Perguntar
Fechar

Qual a diferença do sangramento da nidação e do escape?

Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não há diferença entre os sangramentos, somente sabemos se foi um ou outro depois. Se foi nidação, uma gravidez deve aparecer. Se foi escape, uma gravidez não deve aparecer.

O sangramento da nidação é uma perda de sangue que ocorre no momento em que o óvulo fecundado fixa-se na parede interna do útero, logo no início da gravidez. Já o sangramento de escape, também chamado spotting, é aquele que ocorre fora do período menstrual, daí ser conhecido também como sangramento intermenstrual.

O sangramento de nidação é um tipo de escape. No entanto, utiliza-se o termo “nidação” para diferenciá-lo dos outros tipos de sangramento, já que essa perda de sangue é característica do começo da gestação.

Tanto no sangramento de escape como no de nidação, há uma perda de sangue pequena, sendo observadas pequenas gotas de sangue na calcinha. Esse tipo de sangramento não é suficiente para cobrir um absorvente.

A ocorrência de sangramento de escape no início da gestação também pode ser sinal de gravidez ectópica, que ocorre quando o óvulo fecundado se desenvolve fora do útero. Trata-se de uma condição que pode ser fatal se não for tratada.

Sangramento de escape pode ser gravidez?

Sim, um sangramento de escape pode ser gravidez. Porém, a nidação nem sempre causa sintomas e nem todas as mulheres apresentam sangramento. Por outro lado, algumas gestantes podem ter escape durante as primeiras 20 semanas de gravidez.

Além da nidação, a ocorrência de sangramento de escape no 1º trimestre de gravidez pode ainda ser devida a relações sexuais, infecções e alterações hormonais.

As causas mais graves de escape no 1º trimestre de gestação incluem:

  • Aborto espontâneo: quase todas as mulheres que abortam espontaneamente têm sangramento antes do aborto;
  • Gravidez ectópica: pode causar sangramento e cólicas;
  • Gravidez molar: ocorre quando o óvulo fertilizado se implanta no útero e não se desenvolve.

A gestante deve procurar atendimento médico se apresentar:

  • Sangramento intenso;
  • Sangramento com cólicas ou dor;
  • Tontura e sangramento;
  • Dor no abdômen ou na pelve.

O que pode causar sangramento de escape?

  • Miomas uterinos ou pólipos uterinos ou cervicais;
  • Alterações hormonais;
  • Inflamação ou infecção do colo do útero ou do útero;
  • Lesão ou doença na vagina causada por relações sexuais, trauma, infecção, pólipo, verrugas genitais, úlcera ou varizes;
  • Uso de DIU;
  • Gravidez ectópica;
  • Aborto espontâneo;
  • Complicações na gravidez;
  • Secura vaginal devido à falta de estrógeno após a menopausa;
  • Estresse;
  • Usar anticoncepcional hormonal de forma irregular, como iniciar e interromper ou pular pílulas anticoncepcionais, adesivos ou anéis vaginais;
  • Hipotireoidismo;
  • Uso de anticoagulantes;
  • Câncer ou lesões pré-cancerígenas no colo do útero, útero ou trompas de Falópio;
  • Exame pélvico, biópsia cervical ou outros procedimentos no colo do útero ou endométrio.

O sangramento vaginal que ocorre entre os períodos ou após a menopausa pode ser causado por vários problemas. A maioria é benigna e pode ser facilmente tratada. Em alguns casos, o sangramento pode ser sinal de câncer ou pré-câncer. O risco de desenvolver câncer aumenta para aproximadamente 10% em mulheres com sangramento na pós-menopausa.

Portanto, qualquer perda de sangue deve ser avaliada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista.