Perguntar
Fechar

Como diferenciar enxaqueca e outras cefaleias (tensional, em salvas, secundárias)?

Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A enxaqueca pode em muitos casos ser diferenciada dos outros tipos de cefaleias através da avaliação das suas características.

A enxaqueca é caracterizada por ser uma dor de cabeça que, na maioria das vezes, atinge um único lado da cabeça, diferentemente das outras formas de cefaleia que atingem a cabeça toda.

A enxaqueca causa uma dor de aspecto pulsátil e pode ainda ocasionar sintomas neurológicos, chamados de aura, que são sintomas específicos de uma forma de enxaqueca chamada enxaqueca com aura.

Como identificar a enxaqueca?

A enxaqueca é uma dor que se localiza geralmente em um único lado da cabeça (unilateral), é uma dor pulsátil e latejante, isto é, aumenta e diminui em intensidade, como se estivesse pulsando.

Em cerca de 30% dos casos pode também atingir a cabeça toda, mas é mais comum ser unilateral.

Pode durar algumas horas ou mesmo dias. Apresenta também outros sintomas como náuseas, vômitos, além disso, piora com a luz, com ruídos e odores fortes.

Pode apresentar sintomas neurológicos, como alterações visuais, déficits na fala ou no movimento da face, ou dos membros. Esses sintomas neurológicos são chamados de aura, portanto, existe a enxaqueca com aura e a enxaqueca sem aura.

Qual o tratamento da enxaqueca?

O tratamento da enxaqueca também inclui medidas não medicamentosas, como:

  • Evitar agentes que desencadeiem as crises como (leite, vinho, chocolate, entre outros);
  • Evitar o consumo abusivo de álcool;
  • Evitar o tabagismo;
  • Realizar medidas de controle do estresse;
  • Manter padrão adequado de sono.

O tratamento medicamentoso inclui analgésicos e anti-inflamatórios para as crises. Para dores de forte intensidade podem ser usados triptanos.

A profilaxia de crises é comumente feita com betabloqueadores (propranolol) e antidepressivos (amitriptilina e venlafaxina).

Leia mais em: enxaqueca: causas, sintomas e tratamentos

Como identificar a cefaleia tensional?

A cefaleia tensional corresponde a uma forma de dor de cabeça que atinge ambos lados da cabeça, por isso, é chamada de bilateral.

Uma forma de cefaleia tensional também muito frequente é aquela que atinge a região da nuca, atrás da cabeça, levando também a dor na região posterior do pescoço.

A dor da cefaleia tensional geralmente é em peso, parece haver algo a fazer pressão ou a pesar na cabeça.

Pode levar a dores e contraturas musculares também no pescoço e nos ombros. É uma dor muito relacionada ao estresse, que pode ser um dos seus principais desencadeadores.

Outros sintomas que podem estar presentes acompanhando o quadro de cefaleia tensional são a intolerância a ruídos, náuseas, vômitos.

Qual o tratamento da cefaleia tensional?

O tratamento da cefaleia tensional inclui medidas não farmacológicas, como:

  • Praticar medidas de controle do estresse e ansiedade (psicoterapia, meditação, etc);
  • Agulhamento para desativação de pontos gatilhos;
  • Acupuntura;
  • Alongamentos e fisioterapia;
  • Manter padrão adequado de sono;
  • Ter uma dieta saudável;
  • Manter-se bem hidratado.

No que se refere ao tratamento medicamentoso, podem ser usados nas crises analgésicos comuns, anti-inflamatórios e pode estar indicado relaxante muscular, em algumas situações.

Quando há recorrência de crises o tratamento profilático é feito com amitriptilina.

Leia mais em: O que é cefaleia tensional e quais os sintomas?

Como identificar a cefaleia em salvas?

É uma cefaleia de forte intensidade, também unilateral, mas mais localizada na região atrás dos olhos, na testa e nas têmporas.

Ocorre frequentemente de madrugada e em episódios curtos de no máximo 30 minutos, mas que podem acontecer repetidamente.

Apresenta também sintomas de lacrimejamento e vermelhidão nos olhos, queda das pálpebras e alterações na pupila.

Qual o tratamento da cefaleia em salvas?

O tratamento da crise de cefaleia em salvas é feito com administração de oxigênio por máscara e uso de medicamentos triptanos, geralmente por via injetável.

Para evitar a recorrência de crises, corticoesteroides podem ser prescritos.

O que são cefaleias secundárias?

As cefaleias secundárias são dores de cabeça decorrentes de outras doenças, tanto doenças sistêmicas, quanto doenças localizadas no sistema nervoso central. Algumas causas de cefaleias secundárias são:

  • Rinossinusite: podem causar dor de cabeça na região frontal da cabeça, em peso;
  • Distúrbios visuais: causa dor na região dos olhos e testa, além de sensação de cansaço visual;
  • Disfunção da articulação temporomandibular: pode levar a uma dor na região da ATM, próximo à mandíbula e no lado da cabeça correspondente;
  • Meningite: causa cefaleia, que vem acompanhada de rigidez de nuca e vômito;
  • Traumatismo: pode causar dor intensa no local do trauma e presença de outros sintomas, como convulsão, alteração do nível de consciência, etc.

O tratamento das cefaleias secundárias devem incidir sobre a causa da cefaleia, portanto, trata-se a doença que está a desencadear a dor de cabeça.

Caso apresente dores de cabeça persistentemente consulte um médico de família, clínico geral ou neurologista para uma avaliação.