Perguntar
Fechar

Endometriose

O que é endometriose intestinal? Quais os sintomas?

Endometriose intestinal é o crescimento de tecido do endométrio (camada mais interna do útero) no intestino. Trata-se de um tipo de endometriose profunda, uma forma grave de endometriose que caracteriza-se pela presença de lesões com mais de 5 mm de profundidade.

As lesões da endometriose intestinal normalmente aparecem na forma de nódulos e possuem muita fibrose, um tecido conjuntivo endurecido semelhante a uma cicatriz.

Os principais sintomas da endometriose intestinal são: dor ao evacuar ou sangramento intestinal durante a menstruação. Esses são os sinais e sintomas típicos da endometriose intestinal. Além deles, a mulher também pode apresentar:

  • Cólicas menstruais (dismenorreia);
  • Dor durante a relação sexual (dispareunia);
  • Dor pélvica;
  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Diarreia durante o período menstrual.

O tratamento da endometriose intestinal pode ser feito com medicamentos hormonais ou cirurgia. A medicação não é capaz de curar a doença, mas pode ser eficaz para controlar a dor. Contudo, mesmo sem apresentar sintomas, a endometriose pode evoluir.

Casos mais graves de endometriose intestinal, em que há diminuição do calibre do intestino, precisam obrigatoriamente de tratamento cirúrgico. A cirurgia também é indicada quando o tratamento hormonal não é satisfatório.

A cirurgia é feita por videolaparoscopia e remove por completo as lesões intestinais. O tratamento cirúrgico é muito eficaz no controle da dor e a taxa de complicações é baixa, melhorando significativamente a qualidade de vida das mulheres.

Leia também: Como é a cirurgia de endometriose?

O médico ginecologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da endometriose intestinal.

Saiba mais em:

O que é endometriose?

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

Quais são os sintomas da endometriose?

Qual a diferença entre endometriose e endometrioma?

O endometrioma é um cisto que acomete principalmente o ovário, sendo considerado uma forma de manifestação localizada da endometriose.

A endometriose é o crescimento de tecido do endométrio (camada mais interna do útero) fora da cavidade uterina.

A endometriose é uma doença benigna, que caracteriza-se pela presença de tecido endometrial em outros locais que não o útero, tais como:

  • Ovários;
  • Peritônio (tecido que recobre os órgãos);
  • Intestino;
  • Ligamentos uterinos;
  • Região posterior do colo uterino.

A endometriose pode se manifestar de forma difusa ou localizada. O endometrioma pode ser definido como uma forma de manifestação localizada da endometriose.

Leia também: O que é endometriose?

O conteúdo do endometrioma é composto por sangue escuro envelhecido e tecido endometrial. Esses cistos acometem os ovários em cerca de 70% dos casos, podendo medir mais de 7 cm em alguns casos.

Ainda não se sabe ao certo a origem do endometrioma. Uma das teorias sugere a penetração de um foco de endometriose localizado na superfície do ovário.

Outra admite que o cisto se forma a partir de sangue menstrual que se deposita na superfície do ovário e penetra no órgão.

Saiba mais sobre endometrioma, seus sintomas e tratamento em:

O que é endometrioma?

Endometrioma tem cura? Qual o tratamento?

Tanto o endometrioma como a endometriose possuem tratamento, que pode incluir medicamentos, terapia hormonal e cirurgia.

O médico ginecologista é o responsável pelo diagnóstico e escolha do tratamento mais indicado.

Quais são os sintomas da endometriose?

Os sintomas da endometriose podem ser variados, e incluem: dor pélvica (no baixo ventre ou "pé da barriga"), que pode ocorrer diariamente, ou apenas no período menstrual; dores durante relação sexual; dificuldade para engravidar; alterações do hábito intestinal durante o período menstrual, como dores, sangramentos ou diarreia e alterações do hábito urinário, como dor e/ou sangramento ao urinar.

Como a endometriose ocorre pela presença de células do endométrio (camada interna do útero) fora de seu lugar habitual e sujeitas às alterações hormonais, é uma pista importante para o diagnóstico o fato dos sintomas aparecem ou piorarem ciclicamente, junto com a menstruação.

No caso de haver sintomas similares, é necessário uma avaliação ginecológica.

Leia também:

O que é endometriose profunda e quais os sintomas?

O que é endometriose intestinal? Quais os sintomas?

Endometrioma tem cura? Qual o tratamento?

Sim, endometrioma tem cura e o tratamento pode ser feito com medicamentos ou cirurgia, dependendo do tamanho do cisto, dos sintomas apresentados e da gravidade da doença.

Em geral, endometriomas com menos de 3 cm que não causam sintomas não necessitam de tratamento específico, apenas acompanhamento médico.

O tratamento cirúrgico é o mais indicado para endometriomas com mais de 3 cm, pois frequentemente voltam a aparecer após o tratamento medicamentoso.

O tratamento dos endometriomas visa aliviar as cólicas menstruais, a dor pélvica e tratar a infertilidade provocada pela doença.

Como é o tratamento medicamentoso do endometrioma?

Os medicamentos usados para tratar o endometrioma bloqueiam a função ovariana, podendo reduzir drasticamente a produção do hormônio estrógeno.

Porém, a medicação pode facilitar a cirurgia, reduzindo o fluxo sanguíneo na pelve, o tamanho do  cisto e os processos inflamatórios pós-operatórios. 

Dentre os medicamentos usados está o hormônio GnRH (Hormônio Regulador das Gonadotrofinas), capaz de reduzir o tamanho do endometrioma em cerca de 50%.

Contudo, o seu uso retarda o retorno à fertilidade por baixar os níveis de estrógeno.

Como é o tratamento cirúrgico do endometrioma?

A cirurgia é feita por laparoscopia, através de cistectomia (remoção cirúrgica do cisto) ou vaporização (pulverização do cisto com laser).

Uma das consequências da cirurgia é que a remoção do endometrioma pode diminuir a resposta do ovário quando é feito tratamento para engravidar.

Também pode lhe interessar: Quem tem endometrioma pode engravidar?

Isso ocorre porque a cápsula que envolve o cisto é formada por tecido ovariano, que acaba sendo retirado durante a cistectomia.

O risco de lesar o ovário é menor com a técnica de vaporização, que preserva a cápsula do endometrioma.

O endometrioma pode voltar após a cirurgia?

Sim. Técnicas cirúrgicas que preservam a cápsula, como a vaporização, aumentam as chances do cisto voltar.

Nos casos mais avançados, as recidivas são frequentes e ocorrem principalmente devido a focos profundos de endometriose no ovário, que não foram vistos no momento da cirurgia.

Apesar do risco de recidiva, a cirurgia é a única forma de curar definitivamente o endometrioma.

O médico ginecologista é o responsável pelo tratamento do endometrioma.

Leia também:

O que é endometrioma?

Qual a diferença entre endometriose e endometrioma?

Tenho endometriose: posso engravidar?

Sim, quem tem endometriose pode engravidar, embora tenha menos chance de conseguir engravidar naturalmente. Sem tratamento, a possibilidade de uma gravidez espontânea é de cerca de 50%.

A cirurgia por videolaparoscopia é uma opção de tratamento para pacientes com endometriose que pretendem engravidar naturalmente. O procedimento retira as lesões da endometriose e as aderências, aumentando as chances de uma gravidez natural.

Existem ainda as técnicas de reprodução assistida como a inseminação intrauterina e a fertilização in vitro (bebê de proveta).

O tratamento normalmente usado para a endometriose, através de hormônios e anticoncepcionais, não pode ser aplicado quando a mulher pretende engravidar pois ela deixaria de ovular.

A endometriose pode impedir uma gravidez?

Sim, se não for tratada adequadamente, a endometriose pode impedir a mulher de engravidar, tornando-a infértil. Sabe-se que cerca de 40% das mulheres com problemas de infertilidade possuem endometriose.

Algumas razões por que a endometriose pode impossibilitar uma gravidez:

  • Obstrução das trompas de Falópio;
  • Aderências que impedem o encontro do óvulo com os espermatozoides;
  • Produção de substâncias e células inflamatórias que atrapalham a interação do óvulo com o espermatozoide;
  • Alterações na ovulação;
  • Alterações nos folículos e nos embriões;
  • Anormalidades na musculatura do útero;
  • Distúrbios na implantação do embrião no útero.

Também pode lhe interessar: Endometriose e gravidez, pode ocorrer algum problema?

Endometriose tem cura?

A endometriose não tem cura, mas possui diversas opções de tratamento. Normalmente são utilizados medicamentos anticoncepcionais que controlam e interrompem a menstruação, evitando assim o acúmulo interno de sangue.

Leia também:

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

Endometriose pode virar câncer?

Quem tem endometrioma pode engravidar?

O tipo de tratamento depende da gravidade dos sintomas e do grau da endometriose.

Se você tem endometriose e pretende engravidar, consulte um médico ginecologista.

Como é a cirurgia de endometriose?

A cirurgia de endometriose normalmente é realizada por videolaparoscopia. O método é o mais usado no tratamento cirúrgico da endometriose, pois permite visualizar os focos da doença de forma mais precisa e definida, além de diminuir os riscos de complicações e garantir uma melhor recuperação no pós-operatório.

A videolaparoscopia é um procedimento minimamente invasivo, em que são realizados pequenos cortes de 5 a 10 mm na parede abdominal e, através deles, são introduzidos uma câmera de vídeo e os instrumentos cirúrgicos.

Depois, o interior do abdômen é insuflado com gás carbônico para facilitar o procedimento e permitir que o cirurgião realize a operação com maior segurança.

A seguir, todos os focos de endometriose são retirados e são corrigidas as distorções provocadas pelas aderências resultantes da doença.

O objetivo da cirurgia de endometriose é retirar totalmente os focos de endometriose profunda, corrigir as alterações anatômicas e liberar as aderências da cavidade abdominal.

Contudo, o tratamento cirúrgico não cura a endometriose. A cirurgia elimina os principais focos da doença e diminui o processo inflamatório dentro do abdômen, melhorando a dor e a fertilidade. 

A grande maioria das mulheres submetidas à cirurgia apresentam melhora da dor, embora o risco das lesões voltarem após a operação é de até 50%. 

Para diminuir as chances de recidiva dos sintomas após a cirurgia, normalmente realiza-se um tratamento com medicamentos para as mulheres que não pretendem engravidar a curto prazo.

Lembrando que a cirurgia é indicada para tratar a endometriose quando os sintomas não melhoram com o tratamento medicamentos ou nos casos mais graves da doença.

O médico ginecologista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento da endometriose.

Saiba mais em:

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

O que é endometriose intestinal? Quais os sintomas?

Quem tem endometrioma pode engravidar?

Sim, quem tem endometrioma pode engravidar. Porém, dependendo do tamanho do endometrioma, dos sintomas e do grau de endometriose, ele pode interferir na fertilidade.

Endometriomas com mais de 3 cm podem diminuir a quantidade de folículos ovarianos, que originam os óvulos, reduzindo assim a ovulação e as chances de uma gravidez espontânea.

Contudo, o endometrioma não parece influenciar a taxa de gravidez em técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro, também conhecida como "bebê de proveta". Leia também: O que é fertilização in vitro e como funciona?

Por isso, mulheres que não apresentam sintomas não necessitam passar por uma cirurgia para tentar engravidar, podendo iniciar diretamente a estimulação ovariana.

Já nos casos sintomáticos, é indicada a remoção cirúrgica do endometrioma antes de iniciar o tratamento para engravidar.

Porém, após a cirurgia para retirar o cisto, pode haver uma redução da reserva ovariana, o que  diminui a resposta do ovário à estimulação ovariana, dificultando assim a gravidez pela fertilização in vitro.

Saiba mais em: Endometrioma tem cura? Qual o tratamento?

Cabe ao médico ginecologista avaliar o risco-benefício da cirurgia e adotar o tratamento cirúrgico apenas quando for mesmo necessário, bem como da técnica cirúrgica mais indicada para preservar a integridade do ovário.

Também podem lhe interessar:

Tenho endometriose: posso engravidar?

Qual a diferença entre endometriose e endometrioma?

Endometriose e gravidez, pode ocorrer algum problema?

A endometriose não atrapalha o desenvolvimento da gravidez e dificilmente poderá trazer riscos à gestação. A partir do momento que a mulher está grávida, a endometriose deixa de ser um problema.

Engravidar com endometriose também não oferece nenhum risco de sequelas ou à saúde do bebê.

A gravidez é até considerada uma forma de tratamento para a endometriose, uma vez que a mulher fica pelo menos 9 meses sem menstruar, sem contar o período de amamentação.

Endometriose aumenta as chances de gravidez de risco?

Mulheres com endometriose profunda podem ter mais chances de abortamentos no 1º trimestre de gravidez, embora o risco seja apenas ligeiramente maior do que nas grávidas que não têm endometriose.

Outras possíveis complicações são:

  • Gravidez tubária;
  • Parto prematuro;
  • Rompimento dos vasos sanguíneos do útero;
  • Complicações com a placenta;
  • Eclâmpsia;
  • Necessidade de parto cesária.

Por isso é recomendável que casos de endometriose profunda ou grave sejam tratados antes de começar a tentar engravidar.

Pode também lhe interessar o artigo: Tenho endometriose: posso engravidar?

Porém, a grande maioria das gestantes com endometriose não apresenta nenhum tipo de complicação por conta da doença e desenvolvem a sua gravidez normalmente.

Devo parar de tomar os remédios para endometriose durante a gravidez?

Em princípio, sim, pois a própria gravidez já é uma forma de tratar a endometriose.

Contudo, como nos casos de endometriose profunda os riscos de abortamento podem aumentar ligeiramente, o médico pode optar por manter uma dose elevada de progesterona nos primeiros 3 meses de gestação para diminuir o risco de aborto. 

É importante lembrar que esse medicamento não prejudica a mãe nem o feto e ajuda a reduzir os efeitos da endometriose.

Depois do 1º trimestre, já não há nenhum risco da endometriose aumentar devido à grande produção de progesterona, que é o hormônio com ação contrária ao estrógeno (responsável pela endometriose). Assim, a mulher fica protegida da doença enquanto está grávida.

Tenho que continuar o tratamento da endometriose quando não estiver mais grávida?

Sim, depois do nascimento do bebê, a mãe deve retomar o seu tratamento para endometriose, conforme orientação do seu médico ginecologista.

Leia também:

Endometriose tem cura? Qual o tratamento?

Endometriose pode virar câncer?