Perguntar
Fechar

Tratamentos

Como aliviar dor causada por sinusite?

Para aliviar a dor causada pela sinusite é preciso desobstruir os seios paranasais, favorecendo a eliminação da secreção acumulada, de forma a impedir a congestão nasal. Isso pode ser feito com tratamentos caseiros ou remédios específicos para tratar a sinusite.

Quais remédios posso usar para sinusite?

Os medicamentos que podem aliviar a dor da sinusite são os analgésicos, como paracetamol, dipirona ou ibuprofeno.

Descongestionantes nasais podem desentupir o nariz, mas o uso prolongado desses remédios pode piorar os sintomas e por isso cada vez mais se desestimula o seu uso. Quando necessário, devem ser utilizados apenas se recomendados pelo médico.

Em alguns casos, pode ser indicado o uso de antibióticos. Nesse tipo de situação, o médico precisa avaliar a gravidade dos sintomas para saber se é necessária a prescrição desse tipo de medicamento.

Existe algum remédio caseiro para sinusite?

Veja algumas coisas que você pode fazer em casa para amenizar a dor na testa e na face causada pela sinusite:

1. Utilize um spray nasal com soro fisiológico ou pingue o soro no nariz, várias vezes ao dia. É a forma mais eficiente de limpar e desobstruir o acúmulo de secreções nos seios paranasais. Pode ser utilizada uma seringa cheia de soro fisiológico e destilar o soro diretamente em grande quantidade dentro de ambas as narinas;

2. Faça inalação de vapor 2 a 4 vezes por dia. Você pode fazer isso usando um nebulizador ou inalando o vapor de uma bacia com água fervida;

3. Coloque uma toalha quente e úmida no rosto, várias vezes ao dia;

4. Beba bastante água para ajudar a fluidificar o muco dos seios paranasais;

5. Evite locais com ar condicionado;

6. Use umidificador para manter o ambiente úmido, desde que o aparelho tenha um filtro limpo;

7. Evite inalar substâncias que possam irritar o nariz, como fumaça de cigarro ou perfumes fortes;

8. Evite mudanças bruscas de temperatura e quando possível incline a cabeça para baixo.

Para maiores esclarecimento, consulte um médico clínico geral, médico de família ou otorrinolaringologista.

Retirada da vesícula: como é a recuperação e quais os efeitos colaterais?

A recuperação após a cirurgia de retirada da vesícula normalmente é tranquila, sem grandes complicações. O/a paciente geralmente fica internado por um dia e pode retomar as suas atividades em aproximadamente uma semana após a remoção da vesícula.

A diarreia é o efeito colateral mais comum no pós-operatório. Contudo, assim como em outras cirurgias, existe sempre o risco de ocorrer sangramentos, infecções ou alguma reação alérgica à anestesia. 

A retirada da vesícula não traz grandes consequências, já que a digestão não é afetada de forma significativa. O corpo se adapta à ausência da vesícula biliar depois de algumas semanas ou meses e a pessoa pode voltar a comer alimentos gordurosos.

Leia também: O que não pode comer quem tem problemas na vesícula?

Em alguns casos mais raros, o/a paciente pode ter diarreias frequentes, que podem ser controladas com uso de certos medicamentos.

A cirurgia para retirar a vesícula é indicada principalmente em casos de cálculos ("pedras") biliares. As pedras podem obstruir o fluxo da bile pela vesícula ou por algum dos ductos biliares, causando dor, inflamação ou infecção.

A vesícula biliar é um pequeno órgão localizado junto ao fígado e que serve para armazenar a bile. A bile é um suco digestivo produzido pelo fígado que atua como um "detergente" sobre as gorduras, favorecendo a digestão das mesmas.

No entanto, mesmo sem a vesícula, o fígado continua produzindo a bile. Por isso, o organismo consegue digerir e absorver os alimentos normalmente sem o órgão.

A cirurgia mais utilizada para remover a vesícula biliar é feita através de pequenas incisões no abdômen, pelas quais o/a cirurgião/ã introduz pinças cirúrgicas na cavidade abdominal e retira a vesícula. Todo o procedimento é acompanhado através de uma câmera (videolaparoscopia), que também é introduzida no abdômen e permite ao/à médico/a visualizar a operação.

Saiba mais em: Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?

Tosse com catarro: o que fazer?

Em casos de tosse com catarro por mais de uma semana, ou se a sua tosse se apresentar com mais sintomas associados, como febre, mal estar, dor no peito ou falta de apetite, o médico deverá ser procurado o quanto antes. Nesses casos é preciso ser descartado um processo infeccioso, como a Pneumonia ou caso de Tuberculose, entre outras doenças mais graves. 

Nos casos de tosse com catarro sem mais sintomas, nós recomendamos que beba muita água, pelo menos 1,5 a 2 litros de água por dia. O aumento da ingestão de água, é a principal medida que deve ser tomada, pois a água fluidifica o catarro auxiliando na sua eliminação.

Outra recomendação valiosa é a inalação, pode ser feita com soro fisiológico ou inalação de vapor de água quente. A inalação age aliviando os sintomas da tosse, fluidificando as vias aéreas, favorecendo também a eliminação da secreção.

Xaropes que inibem a tosse (antitussígenos) não são recomendados, pois assim o catarro não será expelido.

Vale lembrar que a tosse é um mecanismo de defesa do corpo para eliminar secreção (catarro), corpos estranhos e agentes infecciosos das vias aéreas.

Em algumas situações, os xaropes expectorantes podem ser indicados porque fluidificam a secreção (catarro), facilitando a sua expulsão e impedindo a obstrução das vias aéreas. Mas nos casos de tosse por infecção, apenas auxiliam a ação do medicamento indicado, nesse caso os antibióticos.

Os xaropes para tosse podem conter em suas fórmulas anti-histamínicos (antialérgicos), descongestionantes e anti-inflamatórios, que podem causar efeitos colaterais indesejados e até levar à morte. Alguns desses efeitos indesejados incluem:

  • Sonolência;
  • Aumento da frequência cardíaca ("batedeiras");
  • Agitação;
  • Arritmia cardíaca.

Também é importante salientar que nem os xaropes, nem as pastilhas para tosse tratam a causa dessa tosse, apenas aliviam o desconforto e a frequência desse sintoma.

Veja também: Ao tossir tenho catarro com sangue, o que pode ser?

Leia também: Qual a diferença entre tosse alérgica e tosse normal?

Existe algum xarope ou remédio caseiro para tosse com catarro?

Sabe-se que o mel tem propriedades que dilatam os brônquios e diminuem a irritação da garganta, além de ser anti-inflamatório. Por isso, é considerado um bom remédio caseiro para tosse.

A dose indicada é de 1 colher de sopa (adultos) ou 1 colher de sobremesa (crianças) de mel, antes de dormir.

Outro produto natural que pode auxiliar o tratamento da tosse é o gengibre, pois possui gingerol, uma substância com ação anti-inflamatória e antibacteriana. Veja como fazer um xarope caseiro para tosse com gengibre:

Ingredientes:

  • 5 paus de canela;
  • 1 limão descascado (não jogue fora a casca, que também será usada);
  • 1 dente de alho;
  • 1 xícara (chá) de gengibre cortado em lascas;
  • 1 xícara (chá) de açúcar cristal.

Como fazer:

  1. Coloque o açúcar numa panela e leve ao fogo para fazer uma calda;
  2. Acrescente o gengibre e deixe a mistura no fogo durante 20 minutos;
  3. Adicione o limão;
  4. Quando levantar fervura, adicione a canela, a casca do limão e o alho;
  5. Caso a calda fique muito grossa, acrescente meio copo de água;
  6. Desligue o fogo e deixe repousar por 30 minutos.

Como tomar: Beba meia xícara (café) do xarope caseiro quente por dia.

Casos de tosse com catarro que duram mais de uma semana, ou que apresentam outros sintomas, como febre, mal estar, dor no peito e ou falta de apetite, devem ser avaliados por um médico imediatamente, para que seja detectado o que está provocando a tosse e a causa seja devidamente tratada e não o sintoma.

Quais são os principais sintomas do herpes genital?

Os principais sintomas do herpes genital são vermelhidão, dor em ferroada, coceira e bolhas na região genital. Em alguns casos, pode haver febre, dor muscular, dor de cabeça e mal-estar, embora esses sintomas sejam muito menos comuns. 

Na fase inicial, o herpes genital se manifesta sob a forma de manchas vermelhas, que depois evoluem para pequenas bolhas dolorosas cheias de líquido, que surgem em grupos, principalmente na vulva (parte externa da vagina), interior da vagina, pênis e ânus.

Antes do aparecimento das bolhas, a pessoa pode sentir outros sintomas nesses locais, como ardência, formigamento e coceira. Também podem surgir nódulos dolorosos nas virilhas ou próximos das lesões, que são os gânglios linfáticos inflamados devido à infecção.

O herpes genital é uma infecção causada, principalmente, pelo vírus Herpes simplex tipo 2, que se transmite por contato direto com a lesão de uma pessoa infectada. O vírus então se aloja nos nervos do indivíduo e se manifesta por meio dos sintomas descritos, que podem aparecer em diferentes locais como a vulva e vagina, pênis, ânus ou boca.

Qual o tempo de duração dos sintomas?

Os sintomas do herpes genital geralmente permanecem durante 5 a 10 dias. Um sinal característico da doença é o desaparecimento e reaparecimento dos sintomas após algum tempo, geralmente no mesmo local. 

O período de incubação do vírus do herpes genital varia entre 4 e 15 dias após a infecção, que ocorre através de relação sexual com pessoas infectadas. Após esse período, surgem os primeiros sintomas. Em geral, o primeiro surto da doença é mais agressivo, prolongado, generalizado e doloroso que os demais, podendo haver febre e mal-estar nesses casos

Contudo, nem todas as pessoas infectadas pelo vírus manifestam sinais da doença. Há indivíduos que nunca manifestam sintomas, outros só manifestam uma vez ao longo da vida, enquanto outros apresentam quadros frequentes.

Leia também: Como se pega herpes genital?

Sintomas de herpes genital feminino e masculino

O herpes genital feminino e masculino provoca lesões na pele e nas mucosas das regiões dos órgãos genitais e do ânus, podendo causar ainda corrimento, dificuldade para urinar e dor ao andar, dependendo da localização.

Nos homens, as lesões podem se manifestar em qualquer parte do pênis, inclusive no prepúcio (pele que recobre a glande), podendo ainda causar impotência.

Uma vez que causa coceira, as bolhas podem se romper ao coçar, podendo provocar a formação de pequenas feridas que formam casquinhas quando cicatrizam, na maioria das vezes espontaneamente. No entanto, o vírus do herpes genital migra através dos nervos e fica alojado num gânglio nervoso, onde permanece inativo até voltar a se manifestar.

Saiba mais em:  Herpes genital tem cura?

As chances de transmissão são muito maiores nos períodos de manifestação dos sintomas, embora o vírus também possa ser transmitido na ausência de lesões.

Quais as possíveis complicações do herpes genital?

Normalmente, os sintomas do herpes genital limitam-se aos locais das lesões, que normalmente regridem e cicatrizam espontaneamente, mesmo sem tratamento. Porém, há casos em que podem ocorrer graves complicações, como quando o vírus atinge o cérebro, causando encefalite herpética. Esse tipo de complicação tende a acontecer em pessoas com o sistema imunológico debilitado, como pacientes com AIDS, câncer e outras doenças graves. 

As lesões em pessoas imunodeprimidas podem ser graves e espalhar-se para outras partes do corpo, como articulações, ou ainda a órgãos como fígado e pulmões. O herpes genital nesses casos pode levar semanas para desaparecer ou ficar resistente ao tratamento.

Quando atinge as meninges, que são membranas que recobrem o cérebro, provoca meningite, podendo causar vômitos, dor de cabeça e rigidez na nuca. Se o vírus do herpes genital infectar a medula espinhal, pode levar à perda de força, movimentos ou causar outros tipos de debilidades nos membros inferiores.

Contudo, é importante lembrar que essas complicações são raras e tendem a acontecer apenas em situações específicas.

Há ainda um risco maior de contrair outras doenças sexualmente transmissíveis, como HIV, já que o herpes genital provoca pequenas lesões no local da infecção, o que aumenta as chances de penetração de vírus e bactérias no organismo. 

Herpes genital na gravidez é grave?

Se a mulher estiver com lesões de herpes genital no momento do parto, pode transmitir o vírus ao bebê. A infecção do herpes genital pelo recém-nascido pode levar ao desenvolvimento de sequelas neurológicas extremamente graves ou até mesmo à morte da criança, uma vez que o seu sistema imunológico ainda é bastante frágil.

As mulheres são as mais afetadas pelo herpes genital, uma vez que o vírus é mais facilmente transmitido do sexo masculino para o feminino, do que da mulher para o homem.

Leia também: 

Quem tem herpes pode engravidar?

Herpes na gravidez é perigoso? Como tratar?

É fundamental procurar um médico o mais rápido possível, para abreviar a duração dos sintomas e evitar a transmissão para outras pessoas, já que as vesículas (pequenas bolhas com líquido dentro) são altamente contaminantes.

Em gestantes, o tratamento deve ser feito com urgência, uma vez que a doença pode passar para o bebê e, nesse caso, pode levar a sequelas relacionadas com o desenvolvimento do cérebro.

O tratamento inclui uso de pomadas ou comprimidos antivirais, que devem ser prescritos por médico clínico geral, dermatologista ou ginecologista.

Saiba mais em:

Qual o tratamento para herpes genital?

Como saber se tenho uma DST?

Pelo encravado inflamado: o que fazer?

Se o pelo encravado não estiver muito inflamado, ele pode se curar sozinho. Porém, se a inflamação persistir, pode ser necessário fazer um tratamento com pomadas à base de corticoide, antibiótico ou antifúngico. Dependendo da infecção, também pode haver necessidade de tomar antibióticos por via oral.

Quando o pelo encravado inflamado está infeccionado com bactérias que habitam a pele (estafilococos), há coceira no local e a inflamação apresenta pus. O tratamento nesse caso é feito com antibióticos através de pomadas ou por via oral. Também pode ser feita uma combinação de ambos. Enquanto houver inflamação, a área afetada não deve ser raspada.

O pelo encravado também pode estar infectado por bactérias presentes na água. O local apresenta erupções vermelhas e coça, podendo surgir depois bolhas com pus. Nesse caso, os pelos encravados tendem a infeccionar nos locais do corpo que ficam úmidos por mais tempo, como as regiões que ficam em contato com a roupa de banho. Os antibióticos raramente são indicados nessas situações e o tratamento é feito com loções que aliviam a coceira.

Os pelos encravados também podem estar inflamados devido à presença de fungos, provocando coceira, sobretudo nas costas e no peito. Pode ocorrer também no pescoço, rosto, ombros e braços. O tratamento nesses casos é feito com antifúngicos tópicos ou por via oral.

Há casos de pelo encravado inflamado em que o/a médico/a pode optar por fazer uma drenagem através de um pequeno corte para retirar o pus e aliviar a dor.

Saiba mais em: Qual o tratamento para um furúnculo?

Alguns cuidados podem ajudar a prevenir o aparecimento de pelos encravados inflamados, tais como:

  • Usar barbeador elétrico;
  • Utilizar água morna para se barbear e massagear os pelos para amolecê-los antes de fazer a barba;
  • Usar gel ou espuma de barbear ou ainda sabão para facilitar o deslizamento da lâmina e evitar cortes; 
  • Passar o barbeador no sentido do crescimento dos pelos;
  • Passar um hidratante no rosto depois de fazer a barba;
  • Manter a pele limpa, seca e hidratada, sem irritações ou lesões.

O/a especialista indicado para diagnosticar e tratar os pelos encravados inflamados é o/a médico/a dermatologista.

Também podem lhe interessar:

Como tirar pelo encravado?

Qual é o tratamento para foliculite no couro cabeludo?

H. pylori tem cura? Qual é o tratamento?

Sim, H. Pylori tem cura. O tratamento normalmente inclui três medicamentos: um inibidor da produção de ácido gástrico e dois antibióticos, que devem ser administrados entre 10 a 14 dias. A associação desses medicamentos pode eliminar completamente o H. Pylori em até 95% dos casos. 

O tratamento para erradicar o H. Pylori é indicado apenas quando a bactéria provoca alguma doença no portador, como úlcera no estômago ou no duodeno. Lembrando que o H. Pylori está presente em mais da metade da população mundial, mas só uma pequena parcela da população irá desenvolver alguma patologia causada por essa bactéria.

Não está indicado o rastreio de H. Pylori para adultos que não tenham sintomas. Apenas em casos em que o risco para desenvolvimento gástrico é considerável, como em familiares de 1º grau de pacientes com câncer de estômago, pode haver algum benefício em realizar o rastreio do H. Pylori e tratá-lo em seguida. 

Veja também: O que é úlcera gástrica e quais os sintomas?Úlcera gástrica tem cura? Qual o tratamento?

Ainda não existe uma vacina para o H. Pylori. Vários estudos têm sido realizados com ratos, porém sem grandes resultados em humanos.

Caso tenha dúvidas sobre H. Pylori procure o seu médico de família ou clínico geral para maiores esclarecimentos.

Saiba mais em:

Como deve ser a dieta para quem tem H. pylori?

O que é H. pylori?

Quais os sintomas do H. pylori?

H. pylori positivo é sinal de câncer de estômago?

Pulso aberto: Como identificar e o que devo fazer?

O "pulso aberto" é um sintoma geralmente decorrente de traumas e esforços (fraturas, entorses, tendinites ou artroses), que podem ter lesionado alguma das estruturas do punho, como ossos e ligamentos.

Os principaissintomas do pulso aberto são dor no punho ou na mão, perda de força da mão e instabilidade da articulação do punho, o que causa limitação dos movimentos. Em alguns casos pode haver ainda inflamação do punho e inchaço local.

Entretanto, devido a grande quantidade de estruturas encontradas nessa região, é importante a  avaliação por um especialista, para que seja feito o diagnóstico e tratamento adequados,  evitando futuras complicações, como artrose e tendinites crônicas, por exemplo.

A imobilização do punho pode ser um primeiro passo, para amenizar os sintomas, como dor e o inchaço, assim como a aplicação de gelo no local durante 20 minutos, com cuidado e proteção da pele durante todo o tempo.

A fisioterapia pode ser indicada em muitos casos, sobretudo quando a recuperação é mais lenta. 

Contudo, o tratamento para o pulso aberto depende da gravidade do caso. Nas lesões mais leves, pode ser necessário apenas fazer repouso, gelo local e tomar medicamentos analgésicos para aliviar a dor. Já os casos mais severos podem necessitar inclusive de intervenção cirúrgica.

Portanto sugerimos que agende uma consulte com um médico ortopedista, especialista em mãos, para avaliar o seu caso e indicar o tratamento mais adequado.

Saiba mais em: Dor no pulso, o que pode ser e o que fazer?

Tenho um cateter duplo J. Que cuidados devo ter?

Após a colocação do cateter duplo J é importante ter alguns cuidados para não agravar os incômodos que ele pode causar. Recomenda-se ingerir bastante líquido, evitar bebidas ácidas (refrigerantes, bebidas alcoólicas, café, suco de frutas cítricas), alimentos condimentados e apimentados.

Além dos cuidados com a alimentação, quem está com um cateter duplo J deve evitar atividades físicas intensas. Apesar de não ser propriamente proibido, o esforço físico pode agravar o desconforto e provocar pequenos sangramentos na urina.

Convém também não fazer força para urinar para não piorar a dor na coluna lombar, que pode ocorrer nos primeiros 3 dias após a colocação do cateter duplo J.

atividade sexual pode ser mantida normalmente, mas deve ser evitada se a pessoa estiver com um cateter duplo J com fio externo para a sua retirada, pois o cateter pode ser deslocado durante a relação.

Outra recomendação é tomar corretamente os medicamentos analgésicos e antibióticos prescritos pelo médico urologista.

O cateter duplo J pode causar uma série de sintomas, como aumento da frequência urinário, urgência urinária, dor ou ardência para urinar, incontinência urinária, presença de sangue na urina, esvaziamento incompleto da bexiga, desconforto pélvico e dor na região lombar. Grande parte desses sintomas e incômodos é devida à irritação da bexiga causada pela extremidade do cateter, não representa risco ou sinal de algo errado.

Apesar de ser feito com um material flexível e não-alérgico, o cateter duplo J não deixa de ser um corpo estranho para o organismo. É comum ocorrer uma inflamação da mucosa da bexiga, que provoca sintomas semelhantes a uma cistite (infecção urinária na bexiga) e pequenos sangramentos observados na urina.

Outro incômodo frequente é a dor nas costas (lombar) causada pelo retorno da urina da bexiga para os rins.

A retirada do cateter duplo J deve ser feito o mais rápido possível, porém esse tempo deverá ser determinado caso a caso, pelo médico responsável, dependendo do motivo do tratamento. O tempo máximo que a pessoa pode permanecer com o cateter duplo J é discutível, mas descrito recentemente por estudos, tempo máximo de 3 meses. 

Contudo, na maioria dos casos, o cateter é deixado durante o pós-operatório até haver uma melhora do processo inflamatório ou até que ocorra a cicatrização, o que geralmente leva de uma a quatro semanas.

Saiba mais em: Como é feita a retirada do cateter duplo J?

O médico urologista é o responsável pela colocação, acompanhamento e pela retirada do cateter duplo J e poderá orientar o paciente quanto aos cuidados que deve ter para amenizar esses desconfortos.