Perguntar
Fechar
É normal a menstruação descer se estou amamentando?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim é normal. Amamentando, geralmente, a menstruação costuma não vir, porém ela pode vir normalmente ou vir de forma irregular.

O retorno da menstruação pode variar de mulher para mulher, em mulheres que estão amamentando intensamente e frequentemente a menstruação pode demorar até meses para retornar. Sendo que algumas mulheres podem mesmo voltar a menstruar apenas quando iniciam a alimentação complementar da criança, já que diminuem a frequência da amamentação.

Por outro lado, mulheres que complementam a alimentação com fórmula infantil desde cedo e amamentam menos regularmente podem voltar a menstruar antes, entre 4 a 8 semanas pós parto.

A menstruação muda durante a amamentação?

É possível que a menstruação após o parto e durante o período que a mulher está amamentando também apresente uma certa irregularidade ou mudança no padrão de sangramento anterior a gravidez.

O sangramento da menstruação pode ser mais ou menos intenso do que aquilo que a mulher estava habituada, essas mudanças também são normais durante esse período.

Muitas mulheres referem um efeito positivo que é a diminuição das cólicas menstruais, sendo que após o parto algumas mulheres deixam de ter cólicas menstruais

O anticoncepcional interfere na menstruação no período pós parto?

É válido ressaltar que o próprio anticoncepcional tomado também pode interferir com o padrão de sangramento. Os anticoncepcionais só de progestógenos em baixas doses, como é o caso do Norestin, podem ocasionar mudanças no padrão menstrual levando a irregularidades no fluxo menstrual.

É possível que ocorra aumento ou diminuição da frequência de sangramento, presença de sangramento de escape ou mesmo ausência da menstruação. Todos esse são efeitos possíveis de acontecer.

Para mais informações e esclarecimentos consulte o seu médico de família ou ginecologista.

Quais os riscos para o bebê de tomar pílula do dia seguinte enquanto estiver amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, nenhum efeito adverso no crescimento ou desenvolvimento do/a bebê foi observado em estudos científicos. Portanto, o uso esporádico da pílula do dia seguinte, após 6 semanas do parto pode ser feito por mulheres que estão amamentando.

O uso da pílula do dia seguinte pode acarretar riscos às mulheres quando usado nas 6 primeiras semanas após o parto. Isso se deve ao aumento de chance na ocorrência de eventos trombogênicos na mulher

Mulheres que estão amamentando podem usar a pílula do dia seguinte após as 6 primeiras semanas do parto. Porém, é importante lembrar que a pílula do dia seguinte é uma medicação de emergência e não um método anticoncepcional que deve ser usado de rotina.

A mulher que está amamentando e não deseja engravidar deve usar um método anticoncepcional apropriado a seu perfil. Por isso, consulte o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico geral para decidirem a melhor opção no seu caso.

Leia também:

Quem não pode tomar pílula do dia seguinte?

Lactante pode fazer selagem?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A mulher amamentando até pode fazer selagem, mas o ideal é esperar o bebê já ter iniciado a alimentação, quando a quantidade de leite da mãe que o bebê ingere é menor e seu corpo já está mais protegido contra possíveis intoxicações, a selagem usa produtos químicos menos agressivos a saúde, mas ainda são produtos químicos. O ideal é que o pediatra do seu bebê aprove a realização do procedimento estético.

Norestin é eficaz contra gravidez?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, Norestin é eficaz contra a gravidez mesmo a mulher não estando mais amamentando, contudo a eficácia é menor do que se a mulher estiver a amamentar.

Sabe-se que quando a mulher está amamentando a livre demanda, ocorre cerca de 1 gravidez a cada 100 mulheres usando a pílula. Se a pilula for tomada corretamente todos os dias e no mesmo horário sem falhas, essa taxa de gravidez é ainda menor que 1 para cada 100 mulheres.

Já entre as mulheres que não estão mais amamentando ocorre cerca de 3 a 10 gravidezes a cada 100 mulheres em uso desse anticoncepcional. Da mesma forma se o uso for correto sem falhas, com a tomada diária no mesmo horário, a eficácia aumenta.

Leia também: Como tomar o anticoncepcional Norestin

Vale ressaltar que o esquecimento de um único comprimido já aumenta o risco de gravidez, principalmente entre as mulheres que já voltaram a menstruar.

Caso tenha mais dúvidas sobre o uso do Norestin e sua eficácia consulte o seu ginecologista ou médico de família.

Saiba mais sobre o uso de anticoncepcionais durante a amamentação em: Anticoncepção e Amamentação

Estou amamentando, posso tomar Amoxicilina?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode sim. Não há contra-indicações da amoxicilina na amamentação (salvo caso de alergias ou outras situações especiais constatadas pelo pediatra).

Estou amamentando e tomando Norestin, veio a menstruação!
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pode acontecer de menstruar sim, o mais comum é não vir nada, mas eventualmente a menstruação pode aparecer. O importante é continuar tomando o anticoncepcional, no mesmo horário e evitar esquecimentos, para manter a proteção contraceptiva.

Os anticoncepcionais só de progestógenos em baixas doses podem ocasionar mudanças no padrão menstrual levando a irregularidades no fluxo menstrual.

O que é o Norestin?

O Norestin é uma pílula anticoncepcional composto apenas pela noretisterona, um progestógeno em dose baixa. Por não conter estrógeno é uma pílula que pode ser usada durante todo o período de amamentação e por aquelas mulheres que não podem fazer uso de estrógeno.

Qual a eficácia do Norestin?

São pilulas que apresentam uma eficácia maior quando usadas por mulheres que estão amamentando e se forem usadas corretamente, ou seja, se forem tomadas todos os dias no mesmo horário, sem nenhum esquecimento.

Nas mulheres que estão amamentando quando as pílulas são usadas normalmente, ocorre 1 gravidez para 100 mulheres durante o primeiro ano de uso. Já em mulheres que não estão amamentando este número sobe para 3 a 10 episódios de gravidez a cada 100 mulheres por ano.

Quais os efeitos adversos mais comuns do Norestin?

O uso do Norestin pode levar a alterações do padrão menstrual podendo causar sangramento irregular, com maior ou menor frequência ou levar a amenorreia (ausência de menstruação), principalmente em mulheres que estão a amamentar.

Outros efeitos esperados são a presença de dores de cabeça, tontura,náuseas, dores abdominais, sensibilidade no seios e alterações no humor.

Para mais informações consulte o seu médico de família ou ginecologista.

Fluoxetina pode ser usada durante a amamentação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. A fluoxetina pode ser tomada durante a amamentação.

A fluoxetina é um antidepressivo bastante seguro para ser usado pelas mulheres que amamentam.

A mulher que toma antidepressivos precisa ser fortemente estimulada a amamentar, pois geralmente apresentam chance maior de abandonar a amamentação. A amamentação deve ser exclusiva nos 6 primeiros meses de vida.

Por isso, o apoio familiar e o incentivo da equipe médica são fundamentais.

Saiba mais em: Quais os efeitos colaterais da fluoxetina?

Cefalexina e tenoxicam, mas estou amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Pode e deve tomar sim, não vão fazer mal para seu bebê.

A Cefalexina e o Tenoxicam não são medicamentos contra-indicados durante a amamentação. Ou seja, a mulher pode fazer uso dessa medicação durante a amamentação conforme recomendação médica.

A cefalexina é um antibiótico indicado após a cesariana e deve ser usado pelo tempo indicado na receita médica.

O tenoxicam é um anti-inflamatório e irá contribuir na recuperação inflamatória do pós parto e também no controle da dor.

As duas medicações podem ser usadas ao mesmo tempo pois uma não anula o efeito da outra. Além disso, elas não afetam a amamentação e podem ser usadas normalmente pela mulher que está amamentando. A quantidade excretada pelo leite materno não irá fazer mal ao seu bebê.

Por isso, é importante você utilizar as medicações de forma correta no período indicado e durante o tempo previsto na receita médica. Em caso de dúvidas, converse com o/a médico/a durante a consulta de pós parto.

Pode tomar omeprazol quando está amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A medicação Omeprazol é autorizada durante a amamentação.

O Omeprazol pode ser tomado pela mulher que está amamentando, sem contra-indicações.

Ele é um medicamento utilizado para reduzir a secreção ácida do estômago. A sua excreção pelo leite materno é quase insignificante, por isso, não apresenta danos para o bebê que está em aleitamento materno.

Sendo assim, o Omeprazol é uma medicação caracterizada de baixo risco para a amamentação e pode ser tranquilamente utilizada pela mulher que está amamentando.

O Omeprazol é uma medicação que serve principalmente para tratar ou prevenir úlceras no estômago e intestino, doença do refluxo gastroesofágico, azia e síndromes causadas pelo aumento de ácido no estômago. Ele pode ter outras funções que o/a médico/a poderá explicar durante a consulta.

Caso você tenha outras dúvidas, converse com o/a médico/a durante as consultas do/a seu/sua filho/a ou procure um serviço de saúde.

Leia também:

Omeprazol para que serve e quais os efeitos colaterais?

Omeprazol para esofagite e dor no estômago quanto tempo demora para fazer efeito?

Grávida pode tomar omeprazol?

Qual o anticoncepcional que não atrapalha a amamentação?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Existem anticoncepcionais especialmente desenvolvidos para uso durante a amamentação, que podem ser prescritos pelo seu médico.

Fale com o seu médico. Apenas ele poderá receitar o melhor anticoncepcional para o seu caso.

Posso tomar antidepressivo durante a amamentação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Depende do antidepressivo.

A maioria dos antidepressivos atualmente usados é de risco baixo ou muito baixo para a amamentação, ou seja, é seguro e pode tomar:

Sertralina, Fluoxetina, Amitriptilina, Clomipramina, Imipramina, Nortriptilina, Citalopram, Escitalopram, Paroxetina, etc.

Porém, há outros antidepressivos que apresentam um risco alto ou muito alto e não devem ser usados durante a amamentação: Nefazodona, Tranilcipromina, etc.

O/a médico/a que receitou o antidepressivo poderá aconselhar se o medicamento é permitido ou não durante a amamentação.

Óleo de Rícino: mulheres grávidas ou que estão amamentando podem usar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Mulheres grávidas e lactantes não podem utilizar óleo de rícino, pois pode induzir o parto e provocar intoxicações no bebê. Além disso, não há evidências científicas que comprovem as suas propriedades mais comuns: laxantes e hidratantes para cabelos e pele.

O óleo de rícino é extraído da semente da mamona. É rico em ácido rinoleico – encontrado apenas no óleo de rícino – ácido oleico (um dos componentes do ômega 9), ácido linoleico e ácido linolênico (componentes do ômega 6). Além destas substâncias, também contém ácido pálmico, ácido esteárico, sais minerais e vitamina E. Na semente existe uma toxina bastante poderosa solúvel em água chamada ricina. Como é um óleo, não se mistura à toxina durante a extração.

Óleo de Rícino Usos populares do óleo de rícino Aplicação do óleo de rícino nos cabelos

É bastante comum a utilização do óleo do rícino para restaurar, hidratar os fios, e estimular o crescimento dos cabelos. É também utilizado para combater a oleosidade excessiva e a caspa, embora sua propriedade antifúngica não seja comprovada cientificamente em seres humanos.

Para estes efeitos, o óleo de rícino é misturado ao condicionador ou creme de hidratação capilar.

Aplicação do óleo de rícino na pele

Na pele o óleo de rícino é utilizado para tratar acne e oleosidade, hidratar e prevenir o envelhecimento e como um cicatrizante natural.

Para estes casos adiciona-se o óleo de rícino ao creme hidratante. Sua aplicação deve ser feita com a pele limpa, de preferência após banho morno quando os poros estão abertos. Isto assegura uma melhor absorção do creme e do óleo.

Outras aplicações do óleo de rícino

Por vezes, o óleo de rícino é também popularmente usado como protetor hepático, anti-histamínico e anti-inflamatórios. No entanto, estes efeitos foram observados em estudos com ratos realizados em laboratório. Ainda não há comprovação com testes efetuados em seres humanos.

A ação antifúngica do óleo de rícino foi encontrada em poucos estudos e precisa ser melhor esclarecida.

Por que mulheres grávidas não podem utilizar óleo de rícino?

Existem estudos científicos que mostram que o óleo de rícino é capaz de induzir o parto. Isto significa que a sua utilização por mulheres grávidas pode resultar em parto prematuro com risco de morte do bebê.

Embora o mecanismo de indução do parto ainda não seja completamente conhecido, mulheres grávidas não podem ingerir e nem aplicar óleo de rícino na pele ou cabelos. No caso do uso tópico, por meio da aplicação nos cabelos ou pele, não se sabe se a quantidade de óleo de rícino absorvida poderá induzir o parto, portanto esta forma de utilização também não é segura.

Por que mulheres que estão amamentando não podem utilizar óleo de rícino?

Todos os produtos que são aplicados na pele e cabelos ou ingeridos por uma mulher que está amamentando são absorvidos e podem alterar a composição do leite materno. A presença do óleo de rícino no leite materno pode desencadear vômitos e intoxicação no bebê, além de outros efeitos ainda desconhecidos. Por estes motivos, lactantes não podem fazer uso do óleo de rícino.

É importante que mulheres grávidas ou lactantes consultem o/a médico/a antes de usar qualquer produto, ou efetuar qualquer tratamento nos cabelos e pele. Isto reduz o risco de complicações para mãe e bebê.