados são: dor no local da aplicação, mal-estar e dor de cabeça.

Nos bebês e nas crianças de até 2 anos, a vacina para meningite B pode ser administrada isoladamente ou em conjunto com outras vacinas.

Quando administrada isoladamente, a frequência de febre é semelhante às outras vacinas de rotina para crianças nessa faixa etária. 

Quando administrada com outras vacinas, aumentam as chances de reações adversas como febre, irritação, mudança nos hábitos alimentares, sonolência e sensibilidade no local da injeção.

A febre normalmente desaparece no dia seguinte à vacinação. Para amenizar ou até prevenir a febre, pode-se utilizar paracetamol. Este medicamento não interfere na eficácia da vacina contra meningite B.

Além da vacina que previne contra a meningite meningocócica tipo B, há também a vacina meningocócica conjugada ACWY, que protege contra meningite meningocócica dos tipos A, C, W e Y.

Ambas as vacinas só estão disponíveis em clínicas privadas e não fazem parte do calendário básico de vacinação do SUS. Na rede pública de saúde está disponível a vacina contra a meningite C, que é gratuita e está disponível para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes entre 11 e 14 anos.

Caso tenha mais dúvidas sobre vacinas, consulte o seu médico de família ou pediatra.

Também podem lhe interessar:

O que é meningite meningocócica e quais os sintomas?

Meningite é contagiosa? Como ocorre a transmissão?

É possível ter meningite mais que uma vez?

Como identificar o transtorno opositor desafiador (TOD)?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sinais e sintomas do transtorno opositor desafiador (TOD) são comportamentos antissociais e desafiadores, sendo os mais marcantes: a rebeldia, a teimosia e a recusa em obedecer os adultos.

O transtorno de oposição desafiante ou transtorno desafiador opositivo, como também é conhecido, é um distúrbio frequentemente observado em crianças e adolescentes. Caracteriza-se por perturbações e conflitos com os outros, comportamentos antissociais, dificuldade em seguir regras, normas morais e autoridades, e dificuldades em socialização.

Crianças com transtorno desafiador opositivo são persistentemente desobedientes, solitários e hostis, desafiando constantemente os pais, os professores e outras figuras de autoridades.

São comuns também a dificuldade em controlar as emoções, muitas vezes com explosões de fúria, agressões verbais, hostilidades e desejos de vingança.

Os primeiros sinais do transtorno opositivo desafiador normalmente se manifestam na idade pré-escolar, sendo menos frequente porém possível, durante a adolescência.

Apesar desses comportamentos serem considerados normais em um ou outro momento da infância e adolescência, no transtorno opositivo desafiador essas atitudes são constantes e excessivas quando comparadas com as outras crianças.

Crianças e adolescentes com TOD desafiam as regras morais e sociais e também tendem a perturbar deliberadamente quem as rodeiam. Podem se manifestar em apenas um ou em vários ambientes, como escola, casa, casa de familiares e amigos, entre outros.

Quanto mais cedo for diagnosticado e tratado, maiores as chances de cura ou resposta satisfatória, além de evitar que o quadro se torne mais grave na idade adulta.

Saiba mais em:

Transtorno opositor desafiador (TOD) tem cura? Como é o tratamento?

Quais as causas do transtorno opositor desafiador (TOD)?

O que fazer quando o bebê não quer mamar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Quando o bebê não quer mamar e recusa a mama, tente fazer o seguinte:

  • Não force o bebê a mamar. Espremer um pouco de leite na boca dele no início da mamada pode ajudar.
  • Amamente quando a criança estiver com fome, em horários livres, evite a imposição de horários rígidos.
  • Verifique se o bebê "pega" numa boa posição; Lembrar que numa pega adequada o bebê deve abocanhar toda a aréola e não apenas o mamilo. É importante que o rosto do bebê esteja virado para a mama, a boca mais aberta possível, e os lábios virados para fora, o queixo da criança deve encostar na mama.
  • Tente diferentes posições em que a mãe e o bebê se mantenham confortáveis e permitam a pega adequada. Os bebês quando estão desconfortáveis não conseguem mamar. Lembrar que  contato corpo a copo entre mãe e bebê é essencial, evite um espaço vazio ou com mantas e cobertas entre os dois.
  • Evite o uso de mamadeiras e chupetas, podem confundir o bebê e dificultar a amentação.
  • Se o bebê aparentar estar com muita fome, com uma xícara, dê um pouco do leite obtido por expressão.
  • Espere o bebê se acalmar e tente novamente. Há crianças que sugam melhor quando estão com sono.
  • Procure ajuda profissional como enfermeiros, médico de família ou pediatra. Os profissionais podem passar orientações e ajudar a tranquilizar a mãe.
Causas do bebê não querer mamar
  • A criança pode estar doente, com uma infecção ou lesão cerebral: Neste caso, ela deverá apresentar outros sintomas, como vômitos, diarreia, sonolência, icterícia (olhos e pele amarelados) ou convulsões;

    • O que fazer: Levar o bebê para ser examinado por um médico com urgência;
  • Algum problema no nariz ou na boca:
    • Resfriado que está bloqueando o nariz.
      • O que fazer: Limpar o nariz antes de cada mamada, da seguinte forma:
        • Enrolar um pedaço de pano bem limpo ou um lenço de papel em forma de canudo;
        • Umedecer o pano ou lenço e introduzi-lo nas narinas do bebê, caso ele tenha muco seco dentro do nariz;
    • Feridas na boca (sapinho):
      • O que fazer: Aplicar gotas de Nistatina ou Violeta de Genciana, 3 vezes ao dia, até cicatrizar por completo.
  • O bebê pode ser muito pequeno e fraco para sugar (se a criança pesar menos de 1,8 Kg):
    • O que fazer: O bebê deve ser alimentado com o leite obtido por expressão em xícara ou colher, até que tenha mais força para sugar;
  • Mamar é frustrante ou desagradável para o bebê: O leite pode descer em grande quantidade e com muita rapidez, o que faz a criança engasgar quando começa a sugar, pois o leite jorra da mama. O bebê fica com medo e recusa o peito.
    • O que fazer:
      • Retirar o leite por expressão antes de cada mamada, para que as mamas não fiquem tão cheias e o leite não saia com tanta força;a ejeção não será tão forte;
      • Oferecer apenas uma mama a cada mamada, deixando que o bebê termine um lado para obter o leite do fim;
      • Não oferecer o outro peito até a próxima mamada, pois assim a produção de leite irá se ajustar às necessidades do bebê.
    • O bebê recebeu leite em mamadeira: Quando ele aprende a mamar na mamadeira, pode ser que se recuse a sugar a mama.
      • O que fazer: Evite dar mamadeira antes do bebê mamar no peito;
    • Bicos ou chupetas: Confundem a sucção do bebê:
      • O que fazer: Evite usar bicos.

Se mesmo assim, o bebê continuar a não querer mamar, fale com o médico pediatra ou médico de família.

Comer ovo durante a amamentação faz mal para o bebê?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. Comer ovo durante a amamentação não faz mal ao/à bebê.

O ovo é uma ótima fonte de proteína, vitaminas, minerais, gordura  e pode ser consumido durante a amamentação sem causar nenhum prejuízo à mulher ou ao/à bebê.

A mulher que está amamentando precisa garantir uma alimentação diversa, completa e com maior quantidade de calorias para manter a produção de leite.

A quantidade adequada de calorias para cada mulher será dependente do seu peso, altura, idade e das possíveis atividades físicas desempenhadas por ela

Algumas comidas devem ser evitadas durante a amamentação como determinados peixes que podem conter elevados níveis de mercúrio. As demais comidas são liberadas e não demonstram riscos para a mãe e/ou bebê.

Uma alimentação diversificada deve incluir frutas, vegetais, grãos, cereais, proteínas, etc. Além disso, a mulher deve ter uma boa ingesta de água para se hidratar e recuperar os líquidos perdidos durante a amamentação.

Leia também: Amamentar aumenta o apetite?

Converse com o/a médico/a durante as consultas de rotina de puericultura.  

Estou amamentando: posso usar água oxigenada e pó descolorante nos pelos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Tanto a água oxigenada quanto os descolorantes são permitidos durante a amamentação.

Deve-se ter o cuidado de evitar a utilização na região do tórax, principalmente nos seios, além de lavar bem as mãos com água e sabão para evitar o contato do produto diretamente com o/a bebê.

Com esses cuidados a água oxigenada e os descolorantes podem ser utilizados sem risco tanto para a mãe quanto para o/a bebê que está amamentando.

É muito importante o acompanhamento da amamentação durante as consultas de puericultura para tirar dúvidas quanto aos produtos permitidos e proibidos, bem como acompanhar o desenvolvimento da criança.

A amamentação é fundamental para que a criança desenvolva adequadamente e deve ser exclusiva até os 6 meses de idade.

Posso tomar Amoxicilina e Paracetamol amamentando?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim, pode tomar Amoxicilina e Paracetamol e amamentar seu bebê sem problemas, nenhum dos dois medicamentos costumam fazer mal ao bebê. Salvo casos de alergias aos remédios citados. Eventualmente a Amoxicilina pode estar associada a casos de diarréia em crianças.

Meu filho 13 anos queixa-se de caroço em seu peito esquerdo?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Nesta idade já existe uma grande quantidade de hormônios sexuais agindo no corpo de seu filho, isto sempre levanta a dúvida se um caroço ou nódulo de mama nesta idade representa apenas um problema hormonal ou pode ser um nódulo na mama mesmo. Seu filho precisa ser examinado por um médico, leve ele num pediatra (alguns não atendem crianças com mais de 12 anos) ou ginecologista que eles saberão conduzir a investigação adequada para esse tipo de situação.