Perguntar
Fechar

Fiz um toque e senti uma bola, o que pode ser?

Tenho a sensação de ter uma bola na entrada da vagina e sinto dor quando tento manter relações sexuais. Também sinto a bola quando faço algum esforço com a barriga. Fiz um toque e consegui sentir a bola com o dedo. O que é isso?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Sentir uma bola na vagina normalmente se deve ao que é popularmente chamado de “bexiga caída”. O nome médico para o problema é prolapso genital. O que causa isso é a perda de sustentação dos órgãos da parte baixa da barriga, que passam a fazer peso sobre o útero. Isso faz com que o útero e a vagina sejam empurrados para fora, criando a sensação de “bola”.

Outros sintomas que podem estar presentes são:

  • Sensação de peso no pé da barriga;
  • Dor ou perda de sensações durante as relações sexuais;
  • Incontinência e outros sintomas urinários;
  • Dificuldades para defecar.

A obesidade é um fator que contribui para sentir a bola na vagina, assim como fazer esforços (inclusive para quem tem tosse ou intestino preso). Outros fatores também aumentam o risco de ter o prolapso:

  • Ter filhos (quanto mais filhos, maior o risco),
  • Ter dado à luz bebês muito grandes e pesados;
  • Trabalho de parto difícil;
  • Idade (o risco aumenta com o envelhecimento);
  • Histerectomia (retirada cirúrgica do útero);
  • Já ter realizado uma cirurgia para corrigir o prolapso genital.

Reduzir o peso e tratar doenças respiratórias pode fazer com que deixe de sentir a bola na vagina, em alguns casos. Mas é importante procurar um médico para aliviar os sintomas e resolver o problema.

Alguns tratamentos são possíveis — o médico determina o que fazer dependendo da gravidade do caso. Os exercícios são como uma fisioterapia que ajuda principalmente a reduzir os sintomas relacionados ao aparelho urinário. Pode ser indicado o uso local de estrógenos. Os pessários são um tipo de diafragma colocado na vagina, apoiado no colo do útero, para manter o útero no lugar certo. A cirurgia é indicada nos casos mais graves.

Saiba mais sobre o prolapso genital em:

Referências:

Onwude JL, Genital prolapse in women. BMJ Clin Evid. 2012; 2012: 0817.

Thakar R, Stanton S. Management of genital prolapse. BMJ. 2002 May 25; 324(7348): 1258–62.