Perguntar
Fechar

Quais as causas da hipertensão arterial?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) ocorre por diversas causas.

A maioria dos casos de hipertensão arterial são chamadas essencial ou primária, e esses casos não tem uma causa definida, ocorre em 95% dos casos. Embora não se saiba sua causa exata, sabe-se que se origina de múltiplos fatores genéticos associados a hábitos de vida.

Causas de pressão alta

A hipertensão essencial geralmente aparece de forma gradual, piorando com o passar dos anos. Ainda não se sabe por que estas alterações surgem em determinadas pessoas, mas já é possível identificar alguns fatores de risco para a hipertensão essencial.

Fatores de risco para desenvolver hipertensão arterial

Afrodescendência

Negros têm maior incidência de hipertensão arterial e início mais precoce. Além disso, apresenta maior frequência de complicações e mais graves ao longo dos anos.

Genética: história familiar

Quanto mais pessoas portadoras de pressão alta na família, maiores são as chances de também desenvolver a doença.

Consumo de sal

O consumo de mais de 6 gramas de sal por dia aumenta o risco de desenvolver hipertensão arterial. O sal aumenta a pressão arterial por induzir duas alterações nos vasos sanguíneos: aumenta o volume de líquidos dentro dos vasos e age diretamente nas paredes das artérias, causando uma constrição das mesmas (diminuição do diâmetro).

Essas alterações na parede dos vasos sanguíneos provoca um aumento da resistência (pressão) à passagem do sangue e uma menor capacidade de vasodilatação.

Obesidade

Pessoas obesas, com IMC (índice de massa corporal) maior ou igual a 30, têm até 6 vezes mais chance de desenvolver pressão alta. A circunferência abdominal, medida na linha do umbigo, também é fator de risco, ou seja, quanto maior a barriga, maior o risco.

Consumo de álcool

O consumo diário de duas ou mais doses de álcool por dia (dois copos de vinho ou de cerveja) aumenta em duas vezes o risco de hipertensão arterial. Quanto maior o volume de bebida alcoólica ingerida, maior o risco.

Idade

Ao longo dos anos, os vasos sanguíneos vão passando por um processo chamado arteriosclerose, em que a parede das artérias se torna mais rígida, fazendo com que as mesmas percam a elasticidade e a capacidade de se acomodar com as variações da pressão arterial.

A hipertensão do idoso é tipicamente sistólica, isto é, a pressão máxima (pressão sistólica) fica alta e a pressão mínima (pressão diastólica) fica baixa.

Colesterol elevado

Aumenta o depósito de gordura nas artérias, um processo chamado de aterosclerose, que leva a redução do calibre do vaso, com consequente aumento da hipertensão arterial.

Sedentarismo

A prática regular de exercícios diminui os níveis circulantes de adrenalina (que causa constrição das artérias) e aumenta a liberação de endorfinas e óxido nítrico, que causam vasodilatação, o que é excelente na prevenção da doença. O sedentarismo também contribui para o sobrepeso e aumento do colesterol.

Tabagismo

O cigarro provoca um aumento imediato da pressão arterial pela ação vasoconstritora da nicotina, além de acelerar o mecanismo da arteriosclerose, tornando os vasos duros e rígidos. O fumo passivo também é fator de risco para hipertensão arterial.

Anticoncepcionais orais

A pílula anticoncepcional geralmente aumenta discretamente a pressão arterial, porém, há mulheres, principalmente fumantes com mais de 25 anos de idade, que podem desenvolver hipertensão ao tomar a pílula.

Quais as causas da hipertensão arterial secundária?

Diferentemente da hipertensão essencial, em que há fatores de risco identificados mas sem uma causa claramente estabelecida, a hipertensão secundária tem uma causa bem definida.

A hipertensão arterial secundária ocorre em cerca de 5% dos casos. Dentre as doenças que originam a hipertensão secundária podemos citar como principais:

Insuficiência renal crônica

Uma das principais causas de hipertensão secundária. Quando os rins começam a falhar, o corpo começa a ter dificuldade em excretar o excesso de sal e líquidos consumidos, o que provoca um aumento da pressão arterial.

Cerca de 85% dos pacientes com insuficiência renal crônica têm hipertensão. É importante lembrar que o contrário também pode ocorrer, isto é, a pressão alta levar à insuficiência renal.

Glomerulonefrite

Os glomérulos possuem os filtros que "limpam" o sangue. Glomerulonefrite é caracterizada pela inflamação dos glomérulos. Existem várias doenças que provocam glomerulonefrite e quase todas apresentam hipertensão como parte dos sintomas.

Rins policísticos

Os cistos expandidos nos rins, aumentam a liberação do hormônio renina, que causa uma maior absorção de sódio nos túbulos renais e aumenta, por consequência, o risco de hipertensão.

Indivíduos com rins policísticos podem ter hipertensão mesmo quando não apresentam ainda alterações detectáveis da função renal.

Estenose da artéria renal

Estenose é um estreitamento de uma artéria. A estenose da artéria renal reduz o aporte sanguíneo para o rim. Como a pressão sanguínea que chega ao rim está muito baixa, o rim reage como se a pressão estivesse baixa em todo corpo e começa a reter mais sal e líquidos para compensar essa falsa hipotensão.

Feocromocitoma

É um tumor maligno da glândula supra-renal, que produz adrenalina. A hipertensão pode ser causada por este excesso de adrenalina.

Aldosteronismo primário

Normalmente é causado por um tumor benigno da supra-renal ou por um crescimento anormal da glândula. Leva à hipertensão devido ao aumento da produção do hormônio aldosterona, que atua no rim aumentando a absorção de sódio nos túbulos renais.

Síndrome de Cushing

Doença causada por corticoides em excesso no organismo, tanto por aumento da sua produção pela glândula supra-renal como por ingestão de corticoides sintéticos em excesso para tratamento de algumas doenças.

Apneia obstrutiva do sono

Ocorre sobretudo em obesos e caracteriza-se por períodos de apneia (interrupção da respiração) durante o sono. Metade dos pacientes apresenta hipertensão que costuma estar mais elevada no período da manhã, ao contrário do que ocorre em outras causas de hipertensão.

Outras causas de hipertensão arterial secundária:

  • Aterosclerose, hiperplasia fibromuscular, poliarterite nodosa;
  • Aumento de pressão intracraniana, quadriplegia, porfiria aguda, disautonomia familiar;
  • Acromegalia, hipotireoidismo, hipertireoidismo, hiperparatireoidismo, uso de hormônios exógenos;
  • Uso de drogas imunossupressoras, intoxicação por metais pesados;
  • Cirurgias, hipoglicemia, queimaduras, abstinência alcoólica, pós-parada cardíaca, peri operatório;
  • Gestação - Hipertensão gestacional;
  • Insuficiência aórtica, fístula arteriovenosa, tireotoxicose, doença Paget e beribéri (hipertensão sistólica).

O que é a hipertensão arterial?

A pressão alta é definida como o aumento crônico da pressão sanguínea, com valor igual ou superior a 140/90 mmHg (em indivíduos adultos, de até 74 anos, sem comorbidades como diabetes ou insuficiência renal).

Os valores da pressão arterial seguem a seguinte classificação:

  • Pressão arterial normal: valores menores ou iguais a 120/80 mmHg;
  • Pré-hipertensão: valores entre 121/81 – 139/89 mmHg;
  • Hipertensão grau I: valores entre 140/90 – 159/99 mmHg;
  • Hipertensão grau II: valores iguais ou maiores que 160/100 mmHg.

Quais as complicações da hipertensão arterial?

A pressão alta constitui um dos mais importantes fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. É responsável por pelo menos 40% das mortes por acidente vascular cerebral, 25% das mortes por doença arterial coronariana e, em combinação com o diabetes, 50% dos casos de insuficiência renal terminal.

10 Recomendações para controlar a hipertensão arterial

1. Meça a pressão pelo menos uma vez por ano;
2. Pratique atividades físicas todos os dias, ou pelo menos 40 minutos, cinco vezes na semana;
3. Mantenha o peso ideal, evite a obesidade;
4. Adote alimentação saudável: pouco sal, evite comidas gordurosas ou frituras e dê preferência a frutas, verduras e legumes;
5. Reduza o consumo de álcool. Se possível, não beba;
6. Pare de fumar;
7. Nunca pare o tratamento, é para a vida toda. Faça-o corretamente, nos horários certos;
8. Sempre siga as orientações do seu médico ou profissional da saúde;
9. Durma oito horas todas as noites, verifique se a qualidade do seu sono é boa;
10. Evite o estresse. Reserve tempo para a família, os amigos e o lazer. Garanta pelo menos uma hora por dia, todos os dias, para fazer algo que realmente gosta.

Em caso de suspeita de hipertensão arterial, um médico, preferencialmente um cardiologista, deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, se esse é o diagnóstico correto, além de orientar e prescrever o melhor tratamento, para cada caso.