Coronavirus (COVID-19) tem cura? Quando teremos vacina?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. A doença COVID-19 tem cura e os anticorpos desenvolvidos pelo organismo parecem conferir imunidade à pessoa, porém para confirmar a imunidade precisamos aguardar estudos e comprovação científica.

Muitos são contaminados e não desenvolvem sintomas, o que não permite o diagnóstico. Para os casos que desenvolvem os sintomas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 85% são quadros leves, com sintomas de um resfriado comum, e tem a sua recuperação dentro de duas semanas.

Em torno de 15% das pessoas, a COVID-19 se apresenta de forma mais grave, precisando de cuidados intensivos, devido a dificuldade respiratória, pneumonia e até comprometimento renal. Nesses casos, a recuperação é mais lenta, em média 3 a 6 semanas.

Infelizmente, desses 15%, 2 a 3% não respondem ao tratamento e evolui para o óbito.

Quando teremos uma vacina para COVID-19?

A fabricação de uma vacina leva em média 10 anos para ser concluída. Isso porque é preciso passar por diversas etapas até confirmar a sua eficácia e segurança.

No caso de COVID-19, as pesquisas e investimentos tem sido muito intensos e atualmente acredita-se que dentro de alguns meses, um tempo recorde na história da medicina, a vacina já será oferecida à população.

Notícias em relação às pesquisas, desenvolvimento de vacina e tratamento contra o vírus SARS-CoV-2, também são atualizadas constantemente. Nesse momento, sabemos que mais de 30 grupos de pesquisadores pelo mundo estão dedicados ao desenvolvimento dessa vacina.

Pesquisadores dos Estados Unidos iniciaram o primeiro teste em seres humanos nessa semana, em uma mulher voluntária. Outros grupos, na China, Brasil e Israel, também avançam rapidamente nas pesquisas, e acreditam realizar os seus testes em humanos, a partir de final de abril a início de maio.

Medicamento para combater COVID-19

Estudos publicados nesse mês de março, descrevem tratamentos experimentais, com voluntários, utilizando antivirais como o Remdesivir®. Em breve teremos os resultados nos seres humanos em teste.

Taxas de mortalidade na COVID-19

A taxa de mortalidade não está totalmente definida, mas varia entre 2 a 3%, segundo a OMS. Percentagem diretamente relacionada a idade e situação de saúde.

As pessoas mais idosas e com imunidade mais baixa, são as que desenvolvem as formas mais graves da doença, com maior risco de óbito.

Recomendações para grávidas e idosos

Gestante

A recomendação para a prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento de mulheres grávidas com suspeita de COVID-19 deve ser a mesma das mulheres não grávidas.

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) orienta que um bebês nascido de mãe com COVID-19 confirmado, deverá ser colocado em isolamento e investigado para a doença, além de ser adequadamente acompanhado.

Porém, a separação da mãe, indicação ou contraindicação para o aleitamento materno, ainda está em discussão.

Idosos

Indivíduos de qualquer idade podem adquirir a infecção por coronavírus 2, com quadro respiratório mais grave, entretanto adultos de meia-idade e mais velhos sejam os mais afetados.

Por isso, é recomendado que idosos, especialmente aqueles com doenças crônicas, se protejam e evitem o contato social de forma mais rigorosa.

Fontes: