Perguntar
Fechar

Infertilidade

Meu marido só tem um testículo, como faço para ter filhos?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Precisa fazer sexo, é a maneira mais fácil de engravidar... Para ter filhos precisa ter relações com seu marido... Ter um testículo apenas, não significa que seu marido seja estéril, se está em dúvida, leve ele a um médico urologista.

Corrimento impede gravidez?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, os corrimentos não interferem na fertilidade da mulher. A maioria dos tipos de corrimento não impedem a gravidez, contudo corrimentos causado por doenças sexualmente transmissíveis (DST) podem levar a obstrução da tubas uterinas, impedindo que a fecundação ocorra.

A obstrução tubária pode ocorrer em casos de infecções causadas pelas bactérias Chlamydia trachomatis e Neisséria gonorrhoeae, no entanto nem sempre essas bactérias causam corrimentos. 

Vale ressaltar que existe o corrimento fisiológico da mulher que pode variar em aspecto e quantidade conforme o ciclo menstrual e não interferem em nada na fertilidade feminina, ao contrário, o corrimento claro e pegajoso em aspecto de clara de ovo é conhecido por indicar o período ovulatório da mulher e assim de maior fertilidade.

Se você estiver tentando engravidar e apresentar corrimento, procure o seu médico ginecologista ou médico de família. Ele poderá identificar o tipo de corrimento e avaliar o impacto que poderá trazer na sua fertilidade, caso trate-se de algumas doença o tratamento poderá ser realizado adequadamente.

Leia também: Corrimento Vaginal é Normal?

Quais são os sintomas e as causas da infertilidade feminina?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os sintomas de infertilidade podem ser variáveis conforme as causas. São eles:

  • alterações do ciclo menstrual: períodos anormais, sangramentos abundantes;
  • dor nas costas, pélvicas ou cólicas;
  • alterações na pele;
  • diminuição da libido;
  • perda ou queda de cabelo;
  • ganho de peso;
  • saída de secreção esbranquiçada pelos mamilos durante as relações sexuais;
  • dificuldade para engravidar.

A infertilidade feminina pode estar relacionada a quatro condições:

A) Causas ovarianas:

  • ovários policísticos: a paciente tem sangramento uterino irregular, em geral a cada 2 ou 3 meses, e o exame ultrassonográfico mostra a presença de inúmeros folículos ovarianos situados frequentemente na periferia dos ovários;
  • insuficiência ovariana prematura (ou menopausa precoce): os óvulos deixam de ser maturados pelos ovários, de modo que cessa a ovulação. Geralmente, as mulheres não possuem ciclo menstrual e apresentam sintomas semelhantes aos da menopausa. As causas são várias: radiação, quimioterapia, síndromes genéticas, infecções ovarianas, doenças autoimunes e outras;
  • hiperprolactinemia: pode levar à falta de ciclo menstrual e de ovulação. Doenças da tireoide (especialmente hipotireoidismo) também possibilitam a produção de alterações semelhantes.
  • idade da mulher: a mulher progressivamente produz menos óvulos e com baixa qualidade, com o envelhecimento. Esse processo se inicia aos 37 anos.

Veja também Quais os sintomas de disfunção hormonal feminina?

B) Causas tubárias e do canal endocervical

  • obstrução tubária: impede a captação e o transporte do óvulo, de forma que não há possibilidade de sua fertilização pelo espermatozoide. Principais causas: endometriose e infecções pélvicas;

  • endometriose: fragmentos do endométrio penetram nas tubas (menstruação retrógrada) e causam inflamação, o que altera a função da tuba. A endometriose também pode se estender aos ovários, prejudicando a formação dos folículos. Um sintoma muito típico dessa doença é a dor durante as relações sexuais e as cólicas menstruais muito fortes;

  • infecções pélvicas: muitos casos são assintomáticas e causadas por microorganismos que podem migrar da vagina para o útero e tubas. A infecção produz inflamação cuja cura promove cicatrização que acaba por alterar o funcionamento das tubas;
  • diminuição na produção de muco cervical: causada por alterações da ovulação, cauterizações do colo do útero e as cirurgias para câncer do colo.

C) Causas ligadas à Fertilização

  • Se houver defeitos nos cromossomos ou nas outras estruturas que regulam a fusão dos dois gametas (óvulo e espermatozóide), não haverá fertilização.

 D) Causas ligadas à implantação do embrião

  • falhas hormonais: podem produzir um endométrio inadequado para a implantação;
  • desenvolvimento inadequado do endométrio;
  • infecções endometriais (endometrites), causadas por doenças sexualmente transmissíveis ou pela manipulação da cavidade endometrial (em curetagens, por exemplo);
  • sinéquias uterinas: cicatrizes dentro do útero causadas por infecções ou curetagens que dificultam a implantação e causam abortamento;
  • malformações uterinas;
  • miomas: estão mais relacionados a processos de abortamento, mas acredita-se que se forem grandes e estiverem localizados logo abaixo da cavidade e invadi-la, podem prejudicar a implantação do embrião.

O médico ginecologista deverá ser consultado na suspeita de infertilidade.

Quem tem adenomiose pode engravidar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem tem adenomiose pode engravidar, embora possa ser um pouco mais difícil. A adenomiose pode impedir a gravidez devido às alterações funcionais e estruturais do útero, levando à infertilidade.

Sabe-se que até 14% das mulheres inférteis são portadoras de adenomiose e a doença pode prejudicar até mesmo os tratamentos de reprodução assistida.

A adenomiose pode causar infertilidade pelas seguintes razões:

  • A perda da estrutura normal da musculatura uterina pode alterar o transporte dos espermatozoides através do útero;
  • Alterações na vascularização da parte mais interna do útero (endométrio) podem impedir a implantação do embrião no útero;
  • Interfere no transporte do óvulo pelas tubas até ao útero;

Apesar das dificuldades que a adenomiose pode trazer para mulheres que pretendem engravidar, ela tem tratamento e a gravidez é possível.

O tratamento inicial indicado é clínico, feito com medicamentos hormonais. Se não houver sucesso no tratamento adotado, passa-se então para os tratamentos cirúrgicos.

Saiba mais sobre o tratamento da adenomiose em: Adenomiose tem cura? Qual o tratamento?

Quais os riscos de adenomiose na gravidez?

Parece haver uma relação entre a adenomiose e um maior risco de aborto no 1º trimestre de gravidez e de parto prematuro, no final da gestação, contudo as pesquisas ainda não são totalmente conclusivas sobre esse assunto, inclusive muitas mulheres que tem adenomiose podem não sofrer nenhum problema durante a gestação e parto. 

A secreção de substâncias chamadas prostaglandinas,que induzem o trabalho de parto, parece ser a causa das complicações na gravidez.

O médico ginecologista deverá orientar o tratamento mais indicado para a adenomiose.

Leia também: Qual a diferença entre adenomiose e endometriose?; O que é adenomiose e quais os sintomas?

Depois dos 30 anos é mais difícil engravidar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, depois dos 30 anos, começa a ficar mais difícil engravidar, sobretudo a partir dos 35 anos devido à diminuição do número e da qualidade dos óvulos.

Isso acontece porque as mulheres nascem com um limite para o número de óvulos que vão produzir ao longo da vida. Esse número vai diminuindo progressivamente, conforme o tempo vai passando e os óvulos vão sendo liberados. A diminuição da reserva ovarina torna-se ainda maior após os 35 anos de idade.

Este processo ocorre até a mulher entrar na menopausa, cuja idade média de ocorrência é de 50 anos. Embora, muitas mulheres possam entrar na menopausa antes.

Por isso, quanto mais avançada é a idade da mulher também maior é a dificuldade de uma gravidez natural.  Por exemplo, as mulheres na faixa etária dos 25 aos 30 possuem cerca de 85% de chance de gravidez em 1 ano, já na faixa etária entre os 35 e 40 anos essa porcentagem cai para 50%

Por isso costuma-se dizer que a idade ideal para engravidar é até os 35 anos, pois a fertilidade da mulher ainda não regrediu com a idade e o risco de malformações também é menor.

Caso deseje engravidar consulte o seu médico de família ou ginecologista para mais orientações;

Leia também:

Até que idade uma mulher pode engravidar?

Qual a idade ideal para engravidar?

Tenho o útero em anteversoflexão. Posso engravidar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem tem o útero em anteversoflexão (AVF) pode engravidar. A anteversoflexão é apenas uma variação normal da posição do útero. Não impede nem dificulta a gravidez.

Ter o útero em anteversoflexão significa que o seu útero está inclinado para frente, ou seja, está fletido na direção anterior do corpo. Trata-se da posição anatômica do útero na pelve, em que o órgão está "dobrado" para frente e repousa sobre a bexiga.

A anteversoflexão é uma das variações de posição do útero que os ginecologistas consideram normais e também é a mais comum. As outras são a medioversão (útero mediovertido) e a retroversão (útero retrovertido).

Na medioversão o útero está numa posição mediana, enquanto que na retroversão o órgão está fletido para trás. Esta última variação é chamada popularmente de "útero invertido".

Nenhuma dessas posições uterinas dificulta a gravidez ou impede a mulher de engravidar. Porém, o útero retrovertido pode ser considerado patológico quando a fixação do órgão nessa posição ocorre devido a um processo inflamatório ou a uma infecção genital.

Nesses casos, a retroversão uterina pode ser decorrente de aderências resultantes desses processos inflamatórios ou infecciosos. Tais aderências podem afetar as trompas e o funcionamento normal do útero, podendo dificultar uma gravidez.

Para maiores esclarecimentos, fale com o seu médico de família ou ginecologista.

Saiba mais em:

Quem tem útero retrovertido pode engravidar?

O que é útero retrovertido (rvf) e quais os sintomas?

Tenho ovários policísticos e não consigo engravidar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As mulheres com Síndrome dos Ovários Policísticos podem ter dificuldade de engravidar pois apresentam o ciclo menstrual irregular.

Devido ao desequilíbrio hormonal, alguns ciclos menstruais não apresentam ovulação, o que pode levar um tempo maior para a mulher com síndrome dos ovários policísticos engravidar.

Em geral, após 12 meses consecutivos de tentativa de engravidar, a mulher juntamente com seu companheiro devem procurar uma consulta com médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para uma avaliação da fertilidade do casal.

Outros fatores relativos à infertilidade são mais importantes de serem investigados no casal com dificuldade de engravidar. O planejamento familiar e uma consulta pré concepção com o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família podem facilitar a solução de dúvidas e reduzir a insegurança do casal. 

Leia também: 

Ovários policísticos tem cura? Qual o tratamento?

Tive uma gravidez tubária, é possível engravidar de novo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, é possível engravidar de novo depois de uma gravidez tubária ou ectópica (fora do útero). Porém, o sucesso de uma nova gestação vai depender dos danos que a gravidez tubária provocou no seu aparelho reprodutor.

Será preciso realizar alguns exames para verificar as condições das trompas de Falópio,  bem como as causas do problema.

Normalmente, mais da metade das mulheres que tiveram gravidez tubária e que foram submetidas à cirurgia conseguem engravidar de novo depois de 12 a 18 meses.

No entanto, essas mulheres têm 10 vezes mais chances de desenvolver uma gravidez ectópica do que aquelas que nunca tiveram uma.

Se as duas trompas estiverem rompidas ou com lesões, recomenda-se fazer uma fertilização in vitro (FIV) para poder engravidar novamente.

Na maior parte dos casos de gestação ectópica, o óvulo que foi fecundado não faz o caminho todo e acaba se instalando logo no início das trompas. Em outras situações, a implantação ocorre no ovário, colo do útero ou cavidade abdominal.

Alguns fatores que aumentam as chances de uma gravidez fora do útero (ectópica):

  • Tabagismo (prejudica o transporte do embrião na tuba);
  • Idade mais avançada;
  • Infertilidade;
  • Vários parceiros sexuais (maiores riscos de DST - doenças sexualmente transmissíveis);
  • Mulheres que já se submeteram a uma cirurgia abdominal.

Por isso é importante detectar a gravidez ectópica ou tubária logo no início. Quanto mais cedo o problema for diagnosticado, mais rápido a mulher receberá tratamento cirúrgico e menores serão os danos provocados nas trompas ou em qualquer outra estrutura envolvida.

Os sintomas de uma gravidez ectópica são:

  • Dores abdominais;
  • Sangramento vaginal;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Desmaios, no casos mais extremos.

Leia também: O que é gravidez ectópica e quais os seus sintomas?

É importante lembrar que uma mulher que teve uma gestação tubária ou ectópica vai continuar ovulando e poderá engravidar novamente sem grandes problemas.

Veja também: Pode haver dificuldade de gravidez após gravidez ectópica?

Se a paciente não conseguir engravidar depois de 1 ano de tentativas, é indicado consultar o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para iniciar investigação​.