Perguntar
Fechar

Insuficiência adrenal tem cura? Como é o tratamento?

Insuficiência adrenal tem cura, dependendo da sua causa. Porém, sem tratamento, pode levar à morte por hipotensão ou arritmias, sobretudo nos casos agudos. Na insuficiência adrenal crônica, podem ocorrer problemas crônicos de saúde com o passar do tempo.

O tratamento é feito através da reposição de cortisol, glicocorticoides ou mineralocorticoides, que são os hormônios produzidos pela glândula adrenal ou suprarrenal, como também é conhecida.

Na insuficiência adrenal secundária, é administrado o cortisol, enquanto que na primária são repostos os glico ou mineralocorticoides, ou ainda ambos os hormônios.

Em situações de estresse ou infecções, as doses de glicocorticoides devem ser aumentadas.

Dois medicamentos amplamente usados para tratar insuficiência adrenal são o acetato de cortisona e a prednisona.

Para mulheres, o tratamento da insuficiência adrenal pode ser feito com pílulas anticoncepcionais de efeito antiandrogênico e glicocorticoides.

Quando a falência adrenal é decorrente da suspensão do uso de glicocorticoides, é indicado reintroduzir a medicação até que a pessoa deixe de apresentar sintomas.

Uma vez estabilizado o quadro, o medicamento deve ser retirado lentamente e com cuidado, o que levar de semanas a anos. O tempo de desmame varia conforme o tempo de duração do tratamento com glicocorticoides.

Duração do tratamento

O tratamento da insuficiência adrenal primária deve ser mantido pode tempo indeterminado, com realização frequente de avaliações clinicas e exames laboratoriais. Esse acompanhamento contínuo é essencial para controlar as doses do medicamento.

Já o tratamento da insuficiência adrenal secundária provocada pelo uso de glicocorticoides pode levar semanas, meses ou anos. O tempo de duração do tratamento varia conforme a dose usada de medicação e da duração do respectivo tratamento.

Esses casos precisam de ser tratados com hidrocortisona e necessitam de monitorização constante para verificar os níveis de cortisol, ACTH, DHEA e linfócitos (glóbulos brancos).

Outros medicamentos

A hidrocortisona é o medicamento de eleição no tratamento emergencial a crianças, enquanto que a prednisolona, o metilprednisolona e a prednisona são usados em adultos.

A dexametasona pode ser usada em alternativa à hidrocortisona para não interferir no resultado dos exames.

A fludrocortisona também pode ser usada no tratamento da insuficiência adrenal primária, embora o seu uso não seja tão frequente na secundária.

A administração dos medicamentos é feita pela via endovenosa em situações emergenciais, via oral nos tratamentos de longa duração, quando os sinais e sintomas estão controlados, ou ainda pela via intramuscular (injeção) nas crises agudas, situações de emergência e procedimentos cirúrgicos.

A medicação muitas vezes é administrada no período da manhã e ao final da tarde, em horários previamente estabelecidos pelo médico.

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais da reposição hormonal podem incluir aumento de peso, aparecimento de estrias, fraqueza, aumento da pressão arterial e retardo no crescimento, no caso das crianças.

A monitorização do tratamento é importante para controlar os sintomas e prevenir o uso excessivo de medicamentos hormonais. As doses mínimas e máximas de medicação devem ser devidamente monitoradas pelo menos uma vez por ano.

O tratamento e a monitorização dos casos de insuficiência adrenal são da responsabilidade do médico endocrinologista.

O diagnóstico e tratamento da insuficiência adrenal é da responsabilidade do médico endocrinologista.

Saiba mais em:

Quais os sintomas da insuficiência adrenal?

Insuficiência adrenal é grave? Quais as causas?