Perguntar
Fechar
Que remédios devo tomar para enxaqueca?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os remédios para enxaqueca que você deve fazer uso será baseado no seu tipo de dor, frequência e intensidade, fatores que devem ser analisados junto com um diário da dor e com a avaliação médica. Essas medicações servem não apenas para aliviar a dor de cabeça, mas também para prevenir novas crises de enxaqueca.

Os medicamentos para enxaqueca mais usados no alívio da dor (durante a crise de dor) são:

  • Analgésicos (Paracetamol, Dipirona);
  • Anti-inflamatórios (Ibuprofeno, Diclofenaco, Indometacina, Naproxeno, entre outros);
  • Ergotaminas (Cefaliv, Ormigrein, Tonopan);
  • Triptanos (Sumatriptano, Naratriptano, Zolmitriptano, Almotriptan, Eletriptan, Rizatriptan).

Já os remédios mais utilizados para prevenção de crises de enxaqueca variam de acordo com os hábitos de vida, com a tolerabilidade, com os efeitos colaterais conhecidos de cada medicamento e com as comorbidades ou uso de medicamentos de cada paciente.

Segundo os especialistas na área, as medicações de primeira linha são:

  • Antidepressivos tricíclicos (Amitriptilina, Nortriptilina);
  • Inibidores de recaptação de serotonina (Venlafaxina ER);
  • Anticonvulsivantes (Ácido Valproico, Topiramato, Carbamazepina);
  • Betabloqueadores (Propranolol e atenolol);
  • Bloqueadores do canal de cálcio (Flunarizina, Verapamil);
  • Toxina botulínica tipo A (botox).

No entanto, o tratamento da enxaqueca não é feito apenas com medicamentos. É muito importante identificar os fatores desencadeantes da enxaqueca e evitá-los.

Além disso, outras formas não medicamentosas de prevenir novas crises de enxaqueca incluem:

  • Aprender técnicas de relaxamento;
  • Não ficar muito tempo sem comer;
  • Não fumar;
  • Combater o estresse;
  • Dormir bem;
  • Praticar atividade física regularmente;
  • Práticas complementares e alternativas, como psicoterapia, Hipnose e ou Acupuntura.

Praticamente todos os remédios para enxaqueca citados necessitam de receita médica. Consulte um médico neurologista para saber quais medicamentos podem ser usados no seu caso de enxaqueca e siga corretamente todas as suas recomendações.

Leia também:

Enxaqueca com aura tem cura? Qual o tratamento?

Enxaqueca: Sintomas e Tratamento

Tenho gordura no fígado, o que fazer e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento para gordura no fígado é feito por meio de dieta equilibrada, com restrição de gorduras e açúcares, atividade física, perda de peso e interrupção da ingestão de bebidas alcoólicas para tentar reverter o acúmulo de gordura nas células do fígado. Em alguns casos, podem ser necessários medicamentos

O tratamento do fígado gordo, uma condição chamada pelos médicos de esteatose hepática, baseia-se na identificação da sua causa. O objetivo do tratamento é eliminar ou tratar a origem do acúmulo de gordura no fígado.

Nos casos em que é necessário emagrecer, a perda de peso deve ser gradual, através de dieta balanceada e atividade física. Um emagrecimento rápido, com dietas radicais, pode aumentar o acúmulo de gordura no fígado.

Leia também: Qual a dieta indicada para quem tem esteatose hepática?

Além de ajudar a emagrecer, a prática regular de exercícios físicos ajuda a baixar os níveis de colesterol e triglicérides e controlar o diabetes, que são outras medidas importantes no tratamento da esteatose hepática.

A ingestão de bebidas alcoólicas deve ser interrompida, mesmo que o consumo de álcool não seja frequente.

Sem um tratamento adequado, a esteatose hepática pode piorar e se tornar muito grave, causando inflamação do fígado e evoluindo para hepatite, que pode evoluir para a cirrose e levar a insuficiência hepática.

Qual o médico que cuida do figado?

O médico gastroenterologista ou o hepatologista são os especialistas indicados para diagnosticar e tratar os distúrbios no fígado.

Quais são as causas do acúmulo de gordura no fígado?

Dentre as possíveis causas para o acúmulo de gordura no fígado estão: consumo regular de bebidas alcoólicas, hepatites virais, diabetes, colesterol e triglicérides altos, sobrepeso ou obesidade, uso crônico de alguns medicamentos como corticoides e ganhos ou perdas repentinas de peso, como após cirurgias para a obesidade ou dietas muito restritivas.

Quais são os sintomas de gordura no fígado?

O acúmulo de gordura no fígado não provoca sintomas no início. As manifestações só ocorrem com a evolução da esteatose hepática. Por isso, é importante controlar e evitar os fatores de risco para prevenir que o fígado se torne gordo.

O médico gastroenterologista ou o hepatologista são os especialistas indicados para diagnosticar e tratar os distúrbios no fígado.

Pode também lhe interessar:

Esteatose hepática tem cura? Qual o tratamento?

Qual o tratamento no caso de coágulo no cérebro?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento de um coágulo no cérebro geralmente é feito através de uma pequena cirurgia, em que se faz uma abertura do tamanho de uma moeda pequena no crânio, para drenar o hematoma. Se o coágulo estiver na meninge (capa fibrosa que recobre o cérebro), nem é preciso abrir o crânio.

Outra forma de tratamento, dependendo da localização e da extensão do hematoma, é através de medicamentos anticoagulantes, que "afinam" o sangue e dissolvem o coágulo cerebral.

O diagnóstico do coágulo é feito com os exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Um coágulo no cérebro aumenta a pressão interna do crânio e provoca a liberação de substâncias inflamatórias que podem levar a danos cerebrais irreversíveis. Em alguns casos podem causar a morte ou invalidez do/a paciente, por isso necessitam de tratamento médico urgente.

O tratamento dos coágulos cerebrais é feito pelo/a médico/a neurocirurgião/ã.

O que é RPG e para que serve?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

RPG é a sigla para Reeducação Postural Global, uma técnica de fisioterapia cujo objetivo é promover o equilíbrio dos músculos responsáveis pela postura. O método consiste de posturas específicas que alongam cadeias musculares inteiras e reorganizam os segmentos do corpo.

A Reeducação Postural Global baseia-se nos princípios de que cada indivíduo reage de maneira diferente ao mesmo problema e de que não se deve tratar apenas o local da dor, mas todo o corpo como um todo. 

Assim, a RPG pode ser utilizada no tratamento de dores e problemas na coluna (lombalgia, cervicalgia, escoliose, hérnia de disco), lesões articulares, retrações musculares, limitações articulares, doenças neurológicas que causam rigidez muscular e ainda doenças respiratórias.

É uma técnica que serve ainda para tratar ou aliviar os sintomas de pés planos, joelho valgo ou varo, joanete, artrite, artrose, bursite, tendinite, doenças respiratórias como asma e bronquite, além de estresse, problemas circulatórios e digestivos.

Como funciona

Cada sessão de RPG dura cerca de 1 hora ou mais. Durante a sessão, o paciente permanece em determinadas posturas durante 12 a 20 minutos. As posturas são indicadas conforme o problema apresentado e vão evoluindo gradualmente com movimentos lentos e progressivos.

Benefícios

Dentre os benefícios da RPG estão o alívio de dores e tensões musculares, aumento da amplitude do movimento, melhora da estabilidade, mobilidade, equilíbrio e consciência corporal.

O profissional responsável pela aplicação do método é o fisioterapeuta, que deve ter uma formação específica em RPG.

Leia também: É normal ter dores nas costas depois de uma sessão de RPG?

Cauterização no útero dói? Qual o tempo de recuperação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A cauterização no útero é um procedimento que pode causar incômodo e dor a depender de cada paciente.

A anestesia usada no procedimento é uma anestesia local no colo do útero. O/a ginecologista aplica a anestesia no momento do procedimento e a paciente continua acordada durante todo o tempo.

A cauterização no útero é um procedimento realizado para tratar lesões pré-cancerígenas ou infecciosas e destruir células anormais no colo do útero.

O procedimento em geral é simples e o tempo de recuperação dependerá de cada pessoa. A paciente pode continuar suas atividades cotidianas normalmente, devendo evitar relações sexuais, duchas vaginais e uso de tampões por algumas semanas após a cauterização. Esse tempo é necessário para haver a cicatrização do tecido.

A mulher que vai realizar ou já realizou o procedimento deve perguntar ao/à médico/a dúvidas sobre a cauterização, suas consequências e os cuidados que se deve ter após a realização.

Leia também: 

Quem fez cauterização no útero pode engravidar?

Como fazer soro caseiro?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para fazer soro caseiro você pode utilizar colheres normais da sua cozinha, ou a colher-medida, oferecida gratuitamente nos postos de saúde.

Entretanto, é importante lembrar que atualmente só está indicado fazer o soro caseiro em casos de emergência, porque o Ministério da saúde distribui gratuitamente nos postos de saúde e farmácia popular no Brasil, o soro de reposição oral, que vem embalado em um envelope, já com a composição de sal e açúcar adequados.

O que é muito importante, pois não é fácil determinar exatamente essas quantidades através de colheres normais, ocorrendo frequentemente erros, o que além de não ser eficaz ao tratamento podem ser prejudiciais ao paciente.

Como fazer o soro caseiro?

Com o soro de reposição oral já preparado e distribuído pelo Governo - Ministério da Saúde:

  • Dissolver o envelope já com o preparado de sal e açúcar em
  • 1 litro de água filtrada e fervida durante 5 minutos (espere a água esfriar para misturar e tomar ou dar o soro).

Com as colheres normais de cozinha, lembrando que só em casos de urgência, você deve misturar:

  • 1 colher rasa de café (3,5 gramas) de sal +
  • 2 colheres rasas de sopa de açúcar ou 1 colher de sopa bem cheia de açúcar (20 gramas), em
  • 1 litro de água filtrada e fervida durante 5 minutos (espere a água esfriar para misturar e tomar ou dar o soro).

Se tiver em casa a colher-medida própria para soro caseiro, que também é encontrada de forma gratuita nos postos de saúde no Brasil, faça da seguinte forma:

  • 1 medida pequena rasa (lado menor) de sal;
  • 2 medidas grandes (lado maior) de açúcar;
  • 1 copo (200 ml) de água filtrada e fervida durante 5 minutos (espere a água esfriar para tomar ou dar o soro).

Misture bem, e no caso de ser uma criança a ser tratada, dê o soro caseiro aos poucos, com uma colher, segurando a criança ao colo. A validade do soro, seja qual for a composição é de 24 horas. Depois desse tempo, é preciso jogar fora e fazer um novo.

A quantidade de soro a ser tomada por hora ou por dia deverá ser definida de acordo com a gravidade da desidratação, pelo/a médico/a que o assistiu.

Apesar da desidratação por diarreia ou vômitos afetar mais facilmente as crianças e os bebês, os adultos também são afetados e podem tomar o soro caseiro.

Para que serve o soro caseiro e quando tomar?

O soro caseiro ou o soro de reposição oral servem para combater a desidratação em casos de vômitos e diarreia. Embora não seja capaz de acabar com a diarreia, o soro caseiro repõe o líquido e os sais minerais perdidos nas fezes ou nos vômitos.

O ideal é tomar o soro em casos de diarreia ou vômitos, em pequenas quantidades ao longo do dia, desde o início dos sintomas.

O soro caseiro é eficaz?

Sim. O soro é muito eficaz, especialmente para evitar complicações como a desidratação. A principal questão é o cuidado para que a composição seja feita de forma exata.

Nos casos de excesso de sal por exemplo, pode haver até piora da desidratação.

Por isso, o governo distribui gratuitamente nos postos de saúde o soro de reposição oral, que possui as doses certas de sal e açúcar.

Leia também: Quando devo tomar soro caseiro?

Cisto no ovário é necessário retirar todo ovário ou o útero?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de cisto no ovário não necessariamente necessita da retirada do ovário ou do útero. Em alguns casos, em que o cisto no ovário é grande, com presença de dor e suspeita de malignidade, pode haver indicação de cirurgia para retirada do cisto ou do ovário inteiro acometido.

Na cirurgia, tenta-se preservar sempre o ovário e retirar apenas o cisto. Contudo, há casos raros em que é necessário remover totalmente o ovário. Porém, mesmo com a retirada de 1 ovário, as funções reprodutivas e de produção de hormônios ficam preservadas, já que o outro ovário é capaz de exercer essas funções.

Alguns dos critérios usados para determinar se um cisto deve ou não ser removido cirurgicamente incluem o tamanho do cisto, a presença de material sólido dentro dele, a presença de líquido no abdômen, além de sintomas como dor e aumento do sangramento. Também são realizados alguns exames de sangue específicos para determinar se o cisto tem ou não malignidade.

Qual é o tratamento para cisto no ovário?

O tratamento para cisto no ovário dependerá da idade da mulher, do tipo de cisto, da presença de dor, do tamanho do cisto e da suspeita de câncer. Na maioria das vezes, o cisto de ovário pode se resolver sem nenhum tratamento.

Há cistos no ovário que regridem espontaneamente. Dependendo de cada caso, o tratamento pode incluir terapia hormonal ou a remoção cirúrgica. Se o cisto no ovário for maligno, o tratamento pode incluir ainda quimioterapia.

Alguns cistos ovarianos podem ser tratados com o uso de pílula anticoncepcional, durante um período de até 3 meses. Após esse período, deve-se repetir o exame de ultrassonografia para avaliar novamente o cisto.

Como é feita a cirurgia para cisto no ovário?

A cirurgia para retirar o cisto no ovário muitas vezes é feita por laparoscopia. O procedimento é realizado através de pequenos cortes de cerca de 1 cm, feitos no abdômen. Trata-se de uma cirurgia minimamente invasiva e é a mais indicada para tratar cisto no ovário.

Mesmo após a remoção cirúrgica do cisto, se o ovário for preservado, outros cistos podem aparecer. O uso de anticoncepcionais pode prevenir o reaparecimento de cistos, dependendo do seu tipo.

Vale lembrar que qualquer mulher pode desenvolver cisto de ovário, dependendo da fase em que está do ciclo menstrual. Existem cistos benignos, que surgem normalmente até 14 dias antes da menstruação, mas que desaparecem após o período menstrual.

O importante é seguir o aconselhamento dado pelo/a médico/a que está acompanhando o caso.

Secreção pulmonar: qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento da secreção pulmonar pode ser feito através de fisioterapia respiratória, que utiliza manobras específicas na caixa torácica para mobilizar a secreção e facilitar a sua eliminação pela tosse ou escarro. Além disso, em alguns casos poderá ser necessário o uso de antibióticos.

Antes da fisioterapia pode ser feita uma inalação com soro fisiológico para umedecer a secreção pulmonar e facilitar a sua mobilização e posterior eliminação.

A secreção também pode ser retirada através de uma aspiração pulmonar, quando o paciente está inconsciente ou impossibilitado de tossir.

Nestes casos, o fisioterapeuta também realiza a inalação com soro e as manobras terapêuticas, mas como o paciente não pode tossir ou escarrar, a secreção é aspirada com um tubo.

Pessoas que ficam acamadas por tempo prolongado, mesmo que não tenham doença pulmonar, tendem a acumular secreção nos pulmões e muitas vezes precisam de fisioterapia respiratória.

A retirada da secreção pulmonar pelo fisioterapeuta melhora a respiração do paciente e pode prevenir complicações, como infecções.

O tratamento é igual para todos os tipos de secreção pulmonar?

O tratamento fisioterapêutico normalmente sim, variando se a secreção pulmonar estiver mais ou menos fluida.

Na realidade, o tratamento da secreção pulmonar propriamente dita é paliativo, pois visa apenas aliviar esse sintoma e melhorar temporariamente a condição do paciente.

Cada tipo de secreção pulmonar indica um tipo de doença, que precisa receber tratamento com medicamentos e condutas específicas. Se a doença não for tratada, a pessoa continuará a produzir secreção.

Quais os tipos de secreção pulmonar e as doenças associadas?
  • Secreção mucosa:

    • É semelhante à clara de ovo, esbranquiçada e viscosa;
    • Aparece em pacientes com bronquite crônica e asma brônquica, quando não há infecção bacteriana;
    • No caso da asma brônquica, a secreção pode ter coloração amarelada, mas não significar uma infecção bacteriana;
  • Secreção purulenta:
    • É amarelada ou esverdeada e extremamente viscosa, podendo ficar "grudada" na superfície do objeto em que foi colhida;
    • Pode apresentar grumos consistentes, podendo também ser chamada de "secreção em medalhões";
    • Ocorre tipicamente em casos de infecção pulmonar bacteriana;
    • Na pneumonia pneumocócica, a secreção adquire cor de ferrugem;
    • Infecções causadas por Klebsiella pneumoniae deixam a secreção arroxeada, semelhante à geleia de framboesa;
    • Infecção por Pseudomonas aeruginosa confere um aspecto esverdeado à secreção pulmonar;
  • Secreção biliosa:
    • É semelhante à pasta de anchovas;
    • Indica abscessos do fígado que chegaram ao pulmão pela comunicação que há entre o trato respiratório e o músculo diafragma, que fica acima do fígado;
  • Secreção hemática:
    • Apresenta raias de sangue;
    • Pode ocorrer em casos de tuberculose, câncer nos brônquios e tromboembolismo pulmonar;
    • Nessas situações, pode haver ainda hemoptise franca, que é a eliminação de sangue vivo;
  • Secreção rósea: Se tiver aspecto espumoso, aerado, pode ser uma congestão pulmonar;
  • Secreção enegrecida ou cinzenta: Pode ser observada em mineradores de carvão, fumantes ou pacientes com mucormicose.

A secreção pulmonar é um sinal de que algo está acontecendo no aparelho respiratório e precisa ser investigado, pois pode indicar doenças graves.

Em caso de secreção pulmonar, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou pneumologista.