Perguntar
Fechar

Últimas Questões

Dieta Dukan: como funciona e quais são os seus riscos?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

A dieta Dukan consiste no aumento do consumo de proteínas e redução da ingestão de gorduras. Caracteriza-se por ser uma dieta hiperproteica que propõe um emagrecimento rápido, mas que não assegura uma boa condição de saúde e nem a manutenção do peso alcançado. Pode ainda causar importantes desequilíbrios nutricionais.

É também conhecida como Dieta Francesa ou Dieta Prototal e foi criada pelo nutricionista Pierre Dukan.

Como funciona a dieta Dukan?

A dieta Dukan é composta de 4 fases distintas e a duração de cada uma destas etapas depende da quantidade de peso que se deseja emagrecer.

Fase 1: Ataque

Esta é a fase de maior restrição da dieta e apenas são permitidos alimentos proteicos. Podem ser ingeridos: carnes vermelhas magras, peito de frango ou peru, fígado, rins, frutos do mar, ovos, leite, iogurtes e queijos. Esta etapa dura de 2 a 7 dias.

Fase 2: Cruzeiro

Na fase de cruzeiro são inseridos na dieta alguns legumes e verduras em dias alternados. Isto significa que é possível alternar os dias de consumo de proteínas, legumes e vegetais permitidos com dias de consumo restrito de proteínas. Nesta etapa deve-se beber 1,5 litros de água por dia, no mínimo. São permitidos: alface, acelga, espinafre, repolho, aipo, palmito, abobrinha, tomate, rabanete, pepino, berinjela, cogumelo escarola e alho-poró. Esta fase deve durar até que o peso alcançado seja atingido.

Fase 3: Consolidação

O objetivo desta fase é evitar o ganho de peso que ocorre quando se perde peso de forma muito acelerada. Este efeito é bastante comum.Esta etapa dura 10 dias para cada quilo de peso perdido na fase de ataque e de cruzeiro. São incluídos na alimentação: uma porção de pão integral, uma de frutas e uma de queijo. São também permitidas duas porções de cereais por semana.

Fase 4: Estabilização Permanente

Nesta fase recomenda-se seguir 3 regras: fazer a fase de ataque uma vez por semana, consumir 3 colheres de aveia por dia e manter a prática regular de atividade física. O objetivo é manter o peso alcançado, conforme o desejado, e deve durar por toda vida.

Quais são os riscos da dieta Dukan?
  • Por causa da ausência de carboidratos na dieta Dukan, o organismo busca energia por meio da quebra de gordura. Isto favorece a liberação de corpos cetônicos que, em grandes concentrações são prejudiciais ao organismo;
  • Na mesma medida em que a gordura é quebrada, provocando o emagrecimento rápido, o organismo também fica mais ácido. A acidez excessiva, especialmente em diabéticos e obesos, pode levar a sérias complicações, inclusive a morte;
  • Pode provocar o estado de acidose: náuseas, dor de cabeça, tontura e desidratação. Este quadro pode levar à morte e é uma tentativa de o organismo restabelecer o seu pH;
  • Por ser uma dieta muito restritiva, pode desencadear deficiência de vitaminas, minerais e desequilíbrio hormonal;
  • Por ser hiperproteica, a dieta Dukan pode provocar desconforto gástrico. Isto acontece porque as proteínas são de metabolização lenta e complexa, o que promove demora no esvaziamento gástrico e causa desconforto;
  • O consumo elevado de alimentos de origem animal (carnes e laticínios) provoca elevação do colesterol ruim (LDL) que favorece a obstrução dos vasos sanguíneos e aumenta o risco para as doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral;
  • Há risco de insuficiência renal, pelo excesso de proteínas na rotina alimentar quando o uso desta dieta é feito por longos períodos de tempo;
  • Estudos mostram que com a dieta Dukan as pessoas conseguem perder peso, mas não conseguem mantê-lo e voltam a engordar. Isto se deve ao fato de que esta dieta não promove uma reeducação alimentar;
  • Efeito sanfona: podem ocorrer grandes oscilações de peso que são maléficas para o corpo. Não é saudável nem perder e nem ganhar peso rapidamente, pois esta variação propicia a produção de radicais livres que causam lesão celular.

Para perder peso é importante se alimentar continuamente de forma saudável e manter a prática de atividade física. O nutricionista é o profissional mais indicado para orientar o seu plano alimentar.

Veja também:

O que fazer para emagrecer?

7 erros que você não pode cometer se quer emagrecer

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?

Tabela Chinesa: funciona para saber o sexo do bebê?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

A ansiedade de saber o sexo do bebê leva casais a fazer diferentes testes de gravidez caseiros. Embora não exista comprovação científica de que a tabela chinesa funcione para identificar se o bebê é menino ou menina, os casais a fazem como uma forma de reduzir a ansiedade e a curiosidade. Este é um método baseado na sabedoria popular chinesa.

Passo a passo para fazer a Tabela Chinesa

Para utilizar a tabela chinesa é necessário saber a idade da mãe e o mês no qual ela engravidou. É preciso observar se a mãe nasceu prematura ou se a gravidez é gemelar (gravidez de gêmeos), pois estas informações influenciam no resultado do teste.

Passo 1: Descobrir a idade lunar da mãe

A idade lunar da mãe corresponde a idade com que a mulher engravidou + 1. Exceto se a mulher tiver nascido nos meses de janeiro ou fevereiro.

Um exemplo: Se a mulher nasceu no dia 02/04/1987, no ano de 2019, ela completou 32 anos. Se ela engravidar no ano de 2019, sua idade lunar é 33 anos. Para as mulheres que nasceram nos meses de janeiro e fevereiro a idade lunar é igual a idade na qual ela engravidou. Suponhamos que uma mulher nasceu no dia 06/01/1989. Se ela engravidar em 2019, ano em que completa 30 anos, sua idade lunar é 30. Não é necessário efetuar nenhuma soma.

Passo 2: Saber o mês no qual a mulher engravidou

Sabendo o mês no qual ocorreu a gravidez, basta apenas verificar a tabela. Os quadrados cor de rosa indicam que é uma menina e os azuis, que é um menino.

Nas situações em que a mãe nasceu prematura a idade lunar é calculada de acordo com a data prevista em que ela deveria ter nascido, acrescentando-se +1, se ela deveria ter nascido em janeiro ou fevereiro.

A forma mais eficaz para saber o sexo do bebê é a ultrassonografia ou o exame de sexagem fetal. O primeiro é o mais comum e é realizado na rotina de pré-natal. O segundo exame, a sexagem fetal, é efetuado por meio da dosagem de hormônios na exame de sangue da mãe. Existe também um exame de urina, vendido em farmácias, capaz de identificar se o bebê é menino ou menina.

É importante procurar um/a médico/a de família ou obstetra para fazer o acompanhamento pré-natal durante toda a gestação. No pré-natal são solicitados exames que permitem não somente verificar o sexo do bebê, mas também acompanhar o desenvolvimento da feto e o estado de saúde da mãe e da criança.

Veja também:

Com quantas semanas é possível ver o sexo do bebê?

Na ultrassonografia transvaginal dá para saber o sexo do bebê?

Astigmatismo: o que é, quais os sintomas, causas e tratamento? Tem cura?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

O astigmatismo é um distúrbio da visão no qual há uma alteração no formato da córnea, tecido transparente que funciona como um lente para os olhos.

Em olhos normais a córnea possui um formato esférico, enquanto em pessoas com astigmatismo seu formato é ovalado. Esta alteração provoca perda de foco da visão.

Sintomas do astigmatismo
  • Desfoque ou destorção das imagens, tanto de longe quanto de perto;
  • Cansaço visual fácil;
  • Dores de cabeça frequentes ao fim do dia;
  • Dores oculares;
  • Olhos vermelhos;
  • Lacrimejamento;
  • Dificuldade para dirigir à noite;
  • Necessidade de fechar os olhos com frequência.
Causas do astigmatismo

O astigmatismo tem um forte componente genético sendo, portanto, caracterizado como uma doença hereditária. Deste modo não pode ser evitada, mas pode ser amenizada se detectada precocemente.

A idade também pode ser uma causa. É comum o surgimento de distúrbios oculares com o avanço da idade.

Qual o tratamento do astigmatismo?

O astigmatismo pode ser corrigido por meio do uso de óculos e lentes de contacto. Existe também a possibilidade de corrigir o problema com cirurgia refrativa, que é um procedimento cirúrgico que tem como objetivo retificar o grau dos olhos. Entretanto, a correção cirúrgica não é indicada em todos os casos.

O astigmatismo somente é curado com a cirurgia refratária.

É importante ir ao/a oftalmologista para uma avaliação de rotina anualmente e definir com ele/ela o melhor recurso para corrigir o astigmatismo ou qualquer outro problema de visão.

Veja também: Visão turva ou embaçada: o que pode ser?

Olhos vermelhos, o que pode ser?

Ardência no olhos, o que pode ser?

Chia emagrece mesmo?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

A semente de Chia (Salvia hispanica L.), por ser rica em fibras, pode ser uma aliada no plano alimentar de quem deseja emagrecer. Além disso, é uma fonte de ômega-3, ácidos graxos, proteínas, carboidratos, cálcio ferro e substâncias antioxidantes.

Como as sementes de chia auxiliam no emagrecimento?

O alto teor de fibras solúveis e insolúveis presentes nas sementes de chia ajudam a promover a sensação de saciedade. Ao serem hidratadas ou entrarem em contato com o suco gástrico, as sementes aumentam de volume e se transformam em um gel semelhante à clara de ovo. Este gel ocupa mais espaço no estômago, o que reduz a fome e favorece a saciedade.

As fibras também diminuem a velocidade de absorção dos nutrientes no intestino e reduzem o índice glicêmico da alimentação. Isto evita os picos de insulina que provocam a fome.

Por estes motivos, as sementes de chia podem ser aliadas dos processos de emagrecimento.

Que outros benefícios as sementes de chia trazem para a saúde?
  • Auxilia na regulação do colesterol: entre as gorduras que compõem a chia predominam o ômega - 3 e o ômega - 6. Estes ácidos graxos são benéficos à saúde, uma vez que ajudam a reduzir o colesterol ruim (LDL) e a aumentar o bom colesterol (LDL). As fibras presentes nas sementes também têm ação sobre a diminuição da concentração de lipídios na corrente sanguínea.

Veja também Qual a diferença entre colesterol VLDL, LDL e HDL?

  • Atua na prevenção de doenças cardiovasculares: a inclusão da chia no plano alimentar pode ajudar a reduzir o risco de infarto, hipertensão arterial e acidente vascular cerebral. Isto se deve a elevada concentração de ômega-3. Este ácido graxo diminui a formação de coágulos, arritmias e colesterol da corrente sanguínea. Além disso, o ômega-3 também ajuda a tornar o sangue mais fluido, o que reduz a pressão que ele exerce sobre a parede das artérias e favorece o controle da pressão arterial.

Leia mais Quais são os benefícios do ômega-3?

  • Possui efeito antioxidante: o ácido cafeico, um dos antioxidantes da chia, auxilia na desintoxicação hepática, impede a destruição das membranas das células e a formação de radicais livres responsáveis pelo envelhecimento precoce.
  • Favorece a proteção do cérebro: estudos associam os ácidos alfa-linolênico e linoleico, presentes na semente de chia, com a formação das membranas celulares dos neurônios, com a transmissão dos impulsos nervosos de uma célula nervosa para outra e com a otimização das funções cerebrais.
Há contraindicações?

Não há contraindicações para inserir sementes de chia no plano alimentar. No entanto, é necessário cuidado.

As sementes de chia devem sempre ser adicionadas aos alimentos. Não deve ser ingerida pura, pois ao ser umedecida com a saliva forma um gel muito viscoso que dificulta a deglutição, pode obstruir as vias aéreas superiores e dificultar a respiração.

Uma colher de sopa de chia possui 58 calorias. Esta porção é composta por 4,7 gramas de gordura, 3 gramas de proteína e 4,3 gramas de carboidratos. A totalidade destes carboidratos, corresponde a 4,3 gramas de fibras. Pode ser usada in natura (semente), óleo e farinha.

É importante que o uso de sementes de chia seja incorporado à um estilo de vida saudável que inclui uma rotina alimentar saudável e à prática de atividade física.

Retire suas dúvidas com nutricionista ou médico/a.

Veja também

7 erros que você não pode cometer se quer emagrecer

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?

Colágeno Hidrolisado: para que serve e quais são as contraindicações?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

O colágeno hidrolisado é comumente utilizado como suplemento alimentar. É produzido a partir de cartilagens e ossos bovinos e é popularmente utilizado para prevenir o envelhecimento, auxiliar na manutenção da firmeza e elasticidade da pele, fortalecer unhas e cabelos, melhorar a saúde dos ossos e articulações e ajudar no tratamento da osteoporose.

É o colágeno a proteína mais abundante no nosso corpo. É importante para a manutenção da elasticidade e firmeza da pele, faz parte da formação das unhas, cabelos, ossos, ligamentos, tendões e dos tecidos que ligam as nossas células umas às outras. Por estes motivos, o colágeno é essencial à nossa saúde.

Como atua o colágeno hidrolisado?

Ao ser ingerido, o colágeno é digerido ao passar pelo sistema digestivo onde é quebrado em várias moléculas de aminoácidos. Nos intestinos, estes aminoácidos são absorvidos e transformados em outras moléculas, de acordo com a necessidade do nosso organismo. Portanto, o colágeno ingerido não necessariamente será absorvido pelo corpo e transformado em mais moléculas de colágeno.

Assim, ainda não há estudos que comprovem que o colágeno hidrolisado aumenta a produção de colágeno pelo organismo.

Como estimular a produção de colágeno no seu organismo?

O mais indicado é ingerir boas proteínas e bons aminoácidos. É esta ingestão de boas proteínas que melhora a produção de colágeno no corpo.

Além disso:

  • Aumente o consumo de vitamina C: esta vitamina, além de antioxidante, ajuda na produção do colágeno.

Veja também:

Quais os benefícios da vitamina C?

  • Evite a degradação de colágeno: a degradação do colágeno pode ser evitada com a ingestão de antioxidantes (como a vitamina C) e antioxidantes como o ômega 3;
  • Evite uma alimentação rica em carboidratos simples: em sua rotina alimentar evite alimentos como açúcar refinado, arroz branco, massas brancas, bolachas, e outros açúcares que não existem na natureza. A ingestão de grandes quantidades destes açúcares promove a glicação, um processo que provoca a inflamação da pele e que favorece a degradação do colágeno;
  • Prefira uma alimentação rica em carboidratos complexos: dê preferência a alimentos como batata doce, massas integrais, arroz integral.
  • Evite excessiva exposição ao sol, que ajuda a degradação do colágeno, e utilize protetor solar;
  • Evite uso de álcool e tabaco: ambos os hábitos ajudam a degradar o colágeno;
  • Pratique atividade física.

A única contraindicação para quem deseja usar o colágeno hidrolisado é alergia aos componentes da fórmula.

Converse com seu médico/a ou nutricionista para definir as melhores proteínas e aminoácidos a serem ingeridas no seu plano alimentar.

Serotonina: o que significa serotonina elevada ou serotonina baixa?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

A serotonina é um importante neurotransmissor para o bom funcionamento do organismo humano. É responsável pela condução do impulso nervoso de um neurônio a outro e também é conhecida como o hormônio de felicidade.

Desempenha funções relevantes: ajuda a regular o funcionamento dos sistemas gastrointestinal, cardiovascular e da função cerebral, é um regulador do sono e do humor e é essencial para o bom funcionamento da memória e da capacidade de atenção.

Elevadas ou baixas concentrações de serotonina provocam alterações emocionais, motoras e nas funções orgânicas.

Serotonina elevada ou Síndrome da Serotonina

O excesso de serotonina na corrente sanguínea é comumente ligado ao uso de medicamentos que inibem a sua captação. Pessoas que fazem tratamento de depressão estão mais expostas à esta síndrome.

O sintomas podem ser leves ou graves.

Sintomas leves
  • Náusea;
  • Diarreia;
  • Disfunção erétil;
  • Tremores;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Elevação da pressão arterial;
  • Inquietação;
  • Confusão mental;
  • Dilatação das pupilas;
  • Perda de coordenação;
  • Dificuldade de concentração;
  • Aumento da transpiração;
  • Dores de cabeça;
  • Enxaqueca;
  • Episódios de alucinação.
Sintomas Graves

Estes sintomas ocorrem quando os níveis de serotonina estão muito altos.

  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Febre alta;
  • Episódios de convulsão;
  • Inconsciência.

Ao perceber este sintomas o/a médico/a deve ser contactado imediatamente, pois há risco de morte.

Como reduzir os níveis sanguíneos de serotonina?
  • Ajustar a alimentação: adotar um plano alimentar rico em proteínas e de baixo carboidratos;
  • Uso de medicamentos que auxiliam na redução dos níveis de serotonina no organismo: estes medicamentos devem ser prescritos obrigatoriamente pelo/a médico/a.
Sintomas de deficiência de serotonina (serotonina baixa)

Níveis baixos de serotonina podem desencadear os seguintes sintomas:

  • Sensação de cansaço;
  • Impaciência;
  • Irritabilidade;
  • Sonolência durante o dia;
  • Inibição da libido;
  • Mau humor, especialmente, pela manhã;
  • Vontade de comer doces;
  • Necessidade de comer a todo momento;
  • Dificuldade de concentração;
  • Perda de memória.

Em casos mais graves, provoca:

  • Episódios de ansiedade;
  • Tristeza e isolamento social;
  • Alterações do sono;
  • Aumento de peso;
  • Depressão.

É importante comunicar ao médico a presença deste sintomas para uma orientação e adoção de conduta adequada.

Veja mais:

O que é transtorno de ansiedade?

Distúrbios do sono: quais os principais tipos e como identificá-los?

Quais os sintomas de transtorno depressivo maior?

Como aumentar os níveis sanguíneos de serotonina?
  • Alimentação adequada: adotar uma alimentação rica em carboidratos;
  • Ingerir alimentos ricos em triptofanos: banana, ovos, carnes magras, chocolate amargo, leite e derivados e cereais integrais;
  • Praticar de atividade física;
  • Tomar sol;
  • Praticar meditação;
  • Usar suplementos de serotonina: estes suplementos devem ser utilizados mediante orientação médica.
 Ginko biloba: para que serve? Seu uso corta o efeito do anticoncepcional?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

O Ginko Biloba é um dos fitoterápicos mais utilizados no mundo por ter efeitos antioxidantes. Seu uso é popularmente associado às alegadas propriedades benéficas, principalmente, para o tratamento de problemas de memória, demência de Alzheimer e outras funções cognitivas.

É também utilizado para reduzir a falta de concentração e energia, melhorar a impotência sexual, labirintopatias (zumbidos e vertigens) e dores de cabeça. Sua utilização não afeta o efeito de anticoncepcionais.

Os flavonóides e os terpenos são as substâncias que provocam os efeitos comumente associados ao Ginko Biloba no nosso organismo.

Embora tenha efeito antioxidante, a ação do ginko biloba sobre o Alzheimer, perda de memória e outras condições de perda da função cognitiva, ainda não foram comprovadas por meio de pesquisas.

Leia mais: Alzheimer tem cura? Qual o tratamento?

Perda de memória: o que pode ser e o que fazer?

Em casos de impotência sexual, o uso de ginko biloba pareceu melhorar a função sexual. Em pessoas com problemas de vertigem observou-se uma redução dos sintomas. Para esclarecer e assegurar estes resultados outros estudos maiores precisam ser feitos.

Veja também: Impotência sexual tem cura? Como é o tratamento?

Sinto vertigem frequentemente, o que pode ser?

Não há evidências de que a interação do ginko biloba com medicamentos anticoncepcionais diminuam seus efeitos.Portanto, pode ser usado por mulheres que fazem uso de drogas contraceptivas.

A baixa taxa de efeitos colaterais é uma característica importante do ginko biloba. Náuseas, diarreia, dor abdominal e dor de cabeça são os mais comuns. Também podem ser observados:

  • Aumento do risco de sangramento: o ginko biloba pode interferir na coagulação sanguínea, o que pode favorecer sangramentos em algumas situações. Deste modo, não deve ser usado por pessoas com elevados riscos de hemorragias. Em pessoas que se submeterão a procedimentos cirúrgico, seu uso deve ser suspenso pelo menos 36 horas antes da cirurgia;
  • A combinação do ginko biloba com outras ervas como gengibre, alho e ginseng, deve ser evitada, pois podem aumentar sangramentos;
  • Não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Pessoas com histórico de crise convulsiva ou epilepsia não devem usar ginko biloba. Há relatos de que seu uso pode desencadear crises convulsivas.
  • Não deve ser utilizado por pessoas que fazem uso de medicamentos anticonvulsivantes: o ginko biloba pode interagir com estes medicamentos e reduzir os seus efeitos.

Antes de iniciar o uso de ginko biloba, procure um/a médico/a para esclarecer suas dúvidas.

Óleo de Rícino: mulheres grávidas ou que estão amamentando podem usar?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

Mulheres grávidas e lactantes não podem utilizar óleo de rícino, pois pode induzir o parto e provocar intoxicações no bebê. Além disso, não há evidências científicas que comprovem as suas propriedades mais comuns: laxantes e hidratantes para cabelos e pele.

O óleo de rícino é extraído da semente da mamona. É rico em ácido rinoleico – encontrado apenas no óleo de rícino – ácido oleico (um dos componentes do ômega 9), ácido linoleico e ácido linolênico (componentes do ômega 6). Além destas substâncias, também contém ácido pálmico, ácido esteárico, sais minerais e vitamina E. Na semente existe uma toxina bastante poderosa solúvel em água chamada ricina. Como é um óleo, não se mistura à toxina durante a extração.

Usos populares do óleo de rícino Aplicação do óleo de rícino nos cabelos

É bastante comum a utilização do óleo do rícino para restaurar, hidratar os fios, e estimular o crescimento dos cabelos. É também utilizado para combater a oleosidade excessiva e a caspa, embora sua propriedade antifúngica não seja comprovada cientificamente em seres humanos.

Para estes efeitos, o óleo de rícino é misturado ao condicionador ou creme de hidratação capilar.

Aplicação do óleo de rícino na pele

Na pele o óleo de rícino é utilizado para tratar acne e oleosidade, hidratar e prevenir o envelhecimento e como um cicatrizante natural.

Para estes casos adiciona-se o óleo de rícino ao creme hidratante. Sua aplicação deve ser feita com a pele limpa, de preferência após banho morno quando os poros estão abertos. Isto assegura uma melhor absorção do creme e do óleo.

Outras aplicações do óleo de rícino

Por vezes, o óleo de rícino é também popularmente usado como protetor hepático, anti-histamínico e anti-inflamatórios. No entanto, estes efeitos foram observados em estudos com ratos realizados em laboratório. Ainda não há comprovação com testes efetuados em seres humanos.

A ação antifúngica do óleo de rícino foi encontrada em poucos estudos e precisa ser melhor esclarecida.

Por que mulheres grávidas não podem utilizar óleo de rícino?

Existem estudos científicos que mostram que o óleo de rícino é capaz de induzir o parto. Isto significa que sua utilização por mulheres grávidas pode resultar em parto prematuro com risco de morte do bebê.

Embora o mecanismo de indução do parto ainda não seja completamente conhecido, mulheres grávidas não podem ingerir e nem aplicar óleo de rícino na pele ou cabelos. No caso do uso tópico, por meio da aplicação nos cabelos ou pele, não se sabe se a quantidade de óleo de rícino absorvida poderá induzir o parto, portanto esta forma de utilização também não é segura.

Por que mulheres que estão amamentando não podem utilizar óleo de rícino?

Todos os produtos que são aplicados na pele e cabelos ou ingeridos por uma mulher que está amamentando são absorvidos e podem alterar a composição do leite materno. A presença do óleo de rícino no leite materno pode desencadear vômitos e intoxicação no bebê, além de outros efeitos ainda desconhecidos. Por estes motivos, lactantes não podem fazer uso do óleo de rícino.

É importante que mulheres grávidas ou lactantes consultem o/a médico/a antes de usar qualquer produto ou efetuar qualquer tratamento nos cabelos ou pele. Isto reduz o risco de complicações para mãe e bebê.

Botox Capilar: mulheres grávidas ou que estão amamentando podem  fazer?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

O Botox Capilar pode ser utilizado por grávidas e lactantes, pois é um tratamento de hidratação profunda que ajuda a retirar o frizz e pontas duplas do cabelo. Embora seja chamado de botox capilar, não possui toxina botulínica em sua composição.

Este tipo de tratamento não alisa o cabelo. Por ser constituído de proteínas e vitaminas, promove a hidratação dos fios, podendo causar a impressão de que o cabelo está mais liso.

Uso do Botox Capilar durante a gravidez

As mulheres grávidas que querem tratar o cabelo por danos causados pelo uso de escovas progressivas, tinturas ou chapinha, realizadas anteriormente à gravidez, podem utilizar o botox capilar.

As substâncias nutritivas presentes no botox capilar oferecem vitaminas e proteínas que tratam o fio fazendo com que sua estrutura possa ser recuperada deixando-o forte e macio.

O botox capilar não contém formol e nem químicos como amônia e chumbo. Por este motivo não traz nenhum risco às mulheres grávidas e seus bebês.

Antes de aplicar, peça para ver o rótulo do produto e confira as substâncias de sua composição. Caso tenha dúvidas, fale com seu/sua médico/a antes de qualquer tratamento para o cabelo.

Utilização do Botox Capilar durante a amamentação

Por não ter produtos químicos (formol, amônia, chumbo e/ou outros metais pesados) capazes de alterar a composição do leite materno causando danos ao bebê, lactantes podem fazer tratamento com botox capilar.

É importante sempre lembrar que os produtos usados na pele e couro cabeludo da mãe são absorvidos pelo corpo, caem na corrente sanguínea e podem alterar a constituição do leite materno. Portanto, tudo que a mãe consome chega à criança por meio da amamentação o que torna necessário cuidados redobrados na hora de escolher um cosmético para uso na pele ou nos cabelos.

Quais as substâncias que grávidas e lactantes não podem usar?

Produtos com a amônia, ácidos e formol não podem ser usados por mulheres grávidas ou que estão amamentando. Antes de qualquer tratamento converse  com o seu cabeleireiro, peça para verificar o rótulo do produto e procure as seguintes substâncias:

  • Amônia
  • Methylene glycol (metileno glicol)
  • Glyoxilic acid (ácido glioxílico)
  • Aldeído fórmico
  • Oxymethylene (oximetileno)
  • Oxomethane (oximetano)
  • Chumbo

Estas são algumas das substâncias mais comuns presentes em produtos de cabelo que não podem ser utilizadas durante a gravidez e amamentação. Nenhuma delas deve estar presente no botox capilar.

Em caso de dúvidas, peça indicação médica dos produtos que podem ser usados. Uma outra dica que pode ser útil é levar o rótulo para que seu/sua médico/a veja antes da efetuar o tratamento.

Durante a gravidez e amamentação busque sempre orientação médica para escolher os melhores e mais seguros tratamentos para o cabelo.

Leia mais:

Amamentando posso fazer selagem térmica e luzes no cabelo?

Estou amamentando, posso fazer luzes no cabelo?

Posso pintar o cabelo amamentando?

Que mudanças podem acontecer na pele e no cabelo durante a gravidez?

Prednisolona: o que é, para que serve, como tomar e efeitos colaterais
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

A Prednisolona é um anti-inflamatório esteróide utilizado principalmente nos casos de inflamação, dor e quadros de edema. 

É também utilizada no tratamento de distúrbios endócrinos, doenças de pele, problemas articulares, distúrbios autoimunes, processos alérgicos, patologias oftálmicas, respiratórias e sanguíneas.

Quando associado a outros medicamentos, como auxiliar ao tratamento, pode ser utilizado para casos de câncer.

Indicações

A prednisolona pode ser indicada em casos de:

Distúrbios endócrinos

Pode ser usada para tratar hiperplasia adrenal congênita, insuficiência adrenocortical, tireoide não-supurativa e hipercalcemia associada ao câncer.

Doenças de pele

Utilizada para tratar pênfigo, algumas micoses e dermatites.

Problemas articulares

É possível tratar reumatismo, artrite reumatoide, bursite, sinovites osteoartríticas, artrite gotosa aguda, espondilite anquilosante, osteoartrite pós-traumática e epicondilites.

Distúrbios autoimunes

Usada no tratamento de colagenoses e em casos particulares de lúpus eritematoso sistêmico, psoríase grave e cardite reumática aguda.

Processos alérgicos

Seu uso é igualmente indicado para rinite alérgica, dermatite de contacto e atópica e reações alérgicas a medicamentos.

Patologias oftálmicas

Pode ser indicado para úlceras alérgicas da córnea, herpes zóster oftálmico, conjuntivite alérgica, neurite ótica, entre outras.

Doenças respiratórias

Tem indicação para asma brônquica, pneumonite por aspiração, sarcoidose sintomática, beriliose e alguns casos de tuberculose.

Distúrbios Sanguíneos

É indicada para anemia hemolítica adquirida e outras anemias (eritrocítica e eritroide), púrpura trombocitopênica idiopática e trombocitopenia secundária em adultos.

Casos de Câncer

É também usada no tratamento paliativo de leucemias e linfomas.

Como tomar?

A dose de prednisolona varia muito em função da idade, peso, doença a ser tratada e a forma farmacêutica.

Pode ser usada em bebês, crianças e adultos.

O medicamento pode ser encontrado em três diferentes formas:

  • Comprimidos de 5 ou 20 mg.
  • Xarope de 3 mg/ml ou 1mg/ml.
  • Solução em gotas de 11mg/ml.

O uso da medicação, a sua dose e a duração do tratamento devem ser orientados pelo/a médico/a.

Quais são os efeitos colaterais de Prednisolona? Efeitos mais comuns

Os efeitos mais comuns durante o tratamento com prednisolona são o aumento do apetite, retenção de líquido, retardo na cicatrização, má digestão, úlcera péptica, esofagite ulcerativa, fadiga, insônia e quando uso prolongado pode levar a retardo no crescimento.

Efeitos raros

Apesar de serem considerados mais raros, também podem ocorrer problemas nos olhos  como catarata, glaucoma, exoftalmia, redução da tolerância a carboidratos, aumento da necessidade de insulina ou hipoglicemiantes orais em pessoas diabéticas,

Quais as contraindicações?
  • Pessoas alérgicas à prednisolona ou algum componente da sua fórmula.
  • Em casos de infecções fúngicas sistêmicas ou infeções não controladas.
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando.

A prednisolona, como qualquer outro medicamento, somente deve ser utilizado com prescrição médica.

Existe diferença entre Prednisolona e Prednisona?

A prednisona é uma substância inativa que, quando ingerida, é ativada pelo fígado e transformada em prednisolona. Deste modo, a ação da prednisolona e da prednisona são as mesmas.

Para as pessoas que possuem problemas no fígado é mais vantajoso o uso da prednisolona, uma vez que que esta não precisa ser metabolizada no fígado para desempenhar suas funções.

Para escolher que tipo de medicamento usar, consulte seu/sua médico/a.

Para que serve Kombucha? Quais são seus benefícios e contraindicações?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

São muito populares os benefícios do Kombucha à saúde e, especialmente por se tratar de um probiótico, é comumente associado ao equilíbrio da flora intestinal, ao efeito desintoxicante e protetor hepático e ao fortalecimento do sistema imunológico.

 Entretanto, os estudos que indicam seus benefícios foram realizados apenas em animais. Deste modo, ainda não há pesquisas que confirmem os benefícios reais do Kombucha em seres humanos.

Kombucha é uma bebida probiótica fermentada produzida a partir de uma colônia de leveduras e bactérias. A esta colônia adiciona-se algum chá que contenha cafeína (chá verde, chá preto, chá mate) e açúcar para que a fermentação aconteça.

6 Propriedades do Kombucha em teste

Os benefícios descritos ainda não têm comprovação em seres humanos, sendo ainda necessárias pesquisas para comprovação científica.

1. Equilibra o funcionamento intestinal

O Kombucha, por ser um probiótico, ajuda a equilibrar a flora intestinal melhorando a absorção de nutrientes e a motilidade dos intestinos.

2. Promove desintoxicação e proteção hepática

A bebida tem uma alta capacidade de desintoxicar o fígado reduzindo a toxicidade para as células hepáticas. Estudo realizado sobre esta ação do Kombucha, mostrou que as células do fígado expostas a um agente causador de lesão celular hepática mantiveram sua integridade e funcionamento normais quando em contato o Kombucha. Portanto, o Kombucha pode ser utilizado como um protetor hepático que ajuda na saúde do fígado.

3. Impulsiona o ganho de energia e disposição

O Kombucha é um aliado para o ganho de energia, pois produz ferro. Este ferro produzido ajuda na produção das hemácias, responsáveis por distribuir o oxigênio pelo organismo. Uma melhor oxigenação do corpo promove mais energia e disposição para as tarefas diárias.

4. Ajuda a proteger as articulações

O consumo do Kombucha promove um aumento da produção de líquido sinovial. Este líquido se situa entre as articulações agindo como um lubrificante que reduz o atrito entre os ossos que formam a articulação. O aumento de líquido sinovial melhora a mobilidade articular, protege e fortalece a saúde das articulações.

5. Fortalece o sistema imunológico

Os diversos antioxidantes e a vitamina C presentes no Kombucha reforçam o sistema imunológico ao combater os radicais livres e reduzindo o risco de doenças degenerativas e envelhecimento precoce. Deste modo, também ajuda a manter um bom estado de saúde geral.

6. Auxilia na perda de peso

Alguns estudos mostraram uma certa correlação entre o consumo de Kombucha e a perda de peso. Entretanto, os mecanismos pelos quais isto ocorre ainda não estão esclarecidos. Um número maior de estudo nesta área precisam ser feitas para esclarecer a relação entre o uso de Kombucha e o emagrecimento.

Cuidados e Riscos

O processo para fazer o Kombucha em casa deve ser efetuado de forma muito cuidadosa. É necessário frasco e utensílios apropriados. O frasco deve ser de vidro para minimizar a contaminação, inclusive por metais se o Kombucha for cultivado em frascos de alumínio. Todo o material precisa ser esterilizado. O manuseio também deve manter estes cuidados a fim de evitar a contaminação.

A Food and Drug Adminstration, agência americana reguladora de alimentos e medicamentos, alerta para o perigo de contaminação no manuseio do Kombucha que pode provocar infeções. As mais comuns registadas são as infecções por Candida sp., que causa a candidíase) e por Aspergillus fumigattos (fungos que provocam uma grave infecção pulmonar). 

É também importante observar o tempo de fermentação. Quando fermentado por um tempo superior ao recomendado pode trazer graves complicações à saúde.

Para quem pretende adquirir o Kombucha industrializado, é preciso observar se foi produzido de forma natural. Alguns destes produtos, quando industrializados, são pasteurizados. Este processo acaba por matar as bactérias que trariam os benefícios para a saúde.    

Contraindicações
  • Mulheres ou que estão amamentando (para o bebê pode ter efeito laxante)
  • Hemofílicos (pessoas com distúrbios de coagulação sanguínea)
  • Diabéticos
  • Hipertensos
  • Pessoas que tenham sensibilidade ao álcool
  • Pessoas alérgicas aos chás usados no preparo do Kombucha (chá verde, chá preto, chá mate

A introdução do Kombucha na rotina alimentar deve ser realizada com cuidado e devidamente orientada por médico/a ou nutricionista.

Água com limão emagrece mesmo? Quais os benefícios e contraindicações?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

O consumo da água com limão traz diversos benefícios para a saúde. Entretanto, ainda não há consenso científico de que a água com limão emagrece. Um estudo publicado no Journal of Clinical Biochemistry and Nutrition, afirma que alguns polifenóis encontrados na casca do limão ajudaram a não acumular gordura, mas não auxiliaram a perder gordura.

Embora não atue diretamente na perda de peso e gordura, a água com limão pode ser uma aliada para potencializar o processo de emagrecimento, pois é rico em antioxidantes, contém propriedades diuréticas, favorecem a digestão e o bom funcionamento intestinal.

8 Benefícios da Água com Limão 1. Diurético Natural

O consumo de água com limão ajuda a liberar as toxinas pelo aumento da diurese. Por ser rico em potássio, o limão favorece a eliminação de sódio e o excesso de líquidos do organismo. Esta ação reduz a retenção hídrica e diminui a sensação de inchaço.

2. Estimula a digestão

O ácido cítrico presente no limão é um importante coadjuvante para o bom funcionamento do sistema digestivo. Este ácido estimula a produção de ácido clorídrico no estômago e melhora a produção de bile pelo fígado, o que favorece a digestão. Nos intestinos, promove uma melhor absorção dos nutrientes  e  beneficia o trânsito intestinal.

3. Fortalece a imunidade

O limão é rico em fitonutrientes capazes de melhorar a imunidade. Além disso, possui nutrientes com ação antibacteriana e antiviral. O kaempferol, fitonutriente presente no limão tem potente ação antioxidante que auxilia no fortalecimento da imunidade.

4. Combate os radicais livres

O limão é rico em vitamina C que se constitui em um antioxidante potente que ajuda a combater os radicais livres. Estas moléculas são bastante relacionadas ao envelhecimento e ao aparecimento precoces de doenças degenerativas e a alguns tipos de câncer.

5. Auxilia no tratamento de artrite e artrose

A vitamina C também participa da síntese de colágeno pelo organismo, o que ajuda a melhorar os quadros de artrite, artrose e outras doenças reumáticas. Associa-se à isto a minimização das dores relacionadas a estas patologias.

6. Promove a regulação da pressão arterial em hipertensos

A presença de potássio no nosso organismo estimula a excreção sódio e o excesso de água. Isto ajuda a equilibrar a pressão arterial em pessoas já hipertensas e os fluidos corporais e auxilia a reduzir a retenção de líquidos e diminuir a sobrecarrega no sistema cardiovascular.

7. Ajuda a tratar pedras nos rins

Alguns estudos já apontam a relação do consumo do limão com a melhora da função renal ao auxiliar a eliminação das pedras já existentes. Os cálculos renais (pedras nos rins), ocorrem devido a alterações no pH e acúmulo de substâncias minerais. Ao equilibrar o pH sanguíneo e evitar o acúmulo de minerais, especialmente o cálcio, o consumo de água com limão também ajuda a prevenir a formação de novos cálculos.

8. Benéfico para a pele, unhas e cabelos

A presença de vitamina C em grande quantidade no limão estimula a produção do colágeno, proteína que atribui estrutura, elasticidade e firmeza à pele. O colágeno também fortalece unhas e cabelos.

A água com limão deve ser ingerida e nunca deve ser usada na pele. Do mesmo modo, o limão não pode ser aplicado diretamente na pele, pois pode provocar queimaduras importantes à exposição solar.

Pessoas que usam cremes com base em vitamina C para melhorar a pele, devem aplicá-lo à noite antes de dormir, retirar pela manhã e aplicar protetor solar.

Contraindicações
  • Pessoas com predisposição à gastrite e úlcera gástrica devem evitar o consumo da água com limão em jejum, pois estes problemas podem piorar com o passar do tempo.
  • O consumo da água com limão em jejum também podem provocar erosões de esôfago.
  • A ingestão em jejum deve ser evitada.
Formas de Consumir a Água com Limão
  • Dilua o suco de um limão em 1 litro de água e consuma no decorrer do dia
  • Use água com limão para substituir bebidas adoçadas ou refrigerantes que você toma durante as refeições: isto vai favorecer a absorção de ferro dos alimentos e não adicionará calorias extras às refeições.

A água com limão contém substâncias que ajudam o bom funcionamento do organismo e atuam nas reações químicas que promovem o emagrecimento. É importante destacar que  todos os processos de emagrecimento ocorrem melhor em meio aquoso. Portanto, o que é mais relevante para o emagrecimento é a ingestão de água. O limão apenas acrescenta sabor e traz outros benefícios.

Associe o consumo de água com  limão à prática de atividade física e a uma alimentação saudável. Busque um/a nutricionista para orientar adequadamente o seu plano alimentar.