Perguntar
Fechar

Adolescência

Minha filha tem 7 anos e notei que os seios estão nascendo!

Esse inchaço pode ser o botão mamário, pode acontecer de iniciar num lado antes que ou outro, isso é sinal que os hormônios dela estão começando a entrar em atividade. Porém para saber com certeza o ideal é um médico examinar as mamas dela para realmente dar o correto diagnóstico.

Tenho 14 anos e queria muito colocar um piercing...

Melhor escutar seus pais. Você pode se machucar, colocar no lugar errado, infeccionar e a infecção pode se espalhar e você morrer por septicemia, mas por sorte, isso só acontece as vezes.

Depois da primeira menstruação tudo para de crescer?

O desenvolvimento do corpo da mulher se mantém por mais dois ou três anos após a primeira menstruação. Se não está contente com seu corpo procure ajuda de um médico, ele poderá te avaliar e conduzir algum tipo de tratamento se houver indicação.

Tenho 19 anos, posso tomar o remédio GH para crescimento?

Somente pode tomar os remédios que seu médico prescrever. Pode tomar GH, mas não vai mais crescer não, na sua idade crescer é muito improvável. Para o uso desse medicamente precisa de uma avaliação para ver se ainda pode crescer se não poder mais crescer de nada adiante tomar o medicamento, procure um endocrinologista.

Tenho 16 anos e 1,61m o que preciso fazer para crescer mais?

Precisa ir ao médico (endocrinologista ou neuroendocrinologista ou pediatra ou qualquer médico) que possa começar uma investigação para apurar as causa de sua baixa estatura e a partir do diagnóstico planejar um tratamento.

Tenho 17 e desde cedo tenho problema com meus seios...

Precisa ir num ginecologista que examinará seus seios e dirá para você o que pode ser feito a respeito e se é ou não "normal". Apenas pela sua descrição é difícil dizer qualquer coisa, neste caso você realmente precisa ser examinada, apesar de que pode sim ser uma característica do seu corpo essas alterações e podem não representar nenhuma doença, talvez sejam esteticamente "anormais".

Tem como o ginecologista saber se rompi o hímen? E se eu não quiser que conte aos meus pais?

Sim. Na maioria das vezes o médico consegue através do exame físico, confirmar se o hímen foi rompido. A não ser que tenha uma condição menos comum, chamado de hímen complacente, o qual nem sempre é rompido nas primeiras relações.

Quanto a contar aos pais, vai depender de alguns critérios.

De acordo com o Estatuto da criança e do adolescente, de acordo com o Código de Ética Médica artigo 74, e consultas públicas junto ao Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre princípios da autonomia e da privacidade em relação a menores de idade, fica estipulado que o médico deve se basear nos seguintes fundamentos:

1. A idade do menor. Baseado no Código Penal Brasileiro, relação sexual com menores de 14 anos configura estupro, sendo assim, nesses casos, o médico deve acolher, orientar, e obrigatoriamente comunicar aos pais ou representantes legais o fato; 

2. Menores com idade entre 14 e 18 anos, o médico deve se basear no discernimento de cada um, ou seja, se o médico entender que o/a menor apresenta condições físicas, fisiológicas, mentais e psicológicas para iniciar atividade sexual, seguindo os cuidados necessários para manter sua saúde física e não apresentar riscos previsíveis para sua vida, poderá manter o sigilo e confiabilidade, acompanhando e oferecendo as devidas orientações; .

3. Se entender ou suspeitar que haja abuso sexual, deve obrigatoriamente quebrar o sigilo e também contar aos pais ou responsáveis legais, independentemente da idade ou discernimento, visando a proteção da saúde do/a menor.

Portanto cabe ao médico avaliar e proteger todo/a menor, principalmente com idade inferior a 14 anos, com vida sexualmente ativa, na questão de acolhimento, aconselhamento, orientações adequadas e sigilo médico.

O índice de doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids, vem crescendo consideravelmente entre crianças na idade de 11 e 13 anos. Confirmando que esta prática, além de trazer prejuízos ao organismo das crianças, podem trazer consequências irrecuperáveis.

Para maiores esclarecimentos, deve agendar consulta com médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista.

Saiba mais sobre esses assuntos em:

Quais as causas do transtorno de conduta?

As causas do transtorno de conduta podem ter origem em fatores genéticos e ambientais. A formação da personalidade ocorre até aos 18 anos e é influenciada pelo próprio temperamento da pessoa, presente desde o nascimento, e pelo caráter, adquirido no meio e que traz as ideias de certo e errado, bem como as normas e as condutas a serem seguidas.

Além disso, existem ainda fatores genéticos, complicações e condições durante a gestação e experiências vividas na infância que exercem um papel importante na formação da personalidade da pessoa.

O transtorno de conduta pode ser considerado um tipo de distúrbio de personalidade antissocial, porém que ocorre na infância e na juventude. O transtorno tem tendência a ocorrer em pessoas cujos pais têm ou tiveram comportamentos antissociais. 

Porém, o diagnóstico do transtorno antissocial só pode ser feito a partir dos 18 anos de idade, uma vez que a personalidade ainda não está totalmente formada antes dessa idade.

Sintomas

O transtorno de conduta caracteriza-se por diversos comportamentos e atitudes que perturbam os outros, com atos perigosos ou até mesmo ilícitos. Crianças com desvio de conduta não levam em consideração os sentimentos alheios e não apresentam remorso, arrependimento ou sofrimento por suas atitudes reprováveis.

Porém, é importante ressaltar que alguns atos moralmente reprováveis são comuns na infância e na adolescência, como mentir, por exemplo.

Contudo, em crianças e adolescentes com transtorno de conduta esses comportamentos disfuncionais são duradouros (pelo menos 1 ano) e podem persistir até à idade adulta, causando sofrimento aos outros e necessidade de tratamento especializado.

Leia também: Transtorno de conduta: Quais os sintomas e como é o tratamento?

Portanto, as causas do transtorno de conduta são múltiplas, com influências internas da própria pessoa e do meio externo que podem interferir negativamente na formação da personalidade e favorecer o desenvolvimento do transtorno.