Perguntar
Fechar

Alimentação Saudável

O que não pode comer quem tem problemas de fígado?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pessoas que têm problemas de fígado devem evitar:

  • Alimentos gordurosos,
  • Alimentos fritos,
  • Açúcar,
  • Sal,
  • Bebidas alcoólicas,
  • Molhos, condimentos,
  • Creme de leite, leite, queijo, manteiga, margarina e
  • Embutidos como salsicha, salame, linguiça e mortadela.

A dieta de um paciente com problema no fígado deve contemplar alimentos integrais, com baixo índice glicêmico. O leite e os derivados devem ser desnatados. Também deve-se evitar os doces, os alimentos com alto teor de açúcar e as gorduras de origem animal.

Prefira alimentos integrais

Os carboidratos, como pão, massas e arroz, devem ser preferencialmente integrais, pois contêm mais fibras solúveis, que se unem ao açúcar e às gorduras do bolo alimentar, dificultando a sua absorção.

Diminua o consumo de carboidratos

Alimentos como pães, massas, arroz e batata devem ser consumidos em poucas quantidades. Sempre que possível, consumir a versão integral desses alimentos.

Substitua leites e derivados integrais por desnatados

O leite e os derivados como queijos e iogurtes devem ter sempre o menor teor de gordura possível. Por isso os queijos ricota e cottage são os mais aconselhados. Os demais produtos que consumir, procure sempre pelas opções de desnatados.

Evite alimentos gordurosos

Alimentos gordurosos, como carne vermelha, embutidos, alimentos industrializados e frituras devem ser evitados por pessoas com problemas no fígado. Por ser um dos órgãos que atuam na quebra e eliminação de gordura, quanto mais consumir, mais sobrecarrega o fígado, piorando o problema já existente.

Evite doces e alimentos com muito açúcar

O excesso de glicose (açúcar) aumenta os níveis de triglicerídeos no sangue, agravando os problemas no fígado, da mesma forma que as gorduras.

Aumente o consumo de frutas e vegetais

As frutas, as verduras, os legumes e os vegetais em geral são fontes de fibras, que dificultam a absorção de gorduras e açúcar, auxiliando na digestão e reduzindo a sobrecarga no fígado.

Dê preferência a alimentos com baixo índice glicêmico

Batata doce e frutas como maçã e pera liberam o açúcar mais lentamente. Isso evita picos de glicose no sangue que, em excesso, é transformada em gordura e armazenada no fígado.

Evite bebidas alcoólicas

O álcool é metabolizado pelo fígado. O abuso de bebidas alcoólicas é uma das principais causas de acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática). Além disso, o álcool é bastante calórico, tendo apenas menos calorias que as gorduras, ficando à frente do açúcar e das proteínas no que toca às calorias.

Aposte nos ácidos graxos mono e poli-insaturados

São as chamadas "gorduras boas", pois protegem o coração e os vasos sanguíneos, podendo ainda ajudar a reduzir o colesterol ruim, auxiliando uma das funções hepáticas, que é o controle do colesterol. Castanhas, nozes, amêndoas, azeite, salmão, atum, sardinha, sementes de linhaça e quinoa são alguns dos alimentos que contêm esses ácidos graxos.

A dieta para pacientes com problemas de fígado deve ser elaborada por um especialista, nutricionista ou nutrólogo, de acordo com as recomendações do médico hepatologista.

Leia também: Esteatose hepática tem cura? Qual o tratamento?

Alimentação Saudável – Sopinha do Bebê
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Uma alimentação saudável e completa que forneça, adequadamente, todos nutrientes para as crianças e propicie o seu desenvolvimento é uma das preocupações que as mães têm. Para aquelas que já tiveram filhos vale a pena relembrar e para as mães de primeira viagem essa é uma boa forma de aprender. Vou passar aqui uma receita de sopinha ou papinha salgada para bebês e crianças que uso há vários anos para meus pacientes.

Esta receita pode ser usada como a primeira forma de alimento salgado que você está dando para seu filho (início de alimentos salgados) ou pode ser usada para crianças de qualquer idade para proporcionar uma alimentação saudável e de qualidade, ricas em vitaminas, sais minerais, proteínas e carboidratos (a receita contém pouca ou quase nenhuma quantidade de gordura). Em situações especiais ela pode ser adaptada por um nutricionista ou médico para corresponder as necessidades especiais de crianças com algum distúrbio alimentar ou nutricional.

Quando não tinha filhos eu contava apenas com o relato das mães que geralmente aprovavam a receita, o feedback sempre era positivo. A receita para uma alimentação saudável que vou ensinar é simples, economicamente viável, fácil de fazer e saborosa, as crianças aceitam bem. Porém eu sempre ficava com certo receio, será que era totalmente confiável? Consegui a resposta para essa minha pergunta somente quando tive meus dois filhos. Usei a mesma receita da sopinha para os dois e os resultados realmente foram ótimos. Salvo o paladar muito exigente de alguns bebês (vou dar algumas dicas para esses também), essa receita de sopinha para o bebê, além de ser muito gostosa, é bastante nutritiva e tem todos os ingredientes essenciais que as crianças precisam.

Receita da sopinha ou papinha salgada para bebês:

Ingredientes:

  • 1 pedaço de carne inteiro;
  • 1 folha de verdura inteira;
  • Legumes picados a vontade;
  • Alho e cebola picados bem fino;
  • Um pouco de sal;
  • Arroz ou Macarrão.

Modo de preparo: Coloque em uma panela água e um pedaço de carne (a carne pode ser de qualquer tipo: frango ou músculo de boi são as mais comumente usadas), coloque no fogo para cozinhar a carne. Após começar a cozinhar acrescente uma folha verde inteira, se a folha for pequena pode ser mais que uma folha (sugestões: couve, alface, repolho, espinafre, brócolis, folha de beterraba, folha da couve-flor); acrescente os legumes picados em pedaços (sugestões: batatinha, chuchu, cenoura, abóbora, abobrinha, mandioca, batata doce, couve-flor, brócolis, vagem ou feijão de vara); acrescente o alho e cebola picados bem finos; um pouco de sal e por último o arroz ou macarrão.

Importante: a água serve apenas para cozinhar os alimentos, coloque apenas o suficiente para sobrar pouca água na panela quando a sopinha estiver pronta. O pedaço de carne você retira fora nas primeiras vezes que seu bebê está recebendo a sopa, conforme o bebê vai se familiarizado com a sopa e engole os alimentos com segurança você pode começar a desfiar a carne e dar para ele comer. A folha verde também pode ser retirada fora no final do cozimento, apenas deixe se ela for de algum vegetal que se desmancha facilmente após cozido. Uma outra coisa importante é que você não precisa por todas as verduras e legumes que foram sugeridos acima, um único tipo de folha e dois ou três tipos de legumes já são suficientes, tente variar quando for fazer novamente a sopa, deixe seu filho experimentar vários sabores diferentes isso vai aguçar seu paladar.

O sal é em pequena quantidade igual a “sopa de hospital”. O alho e a cebola você vai colocar sempre, caso você não goste, este é um problema seu, a sopa é para seu bebê e não para você. Acostume seu filho a todos os sabores, para ele acostumar-se a comer qualquer tipo de alimento, além de que o alho e a cebola são nutritivos e importantes para seu filho. Evite colocar arroz e macarrão na mesma sopa, opte uma vez pelo arroz e outra vez pelo macarrão, isso muda bastante o sabor da sopa e essa mudança é importante para o bebê não “enjoar”, se você fizer todos os dias a sopa com o mesmo gosto as crianças tendem a começar a repudiar o alimento.

Importantíssimo: Jamais, em hipótese alguma bata os alimentos no liquidificador (se fizer e eu descobrir você estará encrencada.). Coloque a sopa no prato e amasse com garfo, no começo amasse bastante e conforme a criança aprende e tem segurança para engolir vá amassando cada vez menos. Permita a seu filho sentir o gosto e também a textura dos alimentos, esse será um aprendizado muito importante para o desenvolvimento intelectual dele.

A quantidade de sopa que seu filho vai comer deixe ao critério dele, assim como você fazia com o peito ou a mamadeira, ele vai parar de comer assim que estiver satisfeito. Importante é você disciplinar ele para os horários das refeições. Dar a sopa na hora do almoço e também no jantar todos os dias. Evitar o consumo de outros alimentos próximo do horário das refeições para não atrapalhar o apetite da criança.

Armazenamento: Uma dúvida comum é se pode dar a mesma sopa mais de uma vez. Sim você pode preparar uma quantidade de sopa que dê para mais de uma vez, pode guardar na geladeira por até 24 horas (apenas aqueça a quantidade de sopa que o seu bebê vai comer naquela refeição o restante deixe na geladeira) e se preferir pode congelar em quantidades exatas para uma refeição e descongelar somente quando for dar para seu bebê (neste caso o tempo máximo de armazenamento que eu recomendo é de 30 dias). Pode usar o microondas tanto para aquecer como para descongelar.

Tomar ômega 3 emagrece?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Estudos recentes mostraram que o ômega 3 pode, além dos benefícios já conhecidos, ajudar no emagrecimento. Isso ocorreria por uma ação direta no controlar o apetite e favorecer o aumento da ação da insulina, que transforma o açúcar em energia antes que seja armazenado sob a forma de gordura no organismo.

Entretanto, mais estudos são necessários para a confirmação deste efeito, e lembrando que qualquer processo de emagrecimento não é possível apenas com uma ação, ou um alimento. É fundamental a associação de uma dieta balanceada, com poucas calorias e atividades físicas regularmente.

O ômega 3 age no organismo, estimulando uma proteína capaz de potencializar a ação da insulina. A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas e serve para transportar a glicose (açúcar) para dentro das células. No interior da célula, a glicose é transformada em energia, que é então utilizada para manter o funcionamento do corpo.

A parte do açúcar ingerido que não é usado pelo organismo é armazenada na forma de gordura corporal. Quando o ômega 3 aumenta a ação da insulina, aumenta a captação de glicose pelas células, e isso permite que o organismo utilize esse excesso de açúcar circulante antes que ele seja transformado em gordura e armazenado pelo corpo, favorecendo o emagrecimento.

Outro benefício observado pelo ômega 3 para a perda de peso, é a sua capacidade de regular os níveis do hormônio leptina. Este hormônio, secretado pelas células de gordura do corpo, informa o cérebro quando devemos parar de comer. Por isso pode-se dizer que o ômega 3 ajuda a controlar o apetite.

É importante frisar que o ômega 3 pode ajudar a emagrecer, atuando como um auxiliar no processo de emagrecimento. Para haver perda de peso e manutenção do peso ideal, é necessário manter uma alimentação equilibrada, com baixas calorias.

O ômega 3 está presente principalmente em peixes como salmão, atum, sardinha, truta, cavala e arenque. O consumo indicado, deve ser de uma porção 3x por semana.

Clique aqui para saber quais são os alimentos com mais ômega 3.

Já a utilização de cápsulas de ômega 3 deve ser indicada por um/a médico/a ou nutricionista, que deve levar em conta o histórico da pessoa e as suas necessidades, indicando quanto, quando e como ela deve tomar esse suplemento.

Também pode lhe interessar:

Para que serve o ômega 6?

Quais são os benefícios do ômega 3?

O consumo de cápsulas de ômega 3 é desaconselhado em alguma situação?

Ômega 3 aumenta o colesterol?

Ômega 3, 6 e 9: Para que servem e quais são os seus benefícios?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os ômegas 3, 6 e 9 são gorduras saudáveis que servem principalmente para prevenir derrames, infartos e tromboses, atuando sobretudo na redução das taxas de colesterol ruim e triglicerídeos sanguíneos.

Além disso, os ômegas 3, 6 e 9 são essenciais para a construção da membrana celular, trazem benefícios para a pele, sistema imunológico, cognição, emagrecimento, contribuindo de diversas formas para o bom funcionamento do organismo.

Ômega 3

O ômega 3 (ácido alfa-linolênico) "afina" o sangue, ajudando a impedir a formação de placas de gordura e coágulos (trombose) que podem provocar infarto do miocárdio e derrames. Por diminuir a viscosidade do sangue, ele também melhora a circulação sanguínea, aumentando a nutrição e oxigenação dos tecidos.

Outra capacidade do ômega 3 é a de diminuir o colesterol ruim (LDL) e os triglicerídeos e aumentar o bom colesterol (HDL). Assim, o ômega 3 previne o depósito dessas gorduras nas paredes das artérias (aterosclerose), uma das principais causas de ataque cardíaco.

O ômega 3 também tem ação vasodilatadora, ou seja, relaxa as artérias, ajudando a baixar a pressão arterial.

Na gravidez, auxilia o crescimento e o desenvolvimento do feto e de todo o seu sistema nervoso, estimulando o cérebro e potencializando as transmissões entre as células nervosas. Após o nascimento, principalmente entre os 6 e os 12 meses de idade, o ômega 3 aumenta o campo de visão e o desenvolvimento neuropsicomotor da criança.

O uso de ômega 3 também é benéfico para a saúde mental e cognição, melhorando o humor, a motivação, a memória, a concentração e o aprendizado.

Por ajudar a controlar o apetite e potencializar a ação da insulina, o ômega 3 pode contribuir para o processo de emagrecimento.

Saiba mais em: Tomar ômega 3 emagrece?

O ômega 3 está presente principalmente em peixes como salmão, atum, sardinha, truta, cavala e arenque. Médicos sugerem o consumo de peixes na alimentação, pelo menos duas vezes por semana.

Ômega 6

O ômega 6 (ácido linoleico) age principalmente no controle do colesterol, reduzindo o colesterol ruim e os triglicerídeos. Assim, o ômega 6 ajuda a prevenir doenças cardiovasculares.

Os benefícios do ômega 6 estão relacionados com o seu efeito sobre os vasos sanguíneos. Ele previne a formação de coágulos que podem se desprender da parede da artéria e obstruir o fluxo sanguíneo (trombose) mais adiante, causando infarto do miocárdio (ataque cardíaco) e acidente vascular cerebral ("derrame").

O ômega 6 também evita o depósito de gordura (colesterol) nas paredes das artérias, uma condição chamada aterosclerose, considerada uma das principais causas de infarto do miocárdio.

Além disso, atua positivamente no sistema imunológico, na regulação da temperatura corporal e no equilíbrio de água pelo corpo.

Assim como o ômega 3, o ômega 6 é considerado essencial, já que não é produzido pelo organismo e, portanto, precisa ser ingerido através da alimentação. As principais fontes de ômega 6 são os óleos de girassol, milho e soja, as castanhas e as nozes.

Ômega 9

Diferentemente dos ômegas 3 e 6, que não são produzidos pelo organismo e por isso precisam ser obtidos através da alimentação, o ômega 9 pode ser sintetizado pelo corpo, desde que haja ômega 3 e 9 disponíveis.

O ômega 9 (ácido oleico) desempenha um importante papel na produção de hormônios, além de contribuir para níveis mais saudáveis de triglicerídeos e ajudar a baixar os níveis de colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL).

Esses benefícios do ômega 9 são devidos à boa quantidade de fitosteróis que ele possui, e que também podem auxiliar na diminuição da circunferência abdominal.

O ácido oleico oferece uma poderosa ação anti-inflamatória e antioxidante, combatendo a ação nociva dos radicais livres, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares, câncer e envelhecimento precoce.

O ômega 9 está muito presente no azeite, mas também pode ser encontrado em grandes quantidades nos óleos de sementes de uva, canola, gergelim, girassol, soja, palma. Outras fontes de ômega 9 são as castanhas, amêndoas, nozes e o abacate.

Também podem lhe interessar:

Quem não pode tomar ômega 3?

Ômega 3 aumenta o colesterol?

Posso tomar Ômega 3 na gravidez?

Tenho muitas câimbras nas pernas...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

As câimbras pode ou não estarem relacionadas a problemas de saúde, na maioria das vezes não tem um significado clínico importante, mas é muito ruim sentir câimbras e o ideal é você tentar descobrir porque está tendo-as. Reduza a quantidade de leite e aumente a quantidade de frutas na sua alimentação isto pode ajudar e procure um médico.

Leia também:

Câimbra na panturrilha: o que pode ser e o que fazer?

O que são espasmos musculares e quais as causas?

Para que serve o ômega 6?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O ômega 6 serve principalmente para reduzir o colesterol ruim (LDL) e os triglicerídeos, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares, infarto e derrames.

Os benefícios do ômega 6 estão relacionados principalmente com o seu efeito sobre os vasos sanguíneos, por prevenir a formação de coágulos que podem se desprender da parede da artéria e obstruir o fluxo sanguíneo (trombose), causando infarto do miocárdio (ataque cardíaco) e acidente vascular cerebral ("derrame").

O ômega 6 também evita o depósito de gordura (colesterol) nas paredes das artérias, uma condição chamada aterosclerose, considerada uma das principais causas de infarto do miocárdio.

Além disso, o ômega 6 atua positivamente no sistema imunológico, na regulação da temperatura corporal e na perda de água pelo corpo.

Também conhecido como ácido linoleico, o ômega 6 é um ácido graxo poli-insaturado, um tipo de gordura "boa" encontrada em alguns alimentos sob a forma de óleos.

Assim como o ômega 3, o ômega 6 é considerado essencial, já que não é produzido pelo organismo e, portanto, precisa ser ingerido através da alimentação. As principais fontes de ômega 6 são os óleos de girassol, milho e soja, as castanhas e as nozes.

Apesar dos seus benefícios, a ingestão de ômega 6 em excesso pode aumentar o risco de processos inflamatórios no corpo e outros efeitos indesejáveis, portanto para mais esclarecimentos quanto a quantidade de consumo e fontes de nutrição do óleo, é importante que agende uma consulta com seu médico da família, nutrólogo ou nutricionista.

Saiba mais em:

Para que serve o ômega 3?

Quem não pode tomar ômega 3?

Ômega 3, 6 e 9: Para que servem e quais são os seus benefícios?

Fiz colonoscopia e endoscopia e apareceu...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Meu parecer não é diferente da opinião que você já tem, quando faz um exame precisa estar preparada para todas as possibilidades, o mais importante é que você fez o certo e é uma pessoa preocupada com a saúde e com a prevenção, continue assim.

Quais são os alimentos com ômega 3?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os alimentos ricos em ômega 3 são os peixes marinhos de água fria e profunda, como salmão, sardinha, cavala, arenque e atum. O ômega 3 também está presente em boas quantidades em alguns alimentos de origem vegetal, como sementes de linhaça, amêndoas, nozes e óleos de canola e soja.

Os peixes de água salgada são mais ricos em ômega 3 porque se alimentam de algas que têm grandes concentrações desse nutriente.

Contudo, peixes brancos com pouca gordura, como o bacalhau e o linguado, fornecem baixas doses de ômega 3 e não são considerados boas fontes desses ácidos graxos.

Já os óleos de canola e soja contêm 9% e 7% de ômega 3 em suas composições, respectivamente.

O consumo diário de ômega 3 deve ser superior a 1,8 g, o equivalente a 300 g de peixe por semana.

O ômega 3 é uma gordura necessária para o nosso organismo, sobretudo pelos benefícios que traz ao sistema cardiovascular, prevenindo a formação de coágulos (trombose) e o depósito de gordura nas paredes das artérias.

Saiba mais em: Quais são os benefícios do ômega 3?

Por isso, recomenda-se o consumo de peixes ricos em ômega 3 ou de alimentos vegetais com esse nutriente pelo menos duas vezes por semana. Vale lembrar que, embora nem todos os peixes sejam boas fontes de ômega 3, o consumo regular de diferentes tipos de peixe pode fornecer quantidades significativas do nutriente.

Também podem lhe interessar:

Ômega 3 aumenta o colesterol?

Posso tomar ômega 3 na gravidez?

Ômega 3, 6 e 9: Para que servem e quais são os seus benefícios?

Faço tratamento de depressão e uso medicamento controlado...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não existe uma alimentação específica para quem está tomando esse medicamento ou mesmo para quem está com depressão (na verdade o uso específico de alguns tipos de alimentos pode trazer benefícios para alguns pacientes com depressão). O ideal é você ter uma dieta equilibrada e saudável, comer nos horários corretos, muita fruta, vegetais, grãos e cereais, beber bastante líquido e fazer exercícios regularmente.

Como ganhar massa muscular?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Só existe uma maneira de ganhar massa muscular: exercícios físicos. Os complementos alimentares ajudam, mas apenas quando associados com exercícios físicos, porém uma boa alimentação rica em frutas, verduras, carnes, ovos e leite associado com os exercícios físicos fazem o mesmo efeito que os suplementos alimentares.

Quais os alimentos que contêm carboidratos?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Quase todos com exceção das carnes e dos vegetais que comemos apenas as folhas. Claro que a quantidade de carboidratos varia bastante de alimento para alimento. Os que contêm mais carboidratos são os alimentos doces em geral, todos aqueles preparados a base de farinha de qualquer tipo e alimentos como batata, arroz (todos aqueles que depois de cozidos ficam parecendo uma massa).

Reeducação alimentar: o que é e como fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A reeducação alimentar consiste numa mudança dos hábitos alimentares, baseada num cardápio balanceado e variado. O objetivo é emagrecer e manter o peso de forma saudável e duradoura, comendo de tudo um pouco, mas de forma equilibrada.

Quem faz reeducação alimentar aprende a respeitar o apetite e a saciedade, sabendo a hora certa de parar de comer. Também aprende a identificar o que desencadeia o desejo de comer e como alterar esses comportamentos automáticos.

Portanto, a reeducação alimentar envolve uma parte comportamental importante. Vale lembrar que não se trata de fazer dietas restritivas, mas mudar o comportamento diante dos alimentos.

Numa dieta restritiva, há alimentos proibidos, “bons” e “maus”, e o cardápio não leva em conta todos os aspectos considerados na reeducação alimentar.

Por isso, as dietas muito restritivas até podem fazer emagrecer rápido. Contudo, ao terminar a dieta, a pessoa volta aos velhos hábitos alimentares e acaba por engordar novamente, é o chamado “efeito sanfona”.

Como deve ser o cardápio na reeducação alimentar?

A reeducação alimentar é diferente das dietas para emagrecer, cujos cardápios são quase sempre compostos por alimentos mais saudáveis e com poucas calorias. O cardápio da reeducação alimentar não é fixo e não tem restrições de alimentos. Não há alimentos proibidos e permitidos, mas sim uma mudança na forma de se alimentar.

Na reeducação alimentar, o profissiona especialista desenvolve junto com a pessoa, um plano alimentar, seguindo suas preferências, rotina, estilo de vida e cultura. Não é necessário deixar de consumir nenhum alimento, mas sim aprender o momento certo de consumir cada um e quais os alimentos devem fazer parte da alimentação diária.

Na reeducação alimentar, não há alimentos bons ou maus. O objetivo é mudar o comportamento alimentar, de maneira com que aprenda a comer tudo o que gosta de forma moderada, com prazer e sem culpas ou medos.

Reeducar a alimentação não implica deixar de comer o que gosta e passar a comer basicamente frutas, vegetais e alimentos saudáveis e pouco calóricos. Trata-se de comer de tudo, mas sem exagerar, com equilíbrio. O que importa é a quantidade, a frequência e a forma como se come.

A pessoa que deseja fazer uma reeducação alimentar deve procurar um/a nutricionista.

Leia também: 7 Erros que você não pode cometer se quer emagrecer