Perguntar
Fechar

Últimas Questões

Primeiros dias tomando sertralina: o que esperar?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Nos primeiros dias após começar a tomar sertralina, podem aparecer alguns efeitos colaterais. As náuseas, a falta de apetite e a tristeza são efeitos comuns.

Outros efeitos adversos que podem surgir nos primeiros dias ao usar sertralina são:

  • Diarreia
  • Agitação e ansiedade
  • Insônia
  • Náusea
  • Perda de apetite / anorexia
  • Problemas sexuais
  • Dores de cabeça

Efeitos menos frequentes são boca seca, intestino preso, hipotensão (pressão baixa), sonolência, problemas urinários e vômitos. O aumento dos sintomas relacionados à depressão pode acontecer no início do tratamento com a sertralina (tenha atenção e informe seu médico se tiver pensamentos sobre suicídio).

Os efeitos da sertralina podem surgir até 7 dias depois que você começou a tomar o medicamento, mas normalmente são necessárias algumas semanas.

O uso do alprazolam associado à sertralina ajuda a reduzir a ansiedade mais rápido. Entretanto, isso pode aumentar os sintomas de depressão, como a tristeza que você está sentindo, e a perda de apetite.

O alprazolam deve ser usado por um período curto a partir do início do tratamento porque pode causar dependência. Além disso, o organismo “se acostuma” com a dose inicial e depois de algum tempo passa a precisar de uma quantidade maior para obter o mesmo efeito. Por isso, nunca aumente a quantidade de medicamento que toma sem a indicação do médico.

Leia também:

Referências:

D S Baldwin DS, Birtwistle J. The side effect burden associated with drug treatment of panic disorder. J Clin Psychiatry. 1998; 59 Suppl 8:39-44; discussion 45-6.

Ait-Daoud N, Hamby AS, Sharma S, Blevins D. A Review of Alprazolam Use, Misuse, and Withdrawal. J Addict Med. 2018; 12(1): 4–10.

Cipriani A, La Ferla T, Furukawa TA, Signoretti A, Nakagawa A, Churchill R, McGuire H, Barbui C. Sertraline versus other antidepressive agents for depression. Cochrane Database Syst Rev. 2014; (4): CD006117.

Quais são as causas da dor no pé da barriga e nas costas em homens e mulheres?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

As causas de dor no pé na barriga e nas costas podem variar entre os homens e as mulheres. Uma causa comum a ambos os sexos são as pedras nos rins. Nos homens, ela pode ser causada por problemas na próstata, quando associada a outros sintomas. Nas mulheres, há algumas causas ginecológicas possíveis.

Pedras nos rins

Os cálculos renais (pedras nos rins) são um problema de saúde comum que acometem homens e mulheres. Eles podem causar dor intensa no pé da barriga e nas costas (na região lombar, abaixo das costelas).

A dor aparece como cólica, do lado onde fica o rim com o problema. Também podem aparecer sintomas urinários (dor, urgência, urina turva ou com sangue).

Há fatores que aumentam o risco de desenvolvê-las ou apresentar sintomas:

  • Obesidade
  • Gravidez
  • Doenças como gota, diabetes e hipertensão
  • Infecções urinárias repetidas (há maior risco de desenvolver as pedras de estruvita)

Se a pedra nos rins pode ser a causa da sua dor, você precisa de cuidados médicos.

Quando você elimina a pedra, ela pode ser analisada para saber qual é a composição. Conhecer a composição das pedras pode ser importante para diminuir o risco de que elas voltem a aparecer. As mais comuns são formadas por oxalato de cálcio (70% a 80% dos casos). Também podem ser formadas por:

  • Fosfato de cálcio
  • Ácido úrico (o risco de ter uma pedra no rim com essa composição aumenta com a idade)
  • Cistina
  • Estruvita

Se elas forem de oxalato de cálcio (as mais comuns), o risco de que volte a formar outras pedras no seu rim é alto. Há cuidados que podem ser tomados para evitar que isso ocorra, como beber mais água e evitar certos alimentos.

Outros problemas que causam estreitamento ou obstrução das vias urinárias também podem causar os mesmos sintomas.

Dor no pé da barriga e nas costas nos homens: problemas da próstata

Se você é homem e está com dor ou desconforto no pé da barriga e nas costas há algum tempo, pode estar com prostatite ou com a síndrome da dor pélvica crônica.

A prostatite pode ter como causa uma inflamação ou infecção da próstata.

A síndrome da dor pélvica crõnica também é chamada prostatite crônica, apesar de não se saber ao certo se a próstata é a responsável pela dor. O diagnóstico se baseia na presença de sintomas e exclusão de outras causas.

O problema é mais comum entre os homens com 50 a 60 anos. Podem ser indicados anti-inflamatórios e acupuntura para a redução dos sintomas.

Dor é o primeiro sintoma no caso de problemas de próstata. Ela pode estar presente:

  • No pé da barriga e nas costas
  • Na região entre o saco escrotal e o ânus
  • Nos testículos
  • No pênis
  • Ao urinar
  • Ao ejacular

Ela difere da dor devido às pedras nos rins e tem duração variável. Sintomas urinários (maior frequência e urgência para urinar) ou alguma disfunção sexual (ejaculação precoce ou disfunção erétil) podem estar presentes.

Muitos pacientes com esses sintomas também têm dores em outras regiões do corpo. Nesses casos, os sintomas podem ser parte de outras síndromes de dor crônica, como a síndrome do intestino irritável, fibromialgia ou enxaquecas.

Dor no pé da barriga e nas costas em mulheres: causas ginecológicas

A dor no pé da barriga e nas costas nas mulheres pode ser normal durante a menstruação (cólicas) e durante o trabalho de parto (contrações). Há também alguns problemas de saúde e complicações na gravidez que podem causá-la:

  • Endometriose, adenomiose ou mioma uterino
  • Torção ovariana
  • Aborto, gravidez ectópica, trabalho de parto prematuro ou descolamento de placenta

Nesses casos, é importante procurar cuidados médicos.

Endometriose, adenomiose e miomas uterinos

Nesses casos, outros sintomas frequentes são o fluxo menstrual intenso e dor durante as relações sexuais. O útero está aumentado nos resultados do ultrassom.

Torção ovariana

A dor no pé da barriga e nas costas aparece de repente e pode ser moderada a intensa. Ela pode ser causada pela falta de circulação sanguínea adequada no ovário e na tuba quando ocorre a torção ovariana. A maior parte dos casos de torção ovariana acontece em mulheres em idade reprodutiva.

O risco de acontecer é maior:

  • Nos casos de tratamento para engravidar e hiperestímulo ovariano
  • Durante a gravidez
  • Nas mulheres com síndrome dos ovários policísticos
  • Quando já houve uma torção ovariana anteriormente

Na maior parte dos casos, o ovário pode ser preservado e recuperado com uma cirurgia.

Durante a gravidez

A dor parecida com cólica no pé da barriga e nas costas durante a gestação podem indicar algum problema. Por isso, procure um médico com urgência se ela for moderada ou intensa. Ela pode indicar:

Aborto espontâneo

Nesse caso, além da dor no pé da barriga e nas costas, haverá sangramento pela vagina.

Gravidez ectópica

A dor intensa no pé da barriga e nas costas pode acontecer quando há o rompimento da tuba uterina devido a uma gravidez ectópica. Isso pode causar hemorragia grave. Por isso, procure um médico com urgência se você teve um atraso menstrual, está sentindo essa dor, seguida por sangramento vaginal.

A gravidez ectópica é uma gravidez em que o embrião está se desenvolvendo em outro lugar que não seja o útero. O mais comum é que esse lugar seja a tuba uterina.

Trabalho de parto prematuro

O trabalho de parto prematuro pode ser identificado quando as contrações (dores moderadas ou intensas espaçadas no pé da barriga e nas costas) começam antes da gestação completar 37 semanas. Se isso acontecer, procure seu médico com urgência.

Não é sempre que há contrações antes do tempo que você já está em trabalho de parto. Preste atenção a alguns sinais que podem estar presentes e indicar o trabalho de parto em andamento:

  • Cólicas parecidas com as menstruais
  • Contrações leves e irregulares
  • Dor nas costas, na região lombar
  • Sensação de pressão na vagina ou no pé da barriga
  • Corrimento vaginal que parece muco, podendo ser claro, rosado ou levemente sanguinolento
  • Leve sangramento vaginal
Descolamento de placenta

As gestantes com descolamento de placenta apresentam sangramento vaginal, dor na barriga com contrações uterinas fracas e frequentes. A dor nas costas pode estar presente, dependendo da posição da placenta no útero.

Nesse caso, é preciso procurar um médico com urgência para avaliação. O descolamento de placenta pode ser pequeno e não trazer efeitos negativos para a gestante ou para o bebê. Dependendo da dimensão do descolamento, ele pode trazer riscos para a gestante e para o bebê.

Você também pode querer ler:

Dor no pé da barriga em homens: as 10 causas mais comuns e como tratar?

Dor no pé da barriga: o que pode ser?

Dor no pé da barriga durante a gravidez, o que pode ser?

Referências:

Kidney stones in adults: Epidemiology and risk factors. UpToDate

Chronic prostatitis and chronic pelvic pain syndrome. UpToDate

Dysmenorrhea in adult females: Treatment. UpToDate

Ectopic pregnancy: Epidemiology, risk factors, and anatomic sites. UpToDate

Preterm labor: Clinical findings, diagnostic evaluation, and initial treatment. UpToDate

Ovarian and fallopian tube torsion. UpToDate

Placental abruption: Pathophysiology, clinical features, diagnosis, and consequences. UpToDate

O que pode causar dor no pé da barriga e corrimento?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

As principais causas para as dores no pé da barriga em mulheres que também têm corrimento são os problemas ginecológicos. Os principais são:

  • Infecções e doença inflamatória pélvica
  • Endometriose
  • Cirurgias
  • Menopausa
  • Presença de algum corpo estranho na vagina
  • Câncer

O corrimento vaginal é mais comum nas mulheres que usam:

  • Protetores diários de calcinhas
  • Produtos para a higiene feminina, como desodorante, pó ou sabonete íntimo
  • Calcinhas apertadas ou de tecido sintético

Nesses casos, não é comum haver dor no pé da barriga. Isso só vai acontecer se houver inflamação associada ao corrimento.

Veja algumas características de cada uma das causas mais comuns para a dor no pé da barriga com corrimento.

Infecções e doença inflamatória pélvica (DIP)

A dor no pé da barriga com corrimento pode ser causada por infecções ginecológicas. O corrimento pode ser amarelado, esverdeado ou espumoso, principalmente. Pode ter cheiro e causar coceira. As infecções não tratadas podem causar a doença inflamatória pélvica.

A doença inflamatória pélvica (DIP) também pode causar a dor pélvica, abdominal e dor durante as relações sexuais, além de corrimento vaginal. Ela é causada por uma infecção no útero, tubas ou ovários que frequentemente envolve os órgãos próximos. Pode causar infertilidade.

A maior parte dos casos de DIP é causada por um agente infeccioso transmitido através do sexo sem o uso de preservativo. O sexo com muitos parceiros e sem proteção é o principal fator de risco para desenvolver a doença. O uso correto do preservativo em todas as relações sexuais com parceiros que não são fixos ou que são recentes reduz bastante o risco de DIP.

Mulheres que não fazem sexo ou que têm apenas um parceiro há muito tempo raramente vão desenvolvê-la.

Outras causas menos frequentes para as infecções ginecológicas que podem levar à dor no pé da barriga e corrimento são:

  • Casos agudos de infecções por bactérias intestinais ou respiratórias
  • Peritonites e abscessos pós-operatórios
  • Infecções pélvicas relacionadas à gravidez
  • Infecções causadas por traumas ou lesões
  • Infecções secundárias a apendicite, diverticulite ou tumor

Elas podem causar um quadro de sintomas parecido com o da DIP.

Endometriose

Ela é a causa mais comum da dor no pé da barriga crônica (já dura entre 3 a 6 meses). Também pode causar:

  • Corrimento marrom
  • Dor durante as relações sexuais
  • Alterações no fluxo menstrual
  • Infertilidade.

A endometriose é o desenvolvimento de células do endométrio (camada mais interna do útero) fora do útero. Isso causa inflamação, responsável pela dor. Pode afetar as mulheres antes da menarca, durante a vida reprodutiva e após a menopausa.

Cirurgias

Em casos de cirurgias ginecológicas recentes, a dor na região pélvica é normal. Um corrimento rosado pode aparecer devido à presença de sangue no muco vaginal. Outras regiões da barriga também podem doer. Esses são sintomas normais logo após a cirurgia.

A dor e o corrimento rosado tentem a diminuir com o passar dos dias. Entre em contato com seu médico se tiver alguma dúvida sobre se a sua recuperação está sendo normal. Alguns sinais de alerta são o aumento da dor ou o aparecimento de algum outro sintoma, como febre.

Em casos de cirurgias na região pélvica em que foi utilizada uma malha sintética, há possibilidade de que ela se desloque e cause desconforto vaginal. Há casos em que é possível sentir a malha saindo pela vagina ou pela uretra. Isso pode causar dor vaginal, principalmente durante as relações sexuais, e infecções.

Nos casos de infecção, a dor está associada a corrimento. Dependendo da cirurgia, pode ainda causar problemas intestinais e urinários.

Menopausa

A dor no pé da barriga com corrimento aquoso e transparente pode acontecer depois da menopausa devido a um processo inflamatório. As mudanças hormonais que ocorrem nessa fase podem ser a causa.

Entretanto, o mais comum na menopausa é a secura vaginal. Ela também pode levar à dor no pé da barriga, especialmente durante as relações sexuais.

Presença de corpo estranho na vagina

O corpo pode reagir com dor e corrimento à presença de um corpo estranho ou produtos colocados na vagina. Exemplos são:

  • Tampão vaginal (diafragma)
  • Preservativo: se for esquecido dentro da vagina
  • Espermicidas
  • Sabonetes íntimos e outros produtos para higiene íntima
  • Lubrificantes

Quando uma criança se queixar de dor no pé da barriga com corrimento, ela pode ter colocado algo no interior da vagina. Essa possibilidade precisa ser avaliada especialmente nesses casos.

Câncer

Quando o câncer vaginal causa sintomas, os mais comuns são:

  • Sangramento vaginal depois das relações sexuais ou após a menopausa
  • Corrimento aquoso, com sangue / rosado ou com cheiro ruim
  • Dor no pé da barriga ao urinar ou vontade frequente de urinar
  • Problemas intestinais

Não é comum que o câncer cause sintomas. Todos esses sintomas podem estar associados a outros problemas de saúde.

Há outras causas para a dor no pé da barriga e corrimento que não sejam os problemas ginecológicos?

Em algumas situações, o corrimento pode ser originado por problemas da bexiga ou nos intestinos. Ele pode estar associado à dor abaixo do umbigo em alguns casos de infecção urinária, câncer de bexiga ou de intestino.

Preste atenção para saber se o corrimento está saindo da vagina. Você pode percebe isso observando:

  • O local que fica manchado no absorvente ou protetor de calcinha
  • Se o corrimento só sai quando você vai ao banheiro para urinar
  • Se o corrimento só sai com as fezes
Preciso procurar um médico?

Sim, pois a maior parte das causas de dor no pé da barriga e corrimento precisam de tratamento.

O médico vai fazer algumas perguntas para investigar as possíveis causas. Depois, vai examinar a parte de fora da vagina e a vagina. Pode colher uma amostra do corrimento para investigar infecções ou pedir outros exames para saber qual é o tratamento indicado para o seu problema.

Você pode querer ler também:

Dor no pé da barriga: o que pode ser?

Corrimento branco, o que pode ser?

Corrimento vaginal: significado das cores do corrimento (branco, amarelado, cinza, esverdeado, marrom, vermelho, rosa)

Referências:

Transvaginal synthetic mesh: Management of exposure and pain following pelvic surgery. UpToDate

Endometriosis: Pathogenesis, clinical features, and diagnosis. UpToDate

Pelvic inflammatory disease: Clinical manifestations and diagnosis. UpToDate

Pelvic inflammatory disease: Pathogenesis, microbiology, and risk factors. UpToDate

Patient education: Vaginal discharge in adult women (Beyond the Basics). UpToDate

Patient education: Vaginal cancer (The Basics). UpToDate

Quais são as causas do caroço na virilha que dói quando aperta?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

A causa mais comum para o caroço na virilha que dói quando aperta são as ínguas. Outras causas possíveis são as hérnias e a foliculite (devido a pelos encravados). Veja algumas características de cada uma delas.

Íngua

As ínguas aparecem quando há infecção ou inflamação, principalmente nas regiões próximas à virilha. Elas são os gânglios linfáticos aumentados. Podem aparecer apenas no lado onde está o problema. Alguns exemplos do que pode causar as ínguas na virilha são:

  • Infecção ou inflamações nas extremidades inferiores (pés e pernas) — incluindo as de pele
  • Inflamações ou infecções nos órgãos reprodutores (inclusive as sexualmente transmitidas)
  • Câncer

Observe se há alguma lesão nos seus pés ou pernas, como bolhas ou feridas. Perceba se, além do caroço na virilha que dói quando apertado, tem lesões, corrimento ou secreção na vulva, na vagina ou no pênis. Dor em outros lugares ou cólica também são sinais importantes que podem indicar inflamação.

Perceba se há ínguas em outras regiões do corpo além da virilha, como nas axilas e na região do pescoço. Isso pode indicar a presença de doenças. Nesses casos, há outros sinais e sintomas associados. Alguns exemplos de doenças que podem causar ínguas pelo corpo são:

  • Mononucleose
  • Leishmaniose
  • Tuberculose
  • HIV
  • Lúpus
  • Sarcoidose
  • Febre maculosa
  • Elefantíase (filariose)

Se você tem gatos, uma causa possível são os arranhões que eles fazem, que podem causar a doença da arranhadura do gato. O uso de medicamentos anticonvulsivantes também pode ser uma causa das ínguas.

Se tiver tatuagens nos pés, pernas ou virilha, os gânglios linfáticos podem acumular o pigmento delas e aumentar. Você pode sentir dor ao apertá-los.

Muitas dessas causas precisam de tratamento. Se você tem uma íngua, procure um médico de família para ver se é o seu caso.

Hérnia

As hérnias na virilha aparecem como caroços. É possível que sejam mais visíveis e palpáveis quando algum esforço é realizado. Podem causar desconforto e dor.

São mais fáceis de serem notadas em pessoas magras ou com peso ideal. São causadas por um defeito no tecido que mantém os órgãos dentro do abdômen. É como se esse tecido estivesse rasgado ou furado. Com o esforço (ao tossir, espirrar ou forçar os músculos da barriga), o que está para dentro passa para fora do abdômen através da abertura. É assim que o caroço se forma.

Algumas pessoas já nascem com uma hérnia. Outras podem surgir após esforços, por exemplo. Elas podem aumentar com o envelhecimento.

Nos homens, são mais comuns e mais fáceis de serem diagnosticadas. O médico de família ou clínico geral consegue saber se há uma hérnia nos homens com o exame físico. Na mulher, muitas vezes é necessário fazer um ultrassom para visualizar a hérnia.

O tratamento indicado para as hérnias é a cirurgia que conserta o defeito. Nem toda hérnia precisa de tratamento.

Depois da cirurgia, elas podem voltar. Esse pode ser o seu caso se você já operou uma hérnia e está novamente com um caroço na virilha.

Foliculite

A presença de carocinhos que coçam e doem na virilha é sinal de foliculite. Eles podem ser parecidos com espinhas ou bolinhas vermelhas sem pus. Um dos principais fatores causadores da foliculite é o pelo encravado. É como se o pelo crescesse para dentro e espetasse a pele, causando inflamação superficial ou mais profunda.

Alguns fatores que podem causar a foliculite são a depilação da região, calor, atrito e roupas apertadas. Ela surge principalmente quando uma lâmina é usada para a depilação. Por isso, a foliculite na virilha é mais comum nas mulheres.

Geralmente, a foliculite é leve e cura-se espontaneamente. Pode deixar manchas na pele da região. Por ser um processo inflamatório, pode causar ínguas pela proximidade dos gânglios linfáticos.

Você pode querer ler também:

Pelo encravado inflamado: o que fazer?

Tenho um caroço na virilha. O que pode ser?

Foliculite (caroço tipo espinha) na virilha após depilação: como tratar e evitar

Referências:

Evaluation of peripheral lymphadenopathy in adults. UpToDate

Balasubramanian I, Burke JP, Condon E. Painful, pigmented lymphadenopathy secondary to decorative tattooing. Am J Emerg Med. 2013; 31(6): 1001.e1-2.

Shakil A, Aparicio K, Barta E, Munez K. Inguinal Hernias: Diagnosis and Management. Am Fam Physician. 2020; 102(8): 487-92

Infectious folliculitis. UpToDate

7 formas de eliminar o gosto amargo na boca
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Há algumas soluções que podem ajudar você a acabar com o gosto amargo na boca. A escolha de uma delas vai depender do que pode estar causando o amargor na boca.

1. Beba água

Isso pode ajudar porque a boca seca pode dar a sensação de gosto amargo. Se você acordou com a boca amarga, essa pode ser a causa.

Beber mais água também pode ajudar a diminuir o gosto amargo da boca se você:

  • Usa medicamentos que deixam a boca seca, com menos saliva
  • Tem doenças que deixam a boca mais seca
  • Tem mais de 60 anos (a boca também fica mais seca)
  • Fez radioterapia (tratamento para câncer que utiliza radiação)

Alguns medicamentos que podem deixar a boca seca e com sensação de amargor são:

  • Medicamentos para baixar a pressão arterial
  • Ansiolíticos e antidepressivos
  • Medicamentos para o tratamento de câncer
  • Antiparkinsonianos

As principais doenças que podem deixar a boca mais seca são a diabetes, HIV e as doenças autoimunes (quando levam ao desenvolvimento da Síndrome de Sjögren).

Em alguns casos, pode ser indicado o uso de saliva artificial para resolver o problema.

Além de beber água, o chiclete pode ajudar a aumentar a salivação, além de substituir o gosto por um sabor agradável. Dê preferência a um que não tenha açúcar.

2. Pare de fumar

O hábito de fumar também deixa a boca mais seca, sendo uma causa para o sabor amargo na boca. É mais um motivo para você investir na sua saúde e parar de fumar. Um médico de família, na Unidade Básica de Saúde, pode ajudar você a abandonar esse hábito.

3. Escove os dentes

As pastas de dentes têm sabor refrescante, em geral. Assim, escovar os dentes pode acabar com o gosto amargo. Além disso, a falta de higiene oral adequada pode ser uma causa para o gosto amargo na boca.

A boa higiene oral também é importante para evitar inflamações e infecções na boca. Elas podem causar sangramentos, que são uma causa para o gosto amargo na boca.

4. Coma

Quando você come, o gosto amargo da boca vai embora, principalmente se ficou muito tempo em jejum. Evite ficar muito tempo sem comer. Isso pode deixar sabor amargo na boca.

Se você tem doença do refluxo gastroesofágico, ela é uma das principais causas para a sensação de boca amarga. Nesse caso, comer alimentos espessos e ricos em fibras também pode ajudar a acabar com o gosto amargo. Outra alternativa é tentar mascar chiclete. Ele ajuda a aumentar a salivação e diminuir o efeito do ácido do estômago no esôfago e na boca.

5. Tome um remédio para má digestão

Tomar um remédio para má digestão pode ajudar a acabar com o gosto amargo na boca quando você:

  • Ingeriu excesso de bebidas alcoólicas
  • Fez refeições pesadas (muito gordurosas, principalmente)
  • Quando comeu demais

Algumas opções de remédios que você pode tomar nesses casos são Eparema®, Epocler® ou outro com mesma indicação e composição semelhante. Você pode comprar esses medicamentos sem precisar de receita médica. Um chá de boldo ou de alcachofra também pode ajudar. No caso do problema persistir, procure um médico de família.

6. Tome um suplemento à base de zinco

A concentração baixa de zinco no sangue causa amargor recorrente ou constante na boca. Corrigir esse problema é uma forma de eliminá-lo. Para isso, use um suplemento à base de zinco.

O zinco no sangue pode diminuir se você tem deficiências nutricionais (não se alimenta bem) ou de absorção de nutrientes. Outras causas possíveis são:

  • Problemas graves do fígado (o nível baixo do mineral também pode causar piora da doença hepática)
  • Diabetes
  • Doença de Crohn
  • Anemia falciforme
  • Problemas graves nos rins
  • Hipertensão, quando você usa alguns desses medicamentos: clortalidona, hidroclorotiazida, captopril, enalapril ou losartana

Nesses casos, é importante tratar as doenças ou ajustar a dose dos medicamentos para resolver o problema.

7. Trate a causa do problema

Se o gosto amargo na boca é causado por algum problema de saúde, você precisa tratar a doença para eliminá-lo. Algumas doenças que podem causar o gosto amargo na boca são:

  • Inflamações e infecções dos dentes, gengiva, garganta, língua ou glândulas salivares
  • Diabetes
  • Hipotireoidismo
  • Problemas graves nos rins
  • Problemas graves no fígado

Há alguns medicamentos que causam alterações no paladar e gosto amargo ou metálico na boca. Alguns exemplos são:

  • Alopurinol
  • Antibióticos como a amoxicilina, cefalexina, tetraciclina, claritromicina e metronidazol
  • Baclofeno
  • Lidocaína
  • Lítio
  • Anfetaminas
  • Metilfenidato

Os antibióticos, o baclofeno e a lidocaína são medicamentos utilizados normalmente por um período curto. É provável que o gosto amargo na boca passe pouco tempo após terminar o tratamento,

Se você faz uso contínuo de algum desses medicamentos, fale com seu médico para saber o que pode fazer para diminuir ou eliminar o gosto amargo na boca.

Para saber mais sobre as causas do gosto amargo, leia também:

Gosto amargo na boca pode ser sintoma de quê?

Remédio para boca amarga

Gosto de podre na boca o que pode ser?

Quando o gosto amargo na boca é sinal de problema de fígado? O que fazer?

Referências:

Hennessy BJ. Xerostomia. Manual MSD — Versão para Profissionais de Saúde.

Cresci G, Escuro A. Dietoterapia para as Doenças do Sistema Gastrointestinal. O Esôfago. In: Mahan LK, Raymond JL. Krause - Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Tradução da 14 Ed. Kenmore, WA. Elsevier. p. 1918-32.

Musialik J, Suchecka W, Klimacka-Nawrot E, Petelenz M, Hartman M, Błońska-Fajfrowska B. Taste and appetite disorders of chronic hepatitis C patients. Eur J Gastroenterol Hepatol. 2012; 24(12): 1400-5.

Taste and olfactory disorders in adults: Evaluation and management. UpToDate

Sou‌ ‌mulher‌ ‌e‌ ‌estou‌ ‌com‌ ‌dor‌ ‌na‌ ‌virilha.‌ ‌O‌ ‌que‌ ‌pode‌ ‌ser?‌
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

A dor na virilha nas mulheres pode ter origem no aparelho reprodutor. As causas mais comuns são as cólicas no período próximo ao início da menstruação e a dor de ovulação.

Mas há alguns problemas nos ovários, tubas / trompas, útero e vagina que podem causar a dor na virilha. O mais comum é a doença inflamatória pélvica, causada por infecções não tratadas. Veja quais são os outros problemas ginecológicos que podem causá-la.

Problemas de ovários que podem causar dor na virilha

Alguns dos problemas que podem ser responsáveis pela dor são:

  • Cistos de ovários
  • Torções de ovário e tuba
  • Endometriose
  • Tumores de ovários

Nesses casos, a dor na virilha pode ser apenas em um dos lados.

A ruptura de um cisto (folículo) em um dos ovários é normal. Ela acontece quando você não toma pílula, por volta do meio do ciclo menstrual. Mas há alguns cistos formados devido a problemas nos ovários que podem romper e causar a dor na virilha. Eles podem ser causados devido a:

  • Endometriose (formando um endometrioma nos ovários)
  • Teratoma e cistoadenomas (são tumores benignos de ovário)
  • Câncer

Nesses casos, pode haver sangramento vaginal, corrimento marrom ou rosado associado à dor na virilha. Pode ser necessário tomar analgésicos, mas alguns casos requerem cirurgia. Por isso, precisam ser acompanhados por um médico.

A endometriose acontece quando células e glândulas do útero se desenvolvem em outros lugares, causando inflamação. Ela pode causar cólica no período próximo à menstruação, dor durante as relações sexuais e infertilidade. Os sintomas podem ser suportáveis ou muito intensos.

A torção do ovário é uma causa que requer cuidados urgentes. Ela causa dor muito intensa na virilha e abdômen. É mais comum quando a mulher passa por algum tratamento para engravidar com estimulação exagerada da produção de óvulos.

A dor na virilha pode acontecer, ainda, com a ovulação. Ela surge no meio do ciclo menstrual (caso seu ciclo seja regular e de 28 dias). É leve e normalmente só de um dos lados da virilha. Dura pouco tempo e é normal.

Problemas das tubas / trompas que causam dor na virilha

A causa mais comum para a dor na virilha devido a um problema nas tubas é a gravidez ectópica. Isso acontece quando o embrião se fixa e se desenvolve no lugar errado. Pode levar ao rompimento da tuba quando ele se fixou lá.

A dor pode iniciar de 6 a 8 semanas depois da última menstruação. Ela é intensa e pode ser acompanhada de sangramento.

A ruptura da tuba é uma situação grave, que precisa de cuidados médicos urgentes.

Problemas do útero e vagina que podem causar dor na virilha

Alguns problemas do útero podem causar dor na virilha, cólicas e sangramento menstrual intenso. Miomas, adenomiomas e tumores são alguns exemplos.

As infecções ginecológicas também podem causar a dor na virilha. Alguns sintomas que podem estar associados, nesse caso, são corrimento e dor durante as relações sexuais.

Alterações na formação dos órgãos do sistema reprodutor também podem causar dor na virilha. É comum que, nesses casos, a dor apareça em algum momento durante o ciclo menstrual e comece na adolescência.

A alteração mais comum é o hímen sem perfuração, que causa o acúmulo da menstruação no útero, fazendo com que ele aumente e causando a dor. Outras alterações que podem causar dor na virilha são o útero com duas cavidades (útero septado ou bicorno) ou útero didelfo (são como dois úteros).

A dor na virilha também pode acontecer caso algo tenha sido introduzido na vagina e fique preso lá. Essa causa para a dor deve ser investigada em crianças, principalmente.

Os meses finais da gravidez também estão associados a dores na virilha. Isso acontece devido ao aumento do útero e do peso do bebê. A dor aumenta quando você senta ou abaixa e é normal. Se é o seu caso, pergunte ao seu médico quais são os exercícios que ajudam a diminuir esse desconforto.

Quando a dor na virilha nas mulheres não está associada a problemas ginecológicos?

Como a região corresponde à articulação do quadril, ao pé da barriga e parte da coxa, há muitas causas para a dor na virilha. Outras causas possíveis são as que acometem ambos os sexos, como:

  • Apendicite (a dor na virilha é só do lado direito)
  • Distensão muscular
  • Problemas da articulação do quadril
  • Hérnias
  • Ínguas e infecções
  • Pedras nos rins

Você pode querer ler também:

O que pode ser dor na virilha e o que fazer?

Dor no pé da barriga: o que pode ser?

Tenho um caroço na virilha. O que pode ser?

Causas de dor na virilha na gravidez: das primeiras às últimas semanas

Minha barriga está dolorida quando aperto. O que pode ser?

Referências:

UpToDate. Ectopic pregnancy: Clinical manifestations and diagnosis

UpToDate. Congenital uterine anomalies: Clinical manifestations and diagnosis

UpToDate. Evaluation of acute pelvic pain in the adolescent female

Qual é o perigo de ter plaquetas baixas?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

O principal perigo quando as plaquetas estão muito baixas é a hemorragia. Isso acontece por as plaquetas serem células importantes no processo de coagulação do sangue.

As hemorragias graves podem acontecer sem haver outro motivo além das plaquetas muito baixas. Isso é raro (mais frequente quando as plaquetas estão abaixo de 20.000/mm³).

As mais perigosas podem acontecer no aparelho digestivo e no sistema nervoso central (causando acidente vascular cerebral hemorrágico). O AVC hemorrágico é muito grave.

Quando preciso ter cuidado?

É preciso ter cuidado quando as plaquetas estão muito baixas e quando há outros problemas de saúde que podem aumentar o risco de hemorragias. Nos casos em que já houve uma hemorragia, quando há manchas roxas na pele ou mucosas e sangue na urina (hematúria), o risco de hemorragias é muito alto.

A baixa concentração de plaquetas no sangue é chamada plaquetopenia ou trombocitopenia. Quando ela é leve (plaquetas entre 100.000 a 150.000/mm³), deve apenas ser acompanhada pelo médico, através da realização de exames de sangue periodicamente. Esses valores podem ser normais para algumas pessoas.

O risco de hemorragias pode ser maior quando você tem:

  • Problemas de coagulação do sangue
  • Inflamação, infecção ou febre
  • Defeitos anatômicos ou cicatrizes cirúrgicas
  • Plaquetas que não “funcionam” direito

Quando a plaquetopenia é moderada (plaquetas entre 50.000 e 99.000/mm³) ou grave (plaquetas abaixo de 50.000/mm³), algumas condições de saúde que levam à sua diminuição também podem trazer riscos para a saúde. Por isso, é importante investigar a causa para poder tratá-la. Algumas delas são:

  • Câncer com supressão da medula óssea (onde as plaquetas são formadas), como as leucemias e linfomas
  • Problemas de medula óssea
  • Doença autoimune e síndrome antifosfolípide
  • Infecções: infecções virais (vírus causadores de covid-19, HIV, zica, hepatite C, Epstein-Barr) e malária são alguns exemplos
  • Deficiências alimentares: falta de vitamina B12, folato e cobre; excesso de zinco
  • Doença crônica grave do fígado (como a cirrose) e baço aumentado
  • Coagulação intravascular disseminada
  • Infecções bacterianas com sepse (infecção generalizada)
  • Pré-eclâmpsia
O que é feito no caso de hemorragias?

Nesse caso, é possível receber uma transfusão de plaquetas. A transfusão também pode ser realizada antes de um procedimento de urgência que vá causar sangramento (como uma cirurgia).

A quantidade de plaquetas e a frequência das transfusões dependem da concentração / contagem de plaquetas que você tem e da gravidade do sangramento.

Outra situação em que pode ser indicada é para aumentar o número de plaquetas e evitar sangramentos prolongados. Nesses casos e sempre que o risco de hemorragia for verificado com antecedência, outras alternativas podem ser o uso intravenoso de imunoglobulinas (anticorpos) ou de corticoides.

O que faço para tentar evitar as hemorragias?

Evitar as situações em que você pode se machucar é a principal medida. Como há alguns medicamentos que podem ser responsáveis pela baixa contagem de plaquetas, suspender o uso pode ser importante para evitar as hemorragias. O álcool e as drogas também precisam ser evitados.

O risco de hemorragia em qualquer caso em que houver rompimento de vasos sanguíneos será maior quando as plaquetas estiverem muito baixas. Os vasos podem romper:

  • Com um corte
  • Em um acidente
  • Com uma pancada
  • Durante uma cirurgia

Por isso, enquanto as plaquetas estiverem muito baixas, essas situações precisam ser evitadas sempre que possível.

Atividades físicas em geral devem ser evitadas, principalmente as que podem levar a quedas. Dobre o cuidado ao manipular facas, tesouras, objetos de vidro e lâminas.

Em alguns casos, o que causa a plaquetopenia é o uso de medicamentos. Alguns exemplos são:

  • Heparina — que também pode causar trombose
  • Quinina (inclusive na água tônica)
  • Alguns antibióticos: sulfonamidas (como a trimetoprima e o sulfametoxazol), ampicilina, rifampicina e vancomicina são exemplos
  • Paracetamol
  • Cimetidina
  • Carbamazepina, ácido valproico e fenitoína
  • Alguns anti-inflamatórios, como o ibuprofeno e o naproxeno
  • Alguns medicamentos para câncer

Nesses casos, a primeira medida para evitar hemorragias é parar de tomá-lo. O médico irá dizer como parar de usá-lo e substitui-lo, se for necessário. A contagem de plaquetas normalmente volta ao normal entre 5 e 7 dias após a interrupção.

O uso de álcool em excesso e de drogas também podem causar a diminuição das plaquetas.

Há outros riscos quando as plaquetas estão baixas?

Raramente, há risco de trombose venosa ou arterial. Isso pode acontecer principalmente nos casos em que a trombocitopenia foi desenvolvida devido:

  • Ao uso de heparina
  • À administração das vacinas contra o coronavírus da AstraZeneca e Janssen / Johnson & Johnson (muito raro)
  • Ao desenvolvimento de síndrome antifosfolípide (uma doença autoimune que pode ser causada pelo lúpus, uso de alguns medicamentos, infecções e câncer)
  • À coagulação intravascular disseminada (que pode acontecer em caso de infecção bacteriana generalizada, por exemplo)

Tanto as hemorragias quanto a trombose são problemas graves de saúde. Os casos graves de plaquetopenia necessitam de acompanhamento e tratamento urgentes para preveni-las.

Você pode querer ler:

O que fazer para aumentar a contagem de plaquetas?

Qual a quantidade normal de plaquetas?

Quais as causas de plaquetas baixas?

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?

O que fazer em caso de plaquetas baixas?

Não consigo aumentar nível das plaquetas. O que fazer?

Referências:

UpToDate. Platelet transfusion: Indications, ordering, and associated risks

UpToDate. Diagnostic approach to the adult with unexplained thrombocytopenia

5 causas para o corrimento marrom acompanhado de cólica
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

O corrimento marrom acompanhado por cólica leve pode ser normal no início da menstruação ou no início da gravidez. Mas se a dor da cólica for mais intensa e duradoura, isso pode ser sinal de algum problema de saúde.

1. Infecções

As infecções são causadas principalmente por bactérias e precisam de tratamento. Os sintomas que podem estar presentes são:

  • Dor bilateral na barriga (que pode incomodar mais durante as relações sexuais, quando se abaixa ou se curva)
  • Corrimento marrom
  • Sangramento depois das relações sexuais
  • Dor durante e após a menstruação

Também podem causar mais vontade de ir ao banheiro para urinar.

Elas podem desenvolver formas subclínicas que levam ao aparecimento da doença inflamatória pélvica. Nesse caso, a infecção pode causar a inflamação no útero, tubas / trompas e nos ovários. É comum que acometa os órgãos vizinhos.

Piometra é uma infecção bacteriana do útero que causa acúmulo de pus dentro dele. Ela é rara, mais comum nas mulheres idosas. Outros sinais presentes nesse caso, além do corrimento marrom-amarelado, são o aumento do útero e dor, podendo haver febre.

2. Complicações durante a gravidez

Durante a gravidez, o corrimento marrom com dor abdominal intensa pode indicar:

  • Gravidez ectópica ou heterotópica
  • Ameaças de aborto
  • Aborto
  • Descolamento de placenta

Na gravidez ectópica (fora do útero), pode acontecer o rompimento da tuba / trompa, o que causa fortes dores e sangramento.

A gravidez heterotópica acontece quando um embrião se desenvolve no útero e outro na tuba / trompa (geralmente). É muito raro de acontecer, mais comum nos casos em que foi realizado algum tratamento para engravidar.

O embrião que cresce na tuba uterina faz com que ela se rompa, o que causa sangramento. O sangue não consegue sair com facilidade do útero, porque há outro embrião lá. Por isso, o sangue fica retido por mais tempo e coagula, causando o corrimento marrom.

Se está grávida e tem corrimento marrom com cólicas, procure seu médico para verificar o que está acontecendo.

3. Alterações uterinas

Algumas mulheres têm alteração como o útero com duas cavidades (útero septado ou bicorno) ou dois úteros (útero didelfo). Isso pode fazer com que a menstruação fique acumulada no útero por um tempo maior que o normal, coagule antes de sair e saia como um corrimento marrom.

Nesses casos, a menstruação pode começar com esse corrimento marrom, que pode persistir durante boa parte do período menstrual, em todos os ciclos. Pode haver dor ou não.

As alterações uterinas acontecem durante a formação do útero. A mulher nasce com elas. Por isso, caso elas causem corrimento marrom, isso poderá ser percebido desde a menarca (primeira menstruação).

Elas podem causar dificuldades para engravidar e aumentar os riscos de ruptura uterina e abortos. Quando são conhecidas, é possível adotar cuidados para diminuir as chances de complicações.

4. Acúmulo de sangue no útero (hematometria)

O sangue e / ou menstruação pode se acumular no útero e causar dor. Com o acúmulo, o sangue coagula e sai como um corrimento marrom. Isso pode causar infecção (piometra). Pode acontecer quando há:

  • Estenose cervical
  • Aderências uterinas

Na estenose cervical, o colo do útero fica mais fechado na estenose cervical. Isso pode fazer com que sangue e / ou menstruação se acumulem no útero. Por isso, ele coagula e sai marrom.

Algumas causas possíveis para a estenose cervical são:

  • Cirurgias e tratamentos para problemas do colo do útero e útero
  • Menopausa
  • Alguns cânceres ginecológicos

As aderências uterinas podem ser causadas por procedimentos médicos realizados, principalmente durante a gravidez, ou não ter causa. Podem causar dor e corrimento marrom ou até amenorreia (quando a menstruação não consegue sair). Elas diminuem as chances de engravidar e aumentam o risco de abortos.

5. Câncer

Câncer do útero, da vagina e dos ovários podem causar sangramentos. Por isso, o corrimento marrom com cólicas pode ter essa causa.

Os órgãos genitais podem desenvolver câncer quando um órgão vizinho tiver câncer, como a bexiga. Isso também pode ser uma causa de corrimento marrom com cólicas.

Você pode querer ler também:

Corrimento marrom, o que pode ser?

Quais são os sintomas e causas de uma infecção urinária?

Referências:

Sala A, Restaino,S, De Carlo C, Comand,M, Frigo,A, Rivero SM, Zanett E, Driul L. Postoperative Streptococcus constellatus Bacteremia in a 75-Year-Old Patient with Pyometra: A Case Report. Am J Case Rep. 2021; 22: e931167-1–e931167-5.

Perone N. Rare urogenital anomaly causing discharge and pain. A case report. J Reprod Med. 1997; 42(9): 593-6.

UpToDate. Intrauterine adhesions: Clinical manifestation and diagnosis

UpToDate. Pelvic inflammatory disease: Clinical manifestations and diagnosis

UpToDate. Differential diagnosis of genital tract bleeding in women

Koyanagi Y, Kubo C, Nagata S, Ryu A,Hatano A, Kano R,Tanada S, Ashimura J, Idota A, Kamiura S, Yamasaki T, Nakatsuka S. Detection of pagetoid urothelial intraepithelial neoplasia extending to the vagina by cervical screening cytology: a case report with renewed immunochemical summary. Diagn Pathol. 2019; 14: 9.

Quando o corrimento rosado antes da menstruação é normal?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

O mais comum é que esse corrimento rosado antes da menstruação aconteça exatamente como um “aviso” de que ela vai começar. Primeiro, o muco sai rosado, podendo ser acompanhado de um pouco de cólica. Depois, o fluxo menstrual começa.

Pode ser considerado corrimento rosado antes da menstruação todo aquele que acontece no período que antecede o início da menstruação em poucos dias. Normalmente ele é percebido na calcinha ou no papel higiênico.

Não sai como o fluxo menstrual. O corrimento é rosado porque é uma mistura de um pouco de sangue com o muco vaginal normal.

Há outras situações em que esse corrimento rosa antes da menstruação pode ser normal.

Causas não preocupantes para o corrimento rosado antes da menstruação

Há situações em que o sangue está presente no muco, mas isso não indica nenhuma doença. Algumas situações que podem causar a saída do corrimento rosado antes da menstruação são:

Gravidez

A gravidez é uma causa possível para o corrimento rosado antes da menstruação.

Quando o embrião começa a se fixar no útero, pode causar um pequeno sangramento. Isso pode acontecer por volta de uma semana antes da data esperada para a menstruação. O muco pode ficar rosado nesse período devido à presença do sangue.

Uso de pílulas anticoncepcionais

O uso de pílulas pode ser a causa de corrimento rosado antes da menstruação. É o chamado “escape”. Nesse caso, fale com seu médico para ver se deve continuar com o medicamento. Ele pode sugerir a troca por outra pílula para evitar esse problema.

Relações sexuais

Quando as relações sexuais são muito intensas ou acontecem durante a gravidez podem causar o corrimento rosado. Isso acontece porque a parede vaginal ou o colo do útero podem sangrar um pouco, deixando o muco rosado.

Você só precisa se preocupar se isso acontecer com frequência e se sentir dor durante as relações. Nesses casos, procure um médico de família ou um ginecologista.

Procedimentos médicos

Se você passou por uma cirurgia ginecológica ou colocou um DIU, é possível que o corrimento rosado seja causado por esses fatores. Isso pode ser normal logo após os procedimentos. O sangue pode vir de dentro do útero, tubas / trompas ou ainda dos ovários e deixar o muco vaginal rosado.

Se tiver dúvidas se o corrimento é normal nesses casos, entre em contato com o médico que fez o procedimento.

Quando o corrimento rosado antes da menstruação não é normal?

O corrimento rosado pode ser causado por problemas de saúde. Nesse caso, pode aparecer em qualquer momento do ciclo menstrual. Observar a presença de outros sinais pode ajudar a perceber se você precisa se preocupar com o corrimento rosado antes da menstruação. São eles:

  • Dor na vagina ou no pé da barriga quando tem relações sexuais
  • Cólicas
  • Corrimento com cheiro ruim, persistente ou que cause coceira

Nesses casos, procure um médico de família ou clínico geral. Alguns dos problemas de saúde que podem causar o corrimento rosado acompanhado de um ou mais dos sintomas listados são:

Infecções

Algumas infecções podem causar sangramento na vagina. Elas podem ser acompanhadas de dor no pé da barriga e, algumas vezes, por febre. Podem causar corrimento com cheiro ruim. Precisam ser tratadas.

Elas podem ser a causa de doença inflamatória pélvica quando não tratadas. Dores, infertilidade e alteração do trânsito intestinal são algumas das possíveis consequências dessa doença.

Uso de medicamentos

Os principais medicamentos que podem causar o corrimento rosado são os anticoagulantes. Eles afetam a coagulação do sangue e podem aumentar sangramentos em vários lugares do corpo, inclusive na vagina.

Não é normal ter corrimento rosado quando está usando pomada vaginal. Ela só vai causar sangramento se estiver irritando a sua vagina ou não fizer efeito. Informe o médico caso isso aconteça.

Doenças

Há muitas doenças que podem causar sangramento no aparelho reprodutor feminino, causando corrimento rosado. Algumas delas são do próprio aparelho reprodutor:

  • Inflamações na vagina
  • Pólipos
  • Infecções

Câncer de vulva, vagina, endométrio (no útero) ou ovário pode causar sangramentos e ter como consequência o corrimento rosado.

Outras doenças que podem causar o corrimento rosado anormal são as doenças que afetam a coagulação do sangue. Plaquetas baixas, deficiência de fatores de coagulação, doença grave do fígado e leucemia são alguns exemplos.

Tem certeza de que o corrimento rosado é vaginal?

É importante perceber se o corrimento sai da vagina mesmo. Para isso, observe quando ele sai (apenas quando você vai ao banheiro urinar ou só sai com a saída das fezes). Se utilizar um absorvente interno, veja se ele só sai quando o absorvente é removido.

Se você usar um absorvente protetor de calcinha, pode notar o local onde a mancha do corrimento foi formada.

Caso note que o corrimento sai do ânus ou da uretra, as causas também precisam ser investigadas. Procure um médico de família ou clínico geral.

Leia também:

Corrimento rosado, o que pode ser?

Corrimento vaginal: significado das cores do corrimento (branco, amarelado, cinza, esverdeado, marrom, vermelho, rosa)

É normal ter sangramento durante a utilização de pomada vaginal? O que pode ser?

Referências:

UpToDate. Abnormal uterine bleeding in nonpregnant reproductive-age patients: Evaluation and approach to diagnosis

UpToDate. Pelvic inflammatory disease: Clinical manifestations and diagnosis

8 principais causas da coceira no bico da mama
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Os mamilos podem coçar devido a diferentes causas. Algumas delas são:

  • Irritações ou alergias
  • Ressecamento
  • Amamentação
  • Aumento dos seios
  • Outras doenças, como a doença de Paget, de Bowen e câncer

A coceira nos mamilos pode acometer mulheres e homens. Os homens também podem ter câncer de mama.

Saiba qual pode ser a causa da coceira no bico da mama conforme a presença de outros sinais.

1. Irritações, dermatites e alergias

As lesões causadas por esses fatores podem aparecer de repente ou estarem presentes já há algum tempo quando você começa a sentir a coceira. Quando aparecem de repente, bolinhas com líquido, crostas e feridas podem estar presentes nos mamilos. Quando são persistentes, os mamilos geralmente são secos e avermelhados, podendo ter placas ou descamações.

A coceira é o principal sintoma no caso de alergias. Ela pode ser causada:

  • Por resíduos de produtos usados na lavagem de roupas, especialmente dos sutiãs;
  • Por produtos aplicados na região;
  • Pelo tecido da roupa ou do sutiã;
  • Pelo suor.

Você ainda pode notar vermelhidão na região ao redor do mamilo. Tente identificar se há algo que possa estar causando a alergia.

Para evitar as alergias:

  • Enxágue melhor sua roupa durante a lavagem para evitar os resíduos de sabão e amaciante;
  • Prefira os sutiãs feitos com tecidos naturais e macios — lave-os com frequência;
  • Suspenda de cosméticos e medicamentos quando suspeitar serem os responsáveis pela coceira.
2. Ressecamento

O mamilo pode estar ressecado devido a banhos muito quentes, por exemplo. Além da coceira, você pode observar que a pele está esbranquiçada ao redor da região. Nesse caso, você pode aplicar um creme ou o gel extraído de dentro da folha da babosa (Aloe vera).

3. Aumento dos seios

O aumento dos seios é outra causa para a coceira nos mamilos. Isso pode acontecer quando a pessoa engorda, coloca uma prótese ou durante a gravidez.

O aumento dos seios é um dos primeiros sinais de gravidez. Se você tiver um atraso menstrual, seus mamilos coçarem, tiver mais vontade de urinar, mais sono ou enjoos, você pode estar grávida.

4. Amamentação

Sentir dor e coceira nos mamilos quando amamenta é comum nos quatro dias após o parto. Quando elas persistem após esse período, há duas possibilidades:

  • Elas podem surgir na mama quando o peito está cheio de leite, o que é mais comum;
  • Quando o bebê não pega direito os mamilos para mamar e os machuca, eles podem doer, arder, sangrar e coçar.

Se você amamenta e está com os mamilos feridos, procure um serviço de saúde. Lá, vão examinar as suas mamas para ver se há algum problema, como a mastite ou abscessos. Se estiver tudo bem, os profissionais de saúde podem ensinar como fazer para que seu bebê mame da forma certa.

O gel da folha da babosa é hidratante e cicatrizante. Ele pode ser aplicado nos mamilos feridos das mulheres que amamentam. Nesse caso, o mamilo deverá ser limpo com uma compressa com água antes das mamadas. Tenha cuidado, apenas, para evitar o uso do leite da folha.

5. Lesões benignas do mamilo

As lesões benignas da mama são muito mais frequentes do que as malignas. Entre elas, há alguns tumores raros dos mamilos:

  • Neurofibromas
  • Verrugas
  • Leiomiomas
  • Milium
  • Papilomatoses
  • Fibromas
  • Hemangiomas
  • Lipomas

Os sintomas que podem aparecer no mamilo se você tem um deles são parecidos aos da doença de Paget:

  • Coceira
  • Sangramento
  • Dor
  • Inchaço
  • Enrijecimento

Se tem esses sintomas, procure um médico de família ou clínico geral.

6. Doença de Paget

A doença de Paget começa no mamilo e depois se espalha para a aréola. Além de coceira, o mamilo pode:

  • Doer ou arder
  • Ter lesões escamosas
  • Ter pequenas bolhas ou feridas

Algumas vezes, pode sair sangue do mamilo e ele pode estar retraído.

A doença de Paget é um tipo raro de câncer de mama que pode ser identificado pela presença dos sintomas listados. Se você tem esses sintomas, precisa ser acompanhado por um médico de família ou clínico geral.

7. Doença de Bowen

O mamilo pode estar inchado, descamar e sangrar, sem alteração da aréola. Pessoas com a imunidade baixa, que têm HPV ou são idosas têm um risco maior de ter a doença.

É um tipo de câncer de pele que acomete raramente a região dos mamilos, por ser mais comum em áreas do corpo expostas ao sol. É importante identificar a doença rapidamente porque ela pode atingir o tecido da mama e causar câncer de mama.

Se suspeitar que pode ter a doença de Bowen, procure um médico de família ou clínico geral.

8. Câncer de mama

O câncer de mama também pode causar coceira e alterações do mamilo. Além delas, a mama pode ter assimetrias, dor e nódulos.

O tratamento para o câncer de mama também pode causar coceira do mamilo.

Você também pode querer ler:

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

Tenho bolinhas nos mamilos. O que pode ser e o que fazer?

Referências:

UpToDate. Common problems of breastfeeding and weaning

Drugs and Lactation Database (LactMed) [Internet]. Bethesda (MD): National Library of Medicine (US); 2006-. Aloe. [Updated 2021 Sep 20]

Spyropoulou GA, Pavlidis L, Trakatelli M, Athanasiou E, Pazarli E, Sotiriadis D, Demiri E. Rare benign tumours of the nipple. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2015; 29(1): 7-13.

Kitahara M, Hozumi Y, Watanabe A,Iijima T. Bowen's Disease of the Nipple. Case Rep Oncol. 2018; 11(3): 609–614.

UpToDate. Paget disease of the breast (PDB)

Foliculite (caroço tipo espinha) na virilha após depilação: como tratar e evitar
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Há cuidados que você pode ter antes e após a depilação para evitar e eliminar bolinhas e carocinhos parecidos com espinhas na região da virilha.

Como faço para eliminar as espinhas da virilha?

Ela melhora sem necessidade de tratamentos, na maioria das vezes.

Você pode fazer compressas mornas com chá de camomila para diminuir a inflamação. Mantenha a região da virilha limpa e seca. Evite depilar a área irritada até que as lesões sejam eliminadas.

Se a virilha estiver vermelha, inchada, coçar e tiver bolinhas, você pode usar um creme à base de corticoide. Procure um médico ou outro profissional de saúde para indicá-lo.

Nas parecidas com espinhas, há infecção. Se tiver íngua e dor, pode precisar aplicar um antibiótico nas lesões. Em alguns casos, ainda, é indicado que tome um antibiótico.

Como evitar que as bolinhas e espinhas apareçam?

Quando o problema incomodar muito, você pode optar por uma depilação definitiva (remover os pelos com laser). Se preferir continuar a se depilar, tem algumas medidas que podem ser tomadas antes e depois da depilação para diminuir a formação das bolinhas e espinhas.

Antes da depilação

Fazer esfoliação suave na região da virilha antes da depilação pode evitar a foliculite. Você pode fazer isso durante o banho, com uma bucha vegetal, por exemplo. Faça isso uma vez por semana.

Você pode escolher um método de depilação que reduza o risco de desenvolver a foliculite na virilha. Arrancar os pelos parece ser melhor para evitar as bolinhas e espinhas na virilha. Usar um aparelho para a depilação é o mais indicado. Evite usar lâminas.

Depois da depilação

Você pode prevenir o surgimento das bolinhas e espinhas na virilha após a depilação:

  • Usando cremes à base de azuleno ou chá de camomila
  • Usando calças mais soltas (evitam o atrito)
  • Evitando que a região fique suada por muito tempo

Quando a foliculite for recorrente, causando muita coceira e irritação, seu médico de família ou um dermatologista pode indicar o uso de um creme à base de corticoide para preveni-la.

Como sei que o que tenho é foliculite?

A foliculite na virilha pode ser identificada pela presença de espinhas na região. Elas são relativamente comuns, especialmente nas mulheres. Podem aparecer depois da depilação com outras bolinhas vermelhas sem pus. Aparecem principalmente quando uma lâmina é usada para se depilar.

É um efeito indesejado que ocorre mesmo logo após a remoção de pelos com laser. Podem ser causadas também pelo calor ou atrito. Por tudo isso, são comuns após ir à piscina ou à praia.

Um dos principais fatores causadores dessas espinhas que aparecem após depilação é o pelo encravado. É como se ele crescesse para dentro e espetasse a pele, causando inflamação superficial ou mais profunda. Essas inflamações são chamadas foliculites ou pseudo-foliculites. Geralmente, a foliculite é leve e cura-se espontaneamente.

A foliculite pode ser infecciosa (quando há pus) ou não-infecciosa (quando bolinhas ou carocinhos vermelhos são formados). Ela costuma causar coceira e, em alguns casos, dor. Pode deixar cicatrizes (manchas escuras). Na região da virilha, pela proximidade dos gânglios linfáticos, pode causar ínguas.

É mais comum ter foliculite se você tem mais de um pelo saindo do mesmo folículo ou seus pelos são mais grossos. Nesses casos, você precisa ter mais atenção para evitar ou cuidar da foliculite.

Você também pode querer ler:

Pelo encravado inflamado: o que fazer?

Quais pomadas e cremes usar para tratar pelo encravado?

Quais são as causas do caroço na virilha que dói quando aperta?

Referências:

UpToDate. Infectious folliculitis

Schuler A, Veenstra J, Alison Tisack A. Folliculitis Induced by Laser Hair Removal: Proposed Mechanism and Treatment. J Clin Aesthet Dermatol. 2020; 13(5): 34–36.

Como é o cocô do bebê até completar 2 anos?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

As características do cocô do bebê se alteram desde o nascimento até ele poder se alimentar com outros alimentos além do leite. No começo, as fezes não têm muito cheiro, são mais pastosas e variam de cor entre o amarelo e o esverdeado. Quando outros alimentos além do leite são introduzidos (por volta dos 6 meses), as características ficam mais parecidas com a das fezes de crianças e adultos.

Observar as alterações de 4 características das fezes do bebê pode ajudar a saber se está tudo bem ou se há algum problema com ele. São elas:

  • Cor das fezes
  • Frequência com que o bebê faz cocô
  • Quantidade de fezes
  • Cheiro

Prestar atenção às alterações ajuda a perceber se os alimentos, a quantidade de alimentos ingerida e digestão estão adequados. Isso é importante para o crescimento e ganho de peso do bebê, por exemplo.

Como é o cocô do bebê logo após o nascimento?

As fezes dos primeiros dias do bebê costumam ser escuras. Isso é normal e ocorre devido à saída do mecônio. Ele tem uma consistência pegajosa, é espesso, preto-esverdeado e sem cheiro.

Elas podem ser amareladas ou esverdeadas e mais líquidas durante a primeira semana de vida. Se nesse período a criança faz cocô a cada mamada e está bem, isso é normal. Não é diarreia.

Bebês que têm a barriga inchada e não eliminam o mecônio durante os primeiros três dias de vida podem ter uma obstrução do intestino. Os prematuros têm um risco maior de ter esse problema, que exige cuidados médicos. Também pode ser um sinal de fibrose cística.

Como é o cocô do bebê que se alimenta apenas com leite materno?

Quando o bebê se alimenta somente com o leite materno, é raro que tenha diarreia devido a uma infecção intestinal. O cuidado que você deve ter para evitar a infecção intestinal é lavar as mãos antes de amamentar o bebê.

Até você começar a introduzir os alimentos, vai perceber que as fezes não mudam muito. A cor varia um pouco de coloração entre o amarelo e os tons esverdeados. É recomendado que o bebê seja alimentado somente com o leite até os 6 meses.

A frequência com que o bebê faz cocô pode variar. O bebê pode fazer cocô uma vez ao dia, várias vezes ao dia ou uma vez por semana. Se o bebê estiver bem e ganhando peso, você não precisa se preocupar.

As fezes são pastosas quando o bebê se alimenta com leite materno. O bebê não faz força para fazer cocô.

O leite materno é um alimento sempre pronto para você dar para o bebê, não causa alergias, é limpo, hidrata e protege o bebê de infecções.

E se o bebê toma alguma fórmula, o cocô é diferente?

Os bebês amamentados com fórmulas mamam com menos frequência. Por isso, também fazem cocô com menos frequência, principalmente nas primeiras semanas de vida.

A cor do cocô não difere entre os bebês amamentados no peito ou com fórmulas. Ela varia entre o amarelo e o esverdeado. Entretanto, nos bebês alimentados com fórmula, a quantidade de fezes pode ser menor.

Há algumas fórmulas que podem deixar as fezes mais duras. Para não aumentar esse problema, sempre prepare a fórmula conforme o que está descrito na embalagem. Nunca coloque menos água que o indicado.

Quando você alimenta o bebê com fórmula, tem que ter mais cuidado com a higiene durante o preparo e com a mamadeira, além de usar água limpa. Isso diminui as chances de o bebê ter uma infecção que cause diarreia.

Caso o bebê vomite e tenha diarreia sem febre quando começar a tomar a fórmula, procure um médico. Algumas vezes, é necessário mudar a fórmula para que o bebê pare de ter esses problemas.

Como é o cocô a partir dos 6 meses

A introdução de alimentos pode alterar as fezes do bebê. As fezes vão ficar gradualmente mais parecidas com as das crianças e adultos.

O bebê deve começar a receber outros alimentos por volta dos 6 meses. Alguns alimentos só podem ser introduzidos quando o bebê faz 1 ano(como o mel e os peixes) e outros, como o açúcar, alimentos adoçados e o chocolate, só aos 2 anos. Por isso, é a partir dessa idade que o bebê poderá fazer as refeições iguais aos adultos e as fezes ficam semelhantes em relação à cor, consistência e cheiro.

As fezes começam a ficar mais marrons, mas ainda podem ficar esverdeadas quando você colocar verduras escuras na papinha. Podem ficar com uma coloração mais avermelhada quando der beterraba no suquinho. Isso é normal.

A orientação de introduzir um alimento de cada vez serve para observar o aparecimento de intolerâncias e alergias. O bebê pode ter diarreia e cólicas, por exemplo, quando o alimento causa um desses problemas.

A alimentação da mãe também pode influenciar a cor e a consistência do cocô do bebê enquanto ele mama no peito. Alguns alimentos podem dar mais cólicas também. São aqueles que causam mais gases. Cuidar bem de você, do seu corpo e da sua saúde psicológica, também é cuidar bem do seu bebê.

Alimentos e suplementos à base de ferro

O ferro dos alimentos ou de suplementos que a criança ou a mãe tomam pode deixar as fezes do bebê mais escuras ou esverdeadas. Também pode deixar o intestino um pouco mais preso. Como o uso de suplemento de ferro é recomendado a toda criança entre 6 a 24 meses para evitar a anemia, essas alterações podem ser percebidas especialmente nessa fase.

Bebês com icterícia

Os bebês que têm icterícia (nascem amarelados) fazem cocô com mais frequência e mais esverdeados nos primeiros dias de vida.

Observe a cor da pele do bebê. É preciso que o bebê seja avaliado com urgência por um profissional enfermeiro ou médico quando o tom amarelado:

  • Aparece nas primeiras 24 horas de vida
  • Se torna intenso
  • Se espalha por todo o corpo atingindo pernas e braços
  • Dura mais de duas semanas
Quando preciso me preocupar?

Há uma escala de cores das fezes na Caderneta de Saúde da Criança. Ela é fornecida a todas as crianças até o momento em que tomam a primeira vacina. A escala pode ser usada nos primeiros 2 meses para verificar se a cor do cocô está normal. As fezes esbranquiçadas são um sinal de que é necessário procurar um médico.

Crédito: Ministério da Saúde

Há alguns problemas genéticos e intestinais que, apesar de raros, precisam ser investigados quando o bebê tem diarreia:

  • Que começa dias após o nascimento;
  • Que persiste por mais de 2 semanas;
  • É intensa,

Isso não é normal. Procure um médico com urgência.

Além da frequência aumentada, você sabe que precisa procurar um serviço de saúde:

  • Quando as fezes são caracterizadas por um alto teor de líquido e não têm forma;
  • Quando as fezes são gordurosas, com mau cheiro e cor pálida, podendo ter uma aparência "fofa";
  • Quando as fezes contêm sangue, são pretas ou se parecem com carvão;
  • Quando as fezes estão esbranquiçadas.

Há outros sinais que podem indicar que algo não está bem quando o bebê está fazendo cocô com mais frequência ou mais mole. Observe se o bebê:

  • Está mais molinho, sonolento e parado;
  • Está vomitando;
  • Tem febre;
  • Está com a urina escura

Nesses casos, você deve procurar com urgência um serviço de saúde.

As diarreias que aparecem nos bebês que tomam fórmulas ou já têm outros alimentos além do leite na dieta podem ser causadas por infecções ou por alergias / intolerâncias. Por isso, procure um médico quando isso acontecer.

Se quiser saber mais sobre o assunto, leia também:

Fezes com muco em bebês e crianças é grave? O que pode ser?

Cocô verde em crianças ou adultos, o que pode ser?

Referências:

Caderneta de Saúde da Criança. Ministério da Saúde. 12ª ed. Brasília — DF. 2018.

UpToDate. Meconium aspiration syndrome: Pathophysiology, clinical manifestations, and diagnosis

UpToDate. Approach to chronic diarrhea in neonates and young infants (<6 months)

Shang-Ling W, Ding D, Ai-Ping F, Pei-Yan C, Si C, Li-Peng J, Yu-Ming C, Hui-Lian Z. Growth, Gastrointestinal Tolerance and Stool Characteristics of Healthy Term Infants Fed an Infant Formula Containing Hydrolyzed Whey Protein (63%) and Intact Casein (37%): A Randomized Clinical Trial. Nutrients. 2017; 9(11): 1254