Perguntar
Fechar
Depois de quanto tempo posso beber após tomar antibiótico?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Idealmente, não se deve misturar bebidas alcoólicas com antibióticos, durante todo o curso do tratamento. O uso conjunto, reduz o efeito da medicação, comprometendo o resultado do tratamento, além de aumentar o risco de complicações, como a hepatite medicamentosa.

Quanto tempo depois de parar de tomar antibiótico posso beber?

Após o término do tratamento com antibiótico, no dia seguinte já pode fazer uso de bebidas alcoólicas, com algumas exceções. O uso de Benzetacil® representa uma das exceções, pois esse antibiótico age por aproximadamente 30 dias corridos. Sendo assim, para esse caso, o consumo de bebidas está recomendado apenas após 30 dias da injeção.

Para a Azitromicina®, Amoxacilina®, Cefalexina®, entre outros, pode ser consumido bebidas alcoólicas logo no dia seguinte do término do tratamento, sem maiores complicações.

Uma cerveja (ou taça de vinho) corta o efeito de antibiótico?

Doses pequenas, como uma lata de cerveja ou uma taça de vinho, não são totalmente contraindicadas, podendo ser consumidas horas após o uso do antibiótico. Não existe um tempo determinado ou número de horas para esse consumo, o recomendado é mesmo que seja uma dose pequena por dia.

Doses maiores do que uma lata ou uma taça de vinho, não estão recomendadas, principalmente pelos riscos e sobrecarga no fígado, que essa mistura pode causar.

Qual o risco de tomar antibiótico com bebida alcoólica?

Tanto o antibiótico, quanto as bebidas alcoólicas, são metabolizados no fígado. O uso conjunto, reduz o efeito da medicação, comprometendo o resultado do tratamento, além de aumentar o risco de complicações, como a hepatite medicamentosa.

A bebida alcoólica é capaz de inibir o hormônio antidiurético, levando a um aumento da frequência e volume de urina, por onde o antibiótico é eliminado. Assim, a medicação dura menos tempo no sangue, reduzindo seu efeito contra a bactéria ou infecção em tratamento.

Ainda, alguns tipos específicos de antibióticos muito utilizados no nosso meio, como por exemplo o Metronidazol (Flagyl®) e o Trimetoprim-sulfametoxazol (Bactrim®), quando combinados a bebidas alcoólicas, causam efeitos colaterais desagradáveis, como fortes dores de cabeça, náuseas, vômitos, palpitações e queda da pressão arterial.

Portanto, o mais adequado é mais aguardar o término do tratamento para tomar bebidas alcoólicas.

Não só a bebida alcoólica, mas alguns alimentos podem interferir na ação e eficácia dos antibióticos. Procure evitar lacticínios e tome seu antibiótico sempre com água.

Saiba mais: Existe alguma comida que corta o efeito do antibiótico?

Álcool e medicamentos

Além dos antibióticos, o consumo de bebidas alcoólicas de forma regular ou exagerada, interfere na ação de outros medicamentos, como os antidepressivos, calmantes, anti-hipertensivos e relaxantes musculares. Por vezes potencializa a sua ação, aumentando os efeitos colaterais, como náuseas, vômitos e tontura, o que gera um risco maior de quedas e intolerância ao medicamento.

O consumo de álcool aumenta também a concentração de açúcar no sangue, o que para pacientes diabéticos descompensa é bastante perigoso e prejudicial. Interfere na pressão arterial dependendo da medicação em uso e na concentração de gordura no sangue.

Os anticonvulsivantes, tratamento para epilepsia tem sua ação reduzida na maioria das vezes, com o consumo de bebidas alcoólicas, colocando em risco a vida do paciente. Pois, com a redução da eficácia dos medicamentos, aumenta o risco de novas crises convulsivas.

Para maiores esclarecimentos, procure seu médico clínico geral ou médico da família.

Veja também:

Antibiótico muda a cor e o cheiro da urina e das fezes?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Alguns antibióticos podem mudar a cor e o cheiro da urina, mas dificilmente irão alterar a aparência ou o cheiro das fezes.

Entre os remédios antibióticos que podem alterar a coloração da urina, e deixá-la com uma cor avermelhada ou rosa, destaca-se a rifampicina.

Já os medicamentos antibióticos da família da penicilina (amoxicilina, ampicilina, dicloxacilina, penicilina benzatina, entre outros) podem deixar a urina com cheiro forte e desagradável.

Em relação às fezes, o efeito colateral mais comum dos antibióticos é a diarreia. Vários antibióticos podem provocar essa reação, porque acabam destruindo também as bactérias benéficas que formam a flora intestinal.

Leia também: Quais podem ser os efeitos colaterais dos antibióticos?

Se você estiver tomando antibiótico e notar qualquer mudança no seu organismo, fale imediatamente com o médico que receitou o medicamento ou procure um médico de família ou clínico geral.

Também pode lhe interessar: Urina escura: o que pode ser?

Tomar muito antibiótico faz mal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, tomar muito antibiótico faz mal, principalmente devido ao risco das bactérias se tornarem resistentes ao medicamento, o que pode causar infecções graves.

Tomar antibiótico em excesso e com muita frequência também pode provocar lesões no fígado, órgão que metaboliza a medicação, além de enfraquecer as defesas naturais do organismo, aumentando o risco infecções.

Alguns antibióticos, como a tetraciclina, podem causar manchas nos dentes e, por isso, devem ser evitados por crianças. Contudo, tais medicamentos não têm sido mais prescritos, uma vez que há novas fórmulas que não prejudicam os dentes e são mais eficazes.

É importante lembrar que os antibióticos não matam somente as bactérias que causam doenças. Ele destrói as bactérias boas e más e o nosso corpo está repleto de bactérias que exercem um papel importante na defesa do organismo.

As bactérias da flora vaginal, por exemplo, protegem a região contra outros micro-organismos que causam doenças. O uso frequente de antibióticos pode matar essas bactérias protetoras, favorecendo o desenvolvimento de infecções vaginais, como candidíase.

O mesmo acontece no intestino, que também tem a sua própria flora. O antibiótico pode destruir as bactérias que habitam o órgão, aumentando os riscos de infecções e diarreias.

Nas crianças, o uso indiscriminado de antibióticos pode prejudicar o seu sistema imunológico, favorecendo o aparecimento de doenças no futuro.

Isso porque grande parte das bactérias que vivem no aparelho digestivo contribuem para a formação de um sistema imunológico saudável na infância e, como já foi visto, o antibiótico não distingue entre bactérias boas e ruins.

Por todas essas razões, as pessoas só devem tomar antibióticos com prescrição médica e seguir à risca os horários, as doses e o tempo de tratamento. O uso incorreto do medicamento deixa o organismo menos resistente, aumenta os riscos de efeitos colaterais e tornam as bactérias mais resistentes. 

Leia também:

Tomar muitos antibióticos baixa a imunidade?

Tomar antibiótico antes da hora faz mal? O que fazer?

Quais podem ser os efeitos colaterais dos antibióticos?

Tomar antibiótico com paracetamol faz mal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. Tomar antibiótico com paracetamol não faz mal.

Paracetamol é um analgésico e antitérmico, ou seja, indicado para aliviar dores e febre. O antibiótico é uma medicação que trata infecção (geralmente causada por bactérias ou fungos). No início do tratamento com antibiótico ainda é comum ter febre e dores, por isso pode usar o paracetamol ou outro equivalente em associação com o antibiótico.

O paracetamol tem um grande potencial de causar problemas no fígado, por isso é preciso cuidado com relação ao uso junto com álcool e outras drogas (como a Isoniazida usada para tratar a tuberculose).

Use medicação apenas com indicação médica.

Leia também:

Posso tomar antibiótico com o estômago vazio?

Posso tomar antibiótico antes de uma cirurgia?

Posso tomar Amoxicilina e Paracetamol amamentando?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim, pode tomar Amoxicilina e Paracetamol e amamentar seu bebê sem problemas, nenhum dos dois medicamentos costumam fazer mal ao bebê. Salvo casos de alergias aos remédios citados. Eventualmente a Amoxicilina pode estar associada a casos de diarréia em crianças.

Tomar muitos antibióticos baixa a imunidade?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, tomar antibióticos em excesso pode baixar a imunidade. Isso porque os antibióticos não matam somente as bactérias que estão causando uma infecção, mas também aquelas que habitam naturalmente o organismo e ajudam a proteger o corpo contra micro-organismos invasores.

Existem muitas bactérias que vivem no nosso tubo digestivo, trato respiratório e pele sem causar doenças. Esses germes têm um papel importante no equilíbrio de diversas funções do corpo, como a digestão, por exemplo.

Quando essas bactérias "boas" morrem, o caminho fica livre para as bactérias "más" se proliferarem, pois deixa de haver competição entre elas.

Esse desequilíbrio na flora bacteriana deixa as defesas do organismo mais vulneráveis. É por isso que tomar muitos antibióticos pode baixar a imunidade.

Além disso, o uso abusivo ou desnecessário de antibióticos pode fazer com que algumas bactérias fiquem resistentes ao medicamento, o que pode dificultar o tratamento até mesmo de infecções comuns no futuro.

Tomar muito antibiótico enfraquece o sistema imunológico?

O uso de antibióticos não enfraquece o sistema imunológico em si, mas destrói a barreira de bactérias com a qual o sistema imune conta para defender o organismo contra micro-organismos invasores.

Por exemplo, as bactérias da flora vaginal exercem um papel importante na proteção contra outros micro-organismos infecciosos. Ao tomar antibióticos, a medicação pode matar essas bactérias protetoras e, consequentemente, desbalancear o equilíbrio entre os micro-organismos presentes. Isso pode favorecer a exacerbação de outros micro-organismos como no caso da candidíase.

Isso também ocorre no intestino, que possui a sua própria flora bacteriana. Essas bactérias, que habitam naturalmente o intestino, também podem ser destruídas com o uso do antibiótico, aumentando a ocorrência de infecções intestinais e diarreias.

Além disso, o uso indiscriminado de antibióticos em crianças pode prejudicar o sistema imunológico e contribuir no aparecimento de doenças no futuro.

Isso acontece porque boa parte das bactérias que vivem no aparelho digestivo exerce um papel importante no desenvolvimento de um sistema imune saudável na infância. Como os antibióticos matam as bactérias “boas” e “más”, as defesas naturais da criança podem ser prejudicadas.

Por isso é tão importante não tomar antibióticos desnecessariamente ou sem receita médica.

Antibióticos para Tratamento de Doenças causadas por Vírus?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

As viroses são doenças comuns e efêmeras (em poucos dias seus sintomas desaparecem) e salvo alguns casos de complicações decorrentes das viroses (amidalite, sinusite ou pneumonia), não necessitam do uso de antibióticos para seu tratamento.

Antibióticos foram desenvolvidos para o tratamento das infecções causadas por bactérias. Quando estamos diante de um quadro sintomático compatível com uma infecção respiratória de causa viral tomar antibiótico ou água tem o mesmo efeito. Os antivirais foram criados para o tratamento dos vírus, mas seu uso não tem muito significado nas viroses respiratórias comuns, porque assim que o organismo entra em contato com o vírus começa todo o processo do sistema imunológico do corpo humano para a produção de anticorpos, que aumentam muito e em poucos dias começam a combater e destruir os vírus.

O tratamento das viroses comuns resume-se a: repouso, ingestão líquidos (sucos naturais, chá), alimentação saudável (frutas), e remédios para os sintomas (febre – antitérmicos; dor – analgésicos; vômitos – antieméticos; e assim por diante). Antibióticos são remédios caros, antibióticos causam efeitos colaterais e a pior parte é que o uso indiscriminado dos antibióticos vem causando muita resistência bacteriana (as chamadas super-bactérias – bactérias resistentes a todos os antibióticos).

Antibióticos são medicamentos que “fazem milagres” quando bem indicados, porém quando usados sem controle e discernimento são uma tragédia para medicina e para as pessoas.

Antibióticos cortam o efeito do anticoncepcional?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O único antibiótico que de fato corta o efeito do anticoncepcional é a rifampicina utilizada no tratamento da tuberculose, hanseníase e meningite, seja o anticoncepcional injetável, em pílula ou adesivo.

Outros tipos de antibióticos, não demonstraram comprovação científica em limitar a eficácia do anticoncepcional.

Se a mulher precisar tomar qualquer tipo de antibiótico, ela deve informar ao/a médico/a de que usa anticoncepcional, para que o médico possa avaliar a associação de algum método de barreira com o anticoncepcional que ela já está tomando.​

Tomei uma benzetacil, posso fazer uma compressa quente?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. A compressa quente alivia a dor e o desconforto provocado pela injeção e ajuda o medicamento a ser espalhado mais rapidamente. Uma outra medida que também contribui para o alívio da dor é a massagem no local da aplicação. 

Benzetacil, é o nome comercial da penicilina benzatina, importante antibiótico usado no tratamento de diferentes infecções como faringite bacteriana e sífilis. A Benzetacil costuma ser uma injeção muito dolorosa por conta da sua formulação, que inclui pequenos cristais imersos dentro de um líquido. Além disso, para a sua administração é necessário o uso de uma agulha um pouco mais grossa, e é importante que o frasco seja bem agitado para ajudar a diluir um pouco os cristais. 

Veja: Tudo sobre benzetacil.

Caso apareçam outros sintomas, como formação de nódulo local, hematomas ou alteração de sensibilidade, procure um médico para uma avaliação. Caso contrário, a dor tende a melhorar em alguns dias.

Pode também interessar: Dor e caroço no local da injeção, o que pode ser e o que fazer?

A cerveja atrapalha no efeito do antibiótico?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, dependendo da quantidade, a cerveja pode interferir no efeito do antibiótico, assim como qualquer bebida alcoólica. Para não atrapalhar o efeito do medicamento, não é indicado beber quando em uso de antibióticos.

Isso ocorre porque a bebida alcoólica age estimulando a diurese, e quando uma pessoa urina mais, acelera também a eliminação do antibiótico circulante no corpo, podendo diminuir o efeito desta medicação.

A combinação de álcool com antibiótico também pode sobrecarregar o fígado, uma vez que ambos são metabolizados por este órgão.

Assim como o antibiótico, outras medicações de uso regular e controlado não devem ser utilizadas em conjunto com bebidas alcoólicas, evitando o risco de efeitos colaterais por interação das medicações.

Por todas essas razões, não é recomendado misturar álcool com antibióticos.

Para maiores informações quanto ao consumo de cerveja ou outras bebidas alcoólicas durante o uso do antibiótico, fale com o médico que receitou o medicamento.

Leia também:

A bebida alcoólica corta o efeito dos antibióticos?

Existe alguma comida que corta o efeito do antibiótico?

Amoxicilina corta o efeito do anticoncepcional?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Apesar de alterar a flora intestinal, assim como outros antibióticos, o que poderia causar uma absorção menor do hormônio estrogênio do anticoncepcional no trato gastrointestinal, reduzindo a ação do medicamento, esse efeito não foi comprovado cientificamente no caso da Amoxicilina. 

O único antibiótico que reduz a eficácia dos anticoncepcionais comprovadamente é a Rifampicina, utilizado no tratamento para tuberculose, meningite e hanseníase.

O uso correto do anticoncepcional, 1x ao dia, buscando manter o mesmo horário, sem falhas, alcança 99% de segurança de contracepção. Caso precise fazer uso de outras medicações em conjunto é importante comunicar ao médico que está prescrevendo, todos os medicamentos que faz uso, para não correr riscos de interação medicamentosa ou redução do efeito de um deles.

Saiba mais sobre esse assunto nos links:

A penicilina (benzetacil) ainda é eficaz para garganta?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Para alguns pacientes ainda é a melhor opção, porém cada vez mais a resistência das bactérias vai aumentando, para algumas pessoas não resolve mais.